A HISTÓRICA GOLEADA NO LEÃO NA LARGADA DA TEMPORADA DE 1994

Ídolo Batistinha

Início de temporada é sempre um período de implementação de trabalho e realização de partidas amistosas, onde a maioria delas acaba caindo no esquecimento do público em geral. Porém, existe um amistoso de começo de temporada, realizado no vitorioso ano de 1994, que até hoje a torcida coral não esquece. Foi a goleada de 4×0 em cima do Fortaleza, dentro do Elzir Cabral, quando o Tricolor do Pici levou um autêntico vareio de bola e foi humilhado por jogadores ainda desconhecidos do futebol cearense, mas que ao longo da temporada escreveram definitivamente seus nomes na história do Ferrão. Ao final do certame, somente o famoso ABC coral, formado pelos artilheiros Acássio, Batistinha e Cícero Ramalho, havia marcado juntos mais gols que o elenco inteiro do Ceará, vice-campeão estadual e vice-campeão da Copa do Brasil em 1994. Era ou não uma verdadeira máquina coral?

Acássio: dois gols no amistoso

Engana-se quem pensa que esse famoso amistoso contra o Fortaleza foi realizado na pré-temporada propriamente dita. Na verdade, os dois clubes já haviam realizado seus jogos de estreia pelo Campeonato Cearense de 1994, mas aproveitavam uma folga na tabela para continuar a preparação de suas equipes. Seis dias antes, o Tubarão da Barra havia ido a Sobral e empatado em 1×1 com o Guarany em seu primeiro jogo oficial pelo Estadual. Antes, na verdadeira pré-temporada, havia batido o Tiradentes, o Calouros e o Itapipoca. As torcidas estiveram presentes em bom número nas arquibancadas do estádio coral, até porque o primeiro Clássico Rei daquele ano estava marcado na tabela apenas para o mês de maio.

Cícero Ramalho: um dos artilheiros

Repare na escalação do Ferrão na goleada em cima do Leão e veja se consegue perceber algumas diferenças em relação ao time que foi campeão cearense dez meses depois: Miguel, Nasa, Santos, Batista e Branco; Edgar (Ricardo Lima), Acássio (Eron) e Basílio (Caetano); Batistinha (Pepe), Cícero Ramalho (Edinho) e Wanks. O técnico era José Dultra. O Fortaleza, do técnico Rui Guimarães, foi humilhado com o futebol de Júlio César, Adriano (Alex), Luís Cláudio, Oliveira e César Soares; Luis Fernando, Adenilton e Calvex (Maradona); Quirino (Edvan), Cláudio José (César) e Cosme. Pelo Ferrão, os ídolos Acássio e Batistinha, cada um, duas vezes, marcaram os gols do amistoso. Mais de duas décadas depois, o Almanaque do Ferrão resgata as imagens daquele jogo contra o Fortaleza, com direito a entrevistas com Cícero Ramalho, Lima e José Dultra.

RESGATE EM VÍDEO DA SEMIFINAL DO 1º TURNO DO ESTADUAL DE 1994

69472

Treinador Ramon Ramos

As postagens sobre o time do bicampeonato 94/95 costumam fazer muito sucesso no Almanaque do Ferrão e sempre repercutem com vários acessos. É comum também o blog receber pedidos de torcedores que desejam recordar em vídeo ou áudio lembranças particulares como um gol inesquecível, um lance marcante ou uma vitória que permanece viva na memória. Hoje, vamos atender o pedido do torcedor Flávio Assunção Filho, que solicitou o resgate em vídeo do jogo que marcou a sua primeira ida a um estádio de futebol. Foi em 8 de maio de 1994, no PV, numa semifinal de turno que Ferroviário enfrentou o bom time do Guarany de Sobral, montado naquela temporada pelo treinador Ramon Ramos, que coincidentemente foi o técnico coral na conquista do Bi no ano seguinte. A campanha de troca de notas fiscais por ingressos, uma promoção do futebol cearense em parceria com o governo do Estado à época, potencializava o número de torcedores nos estádios locais e 6.237 corais compareceram ao campo para conferir a classificação do Ferrão, que jogava pelo empate, para as finais do 1º turno do campeonato cearense.

