O GOL MAIS BONITO DO FANTÁSTICO: JORGE VERAS DO FERROVIÁRIO

Em outubro do ano passado, o Almanaque do Ferrão recordou o gol do centroavante Ilo, em 1987, escolhido o mais bonito da rodada pelo programa Fantástico. A postagem repercutiu no sul do país e o próprio filho do ex-jogador coral, falecido em 2010, entrou em contato com o blog, o que valeu outra matéria apresentando aquele lance memorável. Hoje é a vez de resgatar um outro gol histórico escolhido por aquele famoso semanário da televisão brasileira. Vamos até 24 de Julho de 1983, quando Ferroviário e América jogaram no Castelão e o belo tento da vitória coral veio dos pés do artilheiro e ídolo Jorge Veras, que fazia com o meia Betinho uma dupla infernal no campeonato cearense.

ferrao83

Jorge Veras é o 5º agachado no elenco de 1983

O Ferrão era comandado pelo treinador Lula, ex-atacante do Internacional/RS e do Fluminense/RJ. Naquela tarde de domingo, ele escalou o time com o futebol de Giordano, Laércio, Paulo Alves, Nilo e Luisinho; Doca, Carioca e Barga (Paulinho Lamparina); Chicão (Narcélio), Paulo César Cascavel e Jorge Veras. Antes desse jogo, o América havia quebrado uma invencibilidade de 18 jogos do timaço que o Fortaleza montou na temporada de 1983. Treinado pelo ex-jogador, supervisor e treinador coral José Oliveira, o time rubro endureceu o jogo com Tarcísio Abelha, Tuca, Carlão, Darci e Canhoto; Faquim (Pinto), Joel Maneca e Marinho Macapá; Jadir (Carlinhos), Narcélio e Escurinho.

b0aaeabd451b4e5637bf3336c157315c

No Grêmio/RS

No início da temporada seguinte, depois de disputar o campeonato brasileiro da 1ª divisão com o Ferrão, Jorge Veras foi negociado com o Criciúma/SC e em 1985 já era titular do Grêmio/RS, onde sempre se destacou com gols importantes nos clássicos contra o Internacional/RS. O ex-artilheiro jogou ainda em São Paulo e Pernambuco, voltando ao Tubarão da Barra no período 90-92 e teve o mesmo destaque. Ao todo foram 155 jogos e 65 gols marcados com a camisa coral. Sem dúvida, um ídolo eterno na história do Ferroviário, escolhido como um dos atacantes na campanha ´Time dos Sonhos` promovida há 2 anos no site oficial do clube.

FERROVIÁRIO COMEMORA HOJE SEU ANIVERSÁRIO DE 82 ANOS

Hoje é o aniversário do Ferroviário Atlético Clube. Há exatos 82 anos, a agremiação esportiva nascida dentro das Oficinas do Urubu ganhava forma para representar a pujança da classe ferroviária nas disputas do futebol cearense. Há sempre o que comemorar e mais ainda a planejar para o futuro  Que este seja próspero e rico como sua gloriosa história, retratada no vídeo acima na sincronia de fotos eternas. Viva o Ferrão!

BELOS GOLS E MEMORÁVEL VITÓRIA NUM 1° DE MAIO DE 27 ANOS ATRÁS

1° de maio sempre foi um dia muito convidativo para o futebol devido o feriado do dia do trabalhador. Já foram 33 partidas do Ferroviário nessa data, sejam amistosos, torneio início ou válidas pelo campeonato cearense. Se fizer um esforço de memória, o torcedor mais antigo fatalmente vai lembrar de uma vitória consagradora em cima do Fortaleza justamente nessa data, um domingo como outro qualquer no inesquecível ano de 1988. Está completando 27 anos hoje daquele jogo, estreia do atacante Guina, ex-Palmeiras/SP, que marcou logo um gol como cartão de visitas e o Ferrão enfiou 4×2 no placar, numa tarde que Arnaldo, Denô, Beto Andrade e Mazinho Loyola esbanjaram de jogar futebol com gols e belas jogadas em campo. Deu trabalho, mas o Almanaque do Ferrão resgatou o vídeo daquela memorável vitória. A qualidade da imagem acima não é a ideal, mas agora estes lances são eternos também na Internet. Curta-os e vejam como o Tubarão da Barra tinha um timaço naquela temporada.

