IMAGENS RARÍSSIMAS DE UM GRANDE CLÁSSICO DAS CORES EM 1978

Não deixe de ver o vídeo acima. É mais uma pérola resgatada pelo Almanaque do Ferrão. Trata-se de uma vitória coral em cima do Fortaleza pelo campeonato cearense na já longínqua temporada de 1978. Era exatamente um 3 de setembro como hoje, portanto há 38 anos. As imagens dos Gols do Fantástico daquele domingo são as mais antigas que se tem notícia na história do clube. Este é o quarto vídeo referente ao campeonato de 1978 que conseguimos recuperar, depois de buscarmos no fundo do baú os gols de dois jogos contra o Ceará e de uma partida contra o América. Treinado pelo saudoso Lucídio Pontes, o Tubarão da Barra fazia a estreia do experiente goleiro Gilberto, vindo do futebol pernambucano. Os gols foram do craque Jacinto e do eficiente volante Doca, enquanto Ié descontou para o Fortaleza. Foi uma vitória bastante celebrada. Seis dias depois, o Ferrão conquistaria o 1º turno e carimbava o passaporte para as finais do campeonato.

Meio campista Jacinto e treinador Lucídio Pontes em 1978: dois nomes eternos do Ferroviário

Repare na escalação do Ferrão: Gilberto, Paulo Maurício, Lúcio Sabiá, Arimatéia e Cândido; Jodecir (Ricardo Fogueira), Doca e Jacinto (Jorge Bonga); Marcos, Paulo César e Babá. O  zagueiro Cândido, formado nas categorias de base do próprio clube, atuou improvisado na lateral esquerda. O experiente Ricardo Fogueira também fez sua estreia nessa partida, entrando no segundo tempo, e logo depois assumiu a titularidade da camisa 6 do Ferroviário. O meia Jorge Bonga, ex-Sport/PE, foi outro estreante naquele domingo. O Fortaleza, do técnico interino Wilson Couto, perdeu com Lulinha, Roner, Celso Gavião, Otávio Souto e Jair; Joel Maneca, Bibi e Lucinho (Batista); Haroldo (Iê), Geraldino Saravá e Dudé. Peceba a presença de Celso Gavião na zaga tricolor, ele que foi a principal contratação do Ferrão no início da temporada seguinte, numa verdadeira rasteira coral dada no Fortaleza. Foi o jogo 1.625 da nossa história, que teve o falecido Gilberto Ferreira no apito e um público pagante de 14.574 pessoas. Depois de cinco anos bastante difíceis, a temporada de 1978 definitivamente reacendia a chama do Ferrão.

ESTREIAS NO DIA 5 DE JANEIRO NA HISTÓRIA DO FERROVIÁRIO

Ontem foi dia 5 de janeiro e esta data faz referência à estreia do Ferroviário em quatro diferentes edições do campeonato cearense ao longo dos anos, mais precisamente nos certames de 2003, 2008, 2013 e 2014. O Almanaque do Ferrão faz agora um breve resumo histórico de cada estreia e contextualiza o impacto comparativo do resultado da partida com o desfecho final do Tubarão na competição.

Ferrao2002_02

Derrota em 2003 e vice-campeonato no final

Em 2003, o Ferroviário montou um time modesto envolto às limitações financeiras de sempre, mas que acabou ficando com o vice-campeonato por ter sido o clube que mais pontuou entre todos os participantes, com exceção evidentemente do campeão Fortaleza, que arrebatou o título arrastão conquistando dois turnos. O resultado da estreia, entretanto, não foi nada animador: derrota para o Maranguape, em pleno PV, por 1×0, num time que jogou com Zezinho, Arildo, Marcos Aurélio, Puma e Marcelo Sabiá (Andrezinho); Édio, Cícero César, Cantareli (Gil Bala) e Júnior Cearense; Danilo (Renatinho) e Guedinho. Foram estes jogadores que garantiram ao Ferroviário o direito da última participação coral na Copa do Brasil, acontecida no ano seguinte, quando a equipe ainda tinha vaga cativa na Série C do Campeonato Brasileiro.

camisapreta

Estreia também da camisa preta em 2008

Outra estreia num 5 de janeiro ocorreu cinco anos depois, em 2008, no Elzir Cabral, 1×1 com o Itapipoca, numa partida que o time coral cometeu o deslize de inaugurar seu novo uniforme, na cor preta pela primeira vez na história, sob o sol desgastante de um sábado às 15h30. Os jogadores só aguentaram o primeiro tempo e voltaram de branco para a etapa final. O time formou com Marcelo Silva, Júnior Moura, Jaílson, Nemézio e Teles; Dedé, Stênio (Nilsinho), Mazinho e Júnior Ferreira (Guto); Danúbio (Leonardo) e Danilo Pitbull. A estreia nada convincente foi apenas um aperitivo para o que viria ao final da competição: pontuação baixa no Estadual mais importante dos últimos tempos, pois valia uma vaga para a Série C definitiva do Brasileirão, conquistada pelo Icasa, o que para o Ferroviário significou o rebaixamento sumário para jogar apenas a Série D nacional em caso de futuras classificações via campeonato cearense.

FERROVIRIO

Perfilados para o hino nacional na estreia de 2013

Em 2013, estreia com vitória em cima do Crato, por 1×0, no PV, com um gol do artilheiro Giancarlo nos acréscimos. Época de esperanças promovidas por uma diretoria renovada, uma equipe com média de 20,4 anos de idade e um projeto de gestão de futebol promissor com objetivos de médio e longo prazos, que valeram uma excelente primeira fase de competição apesar de gritantes limitações financeiras, quando por muito pouco a equipe não conquistou depois de 10 anos uma vaga para a Copa do Brasil. Ferrão com Fernando Júnior, Everton (Márcio), Cleylton, Anderson Borges (Kleyton) e Tinga; Lima, Maico Motta, Foguinho e Leandro; Luisinho (Romário) e Giancarlo.

imagesfac

Goleada com Iarley e ilusões em 2014

No ano passado, a queda, o rebaixamento para a segunda divisão cearense, apesar da impiedosa goleada na estreia, novamente contra o Crato, 7×2 no Castelão. Sem dúvida, um resultado que escamoteou uma péssima pré-temporada e a ruptura por completo de premissas básicas da gestão de futebol em relação ao que vinha sendo posto em prática na temporada anterior. Formado por Fernando Júnior, Mota, Júnior Carvalho, Regineldo e Everton; Vagno Pereira, Haron (Anderson Lourenço) e Jack Chan (Diego); Iarley (Adilton), Rafael e Igor Eloy, essa equipe deu falsas ilusões a um ótimo público presente no estádio, fechando a série de quatro estreias estaduais no dia 5 de janeiro no decorrer de oito décadas.