ENCONTRO DE GOLEIROS ANTES DE PARTIDA PELA COPA DO BRASIL

Goleiros para sempre e um capitão

A foto ao lado é de março de 1995 e mostra 3 ótimos goleiros que vestiram a camisa do Ferroviário. Foi tirada no Castelão, antes de uma partida do time coral contra o Remo/PA pela Copa do Brasil. De camisa listrada, o goleiro Roberval, bicampeão estadual 94-95 pelo Ferrão. De branco, seu treinador de goleiros na época, Edmundo Silveira, ex-arqueiro do próprio Ferroviário entre 1978 e 1982, que disputou 19 partidas no título cearense de 79, quando chegou a ser titular durante a competição e teve a felicidade de jogar a finalíssima contra o Fortaleza em razão do terceiro cartão amarelo do titular Cícero Capacete. A seu lado, o grande goleiro Clemer, que vestia a camisa do Remo na época e que, apenas dois anos antes, defendera o Tubarão da Barra vindo do futebol maranhense. Depois de jogar na equipe paraense, Clemer se destacou nacionalmente como goleiro do Goiás/GO, Portuguesa/SP, Flamengo/RJ e Internacional/RS, onde foi campeão mundial. Perceba a altura de Edmundo Silveira diante de Roberval e Clemer, certamente bem acima da média para os padrões dos arqueiros que atuavam na década de 70. De quebra, o capitão Paulo Adriano, o último jogador até hoje a levantar uma taça para o Ferroviário, exatamente no final daquela temporada.

POR ONDE ANDA O ATACANTE CAREQUINHA CHAMADO ISAÍAS?

Ferrão 1993_2

Ferroviário Atlético Clube em março de 1993 – Em pé: Argeu, Evilásio, Jorge Luís, Róbson, Didi  e Paulo César; Agachados: Ronaldo Salviano, Sílvio, Isaías, Marquinhos Capivara e Batistinha

Isaías Ferreira da Silva pode não ter tido uma passagem longeva no Ferroviário, mas aquele atacante carequinha, contratado no início do campeonato cearense de 1993, certamente foi responsável por um lance memorável. De cabeça, ele marcou o gol da importante vitória coral em cima do Fortaleza, por 1×0, poucos dias depois do Tubarão da Barra ter sido humilhado pelo Ceará pelo placar de 9×1. Era a retomada do Ferrão na competição. Foi o jogo que marcou a estreia do goleiro Clemer e a participação efetiva do oportunista atacante pernambucano, oriundo na época do Auto Esporte/PB. Ainda que tenha ficado somente até o mês de abril naquela temporada, Isaías marcou 4 gols nas 9 partidas que defendeu a camisa coral. Transferiu-se para o futebol paulista em seguida e acabou indo atuar depois no futebol português. Lembra dele? Por onde anda Isaías?

isaias2016

Foto recente do ex-jogador Isaías na Paraíba

Apesar de ter nascido em Recife, Isaías não voltou para sua terra natal quando pendurou as chuteiras. Fixou residência em João Pessoa, cidade que o acolheu como atleta, onde trabalha atualmente na EMLUR, a autarquia de limpeza urbana na capital paraibana. Formado em Educação Física, ele tem a intenção de voltar ao futebol brevemente e trabalhar como treinador ou montar uma escolinha. No tempo de jogador, Isaías vestiu a camisa de times importantes como o ABC/RN, Treze/PB, Santo André/SP e ASA/AL, porém foi no Auto Esporte paraibano que conseguiu a façanha de ser até hoje o maior artilheiro de sua história, além de goleador máximo no campeonato paraibano de 87, 90 e 92, quando também sagrou-se campeão estadual. Foram 14 clubes defendidos no futebol. No Nordeste, só não atuou no Piauí e no Maranhão. Foi uma carreira curta, principalmente em razão de ter atuado pela primeira vez como profissional aos 26 anos de idade, exatamente na temporada de 1986.

