IMAGEM RARA DO FERROVIÁRIO COM O LATERAL DIREITO IVAN LOPES

Ferroviário Atlético Clube em 1977 – Em pé: Giordano, Arimatéia, Joel Maneca, Lúcio Sabiá, Ivan Lopes e Grilo. Agachados: Vanderley, Oliveira, Oliveira Piauí, Danilo Baratinha e Babá

O retrato é um registro histórico do dia 17 de Julho de 1977. Antes de jogar a partida de número 1.566 de sua jornada, o Ferroviário posou no gramado do Castelão. Nesse dia, o adversário foi o Ceará, que acabou levando a melhor ao quebrar uma invencibilidade de 12 partidas do time coral no campeonato cearense. Trata-se de uma imagem até certo ponto rara, já que não é muito comum encontrar fotografias do Ferrão trazendo o lateral direito Ivan Lopes, que só disputou aquela temporada pelo Tubarão da Barra, totalizando apenas 17 jogos na história com a camisa coral. Ivan era um jogador rodado no futebol nordestino, teve boas passagens na Paraíba e foi titular do Tiradentes/PI em momentos históricos da equipe piauense no campeonato brasileiro daquela década. O treinador desse time era o também experiente Pedrinho Rodrigues, um dos responsáveis por lançar no time principal um nome que se consagraria como astro no Brasil e na Inglaterra: o atacante Mirandinha. Da onzena da foto, o atacante Oliveira Piauí faleceu em 1981. O outro Oliveira chegou a ser treinador e supervisor do Ferrão em várias oportunidades na década de 1980. Danilo foi treinador do Tiradentes/CE no campeonato cearense desse ano.

RECORDANDO O ARTILHEIRO CORAL NO CAMPEONATO ESTADUAL DE 1977

oliveirapiaui04blog

Valente Oliveira Piaui, em meio a vários jogadores do Fortaleza, num Clássico das Cores em 1977

Mês passado, dois veteranos da crônica esportiva cearense falavam sobre jogadores do passado. Eram  Júlio Sales e Messias Alencar, conversando ao vivo na Rádio Assunção 620 AM, por volta de meio-dia. A lembrança de ambos remeteu aos anos 70 e o nome de um ex-jogador extrovertido e bom de bola ganhou notoriedade por alguns instantes. Eles falavam de Oliveira Piauí, um atacante paulista que o Ferroviário contratou junto ao Tiradentes/PI, que naquela década realizara campanha histórica no campeonato nacional. Foi exatamente no mês de março, em 1977, que Oliveira Piauí fez seu primeiro jogo com a camisa coral, entrando no segundo tempo no posto do atacante Ivanildo, numa vitória por 2×1 em cima do América/CE, válida pelo 1º turno do campeonato cearense. No jogo seguinte, contra o Guarani de Juazeiro, no Romeirão, já era titular e marcou seu primeiro gol oficial com o manto do Ferrão no empate em 2×2. No total, foram 40 jogos e 27 tentos assinalados por João Oliveira de Carvalho, o Oliveira Piauí, que logo caiu nas graças da torcida coral, cuja média de público chegou a 2.219 pagantes naquele ano. Virou ídolo, dava entrevistas interessantes e costumava dizer que sua ´sacola´ vivia cheia de gols.

oliveirapiaui01blog2

Oliveira Piauí: simpatia

Sob a presidência de Chateaubriand Arrais e o comando técnico de Pedrinho Rodrigues, que substituiu Lucídio Pontes ainda no 1º turno, o Ferroviário fez bonito. Em várias rodadas, Oliveira Piauí chegou a liberar a tábua de artilheiros do campeonato, disputando palmo a palmo com ex-craque coral Amilton Melo, goleador maior do certame com 24 gols. Apesar de uma ótima base formada pelo goleiro Giordano, os laterais Bassi e Grilo, o meia Joel Maneca, entre outras feras, o Ferrão terminou o campeonato na 3ª colocação. Oliveira Piauí deixou o clube após a temporada e foi defender o Ceará na campanha do tetra alvinegro no ano seguinte. Em 1979, seu brilhantismo mereceu a coroação de ´Rei`em Natal, atuando pelo América/RN. Depois, voltou ao futebol paulista e, em abril de 1981, quando defendia a Catanduvense/SP, uma triste notícia abalou o futebol cearense. Dela, Júlio Sales e Messias Alencar nunca esqueceram. Oliveira Piauí morreu, jovem, aos 27 anos de idade, vitimado por problemas cardíacos. Cria do simpático Juventus/SP, o ex-atacante teve uma carreira meteórica no futebol. O tempo, implacável como sempre, leva muitas vezes ao esquecimento, afinal já se vão 35 anos de seu falecimento, porém o Almanaque do Ferrão tem como propósito eternizar nomes que não merecem ser esquecidos, razão pela qual Oliveira Piauí ganha o destaque de hoje.

