BELA RESENHA COM O BIÓGRAFO DE LUIZINHO DAS ARÁBIAS


Vale a pena conferir o material acima. Ele foi gravado originalmente para o programa “Futebolistas“, que vai ao ar pela Rádio Assunção AM 620, aos domingos, de 10h às 12h. O registro traz uma sequência de áudios gravados pelo escritor Jackeson Lacerda, diretamente do Rio de Janeiro. Recentemente, ele lançou a terceira edição de seu livro que relata a vida e a carreira de Luizinho das Arábias, ex-atacante do Ferrão nos anos 1980. No bate papo, o biógrafo do ex-jogador recorda o dia em que Luizinho atuou ao lado de Pelé, relata fatos maravilhosos do período em que o ex-atacante atuou na Arábia Saudita, seu retorno ao futebol brasileiro, sua relação de carinho e amizade com Castor de Andrade, bicheiro e patrono do Bangu/RJ, dentre outros fatos marcantes de Luizinho no futebol cearense e paraense. O áudio da entrevista é intercalada por fotografias que compõem a obra impressa de Jackeson Lacerda. Sem dúvida, uma pérola para os apaixonados por futebol que puderam acompanhar a trajetória desse grande artilheiro do futebol brasileiro.

LIVRO NARRA A TRAJETÓRIA DE EX-TREINADOR DO FERRÃO

pintado2

Não dá pra reclamar da produção literária sobre futebol nos últimos anos. Muita coisa boa tem sido lançada em âmbito nacional a exemplo do que ocorre há décadas na Europa. E o futebol cearense não poderia ficar de fora. Foi lançado no mês passado, pela Premius Editora, o livro “Pintado – escalada de um campeão”, do querido amigo Adhemar Nunes Freire Filho, ninguém menos que o próprio filho do biografado.

Pintado foi um dos goleiros mais famosos no futebol cearense em todos os tempos, conquistando seu primeiro titulo em 1931 como arqueiro do Ceará. Depois de jogar muito tempo no futebol carioca, retornou para o estado sem no entanto vestir a camisa do Ferroviário enquanto jogador. Seu vínculo com o time coral só veio quando Pintado pendurou as luvas e trabalhou como treinador em 1959 e 1961.

20141022_210519

Agradecimento especial ao autor do livro pelo exemplar autografado

Foram apenas 13 partidas ao todo nas duas vezes que passou pelo Ferroviário, mas o suficiente para Pintado fazer parte da história coral, contratado que foi por Gontram Pinho e Porfírio Sampaio, respectivos presidentes em cada uma das passagens do ex-técnico no Ferrão. Época de vacas magras como muitas vezes aconteceu na gloriosa história do time coral, porém época de boas histórias como as memórias narradas pelo autor na biografia de seu pai. Vale a pena conferir.