AOS 72 ANOS DE IDADE, EX-LATERAL ZÉ DO MÁRIO MORA EM FORTALEZA

2016-02-08 20.34.23

Foto recente do ex-lateral Zé do Mário, em sua residência no bairro João XIII em Fortaleza

A foto acima foi divulgada recentemente pelo torcedor Martins Andrade em suas redes sociais. Trata-se de uma imagem atual do ex-lateral Zé do Mário, que defendeu o Ferroviário entre 1964 e 1966, no total de 53 jogos com a camisa coral. Ele atuava no futebol suburbano, mais precisamente no Usina Parangaba, quando enfrentou e venceu o Ferrão por 2×0, no dia 21/4/1964, em amistoso realizado naquele feriado nacional. Zé do Mário se destacou na partida e posteriormente foi chamado para compor o elenco do time coral no campeonato cearense daquele ano, ao lado de nomes como Nélson, Zé de Melo e Milton Bailarino. Começou na lateral esquerda, mas rapidamente passou a ter utilizado na maioria das vezes como lateral direito com a mesma desenvoltura. Apesar de não ter vencido nenhum campeonato estadual, conquistou dois títulos pelo Ferroviário, a Taça Forças Armadas, em 1964, e o Torneio Início de 1966. Aos 72 anos de idade, o ex-jogador Zé do Mário reside atualmente no bairro João XXIII, na zona oeste de Fortaleza.

REPRESENTANTES LEGÍTIMOS DA COMPLICADA DÉCADA DE 1960

Ferrão 1965

Uma das formações utilizadas pelo Ferrão em 1965: Albano, Adir, Gavillan, Toinho, Marcelo e Vicente Jabuti; Agachados: Raimundo Pipiu, Durand, Moacir, Nílton e Expedito Chibata

Entre 1953 e 1967, o Ferroviário Atlético Clube não conquistou nenhuma das edições do campeonato cearense. Várias foram os times formados e inúmeras foram as tentativas de alcançar o posto máximo do futebol local. Todas em vão. Bons jogadores passaram pelo Ferrão no período, alguns com retrospecto de terem jogado em grandes equipes do futebol nordestino, como o goleiro Ribamar, ex-ídolo do ABC de Natal, e os atacantes Macrino e Milton Bailarino, ambos ex-Santa Cruz/PE, que defenderam as cores corais no auge daquele jejum de títulos. Em 1966, o papo era ser campeão a qualquer custo e foi contratado o famoso pacote maranhense do Sampaio Corrêa formado por Jarbas, Peu, Sabará, Vadinho e Valfredo, além de outros atletas experientes que representaram um alto investimento para os padrões do clube. Nada dava certo.

O Almanaque do Ferrão resgata hoje uma fotografia histórica de uma das formações que vivenciou aqueles tempos difíceis de ausência de conquistas importantes. É o time de 1965, que entrou em campo no PV, no dia 13 de junho, e foi derrotado para o Ceará por 2×1. Detalhe para a camisa coral, toda branca, sem as tradicionais listras horizontais. Entre alguns nomes consagrados no futebol cearense como Expedito Chibata, ex-Ceará, e Toinho, ex-Usina Ceará, dois grandes destaques naquela temporada vieram diretamente do Botafogo/RJ: o volante Nilton e o meia Moacir davam um maior toque de qualidade ao time coral. Recorde acima aquele time de meados da década de 1960 que muito tentou, mas não conseguiu entrar para a galeria histórica de campeões pelo Ferrão.