ATACANTE FOGUINHO ESTREAVA COM GOL HÁ 33 ANOS NO CASTELÃO

Há 33 anos, num domingo, dia 31 de Julho de 1983, Ferroviário e Ceará fizeram mais um grande jogo na história do futebol cearense. Após abrir 2×0 no placar logo aos 18 minutos iniciais, o time alvinegro não suportou o ímpeto do arrasador ataque coral e cedeu o empate ainda no primeiro tempo. Era o primeiro jogo oficial do ponta Foguinho com a camisa coral, ele que havia sido contratado recentemente junto ao Mixto de Cuiabá. Foi ele o autor do primeiro gol do Ferrão, que teve ainda uma grande arrancada do goleador implacável Jorge Veras na jogada que definiu o belo gol de empate. Tempo bom de um Ferroviário dirigido pelo experiente Lula, ex-ponta esquerda do Internacional/RS e do Fluminense/RJ. O blog apresenta acima os gols do jogo na narração de Fernando Vannucci, apresentador do semanário ´Gols do Fantástico`. Repare nas redes amarelas das traves do antigo estádio Castelão, elas que certamente marcaram época.

Foguinho e Jorge Veras marcaram

Foi o jogo 1.965 da história coral, com 13.363 pagantes. Joaquim Gregório foi o árbitro e o Tubarão da Barra formou com Giordano, Laércio, Paulo Alves, Nilo e Luisinho; Doca, Carioca e Betinho; Foguinho (Edson), Chicão (Zé Luís) e Jorge Veras. Era também a estreia oficial do atacante Zé Luís, ex-Ceará. Treinado por Moésio Gomes, o alvinegro jogou com Paulo Goulart, Everaldo, Djalma, Eraldo e Valdemir; Jorge Luís (Alves), Aloisio Guerreiro e Jacinto (Vicente Cruz); Katinha, Marciano e Zezé. Observe o adversário com os ex-corais Jorge Luís, Jacinto e Vicente Cruz, e ainda com o goleiro Paulo Goulart e o ponta Zezé, titulares no título de campeão carioca do Fluminense/RJ menos de 3 anos antes. A partida teve de tudo, inclusive uma falta de energia no segundo tempo que deixou o jogo encerrado mais cedo do que deveria. Jogo histórico, há 33 anos.

JOGO EM IGUATU REMETE À CONTRATAÇÃO DE JORGE VERAS

jorge veras

Jorge Veras: ídolo coral

De virada, o Ferrão venceu hoje mais um jogo válido pela segunda divisão do futebol cearense. O Tubarão da Barra segue com grandes chances de retornar à elite estadual e voltar a enfrentar seus tradicionais adversários, Ceará e Fortaleza, no ano que vem. A vitória por 2×1 aconteceu no Estádio Agenorzão, em Iguatu, contra o time de mesmo nome. Antes de ter a atual denominação, o velho estádio da municipalidade iguatuense chamava-se Morenão. Foi lá, em 6 de maio de 1982, que o Ferrão levou um time misto para enfrentar amistosamente a tradicional equipe do Coiguatu, que disputava a liga local. O time coral levou um chocolate de 3×0, mas ganhou um reforço de peso para o campeonato cearense que estava em pleno andamento: Jorge Veras. O ex-jogador da base do Ceará participou do amistoso com a camisa do Coiguatu, marcou um dos gols, e foi depois convidado para reforçar o Ferrão. Três meses depois já era titular da equipe coral fazendo gols no Presidente Vargas e no Castelão.