guina

Guina: estreia com gol

O Ferroviário formou naquele 1° de maio com Serginho, Laércio, Arimatéia, Djalma e Marcelo Veiga; Toninho Barrote, Denô e Arnaldo; Mazinho Loyola, Guina e Beto Andrade. Não houve substituições no time coral, mas nas imagens do banco de reservas, pode-se visualizar o técnico Ramon Ramos, o ponta Amilton Rocha, o lateral Kléber e o goleiro Walter. Treinado por César Moraes, o Fortaleza foi humilhado no placar e com um ´olé` no final da partida com Zé Luís, Caetano, Ronaldo (Nilo), Freitas e Luís Fernando; Erivando, Alberto e Wescley; Gilson, Fernando Roberto e João Luís. Repare no passe de três dedos de Denô, no gol de peixinho de Mazinho Loyola, nos dribles de Beto Andrade e Arnaldo, além da cambalhota coletiva dos jogadores após os gols, uma marca característica do time naquela temporada, puxada sempre pelo vibrante lateral Marcelo Veiga. Foi o jogo 2.223 da história coral, o árbitro foi Francisco Pereira e 9.373 pessoas pagaram ingresso naquele dia.

MATÉRIAS DA TV SOBRE A VOLTA DO GOLEIRO ROBINSON AO FERROVIÁRIO

Ari Bezerra, esse novo goleiro do Ferroviário veio da Seleção da Dinamarca?”, perguntou no ar o comentarista Chico Rocha na Rádio Uirapuru AM de Fortaleza na tarde do dia 26/6/1988. Era a estreia de Robinson, que usava um uniforme preto com mangas vermelhas, contrastando com seus cabelos nórdicos. A vitória de 1×0 em cima do América, no PV, era apenas o início de uma trajetória que o consagrou em dois momentos como um dos mais destacados goleiros da história coral. Foram 15 partidas em 1988 e suas grandes defesas ajudaram o Ferrão a conquistar o campeonato cearense daquele ano, despertando o interesse do Vitória/BA que o levou após a competição. Dois anos depois, em agosto de 1990, Robinson voltou a Barra do Ceará com fama de ídolo para a disputa antecipada do Estadual de 91 e foi vice-campeão do 1º turno, perdendo a final para o Fortaleza. Foram mais 20 partidas com a camisa coral naquela época. O Almanaque do Ferrão resgata abaixo duas matérias de televisão que enfocavam o retorno de Robinson ao Ferroviário em 1990. Viaje no tempo!

EX-MEIA CORAL MARCA GOL NA ARENA KHIMKI EM MOSCOU

O campeonato russo é transmitido pela ESPN Brasil. Quem levantou cedo no último domingo assistiu o empate de 1×1 entre Krasnodar e CSKA, na Arena Khimki, em Moscou. O gol de empate do Krasnodar veio dos pés de um brasileiro que faz sucesso na Rússia. Trata-se de Francisco Wanderson Carmo Carneiro, o meia Wanderson, que disputou 22 partidas pelo Ferroviário entre 2005 e 2006. Quem lembra? Veja o vídeo acima com imagens recentes do jogador e consulte sua memória.

wandersonnoFAC

Wanderson no time titular em 31/7/2005

A primeira partida oficial de Wanderson pelo Ferrão foi no dia 31/7/2005, contra o Serrano/PE, pela Série C do campeonato brasileiro. Ele chegou a marcar um dos gols da goleada coral por 5×2. Tido como uma das gratas promessas para despontar no campeonato cearense de 2006, o jogador foi surpreendentemente emprestado para o Sub-20 do Fortaleza a fim de disputar a Taça São Paulo de Futebol Júnior, retornando para o time profissional do Ferroviário apenas no meio do Estadual, fazendo apenas 12 partidas na competição. Foram ao todo 4 gols em sua passagem com a camisa do Tubarão da Barra. Ao final da participação coral, o jogador foi negociado em definitivo com o Fortaleza numa transação pouco divulgada na ocasião.

Polozzitapipoca

Polozzi queria a volta de Wanderson para o Ferrão

Em 2007, Wanderson estava emprestado pelo Fortaleza ao River/PI e brilhou sob o comando do técnico Fernando Polozzi, ex-zagueiro da Seleção Brasileira na Copa de 1978. Quando Polozzi treinou o Ferroviário na temporada de 2008, sugeriu a volta do jogador para o Ferroviário já que o Fortaleza estava disposto a emprestá-lo. Ouviu de um diretor coral a seguinte justificativa para a recusa: “não, o Wanderson tem problemas na vista. Quando o jogo é a noite, ele não enxerga direito“. Polozzi retrucou desanimado: “Pois lá no Piaui, comigo, ele enxergava muito bem“. E ficou nisso mesmo. Wanderson continuou no Fortaleza, trilhou depois sua trajetória de sucesso e já há algumas temporadas brilha na Rússia. Quer vê-lo em ação nos gramados europeus? É só ligar a televisão.

