POR ONDE ANDA A CRIA CORAL NEGOCIADA COM O FC PORTO?

Ex-cria coral Josivan em foto recente no trabalho na cidade portuguesa de Mangualde em Portugal

No dia 5 de maio de 1999, o baixinho Josivan fez sua primeira partida pelo time profissional do Ferrão. Lançado pelo treinador Newton Albuquerque, ele atuou muito bem no empate de 3×3 contra o América/RN, em jogo válido pela Copa do Nordeste daquele ano. Dois dias depois, o atleta já era destaque nas páginas do jornal Diário do Nordeste. Foram apenas 15 jogos e 2 gols marcados nos três meses seguintes para Josivan ganhar a chance de atuar em Portugal. Observado pelo ex-zagueiro Celso Gavião, que trabalhava como olheiro da empresa “International Foot“, a jovem revelação coral foi emprestada ao famoso FC Porto, para jogar inicialmente na equipe B. Seu passe foi estipulado em 50 mil Reais em caso de opção de compra pelo time português, o que rapidamente aconteceu. Depois de duas boas temporadas na equipe aspirante do Porto, Josivan chegou a figurar na pré-temporada do elenco principal sob o comando do famoso treinador Fernando Santos. Mais de duas décadas depois, a cria coral continua morando no Velho Continente, mais precisamente na cidade de Mangualde, que fica situada na província de Beira Alta, no Distrito de Vizeu.

Matéria do Diário do Nordeste sobre Josivan apenas 2 dias depois de sua estreia no profissional

Josivan nunca se firmou no time principal do Porto, mas fez toda sua carreira em equipes menores do futebol lusitano, atuando nas mais diversas divisões nacionais. Entre 2006 e 2007, o atleta chegou a jogar no futebol do Vietnã. Em 2017, Josivan pendurou as chuteiras na equipe portuguesa do Aguiar da Beira, depois de sete temporadas consecutivas. Longe do futebol, ele se mudou para Vizeu e começou a trabalhar com pintura de veículos no centro de produção da Peugeot-Citroen, majoritariamente durante o período noturno, onde se orgulha de nunca ter faltado um dia de trabalho em mais de três anos de atividade laboral. No período da tarde, Josivan treina a equipe Sub-13 do Grupo Desportivo de Mangualde e observa novos talentos para empresários portugueses. Ele tem dois filhos que desejam seguir carreira no futebol e uma filha que está na faculdade. A família não deseja retornar nunca mais para Fortaleza em razão dos perigos relacionados à segurança pública. Ficarão sempre as memórias do início da carreira de Josivan, que ao deixar o Ferrão e chegar no Porto era visto como o “novo Rui Barros” e chegou a ganhar a alcunha de “Rato Atômico das Antas“, em alusão ao seu estilo driblador e envolvente.

RECORDANDO UM GOL DE IDEVALDO CONTRA O FORTALEZA NO CASTELÃO

Dia de recordar um gol do centroavante Idevaldo, experiente jogador que defendeu o Ferroviário no Campeonato Cearense de 1992. Com ótima passagem pelo América/MG, ele chegou na Barra do Ceará como grande esperança de gols. No vídeo acima, Idevaldo marcou o gol da vitória do Ferrão em cima do Fortaleza, no Castelão. O jogo foi realizado no dia 23 de agosto daquele ano e foi válido pelo 2º turno da competição. O placar poderia ter sido mais dilatado, mas o ídolo Jorge Veras perdeu um pênalti na partida. Treinado por Celso Gavião, o Tubarão da Barra jogou com Jorge Carioca, Jaime, Aldo, Edson Oliveira e João Luís; Wágner, Erivando e Gilson (Adriano); Cantareli (Edu), Idevaldo e Jorge Veras. O adversário perdeu com Claudecir, Adriano, Argeu, Eduardo e Vágner; Alberto, China (Fernando) e Maradona (Mendonça); Eliézer, Nando e Osmar. Joaquim Gregório foi o árbitro do jogo, que teve um público de apenas 4.829 pagantes. Idevaldo defendeu o Ferrão em 21 jogos e marcou 11 gols. Na formação coral, destaque para a presença do jovem zagueiro Adriano, que chegou à Seleção Brasileira e defendeu grandes clubes do Brasil. Aquela temporada terminou de forma melancólica para o futebol cearense com quatro equipes sendo declaradas campeãs. Felizmente, dentro desse prisma, o Ferroviário fez uma campanha verdadeiramente medíocre naquele ano, que o impediu de participar desse desfecho vergonhoso com a divisão de título do campeonato estadual.

