RECORDE A ÚLTIMA ALEGRIA CORAL NUM SÁBADO DE CARNAVAL

carnaval2012-recife-1

A realização de jogos de futebol tem cada vez mais se familiarizado com o sábado de carnaval

É carnaval! E o sábado momino tornou-se um data tradicional para a prática do futebol. Ano passado, listamos algumas vezes que o Ferroviário jogou em pleno sábado de carnaval, mas hoje um jogo específico merece destaque. Vamos até o sábado de carnaval de 2013, dia 09 de fevereiro, para resgatar um trabalho profissional em vídeo muito bacana especialmente produzido com o intuito de registrar um momento bom no cotidiano do clube, que passava por mais uma das inúmeras tentativas de soerguimento implementadas – pelo menos – nos últimos 10 anos. Diante de um bom público presente no PV, o Ferrão fez 1×0 em cima do Guarani de Juazeiro, gol de Cleylton, e assumia a liderança do campeonato cearense. A torcida coral passou o carnaval em festa!

torcidapvferroviario2013

Em 2013, a torcida coral compareceu em bom número no PV exatamente no sábado de carnaval

Foi o jogo 3.430 da história do Ferroviário, que venceu o Guarani utilizando a base do Sub-20 do ano anterior, com o futebol de Fernando Júnior, Everton, Valdo, Cleylton e Tinga; Vagno Pereira, Foguinho, Sami (Lima) e Henrique (Luisinho); Ted (Chico) e Giancarlo. O treinador era o gaúcho Gilson Maciel. Já o adversário, treinado por Pedro Manta, formou com Fábio, Nem, Jéferson, Marcelo Mineiro e Toninho; Guídio (Ramon), Anderson, Gustavo e Netinho (Ivanzinho); Niel e Moré (Paulão). Aquele carnaval foi o último momento de plenitude vivido pelo Ferrão. Torcedores, orgulhosamente vestidos com a camisa coral, foram vistos com frequência nos mais diversos recantos do estado durante o período momino. Infelizmente, antes mesmo do final daquele ano, todo trabalho profissional de reestruturação construído tijolo a tijolo começou a ser implodido dentro da própria estrutura interna do clube. O resto da história, a gente já sabe. Curiosamente, em mais um sábado de carnaval, o Ferrão voltou a jogar hoje, dessa vez longe dos holofotes. Foi até a cidade de Horizonte para disputar um simples amistoso e saiu derrotado na partida 3.537 de sua trajetória. Então é melhor ficar com a lembrança do carnaval de 2013 eternizada no vídeo abaixo, lançado pelo setor de marketing do clube na ocasião.

NOVA CONTRATAÇÃO CORAL VIVE FASE DE GAROTO PROPAGANDA

11954743_10204792949649636_1636587340418698119_n

Clodoaldo no set de gravação do comercial

O meia atacante Clodoaldo, nova contratação do Ferroviário, foi o maior ídolo do futebol cearense na primeira década desse século. Viveu dias de glória no futebol com a camisa do Fortaleza, faturou um bom dinheiro para os padrões locais e chegou a ser empresariado pelo grupo da famosa Marlene Matos, a mesma que gerenciava a carreira de Xuxa, simplesmente a apresentadora infantil mais famosa em todos os tempos. O jogador vai completar 37 anos em dezembro e chega ao Tubarão da Barra depois de passagens negativas por times cearenses de pouca expressão como Horizonte, Quixadá e Nova Russas. Em seu primeiro jogo amistoso, Clodoaldo marcou um tento de pênalti e deu 3 assistências para gols na goleada de 5×0 em cima da equipe suburbana do Alvorada. Entretanto, melhor não criar muitas expectativas para o rendimento do veterano jogador, useiro e vezeiro em equívocos que caracterizaram uma vida desregrada e que só prejudicaram sua carreira.

qaws

Irreverência e senso de oportunidade

Quando a bola rolar oficialmente para ele na disputa da Taça Fares Lopes, Clodoaldo pode até mostrar alguns lampejos do futebol que o consagrou, mas certamente jamais estará apto para o alto rendimento em campo. Porém, o carisma do ´capetinha` e a visibilidade que só o Ferrão garante colocaram-no na mídia novamente a ponto, inclusive, dele ser garoto propaganda de uma campanha programada para a Internet. Nada que encha seus bolsos de dinheiro, mas certamente algo que entrará para a lembrança da publicidade local em termos de irreverência e senso de oportunidade. O vídeo já viralizou e muita gente já viu. Vale, portanto, o destaque do Almanaque do Ferrão. Foi produzido pela editora multimídia Vocábulo Um para o cliente Comercial Caracas, uma empresa de profundas raízes corais, pertencente ao neto e ao bisneto de ninguém menos que Valdemar Caracas, fundador do Ferroviário. Confira abaixo o comercial com o novo reforço coral E que o capetinha possa aprontar algumas diabruras contra os adversários. Não seria nada mau.

