DOIS VELHOS AMIGOS DE BREVE PASSAGEM PELA BARRA DO CEARÁ

tatray

Janos Tratay nos anos 70

Janos Tratay nasceu na cidade de Vszprèm, na Hungria, em 1922. As sequelas físicas da II Guerra Mundial o acompanharam por toda vida. Resolveu militar no futebol quando veio para o Brasil. Em 1960, foi técnico do Ceará e passou a ser conhecido na terra de José de Alencar, mas mantinha uma enorme afeição pela Paraíba, estado onde fixara residência. Foi lá que conheceu o atacante Zé Luiz, que brilhava no Campinense/PB. Iniciaram uma amizade fraternal que perdurou até o fim da vida do húngaro. Ambos tiveram seus momentos no Ferroviário e por essa razão destacamos o vídeo acima, gravado em 2007, com o intuito de recordar o nome daqueles que são raramente lembrados, ignorados pelo tempo e pela memória curta dos torcedores. O diálogo acima entre Janos Tratay e Zé Luiz merece ser assistido. Em meio a recordações pessoais de ambos que agradam a qualquer fã de futebol, o nome do Ferroviário sequer é citado, mas há de se registrar que ambos tiveram parcela de colaboração na história coral e merecem destaque no Almanaque do Ferrão.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Zé Luiz no Ferroviário

Zé Luiz era um atacante de 29 anos quando foi contratado pelo time coral no início de 1970. Fez sua estreia exatamente no primeiro jogo interestadual realizado no Estádio Elzir Cabral, no dia 17 de janeiro, contra o Alecrim/RN. Iniciou o campeonato cearense como titular, mas depois perdeu espaço. Seu nome está com justiça entre os grandes campeões estaduais daquele ano com a camisa coral. Chegou a jogar também na Portuguesa de Desportos/SP. Depois, longe da bola, tornou-se jornalista e político. Como jornalista, teve programas na TV Borborema de Campina Grande e na TV Correio de João Pessoa. Foi vereador de Campina Grande, Deputado Estadual e Deputado Federal pela Paraíba e, de 2005 a 2012, o vice-prefeito da cidade de Campina Grande. Pouca gente sabe que o Ferroviário teve um ex-jogador de carreira política tão ilustre. Por sua vez, Janos Tratay foi contratado na gestão do presidente José Rego Filho, em 1972, como diretor de futebol. Teve uma passagem atribulada com atritos dentro do próprio elenco coral, tendo que apaziguar ânimos de jogadores como Amilton Melo, Luizinho Peito de Aço, Simplício e Marcelino, que andaram se estranhando entre si. Não bastasse o clima hostil entre os jogadores, Tratay andou ainda em rota de colisão com o técnico paranaense Borba Filho, que deixou o clube durante o campeonato cearense. A passagem de Janos Tratay pelo Ferroviário durou somente aquela temporada e ele voltou para a Paraíba, onde continuou trabalhando com destaque até em campeonatos nacionais enquanto teve saúde. Faleceu em 2011, aos 89 anos, na cidade de João Pessoa, vítima de um aneurisma. O vídeo acima foi uma de suas últimas aparições na televisão paraibana e mostra a amizade de dois velhos amigos de breve passagem pela Barra do Ceará.

NUNCA É TARDE PARA REVERENCIAR SIMPLÍCIO, O CANHÃO DA BARRA

simplicio2

Foto recente do ex-jogador Simplício em sua residência na cidade de João Pessoa/PB

Ele foi um dos jogadores mais cultuados na história do Ferroviário. Até hoje seu nome é citado nas arquibancadas, não apenas por torcedores corais, mas também por desportistas de outras equipes que o viram em ação entre 1969 e 1974, período em que entrou em campo 181 vezes com a camisa do Ferrão. Foram 60 gols no total, o que o credencia como o 12º maior artilheiro do clube. Estamos falando de Simplício, o inesquecível ´Canhão da Barra´, graças a seus chutes fortes que chegavam a alcançar 170 km/h. Ao lado de Amilton Melo, Edmar, Paulo Velozo e Coca Cola, ele foi um dos bons nomes no título estadual de 1970, ano em que o Ferroviário montou um dos melhores times em todos os tempos do futebol alencarino.

simplício

No Ferrão em 1970

Simplício começou a se destacar no Campinense/PB, onde foi hexacampeão paraibano nos anos 60. Tinha como principal característica o posicionamento, o bom passe e a garra, condições essenciais para um grande volante. Começou a ser comparado com o craque brasileiro Rivelino – pelo bigode e em razão do chute forte – ainda na Paraíba, antes mesmo de se transferir para o Botafogo/PB, onde foi bicampeão estadual. Se transferiu para o Ferroviário aos 22 anos de idade, fazendo seu primeiro jogo pelo time coral no dia 15/11/69 num amistoso contra o América/CE, no Elzir Cabral, e já conquistando mais um título estadual pra coleção na temporada seguinte. Suas cobranças de pênaltis eram temidas pelos goleiros adversários e tinha o respeito de vários treinadores que passaram pelo Ferrão, entre eles Fernando Cônsul, Gradim e Alexandre Nepomuceno.

Ferrão 72_222

Simplício: o terceiro agachado em 1972

No campeonato cearense de 1974, Simplício mudou de time e chegou a enfrentar o Ferroviário, defendendo a camisa do Maguary. Aos 27 anos, aquela foi sua última temporada como jogador de futebol, pois retornou para Campina Grande onde anos depois concluiu o curso de Processamento de Dados na Universidade Federal. Em 2013, vibrou bastante com o título de campeão do nordeste conquistado pelo Campinense. Hoje com 67 anos de idade, reside em João Pessoa e é aposentado pela própria universidade. Mais de 40 anos depois de deixar o Ferroviário Atlético Clube, Simplício continua na memória de quem o viu em ação e estará sempre nas páginas principais da história coral, merecendo hoje o destaque do Almanaque do Ferrão.

