RECORDE A ÚLTIMA ALEGRIA CORAL NUM SÁBADO DE CARNAVAL

carnaval2012-recife-1

A realização de jogos de futebol tem cada vez mais se familiarizado com o sábado de carnaval

É carnaval! E o sábado momino tornou-se um data tradicional para a prática do futebol. Ano passado, listamos algumas vezes que o Ferroviário jogou em pleno sábado de carnaval, mas hoje um jogo específico merece destaque. Vamos até o sábado de carnaval de 2013, dia 09 de fevereiro, para resgatar um trabalho profissional em vídeo muito bacana especialmente produzido com o intuito de registrar um momento bom no cotidiano do clube, que passava por mais uma das inúmeras tentativas de soerguimento implementadas – pelo menos – nos últimos 10 anos. Diante de um bom público presente no PV, o Ferrão fez 1×0 em cima do Guarani de Juazeiro, gol de Cleylton, e assumia a liderança do campeonato cearense. A torcida coral passou o carnaval em festa!

torcidapvferroviario2013

Em 2013, a torcida coral compareceu em bom número no PV exatamente no sábado de carnaval

Foi o jogo 3.430 da história do Ferroviário, que venceu o Guarani utilizando a base do Sub-20 do ano anterior, com o futebol de Fernando Júnior, Everton, Valdo, Cleylton e Tinga; Vagno Pereira, Foguinho, Sami (Lima) e Henrique (Luisinho); Ted (Chico) e Giancarlo. O treinador era o gaúcho Gilson Maciel. Já o adversário, treinado por Pedro Manta, formou com Fábio, Nem, Jéferson, Marcelo Mineiro e Toninho; Guídio (Ramon), Anderson, Gustavo e Netinho (Ivanzinho); Niel e Moré (Paulão). Aquele carnaval foi o último momento de plenitude vivido pelo Ferrão. Torcedores, orgulhosamente vestidos com a camisa coral, foram vistos com frequência nos mais diversos recantos do estado durante o período momino. Infelizmente, antes mesmo do final daquele ano, todo trabalho profissional de reestruturação construído tijolo a tijolo começou a ser implodido dentro da própria estrutura interna do clube. O resto da história, a gente já sabe. Curiosamente, em mais um sábado de carnaval, o Ferrão voltou a jogar hoje, dessa vez longe dos holofotes. Foi até a cidade de Horizonte para disputar um simples amistoso e saiu derrotado na partida 3.537 de sua trajetória. Então é melhor ficar com a lembrança do carnaval de 2013 eternizada no vídeo abaixo, lançado pelo setor de marketing do clube na ocasião.

A ÚLTIMA VEZ DO FERRÃO NUMA FINAL DAS CATEGORIAS DE BASE

222412_486928404671182_1839214923_n

Vice-campeão cearense Sub-20 de 2012- Em pé: William Mardoch, Samuel Guerra, Del, Murillo, Cleylton, Marcelo, Everton, Lima, Lucas, Fernando Abade, Anderson Borges e Caíque; Agachados: Fábio, Neto, Adilton, Bruno, Damásio, Romário, Cléo, Léo, Márcio, Luisinho e Maico Motta.

O tempo tem sido implacável com o Ferroviário. Há muitos anos o clube não chega nas finais das principais competições estaduais de categorias de base. Uma das únicas exceções ocorreu exatamente há 3 anos, infelizmente a última vez, quando o time coral disputou o título do Sub-20 contra o poderio financeiro e estrutural do Ceará. O placar de 0x0 garantiu o título ao alvinegro, que jogava pelo empate por ter somado 1 ponto a mais na fase classificatória. Foi um duro golpe na meninada coral, que ainda viu um gol lícito do atacante Luisinho ser anulado pelo árbitro César Magalhães, após cobrança de escanteio do lateral direito Everton. Vários garotos foram às lágrimas após o jogo.

51967c2148067 (1)1

Gilson Maciel: o treinador

Apesar do gosto amargo, o vice-campeonato dava a certeza do caminho certo a partir da profissionalização do setor de futebol, fundamentada na captação financeira oriunda de negociações legalmente garantidas de parte dos direitos econômicos de atletas junto à potenciais investidores e apoiadores, algo até então inédito na história do clube. Seria a aposta no futuro promissor da reestruturação de um Ferroviário que já vinha há 17 anos sem resultados expressivos, e que pouco a pouco sucumbia em importância na revelação de atletas. Dentro de campo, o treinador Gilson Maciel, um ex-goleador de destaque do Grêmio/RS e do Tigres do México, entre outras equipes, ministrava treinamentos de alto nível baseados em periodização tática, a mesma metodologia que consagrou o trabalho do português José Mourinho, um dos principais técnicos da história do futebol. Os críticos de plantão, invariavelmente leigos no assunto, desconheciam por completo a metodologia técnico-tática dos treinamentos do Sub-20 coral, que seria implementada em todas as categorias de base do clube com o passar do tempo.

