RONALDINHO JOGOU NO FERRÃO E NO TREZE/PB: E AGORA COMO FICA?

Ronaldinho em 1987

Cria das categorias de base do Ferroviário Atlético Clube, o ex-ponta esquerda Ronaldinho estava com o coração um pouco dividido para a grande final da Série D do campeonato brasileiro de 2018. Como atleta, Francisco Ronaldo Rodrigues Sales atuou tanto pelo Ferrão quanto pelo Treze/PB. Como desportista, ele é amigo pessoal de Flávio Araújo e Marcelo Vilar, os dois treinadores envolvidos na grande decisão desse ano. Entretanto, Ronaldinho não fica em cima do muro. Basta escutar o áudio dessa postagem que ele fez questão de gravar exclusivamente para o Almanaque do Ferrão e teremos a resposta sobre qual o lado que Ronaldinho está na final da Série D. Em seu tempo na Barra do Ceará, o ex-atacante da base coral foi promovido para o profissional juntamente com uma turma de bons atletas, na qual o ponta direita Mardônio acabou tendo maior destaque nas formações principais do período. Entre 1986 e 1987, Ronaldinho entrou em campo 45 vezes pelo time principal do Ferrão, marcando 5 gols. Ele era o ponta esquerda do time cheio de jovens jogadores que foi vice-campeão do Torneio Otávio Pinto Guimarães, competição organizada para dar calendário a vários times nordestinos e que reuniu o Campinense/PB, Fortaleza, América/RN, Botafogo/PB e Alecrim/RN.

Foto de 1991

No início de 1988, o Ferrão mudou de diretoria e transformou o perfil de seu elenco para tentar ser campeão depois de 9 anos, passando a contratar jogadores mais experientes. Alguns jovens egressos da base foram emprestados e Ronaldinho seguiu para o 4 de Julho/PI, treinado na época pelo eterno ídolo coral Coca Cola. O sucesso de Ronaldinho no futebol piauiense foi grande e ele seguiu carreira sem nunca mais voltar a atuar pelo time profissional do Ferroviário. Na temporada de 1991, ele foi contratado pelo Treze/PB, que tinha Erandy Pereira Montenegro como treinador, o mesmo que o lançou no time principal do Ferrão cinco anos antes. Na equipe paraibana, Ronaldinho também deixou registrada sua passagem. Certa vez, atuando contra o Ceará em jogo válido pelo campeonato brasileiro, foi o autor dos gols que sacramentaram a vitória do Treze/PB em cima do alvinegro cearense. Na verdade, ninguém melhor que o próprio Ronaldinho para recordar sua passagem pelos dois finalistas da Série D desse ano, comentando um pouco sobre sua carreira e mandando um recado para a torcida coral, agora eternizado no Almanaque do Ferrão em forma do áudio abaixo. Aproveite!

PRIMEIRA PARTIDA FINAL DA SÉRIE D PODE SER CONSIDERADA HISTÓRICA

Confira o vídeo acima com os melhores momentos do primeiro jogo entre Ferroviário e Treze na finalíssima da Série D do campeonato brasileiro de 2018. A partida ocorreu ontem à noite na Arena Castelão e já pode ser considerada histórica pelo caráter decisivo, além da retumbante vitória coral por 3×0 com gols de Janeudo, Edson Cariús e Róbson Simplício. Houve transmissão para todo o Brasil através do canal Esporte Interativo. Foi o jogo 3.628 da história coral, que colocou o Tubarão da Barra com grandes chances de conquistar pela primeira vez em mais de oito décadas um título de caráter nacional. Além disso, uma chance única e especial de gritar ´é campeão´ depois de 23 anos, podendo quebrar o maior jejum de títulos da trajetória do Ferrão. Treinado por Marcelo Vilar, o Ferroviário venceu com o futebol de Gleibson, Lucas Mendes, Erandir, Afonso e Sávio; Mazinho, Leanderson (Róbson Simplício), Janeudo e Esquerdinha (Jean); Luis Soares (Gleidson) e Edson Cariús. O time paraibano, do técnico Flávio Araújo, que já treinou o Ferroviário em 2002, perdeu com Mauro, Talisson, Italo, Nilson Júnior e Silva; Coppetti, Dedé, Marcelinho Paraíba (Rayllan) e Ceará; Leílson (Patrick) e Leandro Love (Zé Carlos). Dessa formação, os jogadores Mauro, Dedé e Leílson já vestiram a camisa do Ferroviário em temporadas anteriores.

