FAMÍLIA FINALMENTE CONSEGUE FALAR COM EX-ATLETA NO EQUADOR

Ex-artilheiro Paulo César e seu genro em foto tirada recentemente em Guayaquil no Equador

Trinta dias depois da nossa matéria sobre as três décadas que separaram um dos maiores artilheiros corais de sua família, uma excelente notícia chegou no apagar das luzes de 2017. No último dia 30 de dezembro, por intermédio do aplicativo Whatsapp, os familiares do ex-atacante Paulo César, diretamente de Recife, finalmente conseguiram contato com ele em Guayaquil, no Equador. Paulo César conversou através de vídeo com suas irmãs que, até antes da matéria produzida aqui no blog, achavam que ele já havia falecido. A família do ex-jogador do Ferroviário relatou que foi impossível conter as lágrimas e o encontro virtual foi regado de muita emoção e grandes recordações. Desde o dia em que teve sua carteira extraviada com todos os seus documentos, contendo inclusive o número do telefone da vizinha de sua mãe em Recife, Paulo César nunca mais havia conseguido conversar com seus irmãos. Na semana passada, ele agradeceu a Deus o excelente presente de fim de ano.

Paulo César com um de seus netos

Através do bate-papo virtual, os familiares de Paulo César tomaram conhecimento que ele casou novamente no Equador nos anos 1980, quando deixou o Brasil para jogar no futebol equatoriano. Hoje, Paulo César tem três filhos, sendo uma brasileira fruto de seu primeiro casamento e um casal de equatorianos, além de doze netos. Ele mora com uma das filhas e seu passatempo favorito é brincar com seus netos. Nas horas vagas, ainda gosta de jogar futebol. O jornalista equatoriano Diego Arcos foi fundamental para esse reencontro de Paulo César com sua família no Brasil. Foi ele quem localizou uma das filhas do ex-jogador e passou o contato dos parentes brasileiros que buscavam notícias do ente querido. Na conversa, Paulo César mostrou-se bastante lúcido e lembrava de detalhes da sua infância em Recife, de todos os irmãos e até do nome da rua em quem moravam. Seus filhos equatorianos também se emocionaram bastante com a satisfação do pai.

Com a camisa do Barcelona de Guayaquil

Perguntado sobre o Ferroviário Atlético Clube, Paulo César comentou com bastante carinho sobre seu ex-clube para a família. O Tubarão da Barra foi o time em que o ex-atleta obteve mais destaque atuando no futebol brasileiro, onde vestiu também as camisas do Moto Clube/MA e do Santa Cruz/PE. Na Barra do Ceará, foram 137 partidas e 88 gols marcados com o uniforme do Ferroviário, o que o coloca como o quarto maior goleador da história do clube, atrás apenas de Macaco, Fernando e Zé de Melo. Quando se despediu do Ferrão em 1981, passou a defender a Liga de Quito no Equador, foi vice-campeão nacional, marcou 25 gols e conduziu sua equipe à Copa Libertadores. Diante do sucesso de sua primeira temporada em terras equatorianas, foi contratado pelo famoso Barcelona de Guayaquil, onde se tornou astro nas três temporadas seguintes e se transformou numa verdadeira lenda na história da equipe, marcando 6 gols em jogos da Libertadores e 55 gols no campeonato nacional entre 1982 a 1984. O Almanaque do Ferrão encerra sua primeira matéria em 2018 com um vídeo mostrando um golaço de Paulo César vestindo a camisa do Barcelona de Guayaquil em jogo da Libertadores de 1982. E que agora Paulo César e sua família celebrem o dom do grande reencontro!

UM LEÃO VESTINDO A CAMISA DO TUBARÃO DA BARRA HÁ 30 ANOS

Nilson Leão

Há quase dois anos, o Almanaque do Ferrão fez uma postagem sobre ex-jogadores corais que traziam apelidos de bichos em seus nomes futebolísticos. Era o `Parque Zoológico do Ferroviário´. Um daqueles nomes, alguns já quase esquecidos, fazia sua estreia com a camisa do Tubarão da Barra há 30 anos. Seu nome: Nilson Leão, meia-atacante. De passagem efêmera e sem nenhum destaque, ele frustrou todas as expectativas já que chegou precedido de bom cartaz oriundo do futebol amazonense, onde conseguira algum destaque defendendo o Fast/AM. Sua estreia aconteceu no dia 25 de setembro de 1986 contra o América/RN, um 0x0 pelo campeonato brasileiro, diante de um público coral de 173 pagantes que foram ao Castelão naquela noite. No dia 28, atuou na vitória coral por 3×2 diante do Sport Belém/PA no PV. Em seguida, foi ao estado do Maranhão, no dia 2 de outubro, para enfrentar o Moto Clube/MA, em partida que terminou com o placar de 1×1. Depois, Nilson Leão fez sua quarta e última partida pelo Ferrão num domingo de manhã, dia 5 de outubro, no PV, quando o time coral perdeu para o Rio Negro/AM por 1×0 e deu adeus à competição diante de 326 pessoas. Quatro jogos e nenhum gol com a camisa coral, além de públicos ínfimos prestigiando os jogos do Ferroviário naquele período, será que alguém viu Nilson Leão em ação pelo Ferrão? Se você viu, deixe seu registro aqui nos comentários.