pardal_1

Treinador Paulo Murilo Pardal em entrevista

Vale a pena lembrar da onzena do Ferrão naquele amistoso de 1982 em Iguatu: Edmundo (Bira), Nonato Ayres (Pedro), Zé Carlos (Osmar), Júlio e Arnaldo; Doca, Jorge Bonga e Ednardo; Fernando, Carlos Brasília e Alberto. O treinador era Paulo Murilo Pardal, famoso ex-jogador do Flamengo/RJ na década de 60. Repare na escalação do Coiguatu: Indio, Nilsinho, Neto, Cláudio e Birungueta; Edson, Gêra e Batista; Flávio (Ramos), Jorge Veras (Mário) e Ider (Pelé). Além de Jorge Veras, nota-se no meio campo do time iguatuense a presença do jogador Gêra, cearense que depois se consagraria como um dos melhores jogadores de Futsal do mundo. A chegada de Jorge Veras para o Ferroviário rendeu bons frutos para o time coral. Ele formou com o meia Betinho um dupla infernal de goleadores por duas temporadas e escreveu seu nome na galeria dos inesquecíveis do Tubarão da Barra, fazendo inclusive parte da campanha do Time dos Sonhos do Tubarão da Barra. Parece mesmo que jogar em Iguatu emana bons frutos para o Ferroviário. Que fiquem as boas lembranças e que venha logo o acesso para a primeira divisão do futebol alencarino.

CRAQUES SÃO ETERNOS: RECORDE A PASSAGEM DE BETINHO PELO FERRÃO

Ferrão 1984

Ferroviário em 1984: Betinho carrega a tarja vermelha de capitão na manga do uniforme

Roberto Fontana Madeira era um verdadeiro craque. Essa é a mais perfeita referência para esse ex-jogador do Ferroviário, que chegou na Barra do Ceará já no crepúsculo de sua carreira, mas que conquistou uma verdadeira idolatria junto à torcida coral. Foram 83 jogos e 27 gols pelo clube entre 1982 e 1984, sendo 14 deles em grandes clássicos contra Ceará e Fortaleza, quando chegava a decidir as partidas. Estamos falando de Betinho, o experiente camisa 10 do Ferrão, o cérebro da equipe, um dos maiores jogadores em toda a história do futebol cearense. Talvez ele não saiba, mas seu nome é especialmente citado na versão impressa do Almanaque do Ferrão exatamente na parte dos agradecimentos. Pelo que? Por tudo que ele fez em campo e pelo que representou na época para jovens torcedores – como o autor da publicação, é bom que se diga.

betinho1982

Betinho no Ferrão

Betinho nasceu no Espírito Santo. Despontou para o futebol como atacante no Botafogo/RJ, mas foi em Pernambuco que trilhou grande parte de sua carreira de sucesso conquistando títulos sucessivos pelo Santa Cruz, Náutico e Sport. Ele tinha acabado de completar 35 anos de idade quando trocou o Leão da Ilha pelo Tubarão da Barra, mesmo ostentado o posto vigente de artilheiro do campeonato pernambucano com 12 gols, comprado que foi pelo Ferroviário por CR$ 3 milhões de cruzeiros, uma excelente contratação de impacto por parte do presidente José Lima de Queiroz. Era agosto de 82 e Betinho encaixou como uma luva no meio campo coral. Fez uma dupla implacável com o atacante Jorge Veras e ajudou a equipe a chegar à final em duas temporadas consecutivas. Em 84, em meio a grave crise política e financeira, Betinho pendurou as chuteiras no meio do campeonato cearense e teve uma brevíssima passagem como treinador de uma equipe desfigurada e recheada de problemas. Foram apenas 7 partidas no comando técnico coral, dirigindo seus ex-companheiros, o que na prática representou apenas um mês de trabalho. Deixou o clube, mas nunca saiu da memória de seus torcedores.

Betinho completou 68 anos de idade no último dia 9 de julho. Ele mora hoje em Recife e dá seus pitacos no futebol moderno, tão carente de jogadores com sua qualidade, como comentarista esportivo. Descobrimos um vídeo do Diário de Pernambuco, de 2012, onde ele fala especificamente de sua trajetória no futebol pernambucano, que por si só merece ser visto já que dele nunca mais se ouviu falar no futebol cearense. Que as imagens da janela abaixo apresentem para os torcedores mais jovens um verdadeiro craque, um ídolo na verdadeira acepção da palavra, nosso ex-jogador, alguém para nunca se esquecer.

