FOTO HISTÓRICA DE UM TIME QUE HUMILHOU O CAMPEÃO DE 1957

Ferroviário Atlético Clube em 1957 – Em pé: Manoelzinho, Macaúba, Eudócio, Ferreira, Nozinho e Gilvan; Agachados: Zé de Melo, Macaco, Pacoti, Kitt, Fernando e o treinador Durval Cunha

O retrato de hoje é bem antigo e foi tirado antes do início de uma partida amistosa entre Ferroviário e Ceará, marcada como entrega de faixas de campeão cearense de 1957 para a equipe alvinegra. O time coral não entrou pra brincadeira e fez 4×0 no placar, com gols dos eternos ídolos Pacoti, Zé de Melo e Macaco. O atacante Pacoti, que depois jogaria no Vasco/RJ e no Sporting de Portugal, marcou duas vezes. O jogo teve o maranhense Sandoval Ramos no apito e foi realizado no PV. Apesar de mostrar nomes consagrados na história coral como Manoelzinho, Macaúba, Nozinho, Kitt, Fernando e os autores dos gols, essa foto traz uma raridade: na meta coral, o goleiro Gilvan, ex-Gentilândia e Ceará. Isso aconteceu em apenas quatro oportunidades na carreira do ex-goleiro, que depois foi técnico do próprio Ferroviário em 1974. José Gilvan Lemos Dias também foi cronista esportivo e, na década de 1980, comentava jogos do futebol cearense, sempre exibidos na TVE, aos domingos à noite. Em 10 de julho de 2007, Gilvan faleceu em Fortaleza vítima de problemas cardíacos.

NÃO SE ESQUEÇA DAQUELE JOGO CONTRA O BAHIA DE 60 ANOS ATRÁS

nozinho

Nozinho: melhor em campo

Durante toda década de 1950, o Ferroviário foi cognominado de ´Clube das Temporadas` porque sempre se dava bem em cima dos principais times brasileiros que excursionavam pelo estado, prática bem comum no contexto do futebol daquele período. Enquanto Ceará e Fortaleza geralmente perdiam seus jogos, o Ferrão vingava o futebol cearense com vitórias históricas. Há exatos 60 anos, mais precisamente no dia 2 de outubro de 1955, o Bahia/BA foi a vítima coral. Estamos falando do jogo 493 da nossa história, disputado no PV, palco naquele dia de uma das maiores apresentações do zagueiro Antônio Alves Marinho, o popular Nozinho, no auge de seus 388 jogos disputados com a camisa do Ferrão, entre 1947 e 1961. Dias antes, os baianos haviam batido os paraguaios do Cerro Portenõ e chegaram em Fortaleza cheios de favoritismo. Com um gol do ponta esquerda Fernando – outro lendário jogador que ultrapassou a marca de 300 jogos pelo clube – o Ferroviário fez 1×0 no placar e quebrou a castanha do tricolor baiano, uma vitória épica para sempre ser lembrada e contada para os mais jovens.

fernando

Fernando: gol da vitória

Preste atenção na escalação coral naquela partida comandada pelo treinador João Damasceno: Maciel, Nozinho e Antônio Limoeiro; Rui Leite, Lolô e Manoelzinho; Nirtô (Geraldinho), Aldo, Zé de Melo, Macaco e Fernando, todos nomes consagrados na história do time erreveceano, como era chamado o representante da antiga Rede de Viação Cearense, a saudosa RVC. Já o Bahia do técnico Armando Simões perdeu com Joselias, Bacamarte e Juvenal; Rui (Marivaldo), Wilson e Florisvaldo (Chagas); Marito, Tonho, Ariosto (Sandoval), Ruivo e Benê (Nélson). O Bahia foi apenas mais um time a ser desbancado pelo Ferroviário naquele período. Times como Santa Cruz/PE, Fluminense/RJ, Paysandu/PA, Santos/SP, Sampaio Corrêa/MA, Olaria/RJ, Treze/PB, São Cristovão/RJ e até o uruguaio Wanderers, entre outros, conheceram bem a força do inesquecível ´Clube das Temporadas`, sem dúvida um período épico da história coral.