denisgoleiro

Goleiro coral Dênis

Treinado pelo carioca José Dultra, o Ferrão formou naquela tarde/noite de domingo com o futebol de Dênis, Nasa, Batista, Haroldo e Branco; Lima, Rodinei (Caetano), Acássio e Basílio (Eron); Batistinha e Cícero Ramalho. Era a estreia do volante Rodinei, oriundo do América/SP, e o primeiro jogo oficial do zagueiro Haroldo, conhecido nos bastidores do clube como “Coqueiro” em razão da sua altura, que vinha do Caldas Novas/GO. Ambos não se destacaram no clube e atuaram em poucas partidas durante a temporada. O Guarany atuou com Luís Carlos, Raimundinho, Biriba, Joãozinho e Marcelino; Toninho Barrote, Fernando (Cláudio) e Marquinhos Capivara; Maurício (Valdir), Aloísio e Somar. Confira no vídeo acima, com a narração de Luciano Vieira de Moraes, irmão do ex-técnico coral César Moraes, o resgate dos melhores momentos daquele jogo e o belo gol do meia Eron. Depois, o time coral cedeu o empate em 1×1 após uma falha do goleiro Dênis, que vinha sendo titular após barrar o experiente Luís Sérgio, contratado à princípio para ser o camisa 1 após boas campanhas por Tuna Luso e Remo no futebol paraense. O gol do Guarany de Sobral – como dizem nos melhores programas esportivos da TV – infelizmente nós não temos para mostrar.

REVEJA OS GOLS DE UMA GOLEADA NUM 7 DE ABRIL COMO HOJE

Que tal recordar um jogo do Ferroviário disputado exatamente na data de hoje? Voltamos no túnel do tempo e vamos até 7 de abril de 1994, um ano mágico para o clube e por consequência para seus fiéis torcedores. Recuperamos as imagens de uma partida realizada naquela noite quando a máquina coral de fazer gols funcionou a pleno vapor. Foi um maravilhoso 6×0 contra o tradicional Calouros do Ar, com 2 gols do ídolo Acássio. Os outros tentos foram assinalados por Cícero Ramalho, Edinho, Nasa e Batistinha, que você pode conferir no vídeo acima.

Ainda treinado pelo carioca José Dultra, ex-zagueiro do Vasco/RJ e do Remo/PA, o Ferrão foi escalado com Dênis, Caetano (Edinho), Batista, Santos e Branco; Lima (Eron), Nasa, Acássio e Basílio; Batistinha e Cícero Ramalho. O Calouros tinha alguns jogadores que passaram pelo Ferroviário, inclusive contava com o comando técnico de Celso Gavião, um dos maiores zagueiros da história coral. Ele escalou o ´Tremendão da Aerolândia` com o futebol de Júnior Lemos, Zé Carlos, Márcio Gomes, Luciano e Paulo César; Feliciano, Idésio (Edmar) e Gilson; Nonato, Célio (Cafuringa) e Ronaldinho.

Após a extravagante vitória em cima do Calouros e de outros bons resultados, o Ferrão viveu dias complicados no campeonato pouco tempo depois. Numa partida contra o América, o Tubarão da Barra quebrava a bola e passou a ser vaiado pela exigente torcida coral. O gol do alívio veio dos pés do atacante Batistinha, que ao comemorar desferiu uma banana para os torcedores que vaiavam a equipe atrás da trave. O mundo quase veio abaixo por conta dessa atitude e gerou um dos raros momentos de desconforto entre time e torcida naquela brilhante temporada até hoje reverenciada.