O GOL MAIS BONITO DO FANTÁSTICO: JORGE VERAS DO FERROVIÁRIO

Em outubro do ano passado, o Almanaque do Ferrão recordou o gol do centroavante Ilo, em 1987, escolhido o mais bonito da rodada pelo programa Fantástico. A postagem repercutiu no sul do país e o próprio filho do ex-jogador coral, falecido em 2010, entrou em contato com o blog, o que valeu outra matéria apresentando aquele lance memorável. Hoje é a vez de resgatar um outro gol histórico escolhido por aquele famoso semanário da televisão brasileira. Vamos até 24 de Julho de 1983, quando Ferroviário e América jogaram no Castelão e o belo tento da vitória coral veio dos pés do artilheiro e ídolo Jorge Veras, que fazia com o meia Betinho uma dupla infernal no campeonato cearense.

ferrao83

Jorge Veras é o 5º agachado no elenco de 1983

O Ferrão era comandado pelo treinador Lula, ex-atacante do Internacional/RS e do Fluminense/RJ. Naquela tarde de domingo, ele escalou o time com o futebol de Giordano, Laércio, Paulo Alves, Nilo e Luisinho; Doca, Carioca e Barga (Paulinho Lamparina); Chicão (Narcélio), Paulo César Cascavel e Jorge Veras. Antes desse jogo, o América havia quebrado uma invencibilidade de 18 jogos do timaço que o Fortaleza montou na temporada de 1983. Treinado pelo ex-jogador, supervisor e treinador coral José Oliveira, o time rubro endureceu o jogo com Tarcísio Abelha, Tuca, Carlão, Darci e Canhoto; Faquim (Pinto), Joel Maneca e Marinho Macapá; Jadir (Carlinhos), Narcélio e Escurinho.

b0aaeabd451b4e5637bf3336c157315c

No Grêmio/RS

No início da temporada seguinte, depois de disputar o campeonato brasileiro da 1ª divisão com o Ferrão, Jorge Veras foi negociado com o Criciúma/SC e em 1985 já era titular do Grêmio/RS, onde sempre se destacou com gols importantes nos clássicos contra o Internacional/RS. O ex-artilheiro jogou ainda em São Paulo e Pernambuco, voltando ao Tubarão da Barra no período 90-92 e teve o mesmo destaque. Ao todo foram 155 jogos e 65 gols marcados com a camisa coral. Sem dúvida, um ídolo eterno na história do Ferroviário, escolhido como um dos atacantes na campanha ´Time dos Sonhos` promovida há 2 anos no site oficial do clube.

MIRANDINHA, SÉRGIO ALVES, PACOTI, JORGE VERAS E MARCELO VEIGA

Marcelo Veiga_Calçada 01322

Marcelo Veiga, ao lado de operários e de Evaldo Lima, coloca seus pés na Calçada da Fama do PV

Hoje é o grande dia para Pacoti e Erandy, dois dos homenageados com identificação com o Ferroviário Atlético Clube, que merecidamente colocam os pés no projeto ´Pé da Fama` na Arena Castelão. Você recorda que há 3 anos o Estádio Presidente Vargas contou com projeto semelhante? O próprio Pacoti deixou a marca de seus pés registrada no estádio mais antigo de Fortaleza em 2011. A calçada foi instalada na época por ocasião do aniversário de 70 anos do estádio, e teve em Evaldo Lima, então secretário de esportes da prefeitura, seu grande mentor. Nomes famosos como Rogério Ceni, Renato Gaúcho, Zico, Ronaldinho, Rivaldo, Marcos, entre outros, passaram por lá.

homenagem-atletas (1)

Mirandinha e Pacoti com o ex-jogador Nando

Como não poderia deixar de ser, na calçada do PV registrou-se a marca dos pés de nomes que jogaram no futebol cearense pelo Ferroviário. Além do próprio Pacoti, os ex-atacantes Mirandinha, Sérgio Alves, Jorge Veras e o ex-lateral Marcelo Veiga, eternizaram suas pegadas no local. O Almanaque do Ferrão recorda hoje alguns desses momentos através de registro fotográfico, esperando que a ´Calçada da Fama` do PV seja urgentemente recuperada, desgastada que está pelas intempéries do tempo, inclusive em local mais adequado dentro da estrutura do estádio, para que não se corra o risco de perder o registro de quem fez história naquele local.