TREINADOR MARCELO VEIGA É CAMPEÃO BRASILEIRO MAIS UMA VEZ

12227675_10205360440549902_774201551537117811_n

Marcelo Veiga, que já foi lateral esquerdo e técnico do Ferrão, é campeão brasileiro novamente

Há três semanas, uma postagem aqui no Almanaque do Ferrão preconizou que a final da Série D do campeonato brasileiro poderia envolver dois treinadores que já passaram pelo Tubarão da Barra. Dito e feito. Depois de dois confrontos acirrados, Botafogo/SP e River/PI fizeram na noite de ontem, em Teresina, o último jogo da disputa. Depois de vencer em Ribeirão Preto, na semana passada, por 3×2, o time paulista segurou o empate em 0x0 e garantiu a conquista, o segundo título nacional na carreira de técnico de Marcelo Veiga, que já havia conquistado a Série C, em 2007, à frente do Bragantino/SP.

O jogo foi transmitido ao vivo pelo canal Esporte Interativo e os antigos confrontos de Marcelo Veiga e Flávio Araújo, em 1988, quando um era lateral do Ferroviário e o outro volante do Ceará, destacados em nosso blog foram citados na cobertura da televisão. Outro fato curioso que o Almanaque do Ferrão não deixa passar despercebido é que em 14/10/89, Marcelo Veiga jogou em Teresina pelo Ferroviário contra o próprio Ríver/PI e perdeu o jogo por 2×0. Ontem, 26 anos e 1 mês depois, retornou à capital piauiense e a colocou definitivamente a cidade como um lugar de boas lembranças em sua carreira. Eleito o melhor lateral esquerdo da história do Ferroviário em recente enquete promovida pelo clube, Marcelo Veiga defendeu o time coral entre 1988 e 1989, saindo para o Santos/SP ao final do contrato, onde atuou por várias temporadas. No ano passado, resgatamos uma matéria raríssima com a primeira entrevista de Marcelo Veiga logo quando chegou a Barra do Ceará. Em homenagem ao mais novo campeão brasileiro da atualidade, ela está sendo novamente reproduzida abaixo. Parabéns, campeão!

EX-TREINADORES CORAIS FAZEM SUCESSO NA SÉRIE D NACIONAL

amapariver

Ríver: as mesmas cores do Ferroviário

Dois ex-treinadores do Ferroviário começaram a semana de um maneira bem sucedida. No último final de semana, eles conquistaram o acesso para a Série C brasileira comandando Ríver/PI e Botafogo/SP. Estamos falando de Flávio Araújo e Marcelo Veiga respectivamente. E não é a primeira vez que ambos conseguem tal feito em âmbito nacional. O primeiro já conseguiu subir de divisão com América/RN, Sampaio Corrêa/MA e Icasa/CE, enquanto que o segundo já foi até campeão brasileiro da Série C no comando do Bragantino/SP. Curiosamente, seus clubes atuais possuem as mesmas cores do Ferroviário. Mas você é capaz de lembrar da passagem deles pelo Ferrão?