Certamente, lá na bonita João Pessoa, Isaías tem na memória aquele gol importante contra o Fortaleza marcado no estádio Castelão, templo maior do futebol cearense. No vídeo acima, o Almanaque do Ferrão refresca essa lembrança e homenageia o ex-atacante com os melhores momentos e uma entrevista depois daquela vitória no jogo 2.465 da nossa história, quando o jogador carequinha foi o responsável direto pelo triunfo coral e ofereceu aos torcedores do Ferroviário uma bela e animada noite de domingo.

DA BARRA DO CEARÁ PARA O MUNDIAL INTERCLUBES NO JAPÃO

celsonoporto

Celso Gavião: zagueiro do Porto em 1987

Hoje cedo, o poderoso Barcelona conquistou mais uma vez o título do mundial interclubes no Japão. Você sabia que ex-corais já tiveram o privilégio de saborear essa mesma conquista desde 1960? Como não lembrar de início do lendário Celso Gavião, o maior zagueiro-artilheiro da história do Ferroviário? Depois de deixar o time coral no final de 1980, ele ganhou o mundo e estava na zaga do Porto, campeão mundial em 1987, na final contra o Penarol do Uruguai. Para conseguir o feito, o time português havia conquistado o título de campeão europeu com direito a gol decisivo de falta de Celso Gavião, contra o Dínamo de Kiev, na antiga União Soviética, no episódio que colocou aqueles jogadores na história como os ´heróis de Kiev`. Na grande final, vitória portuguesa em cima do poderoso Bayern de Munique por 2×1 em jogo disputado em Viena. Do Ferrão para o mundo!

jogadores_inter

Clemer, Ediglê, Mossoró e Iarley

O atacante Jardel, em 1995, e o lateral/volante Nasa, em 1998, chegaram perto de repetir o feito de Celso Gavião, com Grêmio/RS e Vasco/RJ respectivamente. Infelizmente tiveram Ajax e Real Madrid pelo caminho e a conquista não foi possível. Por outro lado, Iarley, seis anos depois de deixar a Barra do Ceará, teve a felicidade de conquistar o mundo com a camisa do Boca Juniores da Argentina, em 2003, na final contra o Milan da Itália. Em 2006, ele repetiu a dose, dessa vez defendendo o Internacional/RS na finalíssima contra o Barcelona. E Iarley não estava só. Ele tinha no time campeão o goleiro Clemer, que jogou no Ferrão em 1993, e o zagueiro Ediglê, que havia atuado no time coral em 1997. De quebra, a presença no grupo do potiguar Márcio Mossoró, que não foi inscrito para o mundial interclubes no Japão, mas havia conquistado a Libertadores meses antes ao lado dos ex-corais, ele que passou pelo Sub-20 do Ferrão em 2001 sem nunca ter atuado pelo time profissional. Sete nomes e histórias de mundiais pra contar. Só mesmo no Ferrão.

PRIMEIRA ENTREVISTA DO GOLEIRO CLEMER APÓS VITÓRIA CORAL

A maioria das pessoas só conheceu o goleiro Clemer quando ele foi vice-campeão brasileiro com a Portuguesa/SP em 1996 ou depois que chegou ao Flamengo/RJ no ano seguinte, onde foi sempre titular, saindo apenas para brilhar com a camisa do Internacional/RS por várias temporadas e conquistar o título mundial interclubes em 2006. O Almanaque do Ferrão recupera hoje o vídeo com a primeira entrevista do ex-arqueiro coral em sua passagem pelo Tubarão da Barra. Corria o ano de 1993 e Clemer permaneceu como titular absoluto em 23 partidas no total. A entrevista foi concedida no vestiário do Castelão no dia de sua estreia, logo após uma vitória em cima do Fortaleza em partida do campeonato cearense. Ainda no vídeo, é possível rever também o volante Ronaldo Salviano, um dos principais nomes do time coral na temporada. Vale lembrar que Clemer veio para o Ferroviário oriundo do Maranhão Atlético Clube e, na época de sua contratação, houve um membro da imprensa cearense que ironizou a chegada do atleta anunciando-o da seguinte forma: “Ferrim contrata goleiro com nome de bolacha“. O nome de Clemer foi escolhido por seu pai numa homenagem a outro goleiro, o lendário Ray Clemence, que fez história no Liverpool e na seleção inglesa. Logo após o campeonato, Clemer foi parar no Remo/PA e depois no Goiás/GO, duas escalas importantes em sua trajetória de sucesso. Para vergonha eterna do cronista que o ironizou.