CAMPANHA NO ANO PASSADO ESCOLHEU O TIME DOS SONHOS

timedossonhosFACE

Ao completar 80 anos de existência em 2013, o Ferroviário não ganhou como presente apenas o lançamento do Almanaque do Ferrão, que eternizou cronologicamente todos os jogos oficiais e amistosos da história coral. Ainda como parte das comemorações, o clube elegeu também seu ´Time dos Sonhos` através de uma votação na Internet a partir de uma criteriosa pré-lista que contemplava 5 indicações por posição. É sempre oportuno recordar os principais nomes da caminhada coral. Confira:

1 – Marcelino: Veio da Portuguesa/RJ. Esteve presente em 10 partidas no título estadual de 1970. Recordista com 1295 minutos sem sofrer gols no Estadual de 1973. Atuou 170 vezes entre 1969 e 1976. Obteve 30% dos votos.

2 – Nasa: Defendeu o clube em 76 partidas na fase vitoriosa entre 1993 e 1995. Atuava também como volante. Oriundo do Guarani de Juazeiro. Obteve projeção nacional jogando pelo Vasco/RJ. Ficou com 51% dos votos.

3 – Luiz Paes: Jogou 153 partidas entre 1966 e 1971. Parou Pelé no Jogo das Faixas do título coral de 1968 quando foi também o capitão do time. Oriundo do Náutico/PE. Ficou com 42% dos votos.

4 – Celso Gavião: Zagueiro goleador com gols importantes. Foram 32 gols em 122 partidas. Veio do Botafogo/SP. Conseguiu projeção mundial no Porto de Portugal. Parou de jogar no próprio Ferrão em 91. Obteve 45% dos votos.

5 – Lima: Chegou em 1993 oriundo do Sul América de Manaus. Fez 50 partidas com a camisa coral. Titular absoluto no título de 1994. Conseguiu projeção mundial jogando pela Roma, sendo titular da equipe italiana em algumas temporadas. Obteve 40% dos votos.

6 – Marcelo Veiga: Xodó da torcida coral no título de 1988, quando foi o capitão da equipe. Veio do Santo André/SP. Fez 13 gols em 79 jogos. Ficou até o ano seguinte e depois conseguiu projeção nacional no Santos/SP. Obteve 65% dos votos.

7 – Mazinho Loyola: Cria das categorias de base que brilhou no título de 1988. Foi negociado com o São Paulo logo em seguida. Jogou 55 vezes e marcou 16 gols pelo profissional. Encerrou a carreira no próprio clube em 2004. Obteve 47% dos votos.

8 – Coca Cola: Jogador lendário na fase áurea dos títulos de 1968 e 1970. Jogou em 324 partidas e fez 71 gols. Oriundo do Campinense/PB. Depois de atuar pelo Ferrão, jogou no futebol português. Obteve 51% dos votos.

9 – Pacoti: Um dos jogadores mais emblemáticos do futebol cearense. Jogou ainda no Sporting de Portugal. Jogou 78 vezes em duas passagens pelo clube. Fez 51 gols pelo Ferrão. Oriundo do Nacional/CE. Obteve 35% dos votos.

10 – Acássio: Principal jogador coral no bicampeonato no 94/95. Defendeu o clube 132 vezes e marcou 74 gols. Veio do Fluminense/BA. Sempre deixava sua marca de goleador em clássicos. Chegou depois a defender a camisa do Vasco/RJ. Obteve 53% dos votos.

11 – Jorge Veras: Goleador coral entre 1982 e 1984. Também sempre deixava sua marca nos clássicos contra Ceará e Fortaleza. Fez 65 gols em 155 jogos com a camisa coral. Conseguiu projeção nacional no Grêmio/RS. Obteve 35% dos votos.

Técnico – César Moraes: Conhecido como Guri, foi um dos nomes mais simpáticos do futebol cearense até hoje. Campeão estadual pelo Ferrão em 1979 e 1994. Passou sete vezes pelo clube e levantou 4 títulos ao todo. Obteve 52% dos votos.