AS CONTRATAÇÕES CORAIS NO INTERVALO DO ESTADUAL DE 1992

Resgatamos acima imagens da TV Jangadeiro e TV Verdes Mares em julho de 1992. Pouca gente lembra, mas nesse período, o então dirigente da base coral Clóvis Dias acabara de assumir a direção de futebol e contratou vários jogadores para o restante do Campeonato Cearense. Crias do Corinthians/SP, chegaram Wágner, Agnaldo e Marcelo, que acabou não ficando no elenco. Clóvis investiu ainda em quatro nomes rodados do futebol brasileiro: o volante Dudu, ex-Vasco/RJ, o lateral esquerdo João Luís, ex-Fluminense/RJ, o atacante Rodinaldo, ex-Palmeiras/SP e o goleiro Jorge Carioca, ex-Campo Grande/RJ. O experiente zagueiro Edson Oliveira, vindo do São Caetano/SP, também chegou. Dois meses depois, o famoso atacante Helinho, ponta-direita com belíssima passagem pelo Botafogo/RJ, também se apresentou na Barra do Ceará, anunciado após a desistência do Fortaleza pela sua contratação. Mesmo tendo desembarcado no Pici, Helinho acabou não ficando em razão de um problema detectado no joelho durante o exame médico. Por um desses caprichos do futebol, o jogador estreou com a camisa coral justamente contra o Fortaleza, no PV, e marcou um gol. Sob o comando do treinador Celso Gavião, estes foram os primeiros nomes trazidos pelo dirigente Clóvis Dias para o Ferroviário Atlético Clube, durante sua curta passagem pela direção de futebol no Estadual de 1992. No final de fevereiro do ano seguinte, ele saiu novamente da base coral, dessa vez para a assumir a presidência do clube, transformando-se num dos dirigentes mais vitoriosos da nossa história. Clóvis Dias mereceu um capítulo em sua homenagem no livro ´Crônicas Corais`, lançado no final do ano passado.

MAIS UM ANIVERSÁRIO DO POLÊMICO JOGO CONTRA O VASCO

Ferroviário Atlético Clube naquele 23/01/1983 – Em pé: Augusto, Laércio, Luisinho, Zé Carlos e Hélio Show; Agachados: Paulo César Cascavel, Betinho, Ednardo, Edson e Jorge Veras

Um jogo bastante polêmico na história coral completa mais um aniversário nesse 23 de janeiro. Naquele domingo de 1983, o Ferroviário fazia sua estreia na Taça de Ouro, a versão equivalente à atual Série A do campeonato brasileiro. O adversário era o tradicional Vasco da Gama, campeão carioca da temporada anterior. Pouco mais de quatorze mil pagantes foram ao Castelão e presenciaram cenas exóticas do árbitro Roberto Nunes Morgado. Completamente transtornado dentro de campo, ele distribuiu vários cartões amarelos em jogadas normais, expulsando ainda Betinho e Doca, e deixando os corais inferiorizados numericamente. Não bastasse enervar os jogadores do Ferrão com atitudes transloucadas nas quatro linhas, o juiz ainda apitou boa parte do jogo correndo apenas na linha lateral, sendo estrepitosamente vaiado pelos torcedores. Num dos momentos mais cômicos daquele domingo, para não dizer trágico ao mesmo tempo, o árbitro deu cartão vermelho até para o policiais que foram obrigados a entrar em campo para acalmar os ânimos. Pouco tempo antes, o árbitro havia sido diagnosticado com transtornos psicológicos. Em 1989, Roberto Nunes Morgado morreu de Aids. Os acontecimentos no Castelão são até hoje lembrados.

Acima, você confere o vídeo raro com os dois gols do jogo. O primeiro foi marcado pelo volante Dudu, que nove anos depois vestiu a camisa do próprio Ferroviário já em final de carreira. O lateral esquerdo Pedrinho fechou o placar com um belo tento. Treinado por Wilson Couto, o Tubarão da Barra formou naquela tarde/noite com o futebol de Hélio Show, Laércio, Nilo, Zé Carlos e Luisinho; Augusto, Edson e Betinho; Ednardo (Doca), Paulo César Cascavel e Jorge Veras. O Vasco da Gama jogou com Acácio, Galvão, Orlando Fumaça, Celso Gavião e Pedrinho; Dudu, Serginho e Roberto Dinamite; Pedrinho Gaúcho (Elói), Ernani e Almir (Marco Antônio). O técnico era Antônio Lopes. Como se vê na escalação, o quarto zagueiro Celso Gavião, campeão cearense pelo Ferrão em 1979, atuava na equipe carioca. Na transmissão do polêmico jogo pela Rádio Verdes Mares de Fortaleza, o lendário narrador Gomes Farias, cunhou uma frase memorável para relatar, aos ouvintes, os rompantes tresloucados do árbitro: “o torcedor cearense que veio ao Gigante da Boa Vista para ver o Roberto Dinamite está vendo outro Roberto, está vendo o árbitro Roberto Nunes Morgado“. 

