ENTREVISTA HISTÓRICA COM O CAPITÃO CORAL NO TÍTULO DE 1988

Final de 1988 com Silmar, Robinson, Barrote, Alves, Arimatéia, Marcelo Veiga e Juarez na foto

A torcida coral comemora hoje os 30 anos do inesquecível título estadual de 1988. As disputas daquela edição do campeonato cearense foram uma das mais acirradas em todos os tempos já que Ceará, Fortaleza, Tiradentes e Guarany de Sobral montaram grandes times. A competição durou pouco mais de seis meses e, ao final, premiou a equipe mais regular e vibrante desde o início com um título mais que merecido, conquistado exatamente no feriado de 7 de setembro quando o Ferrão jogava pelo empate, mas mesmo assim bateu o Fortaleza por 1×0 com um gol histórico do lateral esquerdo Marcelo Veiga em cobrança de pênalti. Na ocasião, Marcelo Veiga era um jovem de muita personalidade, de apenas 23 anos de idade, que assumiu a braçadeira de capitão quando o técnico Lucídio Pontes assumiu a equipe já no 3º turno da competição num time que tinha nomes experientes como Juarez, Silmar e Djalma.

Marcelo Veiga fuzila o gol defendido pelo arqueiro Cláudio e marca o gol do título de 1988

Quando voltou a Vila Olímpica Elzir Cabral para treinar o Ferroviário na temporada de 2004, Marcelo Veiga gravou uma entrevista em áudio relatando detalhes daquela memorável conquista. Esse material ficou guardando por quase quinze anos e agora, em publicação extraordinária e histórica no aniversário de 30 anos do título de 1988, o Almanaque do Ferrão divulga na íntegra a conversa com o eterno ídolo coral. Nela, Marcelo Veiga recorda momentos importantes nos bastidores daquela temporada, faz um balanço de sua vitoriosa passagem pelo Tubarão da Barra, afirma ter marcado o gol mais bonito de sua carreira justamente com a camisa coral, comenta sobre a alegria de ser considerado um dos maiores nomes da nossa história, exalta a participação decisiva para aquela conquista de nomes como Chicão, Martins Monteiro e Vicente Monteiro, compara Lucídio Pontes ao famoso treinador Pepe, além de revelar um drama familiar que viveu poucas horas depois de ter marcado o gol do título. A gravação tem uma hora de duração e vale a pena ouvir com atenção. Trata-se de um testemunho sobre um dos momentos mais gloriosos da história do Ferroviário Atlético Clube, agora eternizado aqui no blog, na própria voz de um ex-jogador que é simplesmente a cara daquela conquista para sempre marcada no coração da torcida.

QUEM É CAPAZ DE LEMBRAR DE CELSO MENDES NO FERROVIÁRIO?

celso mendes

Celso Mendes

O centroavante Celso Mendes foi um daqueles vários jogadores que vestiram a camisa do Ferroviário e pouca gente lembra, mas o Almanaque do Ferrão não deixa o fato passar batido e recorda pra você. O ex-coral em questão é até hoje um dos maiores ídolos do Sergipe/SE, porém sua passagem pela Barra do Ceará não foi nada positiva. Há exatamente 32 anos, no dia 18 de setembro de 1983, ele fazia sua estreia com a camisa do Tubarão da Barra numa partida contra o Guarany de Sobral, no Estádio do Junco, sendo substituído no segundo tempo pelo atacante Chicão. O jogo terminou empatado em 1×1. Oriundo do São Cristovão/RJ, foram apenas 3 partidas no campeonato cearense daquele ano e nenhum gol marcado. Aos 25 anos de idade na ocasião, Celso Mendes jogou depois em vários clubes, entre eles o Santa Cruz/PE, o Portimonense de Portugal e o Ceará, no início da temporada de 1989. E ai, lembra dele?

ÁUDIO RARO DO VESTIÁRIO CORAL APÓS CONQUISTA DE TURNO

1985

Só Deus podia tirar o título do Ferroviário em 1985, mas as arbitragens falaram mais alto

Um dos melhores times que o Ferroviário teve foi formado em 1985. A onzena principal atuava geralmente com Serginho, Laércio, Arimatéia, Léo e Vassil; Alex, Denô e Arnaldo; Cardosinho, Luizinho das Arábias e Foguinho. A confiança no grupo levava o presidente Caetano Bayma a repetir em suas entrevistas um bordão que marcou aquela temporada: “Só Deus tira o campeonato do Ferroviário“. O grande Pajé não contava com os erros de arbitragem na reta final. Estes sim fizeram com que aquele time não fosse campeão. Tudo, menos coisa de Deus.

O querido supervisor Chicão, falecido em fevereiro desse ano, confidenciou algumas vezes que os jogadores desse elenco gostavam de uma boa noitada regada à cerveja bem gelada. Coisas do futebol daquela época, incompatíveis com o profissionalismo de hoje. Chicão falava sempre com carinho e saudade do grupo montado por Caetano Bayma, que venceu o 2° turno do Estadual em cima do Fortaleza de forma categórica e depois foi escandalosamente prejudicado na decisão do 3° turno contra o mesmo adversário quando Luizinho das Arábias teve um gol lícito anulado. Coisa pra nunca mais esquecer.

O Almanaque do Ferrão recupera abaixo um áudio raro de 29 anos atrás. A gravação foi feita no vestiário coral logo após a conquista do 2° turno. São mais de 5 minutos de entrevistas comandadas pelo então setorista Ivan Bezerra, hoje no Diário do Nordeste, que trabalhava na Rádio Uirapuru. Recorde na sequência dos entrevistados o treinador Zé Mário, o diretor Múcio Roberto, o lateral Laércio, o ponta Cardosinho, o zagueiro Léo, o preparador físico Othon Borges, o meia Denô e o lateral Válter. Coisas que o tempo não apaga e você confere só aqui.