RECORDE DO GOLEIRO MARCELINO COMPLETA 45 ANOS NO DIA DE HOJE

Um dos arqueiros mais conhecidos da história do Ferroviário comemora 45 anos de seu recorde

10 de Junho de 1973. Foi nessa data, há exatos 45 anos, que um ex-juvenil do Ferroviário desferiu um chute defensável e o goleiro coral naquele domingo acabou traído pela trajetória da bola. O lance foi histórico, apesar de estranhamente a mídia cearense quase sempre fazer questão de não lembrar. O gol de Ibsen, pelo Maguary, derrubou uma marca de 1.295 minutos sem sofrer gols do goleiro Marcelino, um carioca que marcou época na Barra do Ceará entre 1969 e 1976. Até hoje nenhum outro goleiro chegou sequer a ameaçar o posto de recordista do ex-arqueiro coral, que merecia uma estátua pelo feito. Foram 170 partidas com a camisa do Ferrão, o terceiro arqueiro em número de jogos nas estatísticas corais, atrás apenas de Zé Dias e Jorge Luiz, os dois recordistas na posição. Marcelino viveu altos e baixos no clube, mas será sempre lembrado como um dos goleiros mais importantes da história coral, não apenas pelo recorde cearense, que dificilmente um dia será quebrado, mas também pelo longo período de tempo que atuou como titular do arco do Ferrão. Naquele dia, o Maguary venceu o jogo por 2×1, quebrando uma invencibilidade do Ferrão, que não perdia desde outubro do ano anterior, além de quebrar a hegemonia particular de Marcelino. Nascia ali um recorde histórico. Hoje, aos 71 anos de idade, Marcelino continua vivendo em sua residência na cidade de Fortaleza. Há cinco anos, a direção de marketing do Ferroviário promoveu um vídeo com o ex-goleiro coral e nós aproveitamos para resgatá-lo abaixo em homenagem ao aniversário do grande feito.

INVENCIBILIDADE DE MARCELINO CAIA NUM 10 DE JUNHO COMO HOJE

marcelino4222

Goleiro Marcelino: 170 jogos pelo Ferroviário e recorde de 1.295 minutos sem sofrer gols

10 de Junho. Foi nessa data, há exatos 42 anos, que um ex-juvenil do Ferroviário desferiu um chute defensável e o goleiro coral acabou enganado pela trajetória da bola. Gol do Maguary. Aquele lance de 1973 foi histórico, apesar da mídia cearense quase sempre fazer questão de não lembrar. O gol de Ibsen derrubou uma marca de 1.295 minutos sem sofrer gols do goleiro Marcelino, um carioca que marcou época na Barra do Ceará entre 1969 e 1976. Até hoje nenhum outro goleiro chegou sequer a ameaçar o posto de recordista do ex-goleiro coral. No futebol brasileiro, trata-se da 4ª melhor marca nacional. O fato mereceu destaque inclusive na revista Placar na edição de 15/6/1973. O 1º lugar pertence a Mazaroppi, do Vasco/RJ, com seus 1.816 minutos em 1977. Jorge Reis e Neneca, ambos recentemente falecidos, estão também à frente da marca histórica de Marcelino. No futebol cearense, o ex-goleiro do Ferrão merecia uma estátua pelo feito.

1973_0222

Marcelino e Ibsen após o gol

Foram 170 partidas com a camisa coral. Marcelino viveu altos e baixos no clube, mas será sempre lembrado como um dos goleiros mais importantes da histórica coral, não apenas pelo recorde cearense, que dificilmente um dia será quebrado, mas também pelo bom período de tempo que atuou como titular da meta coral. Ibsen foi companheiro de Marcelino até 1971, quando deixou o Ferroviário e passou a atuar em outras equipes. O gol que quebrou a marca lendária de seu ex-companheiro pareceu doer no ex-atleta coral. Após o gol, Ibsen correu e pediu desculpas para Marcelino. O Maguary venceu o jogo por 2×1, quebrando uma invencibilidade do Ferrão, que não perdia desde outubro do ano anterior. O recorde de Marcelino já mereceu destaque em outra postagem do Almanaque do Ferrão e merece ser celebrado a cada aniversário. O ex-goleiro é vivo, reside ainda em Fortaleza, onde fixou residência. Nunca mais voltou ao Rio de Janeiro. Mora num apartamento no bairro do Papicu e certamente merece todos os elogios e parabéns possíveis.

MARCA HISTÓRICA DO GOLEIRO MARCELINO CHEGA AOS 42 ANOS

marcelino1_2

Recordista Marcelino com sua tradicional camisa preta defendendo o arco coral em 1973

Ele chegou para o Ferroviário em dezembro de 1969 e foi campeão cearense no ano seguinte. Porém, o maior feito do carioca Marcelino, goleiro coral durante boa parte dos anos 70, não foi exatamente aquele título estadual no início da década. Ele estava reservado para a temporada de 1973 e teve grande repercussão nacional. Ao atingir o recorde de 1.295 minutos sem sofrer gols naquele ano, Marcelino é detentor até hoje da quarta melhor marca no Brasil e oitava no mundo inteiro. Já são 42 anos de hegemonia no estado do Ceará, algo que provavelmente nunca mais será alcançado por outro goleiro em terras alencarinas.

O recorde de Marcelino começou a se estabelecer em fevereiro de 73 e durou até junho daquele ano. Na longa lista de jogos sem sofrer gols, enfrentou Ceará, Fortaleza, Icasa, Quixadá, Calouros do Ar, Maguari, Guarani de Juazeiro, Guarany de Sobral, Tiradentes e América em 15 jogos oficiais que marcaram sua vida para sempre. Todo mundo queria ser o algoz do goleiro coral e coube a Ibsen, ex-companheiro de Marcelino no próprio Ferroviário, a autoria da façanha jogando com a camisa do Maguari. O recorde colocou o Tubarão da Barra no noticiário nacional dos jornais e da televisão, merecendo até destaque na revista Placar, a principal publicação sobre futebol até os dias de hoje.

O recorde de Marcelino provavelmente seria esquecido não fossem as pesquisas do Almanaque do Ferrão. Ele está registrado na página 500 e a ficha técnica dos jogos de invencibilidade estão apresentados entre as páginas 180 e 182 da publicação impressa lançada em 2013. Nesse mesmo ano, a direção de marketing do Ferroviário promoveu o reencontro virtual de Marcelino com a torcida coral ao produzir um vídeo de 18 minutos com o recordista coral, que há anos encontrava-se recluso em seu apartamento no bairro do Papicu. Reveja esse material abaixo e saiba um pouco mais sobre Marcelino.