ENTREVISTAS EM AMISTOSOS DE PREPARAÇÃO PARA O CERTAME DE 1988

O vídeo acima é mais uma raridade resgatada pelo Almanaque do Ferrão. Ele mostra a cobertura da TV Verdes Mares em torno de dois amistosos preparatórios do Ferroviário para o campeonato cearense de 1988. O primeiro foi contra o Barcelona do Quintino Cunha e o segundo contra o Leão das Tintas, ambos realizados no Elzir Cabral. Além de lances dos jogos, a gravação traz uma série de nomes recém contratados para o Tubarão da Barra e que foram importantes durante aquela temporada vitoriosa, ficando para sempre na história do clube. Aproveite e mate a saudade do treinador José Oliveira e do dirigente Vicente Monteiro, que anuncia no vídeo, em primeira mão, a contratação do excelente volante Toninho Barrote, além de entrevistas em campo com os jogadores Djalma, Arnaldo, Marcelo Veiga, Da Silva, Carlos Antônio, Alves e até do centroavante Roberto Granada, que acabou não ficando no elenco coral. A gravação desse material ocorreu nos dias 30 de janeiro e 6 de fevereiro, respectivamente. A ficha técnica desses amistosos, você encontra na publicação impressa do Almanaque do Ferrão. Destaque também no vídeo para a opinião dos torcedores ouvidos!

RONALDINHO JOGOU NO FERRÃO E NO TREZE/PB: E AGORA COMO FICA?

Ronaldinho em 1987

Cria das categorias de base do Ferroviário Atlético Clube, o ex-ponta esquerda Ronaldinho estava com o coração um pouco dividido para a grande final da Série D do campeonato brasileiro de 2018. Como atleta, Francisco Ronaldo Rodrigues Sales atuou tanto pelo Ferrão quanto pelo Treze/PB. Como desportista, ele é amigo pessoal de Flávio Araújo e Marcelo Vilar, os dois treinadores envolvidos na grande decisão desse ano. Entretanto, Ronaldinho não fica em cima do muro. Basta escutar o áudio dessa postagem que ele fez questão de gravar exclusivamente para o Almanaque do Ferrão e teremos a resposta sobre qual o lado que Ronaldinho está na final da Série D. Em seu tempo na Barra do Ceará, o ex-atacante da base coral foi promovido para o profissional juntamente com uma turma de bons atletas, na qual o ponta direita Mardônio acabou tendo maior destaque nas formações principais do período. Entre 1986 e 1987, Ronaldinho entrou em campo 45 vezes pelo time principal do Ferrão, marcando 5 gols. Ele era o ponta esquerda do time cheio de jovens jogadores que foi vice-campeão do Torneio Otávio Pinto Guimarães, competição organizada para dar calendário a vários times nordestinos e que reuniu o Campinense/PB, Fortaleza, América/RN, Botafogo/PB e Alecrim/RN.

Foto de 1991

No início de 1988, o Ferrão mudou de diretoria e transformou o perfil de seu elenco para tentar ser campeão depois de 9 anos, passando a contratar jogadores mais experientes. Alguns jovens egressos da base foram emprestados e Ronaldinho seguiu para o 4 de Julho/PI, treinado na época pelo eterno ídolo coral Coca Cola. O sucesso de Ronaldinho no futebol piauiense foi grande e ele seguiu carreira sem nunca mais voltar a atuar pelo time profissional do Ferroviário. Na temporada de 1991, ele foi contratado pelo Treze/PB, que tinha Erandy Pereira Montenegro como treinador, o mesmo que o lançou no time principal do Ferrão cinco anos antes. Na equipe paraibana, Ronaldinho também deixou registrada sua passagem. Certa vez, atuando contra o Ceará em jogo válido pelo campeonato brasileiro, foi o autor dos gols que sacramentaram a vitória do Treze/PB em cima do alvinegro cearense. Na verdade, ninguém melhor que o próprio Ronaldinho para recordar sua passagem pelos dois finalistas da Série D desse ano, comentando um pouco sobre sua carreira e mandando um recado para a torcida coral, agora eternizado no Almanaque do Ferrão em forma do áudio abaixo. Aproveite!

