HÁ EXATOS 45 ANOS, O ÚLTIMO JOGO CONTRA O FAMOSO MAGUARI

Erandy: autor do gol coral

Foi num feriado de 1º de maio como hoje, mais precisamente na temporada de 1975, que o Ferroviário enfrentou oficialmente o Maguari pela última vez na história. Completam-se exatos 45 anos desde aquele empate em 1×1 em que Erandy marcou para o Ferrão e Danilo Baratinha empatou. Confrontos contra a tradicional equipe cearense foram comuns entre 1937 e 1946. Depois de um intervalo de 25 anos, o Maguari voltou a disputar o campeonato cearense da primeira divisão em 1972, abandonando para sempre a divisão de elite da competição em 1975. No último confronto contra o Clube dos Príncipes, o Tubarão da Barra era treinado por William Campos e foi a campo com Pedrinho, Nonato Ayres (Marinho), Lúcio Sabiá, Cândido e Eldo; Aucélio e Oliveira; Vanderley, Erandy, Lula e Jeová (Almir). Nota-se uma equipe bastante jovem, com vários jogadores egressos das categorias de base. Já o adversário, treinado pelo ex-goleiro coral Gilvan Dias, jogou com Mundinho, Ademir Feitosa, Luiz Paes, Wilkson e Valdecir; Zé Augusto (Dedé) e Nilsinho; Carlinhos (Cláudio), Danilo Baratinha, Navarro e Piçarra. Percebe-se um time experiente, com alguns garotos como o meia Danilo, emprestado pelo próprio Ferroviário. O jogo aconteceu no PV e, sem saberem, 1.415 pagantes prestigiaram aquele momento histórico. O falecido Cid Júnior foi o árbitro do jogo. 33 anos depois daquele feriado com cheiro de despedida, aproveitando o espólio histórico do tradicional Maguari, a equipe cintanegrina retomou suas atividade com a escrita de Maguary em 2008. Desde então, o Ferroviário fez 3 amistosos contra a renovada equipe: 10×0 em 2009, 2×1 em 2010 e 11×0 em 2013. Melhor lembrarem dos confrontos do passado, então.

RECORDE A GOLEADA CORAL CONTRA O ALTO SANTO PELA 2ª DIVISÃO

Foi num 25 de abril como hoje. Há apenas quatro anos, o Ferroviário estava disputando a segunda divisão do futebol cearense e enfrentou o Alto Santo pela segunda vez na história. O time coral massacrou o adversário com vários gols ainda no primeiro tempo e administrou o restante da partida. Valdeci marcou dois gols. Os outros foram de Paulista, Roney e Da Silva, cobrando pênalti. O ex-técnico Lula Pereira era o grande mentor daquele trabalho de soerguimento do Ferrão, que tinha Fernando Filho como treinador. Os dois levaram o Tubarão de Barra de volta à divisão de elite após uma competição que teve várias anormalidades. Naquela noite, em jogo arbitrado por Almeida Filho, o time coral formou com Róger, Rafael Tchuca (Lucas Caucaia), Erandir, Túlio e Bruno; Jonathas, Diego Silva, Paulista (Dejavan) e Da Silva; Roney e Valdeci (Rodrigo Piu). O adversário, treinado por Raimundinho, foi massacrado com Mauro, Berg, Edgar Pantera, Tony Belém e Teles (Gerrinho); Dida, Renato Frota (Davi), Bruno Ocara e Índio (Mateus); Emerson Catarina e Edson Cariús. Além do jovem Valdeci, o principal destaque individual do Ferroviário era o atacante Roney, artilheiro do campeonato de 2016 e que, infelizmente, sofreu uma contusão séria no final do campeonato, levando muito tempo para conseguir uma plena recuperação e resgate de sua performance. Depois, destacou-se atuando pelo River/PI e, no ano passado, conseguiu o acesso para a Série B do Brasileiro com a camisa do Sampaio Corrêa/MA.

O DIA QUE O FERROVIÁRIO BATEU O CEARÁ COM 2 GOLS DE ARNALDO

Arnaldo

O meio campista Arnaldo foi um jogador muito importante na história do Ferroviário. A maioria das pessoas lembra do ex-atleta, cria do Santo André/SP, pelo inesquecível título estadual de 1988 ou até mesmo pelo seu retorno na temporada de 1991, porém o que pouca gente recorda é que ele já havia vestido a camisa coral em 1985, quando o presidente Caetano Bayma montou um grande time. Abaixo, recuperamos o áudio da narração de uma vitória do Tubarão da Barra naquele ano, em cima do Ceará por 2×0, com dois gols do baixinho Arnaldo. A narração é de Gomes Farias e o setorista no gramado foi Bosco Farias pela Rádio Verdes Mares de Fortaleza. Naquele domingo, o Ferrão formou com Serginho, Laércio, Arimatéia, Léo e Vassil; Nélson, Denô e Arnaldo; Cardosinho (Doca), Luizinho das Arábias e Carlos Antônio (Foguinho). O técnico era o carioca Zé Mário. O alvinegro, do treinador Caiçara, formou com Sérgio Neri, Everaldo, Djalma, Argeu e Bezerra; Caçapava, Lira e Assis Paraíba (Amauri); Josué, Wolney e Lupercínio. Joaquim Gregório foi o árbitro da partida. Vale a pena escutar a raridade abaixo.

