EX-MEIA ARNALDO VISITA A BARRA DO CEARÁ TRINTA ANOS DEPOIS

Campeão Cearense em 1988, o ex-meio campista Arnaldo visitou o memorial do clube na Barra

Arnaldo foi um dos principais nomes do Ferroviário Atlético Clube na brilhante conquista do título estadual de 1988. Era a sua segunda passagem pela Barra do Ceará. Na primeira, em 1985, compôs um time extraordinário que acabou não sendo campeão. Na terceira e última, em 1991, estava já quase no fim de sua carreira. Ano passado, o jogador relembrou suas histórias no time coral numa Live em plena pandemia de Coronavírus. Agora, em 2021, visitando novamente a cidade de Fortaleza para jogar uma competição entre veteranos, Arnaldo fez questão de passar nas dependências da Barra do Ceará, relembrar os velhos espaços e conhecer o memorial do clube entre troféus e imagens históricas. Nos trinta anos desde que vestiu a camisa coral pela última vez, Arnaldo trabalhou com futebol durante 14 anos no Japão, atuou nas categorias de base do Santo André/SP, clube onde é ídolo da torcida e um dos principais nomes da história, e mais recentemente tem trabalhado na gestão de espaços esportivos na prefeitura da cidade. Ontem, na Barra do Ceará, o ex-meia coral reencontrou por acaso o também ex-atleta Danilo Augusto, conhecido como Danilo Baratinha no futebol cearense da década de 1970. Ambos atuaram juntos no Fortaleza em 1980 e recordaram velhas e engraçadas histórias do folclórico treinador João Avelino, entre outras lembranças. Arnaldo também foi reconhecido pelo ex-goleiro Birigui, que apesar de mais jovem, recordou sua passagem: “eu era da base, mas sempre via ele jogando demais na turma do Toninho Barrote e do Evilásio“. Ao lado do gramado, Arnaldo assistiu a vitória de 3×1 do Ferrão em cima do União/CE em partida amistosa. Depois do jogo, quando o sol se pôs na Barra do Ceará, o ex-meia coral foi embora com a certeza de que teve uma tarde de muitas emoções, reconhecimento e mais recordações na memória.

HÁ EXATOS 45 ANOS, O ÚLTIMO JOGO CONTRA O FAMOSO MAGUARI

Erandy: autor do gol coral

Foi num feriado de 1º de maio como hoje, mais precisamente na temporada de 1975, que o Ferroviário enfrentou oficialmente o Maguari pela última vez na história. Completam-se exatos 45 anos desde aquele empate em 1×1 em que Erandy marcou para o Ferrão e Danilo Baratinha empatou. Confrontos contra a tradicional equipe cearense foram comuns entre 1937 e 1946. Depois de um intervalo de 25 anos, o Maguari voltou a disputar o campeonato cearense da primeira divisão em 1972, abandonando para sempre a divisão de elite da competição em 1975. No último confronto contra o Clube dos Príncipes, o Tubarão da Barra era treinado por William Campos e foi a campo com Pedrinho, Nonato Ayres (Marinho), Lúcio Sabiá, Cândido e Eldo; Aucélio e Oliveira; Vanderley, Erandy, Lula e Jeová (Almir). Nota-se uma equipe bastante jovem, com vários jogadores egressos das categorias de base. Já o adversário, treinado pelo ex-goleiro coral Gilvan Dias, jogou com Mundinho, Ademir Feitosa, Luiz Paes, Wilkson e Valdecir; Zé Augusto (Dedé) e Nilsinho; Carlinhos (Cláudio), Danilo Baratinha, Navarro e Piçarra. Percebe-se um time experiente, com alguns garotos como o meia Danilo, emprestado pelo próprio Ferroviário. O jogo aconteceu no PV e, sem saberem, 1.415 pagantes prestigiaram aquele momento histórico. O falecido Cid Júnior foi o árbitro do jogo. 33 anos depois daquele feriado com cheiro de despedida, aproveitando o espólio histórico do tradicional Maguari, a equipe cintanegrina retomou suas atividade com a escrita de Maguary em 2008. Desde então, o Ferroviário fez 3 amistosos contra a renovada equipe: 10×0 em 2009, 2×1 em 2010 e 11×0 em 2013. Melhor lembrarem dos confrontos do passado, então.

IMAGEM RARA DO FERROVIÁRIO COM O LATERAL DIREITO IVAN LOPES

Ferroviário Atlético Clube em 1977 – Em pé: Giordano, Arimatéia, Joel Maneca, Lúcio Sabiá, Ivan Lopes e Grilo. Agachados: Vanderley, Oliveira, Oliveira Piauí, Danilo Baratinha e Babá

O retrato é um registro histórico do dia 17 de Julho de 1977. Antes de jogar a partida de número 1.566 de sua jornada, o Ferroviário posou no gramado do Castelão. Nesse dia, o adversário foi o Ceará, que acabou levando a melhor ao quebrar uma invencibilidade de 12 partidas do time coral no campeonato cearense. Trata-se de uma imagem até certo ponto rara, já que não é muito comum encontrar fotografias do Ferrão trazendo o lateral direito Ivan Lopes, que só disputou aquela temporada pelo Tubarão da Barra, totalizando apenas 17 jogos na história com a camisa coral. Ivan era um jogador rodado no futebol nordestino, teve boas passagens na Paraíba e foi titular do Tiradentes/PI em momentos históricos da equipe piauense no campeonato brasileiro daquela década. O treinador desse time era o também experiente Pedrinho Rodrigues, um dos responsáveis por lançar no time principal um nome que se consagraria como astro no Brasil e na Inglaterra: o atacante Mirandinha. Da onzena da foto, o atacante Oliveira Piauí faleceu em 1981. O outro Oliveira chegou a ser treinador e supervisor do Ferrão em várias oportunidades na década de 1980. Danilo foi treinador do Tiradentes/CE no campeonato cearense desse ano.

