DOIS JOGOS ELETRIZANTES COM 8 GOLS ENTRE FERRÃO E TREZE/PB

Base coral que jogou contra o Treze/PB em 1956

Ferroviário e Treze/PB sempre fizeram jogos duros entre si. Na imensa maioria das vezes, um vencia o outro pela diferença de um ou dois gols e placares como 1×0, 2×0 e 2×1 se tornaram comum entre ambos. Entretanto, duas únicas vezes o Tubarão da Barra e o Galo da Borborema fizeram jogos com oito gols na partida, o número máximo já atingido em campo pelos dois adversários. A primeira vez ocorreu em 25/03/1956 em Fortaleza. O jogo foi válido pela Taça Paulo Sarasate, um quadrangular que reunia ainda Fortaleza e Ceará, que ficou com o título. A partida entre Ferroviário e Treze foi disputada debaixo de forte chuva, o que afastou bastante o público daquele que foi apenas o jogo de número 513 da história coral. Com 3 gols de Fernando e um de Zé de Melo para o Ferroviário, e Marinho, Josias e dois gols de Mário II marcando para o time paraibano, o placar de 4×4 evidenciou dois times com muita vontade de ganhar. Treinado por Babá, o Ferrão alinhou com Zé Dias (Adir), Lolô e Antônio Limeiro; Manoelzinho (Rui Leite), Macaúba e Eudócio; Kitt, Zé de Melo, Pacoti (Macaco) e Fernando. Já o Treze jogou com Harry Carrey (Cícero), Geliz e Urai; Marinho, Filgueiras e Milton (Lamparina); Mário II, Mário I, Josias, Ruivo e Renê (Pitota). Depois desse jogo de oito gols, somente 36 anos depois tivemos um Ferroviário x Treze repetindo o número de tentos nos 90 minutos.

Júnior Piripiri: 1 gol

Em 01/04/1992, Ferrão e Treze estavam na Série C do campeonato brasileiro na mesma chave de CRB/AL, Auto Esporte/PB e Vitória de Santo Antão/PE. Naquela noite contra o time paraibano, novamente no PV, o time coral aplicou 5×3 no Galo da Borborema com 4 tentos de Jorge Veras e um de Júnior Piripiri. John, Dário e Tobi marcaram para o Treze. A partida foi a de número 2.423 da nossa história e contou com um público diminuto de apenas 483 pagantes. O jogo foi duro e o placar chegou a ficar 2×1, 3×2 e 4×3 para o time coral, que só marcou seu quinto gol no apagar das luzes. Treinado por Djalma Linhares, ex-zagueiro coral no título cearense de 1988, o Ferrão venceu com Joel, Caetano, Aldo, Evilásio e Paulo Adriano; Fernando, Gilson (Jó) e Júnior Piripiri; Cantareli, Aloísio e Jorge Veras. O Treze, do técnico Zé Lima, perdeu com Ednaldo, Porto, Lima (Aírton), Railson e Lelo; Dário, Warison e John; Betinho, Tobi e Beto (Humberto). Vasculhamos os arquivos do Almanaque do Ferrão e achamos o vídeo com os cinco gols do time coral naquele 5×3 de 1992. Vale a pena você se deliciar com os gols e principalmente com a agilidade do ídolo eterno Jorge Veras na hora de mandar a bola para o fundo do gol adversário. É só conferir abaixo.

CBF JÁ RECEBIA CRÍTICAS POR CALENDÁRIO NA TEMPORADA DE 1992

Se você acha que a situação do futebol brasileiro é um problema social recente com o desemprego em massa de centenas de equipes e milhares de jogadores, assista o vídeo acima. O problema não é tão recente assim. Conforme a matéria da TV Verdes Mares, em 1992, vários médios e pequenos clubes do país realizaram contratações para a então Série B do campeonato brasileiro, mas a data de início da competição foi diversas vezes adiada pela CBF. Foram dois meses de espera, um prejuízo para as equipes que tiveram que arcar salários e demais custos inerentes a um elenco de jogadores. Comparado aos 8 ou 9 meses que hoje muitos clubes vivenciam de inatividade por temporada, aqueles 2 meses parecem nada. Confira a situação da época na matéria com o treinador Djalma Linhares e os atletas Júnior Piripiri, Toninho Barrote e Jorge Veras, já veterano, que reclamava da falta de condições no clube por não ter chuteiras para treinar. Coisas de um passado não tão distante se comparado à falência atual da maioria dos times no Brasil.

DOS TREINOS NA BARRA DO CEARÁ PARA O FUTEBOL DA FINLÂNDIA

marcomanso

Ex-zagueiro do Ferroviário Atlético Clube em matéria nacional do Globo Esporte

Um ex-jogador do Ferroviário foi destaque ontem na versão nacional do Globo Esporte. A matéria do noticiário esportivo nada tinha a ver com sua passagem pelo time coral ou até mesmo com o futebol do Brasil. Tratava sobre o futebol da Finlândia – isso mesmo – e alguns brasileiros relacionados com o futebol daquele país foram destaque, entre eles, Marco Antônio Manso, ex-zagueiro do Tubarão da Barra no início dos anos 90.

Segundo o Almanaque do Ferrão, foram apenas dois jogos com a camisa do time principal. Em 07/4/91, Manso entrou no lugar do meia Júnior Piripiri e estreou entre os profissionais na derrota por 1×0 para o Auto Esporte/PI, dentro do Elzir Cabral, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro. Um mês depois, o treinador Djalma Linhares o colocou durante um amistoso contra o Maria Clara no lugar do experiente zagueiro Valdecy. E só. O promissor Manso não teve mais oportunidades e seguiu para o futebol paulista para ganhar o mundo.

Em matéria do portal Tribuna do Ceará em 2013, Manso recordou sua saída do Ferroviário. Após treinar a semana inteira como titular para uma partida contra o Guarany de Sobral, pelo Campeonato Cearense, foi informado no vestiário que ficaria no banco a pedido da diretoria. “Verdade ou não, aceitei e assisti ao jogo do banco mesmo. Mas, como sabia do potencial que eu tinha, não poderia aceitar aquele tratamento e na semana seguinte fui embora para São Paulo”, contou.

Manso chegou a Finlândia em 1998 depois de atuar na Arábia Saudita e Ilha de Malta. Foram 10 anos como jogador do MYPA, o que valeu depois o convite para atuar como diretor executivo do clube, função que exerce até hoje após concluir vários cursos, inclusive uma graduação em Administração. Ano passado, o ex-zagueiro coral esteve no Brasil visitando as categorias de base do Fluminense/RJ, parceiro da equipe finlandesa. Manso é mais um que bebeu a água da Barra do Ceará e ganhou o mundo, fruto do seu esforço, competência e dedicação.