DEFESA MILAGROSA DE CLEMER E GOL DE PÊNALTI NO ÚLTIMO MINUTO

O vídeo acima é um primor. Mostra o apronto coral para enfrentar o Ceará no campeonato cearense de 1993 sob o comando de Lula Pereira e, depois, os melhores momentos da vitória do Ferrão por 1×0, gol de Basílio, cobrando pênalti no último minuto da partida. Nunca é demais lembrar que, meses antes, o adversário bateu o time coral por 9×1 e o Tubarão da Barra teve que ser totalmente reconstruído dentro da competição com a chegada de Clóvis Dias como novo presidente. Destaque para uma defesa milagrosa do goleiro Clemer após arremate forte de Sérgio Alves, lance em que a torcida do Ceará gritou gol na hora do chute e foi obrigada a ver a bola nas mãos do arqueiro coral. Depois, o craque Acássio fez boa jogada pelo lado direito e sofreu o pênalti marcado pelo árbitro Dacildo Mourão. Basílio, ex-jogador do próprio Ceará, cobrou e fez o gol da vitória coral. Naquele domingo, o Ferrão jogou com Clemer, Itamar, Róbson, Batista e Branco; Reginaldo Souza (Paulo Adriano), Ronaldo Salviano, Acássio e Basílio; Batistinha e Márcio (Lima). O alvinegro, do falecido técnico Mário Juliato, perdeu com Ferreira, Jaime, Vitor Hugo, Biluca e Júnior Guimarães; Aírton (Júnior Piripiri), Mastrillo e Osmar; Ney (Mirandinha), Ronaldo e Sérgio Alves. A vitória foi ainda mais valorizada porque o Ferroviário estava com apenas dez jogadores após a expulsão do lateral Branco. Sete dos jogadores em campo nesse jogo estiveram no elenco histórico do bicampeonato estadual 1994/1995: Batista, Branco, Paulo Adriano, Acássio, Basílio, Lima e Batistinha. O goleiro Clemer foi o que alçou vôos mais altos, defendendo Remo/PA, Goiás/GO, Portuguesa/SP, Flamengo/RJ e Internacional/RS na sequência de sua vitoriosa carreira. As imagens são da TV Verdes Mares com reportagem de Victor Hannover e narração de Ivan Bezerra.

VITÓRIA DE VIRADA COM GOL DECISIVO DO PELÉ DO NORDESTE

Confira o vídeo acima. É um Clássico das Cores em agosto de 1981. O Fortaleza fez 2×0 logo aos 16 minutos do primeiro tempo. O Ferrão voltou na etapa final disposto a mudar o rumo do jogo e conseguiu uma vitória histórica com gols de Meinha, Jangada e Sima, o Pelé do Nordeste. Assim era a alcunha do craque piauiense Sima, que o Ferroviário foi buscar por empréstimo junto ao River/PI no momento em que negociou em definitivo o ídolo Jacinto para o Cruzeiro/MG. Sima não chegou a brilhar na Barra do Ceará, mas foi um grande nome do futebol nordestino a vestir a gloriosa camisa coral em 38 partidas em 1981. Naquela tarde no Castelão, o habilidoso Sima resolveu a parada a favor do Tubarão da Barra, marcando um belo gol no clássico, que marcou a estreia do zagueiro gaúcho Darci Munique. Repare que na etapa inicial foram utilizadas as camisas com listras na diagonal. No segundo tempo, os jogadores vestiram a camisa tradicional da época que trazia exatamente três listras na horizontal.

Registro da emoção dos jogadores corais após Jangada marcar o gol de empate no Castelão

Depois da saída do treinador uruguaio Juan Alvarez um mês antes, o Ferrão era treinado por Moésio Gomes. Naquele domingo, ele mandou à campo a seguinte formação: Salvino, Laércio (Jorge Bonga), Darci Munique, Nilo e Jorge Henrique; Doca, Meinha e Sima; Jangada, Paulo César Cascavel e Paulinho (Babá). O Fortaleza do técnico Jálber Carvalho jogou com Sérgio Monte, Alexandre, Artur, Lineu e Clésio; Chinesinho (Pinheirense), Odilon e Jadir (Dedé); Mazolinha, Evilásio e Dudé. Os gols do tricolor foram marcados por Evilásio e Mazolinha. O jogo aconteceu no Castelão e teve um público de 10.101 pagantes. A partida foi dirigida por Luis Vieira Vila Nova.