GOL 6.000 DA HISTÓRIA CORAL SAIU HÁ 6 ANOS NO ESTÁDIO DOMINGÃO

ori_a7be75eb8c6835f5514ffddb3d40547c

Eliélton marcou o gol 6.000 da história

Nesse 19 de Julho faz 6 anos que o pernambucano Eliélton marcou o gol de número 6.000 da história do Ferroviário. Foi exatamente num domingo como hoje, no Estádio Domingão, diante de um público pífio de 456 pessoas que se aventuraram a ir até o município de Horizonte acompanhar o Tubarão da Barra. O adversário foi o Flamengo/PI pela disputa da Série D do campeonato brasileiro. O Ferrão fez 3×0 no placar e foi justamente o segundo gol do jogo que levou a marca emblemática. Mais que isso, o gol de Eliélton foi sensacional, histórico não apenas pela relevância numérica na história, mas sobretudo pela beleza plástica. Foi exatamente o “gol que Pelé não marcou” contra a Tchecoslováquia na Copa do México em 1970. O gol que Pelé não conseguiu marcar, outros jogadores do futebol mundial conseguiram. O meia Eliélton, do Ferrão, foi um deles. Coisas do futebol que não têm explicação.

aucélio

Ex-volante da década de 70: Aucélio

Acompanhe o vídeo com a matéria da vitória coral contra o Flamengo piauiense. Além do gol antológico de Eliélton, também pode se recordar os gols dos atacantes Wescley e Cristiano. Era a primeira vitória coral na competição após derrotas nos dois primeiros jogos. Treinado por Gilmar Silva, o Ferroviário atuou com Jéfferson, Ivan, Cícero César, Lúcio e Victor Cearense (Marcelo); Válter, Eliélton, Clébson e Diogo Oliveira (Diego); Cristiano (Júnior Cearense) e Wescley. Por sua vez, o Flamengo do Piauí perdeu com Beto, Niel, Marcelão (Maranhão), Laércio e Binha; Alessandro, Célio (Marcelo Sá), Luciano e Bruno Potiguar (Tote); Roni e Michel. O técnico flamenguista era o gaúcho Paulo Moroni. Nas arquibancadas do Domingão, três ex-jogadores corais chamaram a atenção entre os poucos torcedores presentes: o lateral esquerdo Vila Nova, o volante Aucélio e o lateral esquerdo Marcelo Veiga, destaques nas décadas de 70 e 80. Confira o vídeo abaixo e relembre o golaço de Eliélton, o gol 6.000 da história do Ferroviário.

CINCO PARTIDAS PELO FERRÃO E A SORTE DE IR BATER NA BULGÁRIA

Ferrão_2009_AmistosoemHorizonte

Na foto: Dionantan, Cícero César, Clemílson, Felipe Espada, Diogo e Rafael; Eliélton, Victor Cearense, Cristiano, Júnior Cearense e Alberto.

Quando Dionantan, Alberto, Cícero César, Rafael e Victor Cearense; Clemílson, Eliélton, Júnior Cearense e Diogo Oliveira; Cristiano e Felipe Espada entraram em campo no primeiro amistoso preparatório para a Série D de 2009, o atacante Juninho Quixadá estava no banco. O jogo foi contra o time B do Fortaleza e o time coral perdeu por 3×2. Foi no dia 24/6/2009 na cidade de Horizonte. Juninho só entrou no segundo tempo no posto de Cristiano. Daquele grupo, ele foi o que chegou mais longe no futebol até o momento. Recentemente, o atleta disputou partidas pela Champions League, a competição mais importante do cenário futebolístico mundial e, na semana passada, marcou o gol da classificação do Ludogorets Razgrad contra o Beroe pela Copa da Bulgária.

Apesar da campanha irregular do Ferrão no Brasileiro de 2009, Juninho Quixadá se destacou. Foi apenas um gol em 5 partidas pelo time coral, mas o suficiente para valer uma negociação com o Bragantino/SP, onde ganhou a chance de seguir para a Europa oriental dois anos depois de uma forma no mínimo inusitada. O jogador envolvido na negociação do time paulista era o também ex-coral Léo Jaime, que acertara tudo para jogar na Bulgária. Quando perceberam o biotipo franzino do atacante, os empresários búlgaros desistiram de Léo Jaime e pediram outro jogador em seu lugar. Os empresários brasileiros ligados ao Bragantino sugeriram Juninho Quixadá e, desde então, ele lá está. Tirou a sorte grande. São coisas do futebol. Abaixo, um vídeo do jogador na época que ele atazanava a defesa coral jogando pelo Quixadá e depois, alguns momentos dele com a camisa coral contra o Treze/PB e Sergipe/SE pela Série C daquela temporada.