ÁUDIO DO PRIMEIRO GOL DO FERRÃO NO CAMPEONATO CEARENSE DE 1988

Da Silva marcou na estreia em 1988

O título estadual do Ferroviário em 1988 já originou algumas postagens aqui no blog. Vários detalhes, vídeos, áudios e personalidades importantes naquela conquista mereceram destaque em recordações anteriores. Porém, vale a pena escutar abaixo mais um áudio recuperado em nossos arquivos. Trata-se do primeiro gol do Ferrão naquele campeonato, marcado logo na estreia vitoriosa por 1×0 em cima do Quixadá, em jogo que aconteceu no então denominado Estádio dos Imigrantes, exatamente na casa da Galinha Choca, no dia 28 de fevereiro. O gol foi do centroavante Da Silva. Ele havia sido artilheiro da temporada anterior defendendo o Fortaleza, mas havia trocado o Leão pelo Ferrão no inicio de 1988. Da Silva fez apenas 12 jogos com a camisa coral e acabou perdendo espaço no campeonato para nomes como Luizinho das Arábias, Mazinho Loyola e Guina. Treinado por José Oliveira, o Ferrão estreou no Estadual 88 com Wálter, Kléber, Arimatéia, Djalma e Marcelo Veiga; Toninho Barrote, Wiltinho e Jacinto; Mardônio (Edson), Da Silva e Carlos Antônio. O Quixadá do técnico José Leudo perdeu com Adriano, Cici, Ivan, Newton e Roberto (Bibi); Batista, Ernando e Pedro (Biro Biro); Rivando, Cícero Ramalho e Toinho. Bastante motivada com as contratações para a temporada, a torcida coral invadiu Quixadá naquele domingo, proporcionando com os moradores locais uma boa renda para um público pagante de 2.238 pessoas. Hilton Alcântara foi o árbitro da partida, que teve como destaque negativo a grave contusão do ponta direita Mardônio, destaque coral na temporada de 1987, que lesionou o joelho e ficou afastado do restante da competição, retornando apenas na finalíssima contra o Fortaleza sete meses depois. Aproveite e recorde o áudio abaixo na narração de Vilar Marques e comentários de Chico Rocha, ambos da excelente equipe esportiva da extinta Rádio Uirapuru de Fortaleza.

ÁUDIO COM A NARRAÇÃO DOS GOLS DE UMA VITÓRIA DO FERRÃO EM 1987

Quer entrar no nosso túnel do tempo e ouvir a narração de dois gols do Ferroviário Atlético Clube no ano de 1987? Aperte o botão acima e volte até a noite de 11 de junho daquele ano. Com a narração de Júlio Sales e reportagem de Ari Bezerra, que compunham a equipe esportiva da extinta Rádio Uirapuru de Fortaleza, escute os gols do meia esquerda Carioca e do ponta direita Mardônio, na vitória por 2×0 em cima do Quixadá, no PV, pelo campeonato cearense. Foi o jogo 2.181 da história coral. Treinado por Erandy Pereira Montenegro, o Tubarão da Barra formou com Walter, Laércio, Arimatéia, Léo (Renato) e Ramos; Edson, Mardoni (Narcélio) e Carioca; Mardônio, Ilo e Carlos Antônio. O Quixadá, do técnico Dema, perdeu com Semilson, Barbosa, Evilásio, Neto e Roberto; Batista (Ivan), Ernando e Rivando; Rildo, Cícero Ramalho e Gilson. Dacildo Mourão foi o árbitro do jogo, que teve um público pagante de 1.161 pessoas.