foguinhocapita

Capitão Foguinho e os árbitros

Antes da finalíssima contra o Ceará, a meninada coral pegou o Fortaleza na semifinal. Estranhamente, a Federação Cearense de Futebol colocou o jogo na preliminar de um partida do Leão pela Série C do campeonato brasileiro, algo inédito até então na competição. Diante de um PV lotado para o jogo principal, os jovens valores corais encararam o adversário e sua torcida de igual pra igual. O Ferrão ainda teve um gol anulado – este corretamente – assinalado pelo ala esquerdo Maico Motta, em impedimento. Diante da necessidade de levantar a auto-estima do clube com a chegada numa final depois de tanto tempo, a direção de futebol conquistou algo raro para as categorias de bases do clube dentro do quase sempre combalido e delicado contexto coral, uma premiação de 10 mil reais para os jogadores despacharem o Fortaleza. A captação ocorreu na véspera da partida junto a um dos investidores do projeto e a notícia, dada ainda na concentração, motivou mais ainda a garotada do Ferrão, que conquistou o direito de ir à final com o 0x0 no placar. Depois, todo o grupo foi levado para uma justa e merecida comemoração no restaurante do ex-jogador coral Solimar, um dos principais entusiastas do projeto. Em meio à euforia, uma tristeza, o capitão Foguinho tomara o terceiro cartão amarelo num lance à beira do gramado e ficaria de fora da grande final.

1891240_711238028914862_4204733038005123311_n

Final: zagueiro Marcelo e goleiro Murillo ao fundo

Na decisão contra o Ceará, o Ferrão entrou em campo com Maico Motta como capitão e escalado com Murillo, Everton, Cleylton, Marcelo e Maico Motta; Márcio (Bruno), Lima, Fernando Abade (Léo) e Cléo; Luisinho e Romário (Damásio). Treinado pelo ex-coral Sérgio Alves, o Ceará foi campeão com Gian, Reginaldo (Matheus), Dener, Potiguar e Fábio; Dassayev, Ernesto, Diego e Luiz Henrique (Bruno Rafael); Beberibe (Gabriel) e Sanchez. Mais 10 mil reais foram colocados como gratificação pelo título, uma repetição do aporte oriundo do mesmo investidor da semifinal. O gol não saiu e o único que foi feito foi anulado. O título não veio. O elenco vice-campeão Sub-20 de 2012 serviu de base para o time profissional que disputou o campeonato cearense do ano seguinte. Em reestruturação financeira, o Ferroviário tinha a menor folha de pagamento entre os participantes, apenas 35 mil reais, algo inimaginável para os parâmetros competitivos do futebol moderno. Dentro de campo, o time coral terminou a primeira fase em 2º lugar, com uma vitória a menos que o Horizonte, que contava com verba pública de prefeitura e uma folha 5 vezes superior. Por muito pouco, a garotada do Ferrão não conquistou uma vaga para voltar a disputar uma Copa do Brasil nove anos depois.

554161_454561174590744_1612512821_n

Taça de vice na mão de Luisinho, Lima e Romário

Com o passar do tempo, o trabalho de gestão profissional do clube foi sofrendo boicotes e a viciada cultura organizacional e política, que minaram o time coral nas últimas duas décadas, voltou a fazer seus estragos. O projeto sucumbiu, gerando prejuízos financeiros e pessoais para investidores e profissionais que dele participaram. A velha imundice do futebol falou mais alto com a clássica estratégia de boatarias e fofocas, apesar dos mais de 200 mil reais de terceiros investidos no clube em 18 meses de trabalho. O Ferrão seguiu sua vida, de forma trôpega até então, mas a bravura daquela geração vice-campeã em 2012 deixou laços de amizade e respeito entre seus participantes. O gol anulado de Luisinho, artilheiro coral no certame com 7 gols, nunca saiu da cabeça de ninguém. Poderia ter sido um título para aqueles jovens, mas a arbitragem não permitiu. Três anos depois, o Almanaque do Ferrão resgata um raro vídeo daquele lance e apresenta abaixo em caráter exclusivo. E que o exemplo daquela geração possa ser seguido nas atuais categorias de base do clube.

DOS GRAMADOS DE FUTEBOL PARA A FACULDADE DE MEDICINA

11082951_652793984825425_855670462_n222

Atacante Damásio largou o futebol e hoje é estudante de medicina em Santa Cruz de la Sierra

Em julho de 2012, o Ferroviário realizava avaliações para formação completa de um novo elenco Sub-20. Três jogadores chegaram da cidade de Mossoró: o goleiro Fernando Paiva, o volante Serginho e o meia Mirandinha. Ex-companheiro dos três atletas no Baraúnas/RN, o atacante Damásio, de 19 anos, ficou sabendo dos testes e ligou para o clube, pedindo para participar. Por conta própria chegou na Barra do Ceará de manhã e à tarde já treinava. Além do Leão do Oeste mossoroense, trazia no currículo passagens na base do ABC/RN, Potiguar/RN e Palmeiras/SP. Treinou três dias e foi aprovado, conseguindo vaga no novo elenco que faria uma série de amistosos preparatórios para o campeonato cearense da categoria. Dono de um chute forte e faro de oportunismo, Damásio entrava sempre no jovem time coral, marcando gols nos amistosos e também na competição Sub-20,  quando foi um dos três principais artilheiros da equipe.