FOTO DO FERROVIÁRIO EM 1975 NO ESTÁDIO MUNICIPAL DE QUIXADÁ

Ferroviário Atlético Clube em agosto de 1975 – Em pé: Paulo Tavares, Vicente, Lúcio Sabiá, Pedrinho, Arimateia e Eldo; Agachados: Danilo, Oliveira, Lula, Aucélio e Jeová

Eis o Ferroviário perfilado para um amistoso contra o Quixadá em 1975. A partida foi no estádio municipal da cidade, denominado à época de Luciano Queiroz. Aliás, deve ser no mundo inteiro o estádio que mais mudou de nome ao longo das décadas. Perceba na foto a presença do bigodudo fisicultor Wilson Couto, que também foi técnico do Ferrão. Ainda, nomes como o lateral direito Paulo Tavares, ex-Ceará, o saudoso Oliveira, que posteriormente transformou-se em supervisor e também treinador coral, além de nomes importantes da base do clube como Danilo Baratinha, Aucélio e Jeová. Nota-se também a presença do potiguar Lula, artilheiro do campeonato cearense daquele ano, bem como do veterano lateral esquerdo Eldo, remanescente da equipe campeã estadual de 1970. O Quixadá venceu o amistoso por 1×0. Ferrão vivia uma gravíssima crise financeira.

APRESENTAÇÃO HISTÓRICA DE UM TÉCNICO MUNDIALMENTE FAMOSO

1976_0522

Registro dos torcedores na arquibancada do SESI e Vavá cumprimentando o goleiro Marcelino

Você lembra do Edvaldo Izídio Neto? Infelizmente seu nome é poucas vezes reverenciado no futebol cearense. Ele foi treinador do Ferroviário no campeonato estadual de 1976. Estamos falando exatamente de Vavá, bicampeão mundial pela seleção brasileira nas copas de 1958 e 1962. Há exatos 40 anos, era ele o técnico coral a comandar jogadores como o goleiro Marcelino, o zagueiro Pogito, o meia Danilo Baratinha e o atacante Lula, entre outros. Talvez seja o treinador mais famoso que já passou pela Barra do Ceará em todos os tempos. Sua apresentação ocorreu debaixo de foguetório diante de centenas de pessoas no campo do SESI, instalação que fica até hoje ao lado do estádio Elzir Cabral. Foram apenas 13 partidas no comando técnico coral, mas o suficiente para entrar na história. Em 21 de março daquele ano, Vavá dirigiu o Ferrão na vitória por 1×0 contra o Calouros do Ar, pela 2ª fase do 1ª turno do estadual, gol de Oliveira. Pouco mais de um mês depois, após sofrer uma goleada por 6×0 para o Ceará, perdeu o emprego. O famoso ´Leão da Copa` seguiu sua carreira e fez parte da comissão técnica de Telê Santana na lendária participação do Brasil na Copa de 1982, na Espanha. Vavá morreu em 19/01/2002, vítima de infarto e foi sepultado no Rio de Janeiro.

O PARQUE ZOOLÓGICO DO FERROVIÁRIO ATLÉTICO CLUBE

zoologico-bonito-dos-desenhos-animados-com-animais-coloridos_270-156887

O elenco do Ferroviário que perdeu ontem na semifinal da Taça Fares Lopes tem três jogadores com nomes, no mínimo, inusitados para os dias de hoje: Esquilo, Falcão e Moisés Rato. Tudo bem que o primeiro adota a grafia Squilo, mas não deixa de ser um evolução para quem já teve um lateral chamado Grilo (1972 a 1978). Os mais apaixonados rebaterão dizendo que o São Paulo tem Pato e Ganso. É justo. Porém, dando uma olhada no Almanaque do São Paulo, do amigo José Renato Sátiro, não consigo encontrar tantos apelidos futebolísticos com nome de aves e animais como os que estão no Almanaque do Ferrão.

Uma rápida pincelada e podemos encontrar no Zoo coral nomes com Girafa (1950), Nilson Leão (1986), Alexandre Pavão (2004), Arara (1958), Galo Duro (1938), Marcos do Boi (1967), Marquinhos Capivara (1993), Caranguejo (1943 a 1951), Danilo Baratinha (1974 a 1977), Lúcio Sabiá (1973 a 1981), Coelho (1969), Maurício Pantera (2004 a 2005), Pinto (1976 a 1977), Puma (2002 a 2003), Celso Gavião (1979 a 1980), Cláudio Rã (2001 a 2002), Dadá Jacaré (1978), Vicente Jabuti (1963 a 1966), Fernando Canguru (1976), Macaco (1952 a 1959), simplesmente o maior artilheiro da história do Ferroviário, e até um famoso treinador, ex-jogador do Flamengo/RJ, que atendia sob a alcunha de Murilo Pardal (1982), bem como um zagueiro representante de uma perigosa matilha, o famoso Lobinho (1959 a 1962).