PRIMEIRA GOLEADA DE UM CICLO VITORIOSO CONTRA O FORTALEZA

O início dos anos 90 foram complicados para o Ferroviário. Times fracos, campanhas ruins e participações modestas nos campeonatos. A crise eclodiu em fevereiro de 93 após a goleada impiedosa de 9×1 sofrida para o Ceará. Após o jogo, no calor do humilhante revés, renúncia imediata do presidente Edilson Sampaio, do diretor de futebol Walmir Araújo e de todos os diretores. O que parecia o fim do clube para muitos, na prática representou o início de um ciclo vitorioso. Sob nova diretoria, capitaneada pelo empresário Clóvis Dias, o Ferrão trouxe jovens reforços e, em menos de um mês, vencia o primeiro clássico derrotando o Fortaleza por 1×0, gol do centroavante Isaías, num jogo que marcou a estreia do goleiro Clemer. Dois meses depois, mais uma vitória em cima do Leão, dessa vez de goleada por 4×1, com Batistinha (duas vezes), Basílio e Narcízio marcando para o time coral. Esse é o jogo que o Almanaque do Ferrão recorda agora através de imagens em vídeo que o tempo não apagou.

A partida representou a primeira goleada de uma série de incríveis vitórias do Ferrão em cima do Fortaleza durante o período Clóvis Dias. 4×1 foi um resultado que se repetiu algumas vezes nos campeonatos seguintes, 3×0, 4×0 e 5×0 foram placares bem íntimos do Leão até 1997, ano que marcou o fim do ciclo coral vitorioso, abrilhantado com um inédito bicampeonato 94/95, um verdadeiro marco na história do clube. Nesse jogo específico de 16/5/93, estreia do lateral esquerdo Branco e sob o comando de Lula Pereira, o Ferrão humilhou o Tricolor do Pici com Clemer, Itamar, Aldo, Marião e Branco; Reginaldo Souza, Ronaldo Salviano, Acássio e Basílio (Sílvio); Batistinha e Márcio (Narcízio). O Fortaleza, cheio de nomes famosos no futebol brasileiro, perdeu com Banana, Expedito, Sérgio Odilon, Alexandre e Albéris; Josenílton, Josué (Nando) e Elói; Eliézer, Kel e Jorge Veras (Vânder). Era o jogo 2.474 da história coral. Para sempre na memória do Almanaque do Ferrão.

O GOLEIRO QUE ENTROU PRA HISTÓRIA PELA PORTA ERRADA

Nem só de coisas boas vive esse blog. Alguns vexames serão sempre lembrados e não poderia ser diferente no Almanaque do Ferrão. A derrota fragorosa por 9×1 para o Ceará é uma das páginas tristes da história coral. Aconteceu em 14/2/1993, um fim de semana antes do carnaval, no jogo de número 2461 do Tubarão. Como há males que vêm para o bem, a vergonha alheia foi tanta que muita gente pediu o boné e o clube iniciou um processo de soerguimento que culminou com o bicampeonato 94/95. Hoje é dia de recordar a matéria do Globo Esporte na véspera do fatídico jogo. Os experientes Modali e Paulo César falavam em ´bom resultado` e ´grande apresentação`, como não poderia deixar de ser. Mas papo não ganha jogo.

É comum ouvir até hoje nas arquibancadas que o goleiro coral nessa partida era o Clemer. Ledo engano. O famoso arqueiro maranhense chegou para o Ferroviário somente depois do carnaval, justamente para ocupar a vaga deixada pelo glorioso Marquinhos, o estreante daquele domingo, que foi demitido depois dos 9×1 em sua única partida pelo time coral. No vídeo acima, Marquinhos pode ser visto em ação no treino apronto. Dizem as más línguas que até já havia se aposentado, virou treinador de goleiros, mas aceitou o convite do Ferrão para voltar aos campos naquela temporada. Pra entrar pra história. Pela porta errada.