11063324_652796948158462_1554112281_n

Nos tempos do ABC/RN

Com a necessidade de trazer jogadores mais experientes para o campeonato profissional e devido a restrição de leitos nos alojamentos do clube, Damásio acertou seu retorno somente para março de 2013 quando iniciaria seu último ano como atleta da categoria Sub-20 e retomaria sua trajetória no Ferroviário. Foi quando o destino mudou seu rumo e o fez pensar no futuro. Preocupado com as incertezas do mundo do futebol brasileiro e seu calendário cruel para a grande maioria dos jogadores, Damásio teve que tomar uma decisão difícil. Abandonou o sonho de ser jogador de futebol e partiu para uma tarefa também bastante árdua: ser médico. Dois anos depois, hoje é estudante de medicina na conhecida Universidad De Aquino Bolivia, em Santa Cruz de la Sierra, o motor econômico da Bolívia com seus 1,8 milhão de habitantes.

11074815_652796941491796_897261429_n

No Sub-15 do Palmeiras/SP

Tenho excelentes recordações como jogador e fiz grandes amizades. O futebol me ensinou a morar longe de casa desde jovem, o que ajuda hoje a suportar a distância de mais de 4 mil quilômetros de Mossoró nesse desafio que escolhi para minha vida. Quando me formar quero ajudar as pessoas com meu conhecimento na profissão“, disse Damásio em contato com o blog. Sobre o Ferroviário, Damásio completou: “fiz parte com muito orgulho de um grupo muito bacana, que realizou um trabalho sério, cheio de bons jogadores jovens. Foi um período muito bom na minha vida e guardarei sempre as melhores recordações do clube e respeito pelas pessoas que convivi lá dentro“, garantiu.

284270_360094624070975_1502302591_n

Fernando e Damásio em 2012

O atacante Damásio foi vice-campeão cearense Sub-20 em sua passagem pelo Ferroviário, numa campanha de 10 jogos, sendo 7 vitórias, 1 derrota e 2 empates. Na final, 0x0 contra o Ceará, que jogava pelo empate para ficar com o título por ter feito um ponto a mais na fase classificatória, onde o Ferrão do técnico Gilson Maciel mandou no jogo e teve um gol lícito do atacante Luisinho anulado pelo árbitro César Magalhães. “Seria o gol do título, um absurdo o que a arbitragem fez naquela noite“, disse Damásio, que hoje curiosamente divide seus estudos na Bolívia com um ex-companheiro coral de 2012, o goleiro Fernando Paiva, que também abandonou o futebol e decidiu seguir a medicina.

EX-TÉCNICO DO FERROVIÁRIO É LÍDER NO CAMPEONATO GAÚCHO

Gilson-Maciel-Fernando-MartinezAguante-Comunicacao_LANIMA20150202_0183_29

Gilson Maciel comanda hoje o São José, atual líder do campeonato gaúcho de futebol

Uma campanha irretocável até o momento. É assim a participação do São José, um dos times mais tradicionais de Porto Alegre, na atual disputa do Gauchão 2015. O time é treinado pelo competente Gilson Maciel, que dirigiu o Ferroviário em 35 partidas entre julho de 2012 e março de 2013. Ontem, o time do ´Zequinha`, como é carinhosamente chamado no sul, venceu o Brasil de Pelotas, que há um ano não perdia em seus próprios domínios, e assumiu a ponta da tabela. Há poucos dias, em pleno Beira Rio, Gilson Maciel e seus comandados fizeram calar a torcida do Internacional após um eletrizante 4×4. Trata-se de um profissional diferenciado em relação ao meio, tão cheio de ´boleiros` e adeptos de práticas invariavelmente amadoras.

065249_4367830965551_1294259047_n

Gilson Maciel como treinador do Ferrão

Gilson chegou para o Ferrão com uma boa vivência no futebol. Foi artilheiro da Copa do Brasil de 1993 pelo Grêmio, ídolo no Brasil de Pelotas, atuou também no futebol mexicano e já havia realizado boas campanhas como auxiliar técnico em diferentes equipes trabalhando ao lado de Sérgio Ramirez, ex-lateral do próprio Ferroviário entre 1980 e 1981. No período que permaneceu na Barra do Ceará, Gilson Maciel conquistou o respeito de todos pela sua postura séria e profissional, indo além de suas obrigações como técnico, adquirindo inclusive algumas vezes equipamentos de trabalho para a comissão técnica que foram doados ao clube após sua saída. Sob o seu comando, o Ferroviário, com uma média de idade de 21 anos, por muito pouco não conquistou uma vaga para a Copa do Brasil de 2014. Trabalhando há quase 9 meses no São José, o ex-técnico coral espera agora galgar merecido espaço no contexto nacional.