O DIA QUE O ATAQUE CORAL FOI MAIS EFICIENTE QUE O DA ALEMANHA

cacau

Cacau: artilheiro coral em 1989

Todo mundo lembra do massacre alemão em cima da seleção brasileira na Copa do Mundo de 2014. Entre os 23 e 29 minutos do primeiro tempo, saíram 4 gols alemães. Sem dúvida, os 6 minutos mais humilhantes do futebol nacional. A ira do ataque da Alemanha remete à situação semelhante ocorrida com o Ferroviário Atlético Clube no campeonato cearense de 1989. Foram 4 gols corais em apenas 5 minutos contra o Quixadá, no dia 8 de julho daquele ano. Depois de um primeiro tempo em branco, o Ferrão voltou para o segundo tempo em ritmo arrasador e conseguiu o feito de já vencer por 4×0 aos 5 minutos da etapa final. Aos 9 minutos, mais um gol, o último da goleada de 5×1. Algo memorável, histórico e impressionante. O jogo aconteceu no Estádio Elzir Cabral e o Tubarão da Barra contava com o atacante Cacau, artilheiro do certame, que assinalou 3 tentos naquela tarde. Os outros foram marcados pelo ponta esquerda Edelvan, ex-Santos/SP, e pelo ponta direita Mardônio.

wandpaiva

Vanderley Paiva

Treinado por Vanderley Paiva, um ex-meia consagrado no país por belíssimas atuações com as camisas do Atlético/MG, Ponte Preta/SP e Palmeiras/SP na década de 70, o Ferroviário formou naquele jogo histórico com o futebol de Barbiroto, Silmar (Caetano), Arimatéia, Djalma (Luís Carlos Gaúcho) e Marcelo Veiga; Juarez, Lira e Jacinto; Mardônio, Cacau e Edelvan. O Quixadá, do conhecido técnico José Leudo, foi massacrado com Dedé, Euritônio, Neto, Zuca e Roberto; Batista (Newton), Ribas e Ernando (Armando); Rildo, Betinho e Rivando, que marcou o gol de honra do time da terra da galinha choca. Foi o jogo 2.291 da história coral, que contou com um público pagante de 1.060 pessoas e teve Dacildo Mourão como árbitro. O Almanaque do Ferrão recuperou o áudio daquela incrível performance do ataque coral. Escute abaixo a sensacional narração de Cleiton Monte pela Rádio Assunção 620 AM de Fortaleza. É simplesmente de arrepiar. São 4min17s de pura emoção.

RESGATE EM VÍDEO DE UMA DAS MELHORES PARTIDAS DE 1987

Ferroviário e Guarany de Sobral fizeram um dos melhores jogos do campeonato cearense de 1987. Essa foi a opinião da imprensa em geral na noite daquele 15 de julho, quando o time coral aplicou 4×2 no Presidente Vargas. O empate em 2×2 persistia até os 36 minutos da etapa final e os 3.117 pagantes pareciam conformados com o resultado. Ao atrilhar do apito final do árbitro Francisco Pereira, dois gols corais nos últimos 9 minutos selaram a vitória do time que foi superior a partida inteira. Narcélio, Mardônio, Zé Alberto e Cardosinho marcaram para o Ferrão. Osmanir, duas vezes, anotou os tentos do time sobralense. O Almanaque do Ferrão recupera o vídeo dos quatro gols do Tubarão da Barra naquela noite e faz uma viagem de exatos 28 anos no túnel do tempo. Aproveite.

zé alberto

Zé Alberto

Treinado por Erandy Pereira Montenegro, que conseguiu o feito de permanecer o ano inteiro de 1987 no cargo e dar oportunidade para vários jogadores das categorias de base, o Ferrão formou nesse dia com Wálter, Laércio, Arimatéia, Léo e Ramos; Zé Alberto, Edson e Mardoni (Renato); Mardônio, Narcélio e Carlos Antônio (Cardosinho). Nagibe Marques, técnico do Guarany, mandou a campo a seguinte onzena: Dalmir, Ailton, Frota, Cláudio e Osmanir; Toninho Barrote, Carlos e Demair; Ivan, Macedo (Renato) e Djalma. O volante Zé Alberto, ex-Central/PE, era um dos jogadores mais experientes e regulares da equipe. Remanescente da temporada anterior e dono de um futebol clássico e vistoso, ele era o capitão e batedor oficial de pênaltis do time coral. A sua categoria na hora dos penais pode ser conferida no terceiro gol exatamente no momento decisivo da partida.