DESCOBRIMOS POR ONDE ANDA O EX-PONTA DIREITA CARDOSINHO

Ex-atacante Cardosinho, que atuou no Ferrão entre 84 e 87, mora há quase trinta anos na Europa

Seu nome de batismo é Francisco Nascimento Macedo, mas foi com o nome de Cardosinho que ele fez a alegria das torcidas do Moto Clube/MA e do Ferrão. Maranhense nascido em 17/12/1960, atuava como ponta, uma das posições infelizmente extintas no futebol moderno. Jogava tanto pelo lado direito, como pelo esquerdo. Foram 112 jogos com a camisa coral no total, entre 1984 e 1987, com 26 gols marcados. Estreou no Tubarão da Barra num amistoso contra a Seleção de Mucuri, disputado no estadinho do Terra e Mar, em 15/4/1984. No dia 7/8/1987, despediu-se do Ferrão na derrota por 3×2 para o Fortaleza, no Castelão, uma sexta à noite que marcou a desclassificação coral no campeonato estadual daquela temporada. No ano seguinte, Cardosinho atravessou o Atlântico e foi jogar em Portugal. Nunca mais voltou. Parou como profissional faz tempo, mas até 2012 disputava regularmente o campeonato português amador para homens acima de 50 anos de idade. E já se vão quase três décadas na Europa.

Cardosinho em 1987

A partir de 2013, Cardosinho passou a viver uma nova experiência em sua vida profissional. Deixou Portugal, onde fixou residência, e foi trabalhar numa das regiões mais bonitas do velho continente, exatamente na região dos alpes franceses, onde sinal de Internet é coisa rara e complica bastante o contato com os familiares. Como hábito, não deixa a bola de lado, e quatro vezes por semana joga futebol com os colegas de trabalho na França. O ex-atacante coral tem um filho que há alguns anos busca a carreira do pai. Seu nome é Diego Macedo, ex-jogador do Braga de Portugal e que recentemente disputou a divisão de honra do futebol Francês pelo St-Leu D’esserent. Atualmente, faz estágio para se profissionalizar no Chambly F.C, também da França. Boa sorte pro filho! O pai, Cardosinho, já teve lances postados da temporada de 1987 aqui no blog, mas vale a pena repetir abaixo como homenagem o gol de falta que ele marcou no campeonato cearense de 1985, numa vitória de 1×0 em cima do Fortaleza. Já disponibilizamos também o áudio com um gol olímpico que ele marcou contra o mesmo adversário, em outra partida daquela competição, além de entrevistas de vestiário com a participação de Cardosinho diretamente do túnel do tempo. Vale a pena recordar cada uma dessas matérias antigas e compreender ainda mais o objetivo do Almanaque do Ferrão, que é o de não deixar, acima de tudo, que nomes como o de Cardosinho caiam no esquecimento da memória coral.

GOLS DO ARTILHEIRO PAULO CÉSAR PELO CAMPEONATO CEARENSE DE 78

paulo cesar2

Paulo César com a camisa de 1978

Muitos torcedores enviam mensagens para o Almanaque do Ferrão pedindo informações sobre um dos maiores artilheiros da história coral. Estamos falando de Paulo César, adquirido junto ao Moto Clube/MA em junho de 1978. Foram 137 partidas e 88 gols marcados com o uniforme do Ferroviário, o que o coloca como o 4º maior goleador do clube, atrás apenas de Macaco, Fernando e Zé de Melo. Sua passagem pela Barra durou até 1981 e o titulo estadual, conquistado dois anos anos, o elevou a condição de ídolo diante de sua marca de artilheiro do campeonato com 29 gols assinalados. Paulo César – o papagaio – de há muito merecia uma homenagem em nosso blog. Foi por isso que reviramos o baú e buscamos imagens do grande goleador com a camisa coral. A foto acima foi tirada em 1978, logo quando chegou ao clube. Mais que isso, resgatamos abaixo um vídeo daquele ano com dois gols de Paulo César, o que é, sem dúvida alguma, uma preciosa raridade. Serve para a velha guarda matar as saudades e apresentá-lo aos mais jovens, que certamente dele muito ouviram falar.

O jogo foi contra o América, no PV, diante de um bom público de 3.993 pagantes. Já dissemos aqui que 1978 é até hoje o ano da maior média de público na história do Ferrão, fruto da montagem de um grande time, que acabou não sendo campeão. Assista os dois gols de Paulo César e outro tento do meia Jorge Bonga, na vitória por 3×1 em cima do ´mequinha`. Foi a partida de número 1.629 da caminhada coral, no dia 17/9/78. Isaac descontou para o time da Dom Manuel, avenida na qual ficava a bela sede rubra que já não existe mais. Treinado pelo competente Lucídio Pontes, o Tubarão da Barra jogou com Gilberto, Paulo Maurício, Lúcio Sabiá (Júlio), Arimatéia e Ricardo Fogueira; Jodecir, Jorge Bonga e Jacinto; Marcos, Paulo César (Chico Alves) e Babá. Já o América, do técnico Alísio Matos, atuou com Idalécio, Haroldo (Vicente), Marcelo, Eldo e Claudemir; Chiquinho, Zezinho e Dedé; Manuelzinho, Brígido e Isaac (Messias). O árbitro do jogo foi o finado Cid Júnior, assassinado em 2008 quando era delegado da Polícia Civil. Curta a raridade em vídeo e se delicie com uma pequena amostra dos belos gols do exímio artilheiro Paulo César, agora devidamente eternizados no Almanaque do Ferrão.