A DESCOBERTA DO MAIOR GOLEADOR E RECORDISTA EM NÚMERO DE JOGOS

ferrao_anos50

Foto histórica do Ferroviário com Manoelzinho e Macaco perfilados na equipe formada em 1955

Um dos principais méritos do Almanaque do Ferrão foi a descoberta de informações desconhecidas na história do clube a partir do levantamento detalhado de todas as fichas técnicas de seus jogos oficiais e amistosos em oito décadas de existência. Até 2013, ano da publicação da pesquisa, era impossível afirmar, por exemplo, o recordista coral em número de jogos e o maior goleador do Tubarão da Barra em todos os tempos. Curiosamente, os dados mostraram que esses dois nomes jogaram na mesma formação coral durante boa parte dos anos 50 e aparecem na foto acima em uma das várias escalações do Ferroviário naquela década, mais precisamente em 1955.

O piauiense Manoelzinho (Manoel David Machado) defendeu as cores corais entre 1946 e 1962, o que lhe valeu a honra de atuar 403 partidas no período e ser o jogador que mais vezes vestiu a gloriosa camisa do Ferrão. Atuou em todas as posições da defesa e sempre foi um  nomes mais respeitados da trajetória coral, mesmo antes da descoberta de seu recorde. Outro nome a ser sempre reverenciado é o atacante Macaco (José Maria de Araújo), também piauiense, que jogou entre 1952 e 1959, assinalando 115 gols no período. Ambos na foto acima. Ambos para sempre na história. Os dados completos de todos os 1.956 jogadores da história coral você encontra na versão impressa do almanaque. Os dados dos principais recordistas você encontra aqui mesmo no blog.

UM TÍTULO IMPROVÁVEL ORIUNDO DA FORÇA PROLETÁRIA

ferrao_52_1222

O antigo PV foi palco de um título improvável do Ferrão quando o Ceará era o franco favorito

A imagem que ilustra a postagem de hoje tem 62 anos e mostra a comemoração dos jogadores que conquistaram o título estadual de 1952, após uma emocionante sequência de 4 jogos contra o Ceará. É um momento na história do Ferroviário que jamais pode ser esquecido. Juju, Manoelzinho e Coimbra; Nozinho, Macaúba e Vicente Trajano; Nirtô, Augusto, Zé Maria, Fernando e Pipi foram os grandes heróis daquela primeira tarde de fevereiro de 53, um domingo memorável que jamais saiu da mente dos corais após a vitória na quarta partida consecutiva contra o alvinegro.

No dia 11/1/53, até os 41 minutos do segundo tempo, o Ceará comemorava o título cearense em cima do Ferroviário. Foi quando Macaúba marcou um gol e deu a vitória coral pelo placar de 2×1, forçando a realização de uma melhor de três com o alvinegro. Nos dois jogos seguintes, entre 18 e 25 de janeiro, uma vitória coral por 1×0, gol de Augusto, e um empate em 1×1, gol de Nirtô. Por ironia do destino, Nirtô e Augusto foram os goleadores no quarto jogo decisivo, vitória coral na semana seguinte, de virada, 2×1 e o terceiro titulo do Ferrão em sua história. Carnaval no PV, uma conquista quase que improvável para um time proletário e tecnicamente inferior ao adversário, uma vitória eterna como a foto acima.

Além dos jogadores que participaram da finalíssima em 01/2/53, não se pode deixar de lembrar nomes que participaram daquele feito durante toda a campanha, como Macaco, Três Orelhas, Zé da Marizinha, Zé Dias, Índio, Dudu, Edmir, Serejo e Vareta, os treinadores Popó e Babá, o presidente Porfírio Sampaio e seus diretores, entre eles o nome mais emblemático da história coral, Valdemar Caracas, presente em todos os momentos da agremiação que criou ao lado dos operários da antiga Rede de Viação Cearense, instituição que garantia o sustento formal de quase todos os jogadores do elenco nas mais diversas atividades profissionais, desde eletricistas a bombeiros.

