APRESENTAÇÃO HISTÓRICA DE UM TÉCNICO MUNDIALMENTE FAMOSO

1976_0522

Registro dos torcedores na arquibancada do SESI e Vavá cumprimentando o goleiro Marcelino

Você lembra do Edvaldo Izídio Neto? Infelizmente seu nome é poucas vezes reverenciado no futebol cearense. Ele foi treinador do Ferroviário no campeonato estadual de 1976. Estamos falando exatamente de Vavá, bicampeão mundial pela seleção brasileira nas copas de 1958 e 1962. Há exatos 40 anos, era ele o técnico coral a comandar jogadores como o goleiro Marcelino, o zagueiro Pogito, o meia Danilo Baratinha e o atacante Lula, entre outros. Talvez seja o treinador mais famoso que já passou pela Barra do Ceará em todos os tempos. Sua apresentação ocorreu debaixo de foguetório diante de centenas de pessoas no campo do SESI, instalação que fica até hoje ao lado do estádio Elzir Cabral. Foram apenas 13 partidas no comando técnico coral, mas o suficiente para entrar na história. Em 21 de março daquele ano, Vavá dirigiu o Ferrão na vitória por 1×0 contra o Calouros do Ar, pela 2ª fase do 1ª turno do estadual, gol de Oliveira. Pouco mais de um mês depois, após sofrer uma goleada por 6×0 para o Ceará, perdeu o emprego. O famoso ´Leão da Copa` seguiu sua carreira e fez parte da comissão técnica de Telê Santana na lendária participação do Brasil na Copa de 1982, na Espanha. Vavá morreu em 19/01/2002, vítima de infarto e foi sepultado no Rio de Janeiro.

LUIZ PAES VESTIA A CAMISA CORAL PELA PRIMEIRA VEZ HÁ 49 ANOS

IM000480.JPG

Luiz Paes em 2008

O ano era 1966 e a diretoria do Ferroviário contratou o zagueiro Luiz Paes junto ao Náutico/PE. Foi num 28 de setembro como hoje que ele fez sua estreia pelo time coral, o primeiro de 153 jogos no total, mais que suficientes para colocá-lo como um dos maiores defensores da nossa história, fato este comprovado na campanha ´Time dos Sonhos`, em 2013, que o nominou para a escalação coral de todos os tempos. Aquela primeira partida teve o Calouros do Ar como adversário, no PV, válida pelo 2º turno do campeonato cearense daquele ano e o placar terminou no 1×1, com Gilson Puskas marcando para o Tremendão da Aerolândia e Peu empatando para o Tubarão da Barra. Sob o comando de Vicente Trajano, o Ferrão atuou com a seguinte formação na estreia do novo zagueiro há 49 anos atrás: Adir, Albano, Vadinho, Luiz Paes e Roberto Barra-Limpa; Peu e Edmar; Miro, Zé de Melo, Esquerdinha e Sabará. Mesmo quando atleta, Luiz Paes dedicava-se bastante aos estudos nas horas livres e geralmente enfadonhas do período de concentração antes dos jogos, o que o levou por consequência à vida acadêmica assim que sua carreira no futebol chegou ao fim.

luiz paes 60

Luiz Paes em foto de 1969

Durante mais de duas décadas, ele foi professor de Física do saudoso Colégio Cearense. Milhares de pessoas foram alunos do Professor Luiz Paes naquela renomada instituição. Em 2012, o jornalista Rafael Luís, jornalista e ex-aluno do colégio, comentou o fato em seu site Verminosos por Futebol: “Certo dia, outro professor nos contou que Luiz Paes havia sido um grande jogador de futebol na década de 1960. Com boa passagem pelo Ferroviário, ele teria parado Pelé em um amistoso contra o Santos, no PV, em 1968, com direito a matéria em jornal e tudo. Fui até meu pai e perguntei sobre o professor. ´Se lembro de Luiz Paes?! É claro que sim, ele foi um dos maiores zagueiros que vi jogar!`, respondeu“. Trata-se de um espontâneo relato que oferece uma dimensão da importância do ex-zagueiro na trajetória coral, que conquistou 5 títulos ao todo com a camisa do clube, entre eles os inesquecíveis Estaduais de 68 e 70. Em janeiro de 2008, Luiz Paes ilustrou a seção ´Craque do Passado` na já histórica 1ª edição da então revista oficial do Ferroviário, intitulada de Expresso Coral. Atualmente, ele é professor da Universidade de Fortaleza e reside próximo ao Shopping Center Iguatemi, uma das áreas mais valorizadas da cidade.

POR ONDE ANDA O CAPITÃO BICAMPEÃO RICARDO LIMA?