LATERAL DIREITO LIONN CONSOLIDA CARREIRA NO FUTEBOL EUROPEU

10_lionn1

Ex-lateral direito do Ferroviário foi campeão nacional em 2012 no futebol da Romênia

Ele fez apenas 7 partidas com a camisa do time profissional do Ferroviário. O ex-lateral direito Lionn, que hoje atua no futebol português, estreou oficialmente no Tubarão da Barra num clássico contra o Ceará, no PV, entrando no segundo tempo. A estrela daquele jovem de 18 anos brilhou e ele marcou o único gol coral naquela tarde. Era o dia 4/2/2007 e o alvinegro venceu apertado por 2×1, mesmo com uma atuação fria e apática dos comandados do treinador José Dultra. Estava só começando a trajetória de sucesso de Lionn.

lionn fac12

Lionn no clássico das cores no Cearense de 2007

Quatro meses depois, o lateral Lionn seguiu com a delegação coral para o Caribe, onde o Ferrão disputou a Polar UTS Cup. Na estreia, o jogador marcou o primeiro gol na vitória de 2×0 frente o Barber de Curaçau. Sua boa atuação foi o suficiente para atrair o interesse de empresários que assistiam a competição. Logo depois, uma parceria dos dirigentes do Ferroviário com o Torreense, equipe integrante das divisões de acesso do campeonato português, fez Lionn seguir para a Europa juntamente com outros jogadores corais envolvidos na negociação. O lateral coral aprovou e por lá ficou.

1024

Lionn em Portugal com a camisa do Rio Ave

Já são 8 anos de futebol europeu. Lionn chegou a disputar a Champions League pelo Vitória de Guimarães, seu clube na primeira divisão portuguesa depois que saiu do Torreense. Chegou a defender também a camisa do Olhanense na temporada 2009/2010. Dois anos depois, foi campeão romeno pelo Cluj, o que o credenciou para retornar para Portugal, dessa vez para atuar no tradicional Rio Ave, onde permanece até hoje.

ARRANCADA PARA O BICAMPEONATO COMEÇAVA HÁ EXATOS 20 ANOS

Essa semana completa exatamente 20 anos que o Ferroviário venceu uma partida importantíssima pelo Campeonato Cearense de 1994, iniciando ali a trajetória vitoriosa que culminou com o título máximo daquela temporada e conquista do inédito bicampeonato no ano seguinte. Engana-se quem pensa que o ano vinha sendo fácil para o Tubarão da Barra. O time alternava boas e más apresentações, tendo num curto período de tempo José Maria Paiva, Humberto Maia e Edmundo Silveira no comando técnico à beira do campo, após a complicada saída do carioca José Dultra. Foi quando o Guri chegou em meados de setembro. Sim, ele, César Moraes, o melhor treinador da história do Ferrão, escolhido pelos torcedores na campanha ´Time dos Sonhos` realizada no ano passado.

Depois de bater o Guarany e empatar com o Fortaleza, a partida em questão contra o Ceará representou a primeira de duas vitórias do Guri em cima do alvinegro, no total de quatro partidas realizadas entre eles até a final do campeonato. O Ferrão não perdeu nenhuma. A vitória naquele jogo noturno foi crucial para dar moral ao grupo, numa partida que o Tubarão não contou com Nasa, Acássio, Basílio e Batistinha, todos em grande fase. Pra compensar, César Moraes lançou a juventude do lateral direito Alex, de 17 anos, e do endiabrado ponta Reginaldo, que só não fez chover e garantia ali a condição de titular no time do Guri até o fim do Estadual. O gol da vitória foi do folclórico Cícero Ramalho, um dos três artilheiros corais na temporada, em belo chute do meio da rua, desbancando o Ceará que era simplesmente o vice-campeão da Copa do Brasil de 94.

O Almanaque do Ferrão recupera abaixo as imagens do jogo da arrancada do título. Sem dúvida, uma grande oportunidade para rever bons momentos em campo do time que é apontado como um dos melhores da história coral e que naquele 26 de outubro formou com Roberval, Alex, Batista, Careca e Branco; Lima, Ricardo Lima e Eron (Esquerdinha); Cantareli, Cícero Ramalho (Edinho) e Reginaldo. A escalação do alvinegro e demais detalhes do embate, você pode conferir no jogo 2546 da história do Ferroviário disponibilizado na versão impressa do almanaque.