ESCUTE OS GOLS DE UMA VITÓRIA CONTRA O TIRADENTES EM 1988

alves22

Alves: gol espírita

O penúltimo jogo do Ferroviário no campeonato cearense de 1988 foi tenso e sofrido. O Tiradentes tinha um ótimo time e havia sido páreo duro para todas as equipes da competição, chegando inclusive a vencer o 2º turno em cima do próprio Tubarão da Barra. O voltante Alves marcou um ´gol espírita`, mas Nélson, ex-jogador do próprio Ferroviário, empatou para o Tiradentes. No segundo tempo, a revelação do campeonato Mazinho Loyola chutou forte da entrada da área e decretou a importante vitória coral por 2×1. Uma semana depois, o título de campeão cearense estava nas mãos do Ferroviário depois de outra vitória, dessa vez em cima do Fortaleza.

amilton melo

Amilton Melo

O Almanaque do Ferrão recuperou o áudio dos gols do Tubarão contra o Tiradentes. Era o jogo de número 2.249 da história coral, no dia 31/8/1988. A narração é da então equipe esportiva da Rádio Uirapuru AM de Fortaleza, que tinha Vilar Marques no comando do 1º tempo e Júlio Sales no 2º tempo das partidas importantes. No gol da vitória, é possível perceber ao fundo a empolgação dos comentaristas da emissora, primeiro no grito entusiasmado de “goooooool” de Amilton Melo, lendário ex-jogador do Ferrão, e depois no grito do excelente Chico Rocha. O jogo teve arbitragem de Hilton Alcântara e 3.484 pessoas pagaram ingresso no Castelão naquela quarta-feira à noite. O Ferrão do técnico Lucídio Pontes venceu com Robinson, Silmar, Arimatéia, Djalma e Marcelo Veiga; Toninho Barrote, Alves, Arnaldo e Jacinto; Mazinho Loyola e Beto Andrade (Edson). O Tigre jogou com Salvino, Alexandre, Batista, William e Osmanir (Perivaldo); Nélson, Modali (Jarbas) e Adilton; Valdir, Marquinhos e Lupercínio.

VIAGEM NO TEMPO REVISITANDO DOIS UNIFORMES DO FERROVIÁRIO

Repare na foto abaixo tirada no dia 07 de setembro de 1977. Sob a gestão do presidente Chateaubriand Arrais, o Ferroviário inovava em seu padrão de uniforme e jogava com camisas com três listras verticais, sendo duas pretas e uma vermelha. Foi num empate que marcou a estreia do ex-craque coral Amilton Melo com a camisa do Ceará e era a primeira vez que o Castelão recebia uma partida de portões abertos. Talvez seja esteticamente uma das mais belas fotografias do clube com os jogadores perfilados. Analise depois outra foto com a reprodução do mesmo padrão de camisas.

Ferrão 1977_Castelão

Ferrão entrou em campo naquela tarde de 1977 para um jogo contra o Ceará com Vander, Bassi, Júlio, Joel Maneca, Arimatéia e Grilo; Vanderley, Kalu, Oliveira Piauí, Danilo e Paulo César Feio

Quatorze anos depois, em 20 de outubro de 1991, o presidente Múcio Roberto repetiu o modelo da camisa coral invertendo apenas as cores das listras, sendo duas vermelhas e uma preta. Mais uma vez o Ceará foi o adversário coral e o jogo também foi empate, graças ao goleiro Banana que defendeu um pênalti de Cláudio Adão. Esse padrão de camisa foi utilizado pouquíssimas vezes durante o campeonato cearense daquele ano.

Ferrão91_122

De novo contra o Ceará no Castelão, o Ferrão posou em 1991 com Aldo, Elmo Casquinha, Toninho Barrote, Valdemir, Adriano e Banana; Paulo Adriano, Arnaldo, Tinda, Paulinho e Cantareli

O CARTÃO DE NATAL QUE O SUPER CAMPEÃO PREPAROU EM 1970

ferrao70_Natal

O Almanaque do Ferrão entra em clima de Natal. Que tal o cartão natalino que a diretoria coral distribuiu no final de 1970? Como não poderia deixar de ser, ele faz alusão ao “super-campeonato” conquistado naquela temporada, denominação muito utilizada na época para designar um triangular final envolvendo diferentes vencedores de turno. Na oportunidade, Ceará, Ferroviário e Guarany de Sobral decidiram o Estadual e o Tubarão da Barra eternizou na história uma super conquista recheada de super jogadores.

amilton melo

craque

A modernidade do mundo e a agilidade das comunicações praticamente acabaram com o envio de cartões natalinos. Esse de 1970 ficou na memória e muitos torcedores ainda o tem guardado em suas relíquias que o tempo teima em conservar. A foto do cartão com as faixas de campeão foi tirada no dia 18 de outubro, antes de um jogo contra o Treze/PB pelo Nordestão, que reuniu 3425 corais na partida de número 1205 da trajetória coral. Desnecessário lembrar o placar quando não nos interessa. Fica combinado assim.

Não há como recordar o título daquele ano sem lembrar de Amilton Melo. Em 1987, o ex-craque coral contou suas memórias num livro de sua autoria chamado “O Craque e o Futebol Cearense“, onde o cartão de Natal acima estampava uma das páginas. Dez anos mais tarde, Amilton Melo foi jogar bola no céu e deixou saudades na lembrança de todos que acompanharam aquela super conquista, para sempre eternizada num super cartão de Natal.