A INCRÍVEL MALDIÇÃO DOS ÍNDIOS KARATIS NA VIRADA DO MILÊNIO

ferrao_x_crateus

Um esquisito calção vermelho foi usado pelo Ferroviário no 3×3 contra o Crateús em 2012

No dia 30/12/2000, o Ferroviário fazia seu último jogo antes da virada do milênio. Foi um amistoso contra a Seleção de Crateús, fora de casa, no Estádio Juvenal Melo. O empate em 3×3 já preconizava o que seria a ridícula campanha coral no ano seguinte no campeonato cearense. Era o quarto confronto contra o selecionado local na história. Antes disso, duas vitórias em 1951 e um empate em 1981 garantiam o retrospecto de invencibilidade a favor do time coral contra o representante do Vale dos Inhamuns, uma das regiões mais secas do estado. Veio então a chegada no novo milênio e com ele a fundação do Crateús Esporte Clube, em 2001, sob a proteção do índio Karati, o desbravador e primeiro habitante daquela área geográfica, estampado orgulhosamente no escudo crateuense a partir de 2008.

IMG_55251

Entra em campo o índio da tribo Karati em 2015

Como uma maldição espiritual indígena potencializada pela incompetência de gestões corais, nunca mais o Ferroviário derrotou o novo time da cidade de Crateús. Sob a presidência do deputado estadual Vanderley Pedrosa, justamente em seu curral eleitoral nos Inhamuns, o primeiro confronto aconteceu em 14/1/2012, amistoso vencido pelo Crateús por 2×0. Onze dias depois, o primeiro jogo oficial entre ambos, válido pela 1ª divisão do futebol cearense, nova vitória crateuense por 2×1 novamente no Juvenal Melo. Em 28/3/2012, dessa vez no PV, empate em 3×3, a melhor performance coral até hoje. A partir dali, o confronto entre as duas equipes se deu no tapetão. O Crateús lançou jogadores irregulares na competição e o Ferroviário se beneficiou da incrível falha administrativa do adversário, vencendo uma batalha jurídica que terminou no STJD no Rio de Janeiro. O resultado foi o Crateús rebaixado para a Série B cearense na corte desportiva e o Ferroviário, rebaixado dentro de campo, salvo pelo gongo com o direito de permanecer na divisão de elite local por mais um tempo. Parece que aquele episódio transcendeu a lógica humana e provocou a ira e a maldição dos índios Karati.

img-20150411-wa0019_1

Ferrão, de dourado, no último dia 11

O Ferroviário foi novamente rebaixado em 2014, dessa vez sob a batuta de Edmilson Alves Júnior, que sucedeu o deputado na presidência. Nos últimos 5 dias, o Ferrão reencontrou o Crateús em mais duas partidas oficiais, agora na melancólica 2ª divisão cearense, e conseguiu o feito de perder novamente, tanto em Fortaleza como em Crateús, pelo mesmo placar de 2×1. Maldição aliada à má gestão, eis a grande questão. O fato é que o Tubarão da Barra se apequenou diante do Guerreiro do Poty, uma das simpáticas alcunhas do representante dos Inhamuns. Depois daquele primeiro 3×3 na véspera da chegada do novo milênio, nada mais parece ter sido como antes. Já se vão quase 15 anos e um doloroso tabu amarga a paciência do torcedor ao se deparar com momentos como os registrados no último sábado eternizados na tela abaixo. Até quando?

NARRAÇÃO DOS GOLS DO JOGO FERROVIÁRIO 2×0 FORTALEZA EM 1985

Cardosinho marcou um gol olímpico e Luizinho das Arábias chegava ao seu 13º gol no campeonato cearense de 1985. Foi na tarde do dia 22 de setembro, no Castelão, e o Ferroviário embalava na competição ao vencer o Fortaleza por 2×0. Os gols saíram no segundo tempo e foi uma vitória bastante comemorada. Quase 30 anos depois, o Almanaque do Ferrão resgata a narração dos dois gols em áudio na voz de Gomes Farias pela Rádio Verdes Mares AM de Fortaleza. Treinado por Caiçara, o Ferrão venceu com Serginho, Laércio, Arimatéia (Zé Luís), Léo e Vassil; Alex, Arnaldo e Vander (Doca); Cardosinho, Luizinho das Arábias e Carlos Antônio. O Fortaleza do treinador Pepe, ex-companheiro de Pelé no Santos, jogou com Salvino, João Carlos, Marcelo, Perivaldo e Caetano; Ribamar (Tangerina), Jacinto (Esquerdinha) e Buíque; Gilson, Batista e Adilson Heleno. Aperte o play e entre no túnel do tempo parar recordar aquela vitória em 1985.