O DIA QUE O MONTEVIDEO WANDERERS VISITOU O FERRÃO

Wanders1222

Ferroviário e Montevideo Wanderers posam para foto história no Presidente Vargas

Já faz quase 60 anos que o Ferroviário recebeu a visita de uma das mais tradicionais equipes do futebol uruguaio. Em 14/7/57, o time coral ainda não era chamado de Tubarão da Barra e vivia sob a alcunha de ´clube das temporadas` por sempre prosperar contra times que excursionavam pelo nordeste. O jogo no acanhado PV contra o Montevideo Wanderers foi muito disputado, mas acabou mesmo no 0x0 apesar da atuação soberba das agremiações. Sem dúvida foi um amistoso que está até hoje na memória dos dirigentes e jogadores da época.

Era apenas o jogo de número 571 da história coral e olhe que já se vão 3492 no total até hoje. Sob o comando de Durval Cunha, conhecido treinador de equipes nordestinas nos anos 50, o Ferrão disputou o amistoso com Jairo, Manoelzinho (Lolô) e Nozinho; Renato, Macaúba e Eudócio; Zé de Melo, Pacoti, Macaco, Aldo e Fernando, uma onzena quase inteira profundamente identificada com o clube em razão dos vários anos que a grande maioria desdes jogadores defenderam a camisa coral, algo raro de se ver no futebol moderno.

Escudo_Montevideo_Wanderers_FCO presidente do Wanderers chamava-se Luis Alberto Castagnola. Os bohemios, como são conhecidos no futebol sulamericano, jogaram contra o Ferroviário com o futebol de Enriquez, Sosa e Tejera; Aude (Vasquez), Barrios e Mendez; Rumbo, Andrada, Sanabraia (Baska), Moscarelli (Gimenez) e Rial. Numa época de pouca eficiência nas comunicações, os produtores do amistoso anunciaram o Montevideo Wanderers como vice-campeão do país, fato este noticiado equivocadamente por todos os jornais de Fortaleza. Na verdade, a dupla Nacional e Penãrol comandava o futebol uruguaio naquele período e os bohemios ocupavam um papel apenas coadjuvante. Na mais recente temporada uruguaia 2013/14, depois de quase 30 anos, o Wanderers figurou como grata surpresa entre os finalistas do campeonato, perdendo a final para o Danúbio e provando que no futebol não há sentença de morte definitiva, quem parece morto uma hora reaparece até mais forte.

O PARQUE ZOOLÓGICO DO FERROVIÁRIO ATLÉTICO CLUBE

zoologico-bonito-dos-desenhos-animados-com-animais-coloridos_270-156887

O elenco do Ferroviário que perdeu ontem na semifinal da Taça Fares Lopes tem três jogadores com nomes, no mínimo, inusitados para os dias de hoje: Esquilo, Falcão e Moisés Rato. Tudo bem que o primeiro adota a grafia Squilo, mas não deixa de ser um evolução para quem já teve um lateral chamado Grilo (1972 a 1978). Os mais apaixonados rebaterão dizendo que o São Paulo tem Pato e Ganso. É justo. Porém, dando uma olhada no Almanaque do São Paulo, do amigo José Renato Sátiro, não consigo encontrar tantos apelidos futebolísticos com nome de aves e animais como os que estão no Almanaque do Ferrão.

Uma rápida pincelada e podemos encontrar no Zoo coral nomes com Girafa (1950), Nilson Leão (1986), Alexandre Pavão (2004), Arara (1958), Galo Duro (1938), Marcos do Boi (1967), Marquinhos Capivara (1993), Caranguejo (1943 a 1951), Danilo Baratinha (1974 a 1977), Lúcio Sabiá (1973 a 1981), Coelho (1969), Maurício Pantera (2004 a 2005), Pinto (1976 a 1977), Puma (2002 a 2003), Celso Gavião (1979 a 1980), Cláudio Rã (2001 a 2002), Dadá Jacaré (1978), Vicente Jabuti (1963 a 1966), Fernando Canguru (1976), Macaco (1952 a 1959), simplesmente o maior artilheiro da história do Ferroviário, e até um famoso treinador, ex-jogador do Flamengo/RJ, que atendia sob a alcunha de Murilo Pardal (1982), bem como um zagueiro representante de uma perigosa matilha, o famoso Lobinho (1959 a 1962).