MEMÓRIAS DA PRIMEIRA EXCURSÃO DO FERROVIÁRIO POR AÍ AFORA

parque-amazonense-campo

Parque Amazonense: palco de Manaus nos anos 40

Responda rápido: qual estado brasileiro recebeu o Ferroviário em sua primeira temporada fora de terras cearenses? Errou quem imaginou que fossem os vizinhos Piaui ou Rio Grande do Norte. Saiba que foi no distante estado do Amazonas, na cidade de Manaus, que o Ferrão atuou fora de seus domínios pela primeira vez em sua história. Era outubro de 1940 e o time coral aproveitou uma folga na tabela do campeonato cearense para excursionar por três semanas na região norte do país. Foram cinco jogos disputados no Parque Amazonense, o primeiro palco do futebol da capital do Amazonas, contra Fast/AM, União/AM, Rio Negro/AM, Olímpico/AM e Nacional/AM. Tempos em que o Ferroviário era chamado de ´Esquadrão Colosso` e tinha em suas linhas jogadores lendários como Capotinho, Zé Félix, Popó, Zuza, Pepê, Chinês, Jombrega e Mário Negrin.

parque-amazonense-2008-6

Uma das últimas fotos do Parque Amazonense

Logo no primeiro jogo da excursão, o Ferroviário foi derrotado para o Fast por 5×2. Foi apenas o jogo de número 84 da história coral. Em seguida, o Ferrão venceu o União, que era o líder do campeonato amazonense naquele período, pelo placar de 3×1. Depois veio o Rio Negro, que venceu o esquadrão coral por 3×2, com um gol de pênalti no final da partida, disputada debaixo de um temporal que caia em Manaus naquela tarde. O quarto confronto foi contra o tradicional Olímpico, contando com grande apresentação de Jombrega e Mário Negrin, e mais uma vitória coral por 3×1. Posteriormente, veio a despedida do Ferrão em terras manauaras contra o Nacional e uma grande vitória conquistada por 3×2, o que valeu a Taça Cidade de Manaus para o ´Esquadrão Colosso` de Fortaleza. O Ferroviário voltou a Manaus algumas outras vezes, porém sem nunca mais atuar no Parque Amazonense, que por sua vez foi perdendo a importância no cenário local com a construção de outros estádios, apesar de ficar a apenas 1km do centro da cidade. Apesar de não sediar jogos oficiais desde 1976, há poucos mais de três anos o campo ainda existia no mesmo local, até ser completamente desativado e liberado para construção. Ficaram as lembranças de um futebol quase que totalmente amador, mas que apresentou para a história os primeiros grandes nomes da trajetória coral.

A NOITE QUE O FERRÃO FECHOU O CAIXÃO DO PRESIDENTE ADVERSÁRIO

gDTxH5H

Justino Oliveira Filho teve que entrar no caixão

O futebol e seus casos pitorescos, aquele tipo de assunto que você conta e ninguém acredita. Pois saibam que o Ferroviário já fechou o caixão do Sr. Justino Oliveira Filho na noite de 4 de outubro de 2002, portanto há exatos 13 anos. Ele era o presidente do Tocantins Esporte Clube, time do interior maranhense que cruzou com o Ferrão na 2ª fase do campeonato brasileiro da Série C daquela temporada. No jogo de ida realizado no Estádio Bine Sabbag, na cidade de Santa Inês, o confiante dirigente apostou que entraria dentro de um caixão caso seu time perdesse dentro de casa. O atacante Guedinho fez 2 gols e o time coral venceu por 2×1. Como promessa é dívida, não se sabe de onde surgiu um caixão no estádio e Justino Filho cumpriu o prometido para delírio de apenas 80 pessoas que pagaram para ver o jogo. Dizem as más línguas que Justino era proprietário de uma funerária e usou o fato para promover sua marca. Sabe-se lá.

guedinho e danilo 2002

Guedinho e Danilo

Estamos falando do jogo 3.007 da história do Ferroviário. Após o confronto e a vergonha gerada para o presidente, o técnico Estevão Leão foi dispensado e o próprio Justino Oliveira Filho dirigiu a equipe maranhense no jogo de volta, ocasião em que o Tocantins/MA tomou de 7×0 no PV. Sob o comando de Danilo Augusto, o Ferrão atuou no confronto macabro de Santa Inês com Ivanoé, Aírton, Marcos Aurélio, Puma e Helinho; Édio, Ricardo Baiano, Adriano Cearense (Ivanildo) e Danilo (Reginaldo França); Serrinha (Nissinho) e Guedinho. Por sua vez, o adversário formou com Leandro, Orlando, Ricardo, Carlinhos e Nogueira; Washington, André, Wágner e Marquinhos; Alan e Cléber. Depois dos maranhenses, o Ferroviário ainda passou pelo Ríver/PI na terceira fase da competição, mas caiu nas quartas de final para o Nacional/AM. Aquela Série C rendeu um sabor amargo de desclassificação quando tudo levava a crer que o time coral tinha potencial para conseguir o acesso. Rendeu também várias histórias, entre elas a da hilária noite que o Tubarão da Barra fechou o caixão do presidente adversário.