CELSO GAVIÃO E SUAS MEMÓRIAS NO FERROVIÁRIO E NO PORTO

O vídeo acima foi editado a partir de uma entrevista concedida pelo ex-zagueiro Celso Gavião à jornalista Denise Santiago. Veiculado no programa Jogo Certo da TV Diário, em 2018, o ex-atleta coral falou de algumas recordações vitoriosas no futebol, entre elas, o título estadual no Tubarão da Barra, em 1979, e o título mundial no Porto, de Portugal, em 1987. Quando perguntado sobre ter marcado o gol do título pelo Ferrão em cima do Ceará, Celso não titubeou: “foi o gol do título“. Na prática, é verdade que não foi, visto que o título só foi confirmado após uma vitória por 3×0 em cima do Fortaleza, na rodada seguinte. Porém, o gol do Gavião foi de uma importância tamanha que é comumente referido como o ´gol do título`, dado o contexto de uma vitória maiúscula, histórica e totalmente improvável em termos de prognósticos naquele momento. Referida curiosidade é, inclusive, relatava no texto intitulado “Petardo do Gavião e Milagres do Capacete“, no recém-lançado livro `Crônicas Corais´, em alusão às atuações individuais do zagueiro Celso e do goleiro Cícero Capacete naquele memorável jogo contra o alvinegro, em setembro de 1979. Fica a dica de leitura.

VÍTIMA DE CÂNCER, EX-JOGADOR DUDU FALECEU NO RIO DE JANEIRO

Matéria do jornal anunciando Dudu

Ele passou pelo Ferroviário Atlético Clube na temporada de 1992. Ex-jogador consagrado no Vasco da Gama, do Rio de Janeiro, o volante Dudu chegou ao Ferroviário em julho daquele ano em meio a um pacote de reforços que apresentava nomes como o experiente centroavante Rodinaldo, o volante Wágner, o goleiro Jorge Carioca, os atacantes Haroldo e Agnaldo, além dos experientes Edson Oliveira e João Luís, zagueiro e lateral esquerdo respectivamente. Em seu período na Barra do Ceará, Dudu brigou sempre com a balança pois chegou muito acima do peso. Participou apenas de dois jogos amistosos nas cidades de Campo Sales e Barbalha, além de disputar uma única partida oficial, contra o Calouros do Ar, no PV, quando substituiu Rodinaldo no segundo tempo. Em seu período no clube, Dudu teve Celso Gavião como treinador, seu ex-companheiro no Vasco/RJ. Quando Celso deixou o cargo, a experiência de Dudu falou mais alto e ele foi treinador do Ferrão por uma semana, comandando o clube na vitória por 1×0 em cima do Quixadá, fora de casa, no dia 20 de setembro. Dudu faleceu hoje no Rio de Janeiro depois de uma dura batalha contra o câncer. Descanse em paz.

PRESENTE DE NATAL: O GOL DE CELSO GAVIÃO CONTRA O CEARÁ EM 1979

Talvez esse seja o gol mais celebrado da história do Ferroviário. Certamente é um dos mais comentados até hoje nas arquibancadas por todos que têm na memória aquela noite de quarta-feira, dia 12 de setembro de 1979. Por 40 anos, o gol antológico de Celso Gavião pôde apenas ser imaginado por quem nunca o vira e, quando muito, recordado vagamente por cerca de 30 mil pessoas que estavam no Castelão ou por quem conseguiu conferir as imagens, no dia seguinte, no programa Globo Esporte na televisão. Depois daqueles dias em 1979, nunca mais esse lance foi destacado. Um incêndio nos arquivos da TV Verdes Mares, no início dos anos 1980, aniquilou grande parte do acervo da década anterior e a fita de vídeo com o gol de Celso Gavião virou pó. O jogo que até hoje é também lembrado pelas defesas milagrosas do goleiro Cícero, nunca saiu da memória dos torcedores que acompanharam aquela vitória improvável, tamanha a superioridade técnica do Ceará. Acima, a raridade da imagem do gol antológico de Celso Gavião vem ainda recheada com a briga, logo nos primeiros minutos da contenda, que tirou o ponta direita Jangada e o lateral esquerdo Ricardo Fogueira do resto da partida, expulsos pelo árbitro Leandro Serpa, além da imagem sempre simpática do saudoso locutor Luciano do Valle, apresentador do Globo Esporte naquele período. Quer saber como esse vídeo foi resgatado pelo blog? Trata-se de uma longa história para ocupar agora esse espaço, fruto também de um longo tempo de investidas interestaduais, a maioria sempre fracassada, porém uma delas culminou com a sorte de encontrarmos ocasionalmente um jornalista, funcionário da Globo e – a maior das coincidências – filho de uma ex-goleador do Ferroviário, que gentilmente se propôs a pesquisar os arquivos do Globo Esporte em busca dessa raridade. Agora, no dia de Natal, eis o nosso presente para um geração apaixonada de corais que pode finalmente relembrar aquele gol memorável de Celso Gavião. Feliz Natal!