RESGATAMOS EM VÍDEO OS GOLS DE UMA VITÓRIA NO BRASILEIRO DE 1987

O Almanaque do Ferrão faz uma viagem histórica até o dia 21 de outubro de 1987 e recorda uma vitória coral em cima do Sampaio Corrêa/MA, uma das equipes mais tradicionais do futebol nordestino. O jogo valeu pelo campeonato brasileiro e foi realizado no PV. Sob o comando de Erandy Pereira Montenegro, o Tubarão da Barra conseguia sua segunda vitória na competição com gols do ponta Mardônio, do meia Mardoni e do atacante Marcos Duque. O time maranhense descontou com Dias Pereira, que vestiria a camisa coral dois anos depois. Reveja os gols do Ferrão no vídeo acima em imagens especialmente resgatadas para o blog.

mardonio

Mardônio: destaque em 1987

O Ferroviário formou naquela noite com Wálter, Laércio, Arimatéia, Kléber e Edson; Zé Alberto, Narcélio (Osmar), Mardoni e Wiltinho (Adalberto); Mardônio e Marcos Duque. Destaque para a grande fase vivida pelo ponta direita Mardônio, cria das categorias de base, que fazia ótimas apresentações naquela temporada. Dirigido por Milton Buzetto, o Sampaio Corrêa perdeu com Jorge, Luís Carlos, Maurício, Ademilton e Beato (Serginho); Zé Carlos, Meinha (Reginaldo) e Dias Pereira; China, César e Marco Antônio. Além da famosa ´Bolívia Querida´, estavam ainda na chave coral o Maranhão/MA e o Serrano/BA. Depois de conseguir sua classificação no grupo, o time coral caiu na segunda fase da competição no mata-mata com o América/RN.

IMAGENS DE FERRÃO X RIVER/PI PELO CAMPEONATO BRASILEIRO DE 1989

O futebol é cíclico. Depois de anos esquecido nacionalmente e envolto à problemas políticos no Piauí, o tradicional River encerrou recentemente sua participação na Copa do Nordeste, um dos campeonatos mais rentáveis atualmente no futebol brasileiro. Por sua vez, o Ferroviário Atlético Clube pena na segunda divisão cearense e já amarga 20 anos sem títulos. O Almanaque do Ferrão resgata hoje as imagens de um confronto entre ambos, no dia 13/9/1989, quando o Tubarão da Barra marcou 3×0 em jogo válido pelo campeonato brasileiro da Série B daquele ano, mesma divisão que estavam Ceará e Fortaleza em âmbito nacional.

Foi o jogo de número 2.302 da história coral. Treinado pelo competente Lucídio Pontes, o Ferrão jogou com Osvaldo, Silmar, Arimatéia, Evilásio e Marcelo Veiga; Eudes, Alves e Dias Pereira; Mardônio, Luizinho e Paulinho. Essa partida marcou a estreia, com gol, do atacante Luizinho, um catarinense envolvido na negociação do meio campista Lira com o Avaí/SC. Marcelo Veiga e Mardônio marcaram os outros gols naquela noite. O River perdeu com China, Valdinar, Léo, Zezé e Didi; Luis Eduardo, Miolinho (Robson) e Paulinho Piauí; Hélio Rocha, Zé Augusto e Cacá. Deles, China e Léo já haviam defendido a camisa coral, e Paulinho Piauí chegaria para o Ferroviário dois anos depois. Direto do baú de imagens do Almanaque do Ferrão.

