O TÍTULO DE VICE DO TORNEIO OTÁVIO PINTO GUIMARÃES

10411110_1717569411801571_7172060151916964842_n

O vice-campeão do torneio chancelado pela CBF: Zé Alberto, Edson, Léo, Renato, Serginho e Carlos Alberto; Mardônio, Carlos Antônio, Cardosinho, Wiltinho e Ronaldinho

A foto acima foi tirada na final do Torneio Otávio Pinto Guimarães, competição que levou o nome do então presidente da CBF e que foi chancelada para dar movimentação a vários clubes nordestinos que ficaram – pasmem – 2 meses sem competições oficiais no final de 1986. Como se percebe, os tempos hoje são outros. Há clubes, como o próprio Ferroviário, que chegam a ficar 9 meses parados sem jogos oficiais e o fato é visto como ´normal` por grande parte do público. É apenas a morte lenda e gradual dos times mais tradicionais do país, obrigados a encarar um calendário extremamente excludente e criminoso.

020512

Cícero Ramalho no Potiguar antes de ser contratado

A penúria econômica em 86 não era tão diferente da situação atual, tanto é que o Ferroviário disputou a competição com a grande maioria do elenco formado nas bases. Mardônio, Ronaldinho, Carlos Alberto, Renato, Edson, Wiltinho, Júnior Lemos, Edilson, Luís Carlos, Adalberto, Álber, Rogério e Kléber eram todos recém promovidos ao time profissional, sem falar da presença de um jovem atacante oriundo do Potiguar de Mossoró, que disputou essa competição pelo Ferrão e depois rodou o mundo até voltar e ser campeão oito anos depois. Seu nome: Cicero Ramalho, que marcou sua primeira passagem na Barra do Ceará por não ter feito nenhum gol.

América/RN, Alecrim/RN, Ferroviário, Botafogo/PB, Fortaleza e Campinense/PB disputaram o torneio em jogos de ida e volta. A final foi genuinamente cearense e realizada já em 1987 por falta de datas no calendário da CBF. O Ferrão ficou com o vice-campeonato ao ser derrotado por 2×0 pelo Fortaleza, num jogo atípico onde o time coral lançou Zé Alberto e Cardosinho sem condições regulares de jogo, ciente que perderia os pontos mesmo que vencesse a partida. Coisas do futebol do passado, que era capaz de organizar competições no intuito de movimentar os clubes, mas que permitia dúvidas de natureza ética e jurídica junto ao público quanto à seriedade das disputas.

O GOL MAIS BONITO DO FANTÁSTICO: ILO DO FERROVIÁRIO

Domingo é dia de futebol. Bem, pelo menos isso foi o que ficou convencionado no futebol brasileiro do passado. Tudo bem que hoje tem jogo todo dia, mas o charme do futebol aos domingos ninguém tira. Domingo terminava com os ´Gols do Fantástico` e sempre havia a escolha do mais bonito da rodada em todo país na voz de Léo Batista. Em post do mês passado, falamos do golaço do atacante Ilo pelo Ferroviário, que foi escolhido o mais bonito do Fantástico, ele que era presença constante no programa com gols pelos clubes que passou. Como promessa é dívida, esta ele aí recuperado para deleite de seus fãs, familiares e curiosos de plantão.

Mais importante que a beleza plástica do lance foi a relevância do gol naquele momento, o da vitória diante do Fortaleza, adversário forte que dois meses depois sagrava-se campeão cearense. Vitória no Clássico das Cores com direito a golaço de Ilo, que estava há pouco menos de dois meses no clube. Era o dia 14/6/87. Triunfo de um Ferroviário que apostava nas bases e tinha no elenco jogadores como Laércio, Osmar, Ronaldinho, Mardônio, Renato, Narcélio, Adalberto, Kléber, entre outros, treinados pelo experiente Erandy Pereira Montenegro.

10415603_610114832433495_7133600419596019432_n

Ilo Bonfante e seu filho na cozinha de casa

Mais importante que recuperar esse tipo de informação, o Almanaque do Ferrão tem a honra de servir de elo entre as várias pessoas que, direta ou indiretamente em diferentes momentos, participaram da história coral. Após ver o post do mês passado, o filho do jogador, Ilo Bonfante Júnior, diretamente do Rio Grande do Sul, informou ao blog que seu pai morreu jovem, aos 54 anos de idade, em 10/4/2010, vítima de um câncer na garganta. Então, que seja um momento para matar as saudades do atacante Ilo em ação no gramado do Castelão porque nem o tempo separa o que pai e filho constroem através do futebol.