11742799_133644280302600_7729390634282439869_n

Ricardo Lima hoje é proprietário de uma escolinha de futebol no município de Aracati

Naquele 25 de setembro de 1993, Ricardo Lima substituiu Paulo Adriano no amistoso preparatório do Ferroviário para o campeonato brasileiro. O simpático Calouros do Ar era o adversário. Havia apenas 81 torcedores no Elzir Cabral. Esse foi o número de pessoas na velha arquibancada do estádio que tiveram a sorte de ver, naquela tarde, a dupla de volantes do time bicampeão cearense dois anos depois. Ricardo Lima vinha de Aracati, um dos municípios mais belos e históricos do Ceará. Era jovem e inexperiente. Menos de 3 meses depois, fazia seu primeiro jogo oficial, dessa vez no PV, contra o ABC/RN, no dia que o técnico José Oliveira mandou a campo um time só de garotos já que o Ferrão havia sido despachado da competição nacional na rodada anterior.

fac1994campeão

Ricardo Lima em 1994: o primeiro agachado

Foram 7 meses de espera até uma nova oportunidade como titular numa partida oficial, em julho de 94, contra o Itapipoca, no Perilo Teixeira, pelo campeonato estadual. A partir daí, o garoto de Aracati fixou-se no time principal e escreveu uma bela história do clube que culminou com os memoráveis títulos cearenses de 1994 e 1995, este último tendo exatamente ele como capitão da equipe no jogo final contra o Icasa. A última partida de Ricardo Lima com a camisa coral foi justamente na entrega de faixas do bicampeonato, contra o Guarany de Sobral, em 16/12/95, exatamente no estádio onde tudo começou, na Barra do Ceará. Ao todo, foram 68 partidas pelo time principal e 10 gols marcados. Dali, seguiu negociado para o União São João, que chegou a pertencer à Série A do Brasileirão naquele período. Porém, grande parte de sua carreira foi vivida posteriormente na Espanha. A oportunidade de morar durante anos na Europa fez do ex-capitão coral uma pessoa de mente diferenciada no meio do futebol.

1512861_384216575115823_7320525462828585181_n

Escola de Futebol de Ricardo Lima em Aracati

Ricardo Lima fixou residência em Aracati após pendurar as chuteiras. Pensou em ser treinador e se preparou para isso fazendo vários cursos. Em 2013, manteve sucessivos contatos com a direção do Ferroviário para compor o rol de treinadores das categorias de base do clube a partir da temporada seguinte, mas os rumos políticos que se seguiram na vida coral inviabilizaram seu retorno ao Tubarão da Barra com a mudança abrupta no perfil da gestão de futebol a partir da eleição verificada em novembro daquele ano. Ainda no ano passado, Ricardo Lima inaugurou uma escolinha de futebol em Aracati com o intuito de revelar talentos da região para o futebol cearense. E na semana passada, a Escolinha de Futebol R.L, como é conhecida, migrou para uma equipada e nova unidade de campos em parceria com o meio empresarial local. Que seja bem sucedida e que novos craques possam despontar. O nosso vitorioso ex-atleta mais do que merece.

REVEJA OS GOLS DE UMA GOLEADA NUM 7 DE ABRIL COMO HOJE

Que tal recordar um jogo do Ferroviário disputado exatamente na data de hoje? Voltamos no túnel do tempo e vamos até 7 de abril de 1994, um ano mágico para o clube e por consequência para seus fiéis torcedores. Recuperamos as imagens de uma partida realizada naquela noite quando a máquina coral de fazer gols funcionou a pleno vapor. Foi um maravilhoso 6×0 contra o tradicional Calouros do Ar, com 2 gols do ídolo Acássio. Os outros tentos foram assinalados por Cícero Ramalho, Edinho, Nasa e Batistinha, que você pode conferir no vídeo acima.

Ainda treinado pelo carioca José Dultra, ex-zagueiro do Vasco/RJ e do Remo/PA, o Ferrão foi escalado com Dênis, Caetano (Edinho), Batista, Santos e Branco; Lima (Eron), Nasa, Acássio e Basílio; Batistinha e Cícero Ramalho. O Calouros tinha alguns jogadores que passaram pelo Ferroviário, inclusive contava com o comando técnico de Celso Gavião, um dos maiores zagueiros da história coral. Ele escalou o ´Tremendão da Aerolândia` com o futebol de Júnior Lemos, Zé Carlos, Márcio Gomes, Luciano e Paulo César; Feliciano, Idésio (Edmar) e Gilson; Nonato, Célio (Cafuringa) e Ronaldinho.

Após a extravagante vitória em cima do Calouros e de outros bons resultados, o Ferrão viveu dias complicados no campeonato pouco tempo depois. Numa partida contra o América, o Tubarão da Barra quebrava a bola e passou a ser vaiado pela exigente torcida coral. O gol do alívio veio dos pés do atacante Batistinha, que ao comemorar desferiu uma banana para os torcedores que vaiavam a equipe atrás da trave. O mundo quase veio abaixo por conta dessa atitude e gerou um dos raros momentos de desconforto entre time e torcida naquela brilhante temporada até hoje reverenciada.