DOCUMENTÁRIO DA TV ASSEMBLEIA EM TRECHOS SOBRE O FERROVIÁRIO

Que tal iniciar a temporada de 2019 com um pouco mais de história sobre o Ferroviário Atlético Clube? Há alguns anos atrás, a TV Assembléia do Estado do Ceará produziu um excelente documentário sobre a história do futebol cearense. Acima, você pode conferir uma compilação das partes do material que tratam exclusivamente sobre o Ferrão, trazendo inclusive uma das últimas gravações em vídeo com Valdemar Caracas, registrada pouco tempo antes de seu falecimento em janeiro de 2013. Além do fundador coral, o material conta a participação de historiadores e nomes importantes que contribuíram para o progresso do futebol cearense e principalmente para a evolução do Ferroviário ao longo do tempo, como o supervisor Chicão, falecido em fevereiro de 2014, os ex-atacantes Pacoti e Mazinho Loyola, o ex-zagueiro Celso Gavião e o ex-dirigente Hamilton Pereira. Conteúdo de grande qualidade! Deleite-se!

EX-PRESIDENTE EM DOIS MOMENTOS DA HISTÓRIA DO FERROVIÁRIO

img-20161212-wa0164

Chateaubriand Arrais na cerimônia de entrega do Pinguim da Antarctica para Celso Gavião

Existem nomes que são históricos e eternamente ligados à equipes de futebol. É o caso do ex-presidente Chateaubriand Arrais, que presidiu o Ferroviário entre 1975 e 1977, além de figurar com destaque em várias diretorias até a vitoriosa gestão bicampeã nos anos 90. Recentemente, ele prestigiou um jantar de confraternização da família coral, ao lado de amigos e do filho que leva orgulhosamente seu nome. Podemos vê-lo aqui em dois momentos, o primeiro na já distante temporada de 1979 em evento da Cervejaria Antarctica, ao lado do premiado zagueiro Celso Gavião e do radialista Gomes Farias. Abaixo, a foto mais recente de Chateaubriand Arrais no jantar desse mês de janeiro. Sem dúvida, um nome eterno na história coral e que mais uma vez é lembrado aqui no blog.

img-20170117-wa0062

Chateaubriand Arrais, pai e filho em pé, no jantar da família coral antes do campeonato cearense

FOTO RARA DO FERRÃO NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE 1991

3mar1991

Ferroviário no Elzir Cabral em 1991 – Em pé: Jaime, Celso Gavião, Naldo, Valdecy, Guará e Toninho Barrote; Agachados: Magno, Basílio, Cacau, Ademir Patrício e Arnaldo.

A foto acima não é nada comum. Voltemos até 1991. Repare no patrocínio verde em cima das listras corais. Era da tradicional loja varejista ´A Esmeralda`, de propriedade do ex-presidente Moacir Pereira Lima. Nela, vê-se o vitorioso zagueiro Celso Gavião já no final de sua carreira, além dos experientes jogadores Valdecy, ex-Guarany de Sobral, e Ademir Patrício, ex-Ceará. Perceba também o goleiro piauiense Guará, irmão do também goleiro Jorge Luiz, bicampeão no Ferrão em 1995. Também do Piauí, mais precisamente do Tiradentes/PI, o ponta esquerda Arnaldo. Favor não confundir com o paulista Arnaldo, campeão em 1988 e que também chegou a jogar na temporada de 1991. O registro foi feito no Elzir Cabral, antes de um jogo contra o Moto Clube/MA pelo Campeonato Brasileiro.