EM 01 DE JUNHO DE 1977, DANILO BARATINHA MARCAVA O GOL 3.000

danilo_76

Danilo: gol 3.000

Há exatamente 38 anos, o Ferroviário alcançava a marca de 3.000 gols em sua existência. Ela aconteceu no estádio Presidente Vargas, em partida válida pelo 2º turno do campeonato cearense de 1977. O adversário foi o Quixadá e um bom público prestigiou a vitória coral por 3×1, gols de Danilo Baratinha, duas vezes, e Oliveira Piauí. Mesmo sem divulgação em razão do pleno desconhecimento do fato na ocasião, um dos gols de Danilo atingiu a marca histórica somente revelada com o lançamento do Almanaque do Ferrão em 2013. Sob o comando de Pedrinho Rodrigues, o time coral venceu o jogo com Giordano, Ivan Lopes (Bassi), Lúcio Sabiá, Arimatéia e Grilo; Joel Maneca, Danilo e Oliveira; Vanderley, Oliveira Piauí e Babá (Alzir). Era a sexta vitória seguida do time coral na competição, o que garantia a privilegiada posição de líder do returno. No total, Danilo fez 124 partidas pelo time profissional e assinalou 16 gols.

VIAGEM NO TEMPO REVISITANDO DOIS UNIFORMES DO FERROVIÁRIO

Repare na foto abaixo tirada no dia 07 de setembro de 1977. Sob a gestão do presidente Chateaubriand Arrais, o Ferroviário inovava em seu padrão de uniforme e jogava com camisas com três listras verticais, sendo duas pretas e uma vermelha. Foi num empate que marcou a estreia do ex-craque coral Amilton Melo com a camisa do Ceará e era a primeira vez que o Castelão recebia uma partida de portões abertos. Talvez seja esteticamente uma das mais belas fotografias do clube com os jogadores perfilados. Analise depois outra foto com a reprodução do mesmo padrão de camisas.

Ferrão 1977_Castelão

Ferrão entrou em campo naquela tarde de 1977 para um jogo contra o Ceará com Vander, Bassi, Júlio, Joel Maneca, Arimatéia e Grilo; Vanderley, Kalu, Oliveira Piauí, Danilo e Paulo César Feio

Quatorze anos depois, em 20 de outubro de 1991, o presidente Múcio Roberto repetiu o modelo da camisa coral invertendo apenas as cores das listras, sendo duas vermelhas e uma preta. Mais uma vez o Ceará foi o adversário coral e o jogo também foi empate, graças ao goleiro Banana que defendeu um pênalti de Cláudio Adão. Esse padrão de camisa foi utilizado pouquíssimas vezes durante o campeonato cearense daquele ano.

Ferrão91_122

De novo contra o Ceará no Castelão, o Ferrão posou em 1991 com Aldo, Elmo Casquinha, Toninho Barrote, Valdemir, Adriano e Banana; Paulo Adriano, Arnaldo, Tinda, Paulinho e Cantareli

CLICK HISTÓRICO PARA LEMBRAR OS CLÁSSICOS DE 1977 CONTRA O CEARÁ

20140603_204133

Amigos e rivais ao mesmo tempo 

Muita gente sente falta do clássico Ceará x Ferroviário sendo disputado em sua plenitude. Os dois protagonizaram jogos memoráveis desde o final dos anos 1930. Os torcedores mais veteranos apontam a segunda metade da década de 1970 como a fase áurea dos clássicos locais após o advento do Castelão. O Almanaque do Ferrão resgata hoje uma foto histórica para ilustrar os confrontos do ano de 1977. Foram 6 jogos entre ambos pelo campeonato estadual, sendo 1 empate (0x0), 2 vitórias corais (3×1 e 3×2) e 3 vitórias alvinegras (0x1, 1×4 e 0x1). Oliveira Piauí (3x), Vanderley (2x), Dodô (contra) e Alzir fizeram os gols do Ferrão. Serginho Amizade (2x), Ferreti (4x), Da Costa (2x) e Felipe assinalaram os tentos pelo lado do Ceará. Na foto, o atacante Paulo César Feio e o zagueiro Arimatéia com a bela camisa coral daquela temporada e Serginho Amizade pelo Ceará. A última vez que os dois times se enfrentaram pelo estadual foi em abril de 2013.