TORNEIO CIRO GOMES: EMPATE HISTÓRICO E CONQUISTA NOS PÊNALTIS

Ferroviário e Ceará fizeram há exatos 26 anos um dos jogos mais emocionantes entre todos os seus confrontos. Era a final do Torneio Ciro Gomes, competição organizada pelos clubes que se encontravam em litígio político com o comando da Federação Cearense de Futebol. O alvinegro vencia por 1×0 até os 43 minutos do 2° tempo e sua torcida já comemorava o título. O Ferrão empatou com o zagueiro Arimateia, após um passe do meia Zé Carlos Paranaense e um toquinho de cabeça do atacante Mardônio, levando a decisão para os pênaltis. Uma bola na trave e uma defesa do goleiro Albertino, recentemente falecido, selaram a conquista coral por 4×2. Vitória dos comandados de Erandy Pereira Montenegro. O Almanaque do Ferrão resgata agora as imagens daquele domingo, dia 5 de março de 89. Confira o gol de empate, a decisão nos penais, a invasão e violência provocada pela torcida derrotada, a opinião do então prefeito Ciro Gomes, uma entrevista com o ponta esquerda Paulinho, eleito o melhor em campo, e os comentários de Sérgio Pinheiro da TV Verdes Mares.

O TÍTULO DE VICE DO TORNEIO OTÁVIO PINTO GUIMARÃES

10411110_1717569411801571_7172060151916964842_n

O vice-campeão do torneio chancelado pela CBF: Zé Alberto, Edson, Léo, Renato, Serginho e Carlos Alberto; Mardônio, Carlos Antônio, Cardosinho, Wiltinho e Ronaldinho

A foto acima foi tirada na final do Torneio Otávio Pinto Guimarães, competição que levou o nome do então presidente da CBF e que foi chancelada para dar movimentação a vários clubes nordestinos que ficaram – pasmem – 2 meses sem competições oficiais no final de 1986. Como se percebe, os tempos hoje são outros. Há clubes, como o próprio Ferroviário, que chegam a ficar 9 meses parados sem jogos oficiais e o fato é visto como ´normal` por grande parte do público. É apenas a morte lenda e gradual dos times mais tradicionais do país, obrigados a encarar um calendário extremamente excludente e criminoso.

020512

Cícero Ramalho no Potiguar antes de ser contratado

A penúria econômica em 86 não era tão diferente da situação atual, tanto é que o Ferroviário disputou a competição com a grande maioria do elenco formado nas bases. Mardônio, Ronaldinho, Carlos Alberto, Renato, Edson, Wiltinho, Júnior Lemos, Edilson, Luís Carlos, Adalberto, Álber, Rogério e Kléber eram todos recém promovidos ao time profissional, sem falar da presença de um jovem atacante oriundo do Potiguar de Mossoró, que disputou essa competição pelo Ferrão e depois rodou o mundo até voltar e ser campeão oito anos depois. Seu nome: Cicero Ramalho, que marcou sua primeira passagem na Barra do Ceará por não ter feito nenhum gol.

América/RN, Alecrim/RN, Ferroviário, Botafogo/PB, Fortaleza e Campinense/PB disputaram o torneio em jogos de ida e volta. A final foi genuinamente cearense e realizada já em 1987 por falta de datas no calendário da CBF. O Ferrão ficou com o vice-campeonato ao ser derrotado por 2×0 pelo Fortaleza, num jogo atípico onde o time coral lançou Zé Alberto e Cardosinho sem condições regulares de jogo, ciente que perderia os pontos mesmo que vencesse a partida. Coisas do futebol do passado, que era capaz de organizar competições no intuito de movimentar os clubes, mas que permitia dúvidas de natureza ética e jurídica junto ao público quanto à seriedade das disputas.