ÁUDIO RARO PARA LEMBRAR DOIS DOS DESTAQUES DO FERRÃO EM 1974

Anúncio na imprensa da chegada dos ex-alvinegros Jorge Costa e Samuel para o Ferrão em 1974

Na temporada de 1974, o Ferroviário tinha um político na presidência. O deputado estadual Aquiles Peres Mota era ligado à Aliança Renovadora Nacional (ARENA), partido político que dava sustentação à ditadura militar no Brasil. Apesar de grave crise financeira, o time coral acertou a contratação de dois jogadores consagrados no Ceará em temporadas anteriores: o meia Samuel e o atacante Jorge Costa. Mesmo diante das muitas dificuldades econômicas e estruturais, os dois fizeram relativo sucesso no Tubarão da Barra. Resgatamos abaixo o áudio com o gol da vitória do Ferrão contra o Maguari pelo campeonato cearense daquele ano. A narração é de Gomes Farias e o repórter volante é o ex-árbitro José Tosta, que trabalhavam na Rádio Verdes Mares de Fortaleza. Treinado pelo ex-goleiro Gilvan Dias, o Ferrão venceu com Marcelino, Perivaldo, Joel Copacabana, Cândido e Grilo; Luciano Oliveira (Edilson Lopes) e Oliveira; Marcos (Lula), Jeová, Jorge Costa e Gaspar. Samuel estava contundido nesse jogo e não enfrentou o Maguari, comandado pelo técnico Zé Gerardo, e que formou com Jorge Hipólito, Reizinho, Hamilton Ayres, Alvy e Valdecir; Zezinho e Nilsinho; Chico Alves (Adão), Dedé (Simplício), Facó e Zequinha. Perceba nomes corais históricos como Hamilton Ayres, Facó e Simplício atuando pelo adversário. O jogo foi no Castelão e teve um público de 2095 pagantes. Jorge Costa fez 29 jogos e marcou 15 gols pelo Ferrão. Samuel, por sua vez, atuou em 18 jogos e marcou 7 tentos. Jorge voltou para o Ceará na temporada seguinte e depois ainda atuou no Fortaleza. Samuel foi para o ABC/RN na temporada seguinte e teve sucesso, até que um belo dia deixou uma carta e se mandou de Natal para nunca mais jogar futebol, mas isso ai é uma outra história que um dia contaremos por aqui. Abaixo, o gol de Jorge Costa, de pênalti, contra o Maguari em 1974, com a camisa do Ferrão. Certamente, uma raridade.

FAMA E OSTRACISMO: PERIVALDO DO FERRÃO PARA A SELEÇÃO BRASILEIRA

Lateral direito Perivaldo, baiano de Itabuna, do Ferroviário em 1974 para a Seleção Brasileira

O Ferroviário precisava de um lateral direito em 1974 e foi buscar um jovem atleta na Bahia para resolver seu problema. Quem diria que aquele garoto chamado Perivaldo Lúcio Dantas, de apenas 21 anos de idade, um dia disputaria a posição de titular da Seleção Brasileira treinada por Telê Santana? Foram 20 jogos com a camisa do Tubarão da Barra naquela temporada. Chegou a marcar um gol com a camisa coral, contra o América/CE, no PV. Foi no dia 28/08/1974, quando o Ferrão aplicou 4×1 no time que tinha uma bela sede social na Av. Dom Manuel em Fortaleza. Perivaldo se destacou no Ferroviário e voltou ao Bahia, onde foi titular. Do tricolor baiano para o Botafogo/RJ foi um pulo, clube que lhe deu projeção nacional e constantes convocações para a Canarinho.

Ferroviário no campeonato cearense de 1974 – Em pé: Perivaldo, Joel Copacabana, Cândido, Marcelino, Luciano Oliveira e Grilo; Agachados: Marcos, Jorge Costa, Jeová, Oliveira e Gaspar

Na Barra do Ceará, Perivaldo viveu dias complicados com atraso de salários e falta de uma melhor estrutura, algo constantemente alvo de reclamações expostas na imprensa cearense por parte de jogadores experientes como o zagueiro Joel Copacabana e o atacante Jorge Costa. O lateral Perivaldo superou as adversidades e seguiu sua vida. Alcançou destaque e projeção no futebol, pena que numa época que jogador de futebol não ganhava as fábulas financeiras da atualidade. Há poucos anos, ele foi destaque na mídia nacional através de uma matéria da TV Globo que o localizou vivendo precariamente em Portugal. Após a polêmica, voltou ao Brasil e esteve novamente em Fortaleza, quase 40 anos depois, voltando a visitar o Ferroviário em companhia do ex-atacante Mirandinha, cria coral e ex-companheiro de Perivaldo no Botafogo//RJ. Se você não lembra do caso, a gente recupera abaixo a referida matéria de televisão. Pouca gente na ocasião sabia ou lembrava que Perivaldo havia sido atleta do Ferrão. Fique por dentro!

JOGARAM NOS ADVERSÁRIOS E ENCONTRARAM PORTAS ABERTAS

O vídeo acima apresenta o gol da vitória coral contra o Ceará na narração do competente Brenno Rebouças, semana passada, na estreia de ambos na Taça Fares Lopes, competição cearense que movimenta os clubes no segundo semestre. O tento foi marcado pelo atacante Rinaldo, 40 anos de idade, no melhor estilo da velocidade que o caracterizou há poucos anos como ídolo do Fortaleza em mais de 100 gols assinalados. Rinaldo é certamente o jogador de mais idade que passou por Ceará ou Fortaleza e que depois encontrou guarida no Ferroviário. Que brilhe na Barra como vários outros o fizeram. O Almanaque do Ferrão recorda os principais casos. São mais de 50 nomes. Alguns internautas sentirão saudades, outros podem até sentir dor de cabeça ao recordar certos atletas, mas vale a pena a confecção da lista abaixo.

artuzao

Artur do Carmo: zagueirão pai d´égua

Por ordem alfabética, recorde alguns jogadores que se destacaram no Ceará e que depois atuaram pelo Ferroviário em suas respectivas temporadas: Aírton (1993), Arlindo Maracanã (2011), Argeu (1993), Artur (1979), Daniel (1972), Djalma (1988), Erandy (1975), Erasmo (2000), Expedito Chibata (1965), Guilherme (1959), Ivanildo (2002), Jangada (1981), Januário (2003), Jéfferson (2006), João Carlos (1967), Jorge Costa (1974), Juju (1951), Luciano Oliveira (1974), Marcos do Boi (1967), Marquinhos Capivara (1993), Mastrillo (1998), Magela (1977), Paulo Tavares (1974), Ramon (1984), Roberval (1994), Samuel (1974), Sérgio Alves (2006), Wanks (1994), Wolney (1987), Zezinho (1970) e Zezinho Fumaça (1971).

paulomauricioeroner

Laterais Paulo Maurício e Rôner

Do Fortaleza, ganharam destaque e depois passaram pelo Tubarão da Barra os seguintes nomes: Adílton (1985), Alexandre (1986), Birungueta (1971), Caetano (1989), Celso Gavião (1979), Cícero Capacete (1979), Da Silva (1988), Eliézer (1997), Facó (1967), França (1939), Geraldino Saravá (1980), Gilmar Furtado (1990), Haroldo (1981), Jombrega (1940), Jorge Pinheiro (1994), Louro (1969), Mano (1968), Maradona (2001), Mozart (1966), Lupercínio (1986), Luizinho das Arábias (1985), Nélson (1985), Paulo Maurício (1978), Rôner (1981), Sérgio Monte (1985), Solimar (1998) e Zé Félix (1939).