Sima no Ferroviário

Na equipe coral, além do zagueiro estreante Darci Munique, destaque para o jovem lateral direito Laércio, que disputava apenas seu segundo Clássico das Cores na categoria profissional, bem como a presença do ponta esquerda Paulinho, ele que havia sido cedido pelo Cruzeiro na negociação que envolveu a compra do passe do craque Jacinto. Porém, os holofotes do jogo ficaram mesmo em cima do piauiense Sima, que decidiu o jogo. Simão Teles Bacelar é seu nome completo. Ele reside hoje em Teresina, onde foi dez vezes campeão estadual e onze vezes artilheiro do campeonato piauiense. A foto ao lado é um dos raros registros do jogador com a gloriosa camisa do Ferroviário de listras diagonais utilizada em 1981. No mês passado, Sima completou 72 anos de idade. Sua carreira no futebol teve início em 1966 no Piauí Esporte Clube e durou até a temporada de 1987, quando pendurou as chuteiras defendendo mais uma vez o River. Em 2014, Sima ganhou uma grande homenagem: a versão regional do Prêmio Arthur Friedenreich, dado anualmente ao artilheiro do Nordeste na temporada, recebeu o nome de Prêmio Sima exatamente em reconhecimento ao seu talento como craque e goleador.

O FERRÃO BAILARINO QUE PERDEU UM TÍTULO EM TRÊS MINUTOS

Ferroviário na final do Estadual de 1963 – Em pé: Nélson, Ribamar, Pedrinho, Zezinho, Gavillan e Clóvis. Agachados: Macrino, Wellington, Milton Bailarino, Oliveira Bodega e Edílson Araújo

A foto acima com PV lotado foi tirado no dia 1º de dezembro de 1963. Foi na final do campeonato cearense daquele ano contra o Ceará. O Ferroviário tinha o craque Milton Bailarino e o veloz Macrino, contratados junto ao Santa Cruz/PE, além de uma série de outros bons jogadores. O goleiro Ribamar, por exemplo, chegara com grande destaque oriundo do ABC de Natal. Edílson Araújo era bom de bola e vinha a ser o irmão mais velho de Edmar, campeão invicto pelo Ferrão cinco anos depois. Esse time fez uma bela campanha no Estadual daquele ano e chegou à finalíssima contra o Ceará, que ainda não tinha perdido nenhum jogo na competição. O time coral vencia por 2×1 até os 42 minutos do segundo tempo, gols de Edílson Araújo e Milton Bailarino. A torcida erreveceana estava na expectativa do título depois de 11 anos, quando em três minutos, o Ceará fez dois gols e virou o jogo em cima do time comandado pelo técnico Dengoso. Registro histórico de um grande time que acabou não sendo campeão.

ÁUDIO RARO DE UM DOMINGO DE FUTEBOL COM VITÓRIA CORAL EM 1978

Babá puxado pela camisa pelo defensor do Tigre

Saudade dos domingos de futebol? Em tempos de pandemia mundial, o negócio é reprisar antigos momentos e aguardar dias melhores com a volta da bola aos gramados. Hoje é dia de viajar no tempo e lembrar em áudio de um domingo de 1978. O Ferrão pegava o Tiradentes pelo 2º turno do campeonato cearense e o endiabrado ponta esquerda Babá era um dos destaques da competição. Ele jogou muito bem na vitória coral por 3×1 naquela tarde. Foram dois tentos do artilheiro Paulo César e outro do lateral direito Paulo Maurício. Dedé descontou para o Tigre. Na ocasião, Ceará e Fortaleza prometeram bicho extra para os atletas do Tiradentes pelo menos empatarem o jogo, já que o Tubarão da Barra marchava célere para a conquista do turno, o que acabou não acontecendo após uma decisão emocionante contra o Tricolor do Pici dias depois. O técnico Lucídio Pontes utilizou naquela vitória a seguinte formação: Gilberto, Paulo Maurício, Lúcio Sabiá, Arimatéia e Ricardo Fogueira (Jorge Henrique); Doca, Jacinto e Jorge Bonga (Luizinho); Marcos, Paulo César e Babá. O treinador Tenente Castro lançou o Tiradentes com Tarcísio Abelha, Carlito, Nilo, Luís Augusto (Adão) e Cafifa; Citó, Nilsinho e Oliveira (Marcos); Dedé, Alves e William. Atenção no ótimo público no PV: 7.189 pagantes. Não à toa, já foi abordado aqui ser justamente a temporada de 1978 aquela como maior média de público do Ferrão em toda a história. Abaixo, você recorda a narração dos gols daquele jogo nas vozes de Gomes Farias, Edvaldo Pereira e do saudoso comentarista Paulino Rocha na Rádio Verdes Mares.