CAMPEÃO NA SELEÇÃO, NUNCA NO TIMÃO E QUASE NO FERRÃO

1980_39222

Foto histórica do goleiro Ado defendendo o arco do Ferroviário em 1980 contra o Ceará

Eduardo Roberto Stinghen era o reserva imediado de Félix na Seleção Brasileira tricampeã do mundo em 1970 no México. Numa época onde apelidos no futebol faziam a diferença na identificação dos jogadores, adotou a alcunha de Ado e ficou famoso no futebol nacional defendendo as cores do Corinthians/SP exatamente na época que o time paulista amargava um jejum histórico de títulos. Depois de jogar no América/RJ, Atlético/MG, Portuguesa/SP e Santos/SP, chegou para o Ferroviário em 1980 aos 34 anos de idade. Por descaso com a história e em razão de sua curta passagem, muitos esquecem que o experiente goleiro foi muito bem no arco coral nos jogos que participou.

ado1

Goleiro Ado

A trajetória de Ado no Ferroviário começou a ser escrita com a sua entrada, no segundo tempo, em três partidas substituindo o goleiro Salvino contra o Tiradentes, Quixadá e Guarani-J. Em 19/11/80 veio a chance de entrar como titular contra o Ceará e ele não decepcionou. Pelo contrário, fez pelo menos 3 defesas sensacionais que garantiram a vitória coral por 1×0, uma delas numa cabeçada fulminante do jogador Nei que ele mandou para escanteio e outra na cobrança magistral de falta de Zé Eduardo que Ado voou e espalmou. Voltou a brilhar e pegar tudo na grande final uma semana depois, novamente contra o Ceará. Só não pegou um chute forte do lateral João Carlos, aos 11 minutos do 2º tempo, que fez escapar das mãos de Ado e do Tubarão o então inédito título de bicampeão diante de 41.434 pagantes. Foram apenas 5 jogos com a camisa coral, mas o suficiente para marcar a passagem de um nome nacional pelo Ferrão.

A única imagem em vídeo do goleiro Ado defendendo as cores corais é exatamente o gol do título do Ceará. Foi o único chute que ele não conseguiu defender enquanto goleiro do Ferroviário. O Almanaque do Ferrão resgata abaixo esse momento da história do clube.

GLAYDSTONE RUMO À MARCA DE 200 JOGOS COM A CAMISA DO FERRÃO?

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Glaydstone no Ferroviário em 2006

Ele foi um dos principais jogadores do Ferroviário entre 2003 e 2007. Na brilhante campanha coral na Série C nacional de 2006, o baixinho Glaydstone era o cérebro de um time que tinha ótimos jogadores e por muito pouco não conseguiu o acesso. Naquela mesma temporada, foi contemplado com uma placa alusiva à marca de 100 jogos em defesa do Ferrão. Voltou entre 2010 e 2011 sem muito destaque. No sábado passado, aos 37 anos, reestreou pelo clube contra o Crato em jogo válido pela segunda divisão cearense e completou sua partida de número 180. Será que Glaydstone alcançará a marca de 200 jogos? Apenas 28 jogadores na história conseguiram esse feito. O tempo dirá.

REVEJA OS GOLS DE UMA GOLEADA NUM 7 DE ABRIL COMO HOJE

Que tal recordar um jogo do Ferroviário disputado exatamente na data de hoje? Voltamos no túnel do tempo e vamos até 7 de abril de 1994, um ano mágico para o clube e por consequência para seus fiéis torcedores. Recuperamos as imagens de uma partida realizada naquela noite quando a máquina coral de fazer gols funcionou a pleno vapor. Foi um maravilhoso 6×0 contra o tradicional Calouros do Ar, com 2 gols do ídolo Acássio. Os outros tentos foram assinalados por Cícero Ramalho, Edinho, Nasa e Batistinha, que você pode conferir no vídeo acima.

Ainda treinado pelo carioca José Dultra, ex-zagueiro do Vasco/RJ e do Remo/PA, o Ferrão foi escalado com Dênis, Caetano (Edinho), Batista, Santos e Branco; Lima (Eron), Nasa, Acássio e Basílio; Batistinha e Cícero Ramalho. O Calouros tinha alguns jogadores que passaram pelo Ferroviário, inclusive contava com o comando técnico de Celso Gavião, um dos maiores zagueiros da história coral. Ele escalou o ´Tremendão da Aerolândia` com o futebol de Júnior Lemos, Zé Carlos, Márcio Gomes, Luciano e Paulo César; Feliciano, Idésio (Edmar) e Gilson; Nonato, Célio (Cafuringa) e Ronaldinho.

Após a extravagante vitória em cima do Calouros e de outros bons resultados, o Ferrão viveu dias complicados no campeonato pouco tempo depois. Numa partida contra o América, o Tubarão da Barra quebrava a bola e passou a ser vaiado pela exigente torcida coral. O gol do alívio veio dos pés do atacante Batistinha, que ao comemorar desferiu uma banana para os torcedores que vaiavam a equipe atrás da trave. O mundo quase veio abaixo por conta dessa atitude e gerou um dos raros momentos de desconforto entre time e torcida naquela brilhante temporada até hoje reverenciada.