POR ONDE ANDA O ZAGUEIRO CLÁUDIO DA COPA DO BRASIL?

20150807082714

Quarto zagueiro Cláudio em ação com a camisa do Ferrão sob os olhares dos torcedores corais

Ele esteve presente na última vez que o Ferroviário participou de um jogo pela Copa do Brasil, uma das principais competições do calendário nacional. E já se vão quase 12 anos desde aquela partida contra o Corinthians/SP, no Castelão, em que o quarto zagueiro carioca Cláudio, improvisado na cabeça de área pelo técnico Roberto Palmiéri, quase marca um gol de cabeça quando o placar ainda apontava 0x0, o que poderia ter mudado o destino da partida vencida pelo alvinegro paulista por 2×0, ao apito final do árbitro baiano Lourival Dias Lima Filho, já falecido. Aquela foi uma das últimas partidas de Cláudio com a camisa coral, no total de 74 jogos e 2 gols marcados, entre algumas saídas e retornos a Barra do Ceará compreendidos entre 1999 e 2001, além de 2003 e 2004.

claudiozagueiro

Escolhido o melhor em campo em jogo de 1999

O nome completo do ex-zagueiro coral é Cláudio Alberto Oliveira da Silva. Quando chegou pela primeira vez para o Ferroviário, trazia ótimas referências do Moto Clube/MA. Fez sua estreia em janeiro de 99 quando o time coral era dirigido por Marcelo Vilar e tinha Carlos Mesquita, atual presidente do clube, também ocupando a presidência. Naquela temporada, chegou a ser escolhido como o principal destaque em alguns jogos devido a segurança que garantia à defensiva do Ferrão. A qualidade do ex-zagueiro poderia ser sido melhor aproveitada se tivesse tido a sorte de atuar em equipes mais competitivas no período que vestiu a camisa coral. Recentemente, sob o nome de Cláudio Carioca, ele iniciou a carreira de treinador de futebol comandando o Sabugy, da cidade de Santa Luzia, no interior da Paraíba, nas disputas da segunda divisão do campeonato paraibano. Que tenha uma carreira de sucesso na nova função.

CLÁSSICO DAS CORES DE 1999: UM DIVISOR DE ÁGUAS NA VIDA CORAL

Cantareli_90333

Cantareli entre dois jovens torcedores

O Almanaque do Ferrão mergulha no tempo e vai até 4 de julho de 1999. Há exatamente 16 anos, o time coral enfrentava o Fortaleza e fazia sua última partida pelo campeonato cearense daquela temporada. A derrota por 3×2, com todos os gols saindo num primeiro tempo eletrizante, desclassificava o Tubarão da Barra e o fazia terminar a competição numa incômoda 7ª colocação, inaugurando uma trajetória de insucessos que a partir da temporada seguinte seria marcada por sucessivas campanhas onde o Ferroviário passou a brigar mais vezes contra o rebaixamento do que propriamente por posições na parte de cima da tabela, além de ficar 8 longos anos sem derrotar o Fortaleza. Os melhores momentos dessa partida emblemática, um verdadeiro divisor de águas na trajetória do clube, podem ser conferidos no vídeo acima. De positivo, a bela atuação do meia Cantareli, que em uma de suas melhores performances com a camisa coral, marcou 2 gols. Claudinho, Clayton Maranhense e Clodoaldo fizeram os gols do adversário.

bira

Atacante carioca Bira

Treinado pelo experiente César Moraes, o Ferrão tinha um time com jogadores rodados no futebol nordestino e até internacional, como era o caso do atacante carioca Bira, ex-jogador do Botafogo de Ribeirão Preto e do Atlético Mineiro, com passagens também pelo futebol português, o que não foi suficiente para uma boa campanha no estadual de 1999. Na derrota de 16 anos atrás, o famoso Guri escalou o time coral com Jorge Pinheiro, Dino, Cláudio, Aldemir e Ivan; Vado, Rutênio, Cantareli e Adriano Cearense (Júnior); Pedrinho (Josivan) e Bira (Lau). José Galli Neto, técnico do Fortaleza, comandou seu time com o futebol de Carlos Alberto, Róbson, Horácio, Paulão e Reginaldo; Pires, Anderson (Beto), Clayton Maranhense (Rélber) e Clodoaldo; Eron e Claudinho (João Paulo). Foi o jogo 2.837 da história coral. A arbitragem foi de Dacildo Mourão e o lateral direito carequinha Ivan, improvisado na esquerda, ex-jogador do Moto Clube/MA, foi expulso de campo após falta violenta. Há 16 anos.