marcelo_veiga

Marcelo Veiga: ex-jogador e ex-técnico coral

ídolo do Ferroviário como jogador na década de 80, Marcelo Veiga chegou para ser treinador no campeonato brasileiro de 2004. Foram 15 jogos entre junho e setembro daquele ano. O Ferroviário chegou na última rodada precisando de um empate contra o Parnaíba/PI, fora de casa, para passar para a 2ª fase da Série C, mas perdeu o jogo por 1×0 numa cobrança de falta e deu adeus à competição. Neófita e incompetente no futebol, a direção coral na época não renovou com Marcelo Veiga para a temporada seguinte, preferindo apostar no técnico local Alencar Mota para o campeonato cearense. Marcelo seguiu para o Bragantino com a promessa de fazer um trabalho de longo prazo e, três anos depois, na Série C de 2007, sagrava-se campeão brasileiro como técnico. Depois de dirigir equipes como Guarani de Campinas, Portuguesa/SP, Remo/PA e São Caetano/SP, esse ano ele começou um trabalho no Botafogo de Ribeirão Preto que culminou com mais um acesso nacional no currículo de Marcelo Veiga.

675a4fdf80f8e0f0ed34e8c093382527

Flávio Araújo foi treinador do Ferrão em 2002

Por sua vez, Flávio Araújo não chegou a jogar no Ferroviário como jogador profissional, mas passou pelas equipes infantis corais na década de 70. Foi volante do Ceará nos anos seguintes e começou a treinar o Icasa quando pendurou as chuteiras. Depois de treinar a dupla Fortaleza e Ceará, chegou para dirigir o Ferrão em 2002, entre março e agosto. Fez um bom trabalho e ajeitou a equipe coral no meio do campeonato cearense, porém sem chance de brigar por título em razão da limitação técnica do elenco. Foram ao todo 35 partidas no comando do Tubarão da Barra. Hoje, Flávio é um treinador requisitado no futebol nordestino e o acesso com o Ríver/PI é apenas mais um em sua carreira, ele que também já foi campeão brasileiro, na Série D, quando dirigia o Sampaio Corrêa em 2012.

Botafogo-de-SP-consegue-acesso-para-a-Série-C

Botafogo: as mesmas cores do Ferroviário

Um dos dois ex-corais pode conquistar mais um título brasileiro na atual temporada. Seus times têm como adversários o Ypiranga/RS e o Remo/PA. Se passarem, podem se enfrentar numa grande final e comemorarem o grande momento vivido na atualidade. Voltando no tempo como atletas, em 1988, Flávio Araújo e Marcelo Veiga se enfrentaram dentro de campo apenas 3 vezes. O ex-lateral coral nunca perdeu para o ex-volante alvinegro, sendo 1 vitória e 2 empates naquela já distante temporada. Detalhes que só o Almanaque do Ferrão é capaz de lembrar.

ESPECIALISTA EM ACESSOS PASSOU PELA BASE DO FERROVIÁRIO

10553334_1727041484187697_4548512537554629790_n

As categorias de base do Ferroviário sempre foram conhecidas como um grande celeiro de talentos formados para o futebol cearense. Do campo da Barra do Ceará já saíram jogadores que vestiram a camisa de grandes times do Brasil. Alguns chegaram até a disputar competições importantes no mundo como a Champions League ou a Liga Europa. Há sempre os mais famosos, porém há também aqueles que passaram pela escolinha do clube e despontaram em outras equipes, como é o caso na foto acima do quinto jogador em pé, da esquerda para direita. Trata-se do ex-volante e atual técnico de futebol Flávio Araújo.

A foto é da década de 70. No profissional, Flávio apareceu para o futebol cearense no Ceará na década seguinte. Era um bom volante. Seu irmão, o zagueiro Júlio, jogou 6 partidas no título estadual do Ferroviário em 79, daí uma das influências de Flávio ter passado pela base coral. Sem nunca ter atuado pelo time profissional do Ferrão, o destino se encarregou de corrigir o erro e o levou de volta a Barra do Ceará como treinador, em 2002, quando dirigiu o clube em 35 partidas e o fez de forma digna, recuperando a competitividade de um time limitadíssimo formado para aquela temporada. Depois, trilhou caminhada de sucesso comandando Remo/PA, Sampaio Correa/MA e América/RN, inclusive conquistando acessos nacionais que o qualificam atualmente como um dos melhores do nordeste.