POR ONDE ANDA O NOSSO GRANDE ARTILHEIRO DO MARACANÃ?

o barbudo Almir, nosso goleador no Maracanã

As torcidas que ele encantou o chamavam de Almir Beleza, Almir Explosão ou, simplesmente, Diabo Louro. Era exatamente essa última alcunha, que a torcida coral gostava de se referir nos estádios a Almir, um carioca nascido na bela Petrópolis, artilheiro nato, que começou a carreira no Fluminense/RJ, jogando ao lado do craque Rivelino. Ele é até hoje o único jogador coral que assinalou gols no Maracanã, que nessa semana comemora seu aniversário de 70 anos. Depois de deixar o clube do Rio de Janeiro, Almir se destacou pelo Santa Cruz/PE e pelo CSA de Alagoas, até chegar no Ferroviário para disputar o campeonato brasileiro de 1980, quando marcou o primeiro gol da história do Tubarão da Barra no Maracanã, justamente na primeira vez que a equipe coral se apresentava no maior estádio do mundo. Jogando naquela noite contra o Flamengo de Zico, o Ferrão perdeu por 2×1, mas Almir assinalou um belo gol, depois de um passe de letra do craque Bibi. Após a competição, o vínculo do jogador se encerrou e ele seguiu sua carreira em Alagoas, dessa vez no CRB, retornando para a Barra do Ceará em 1982, e permanecendo até a temporada seguinte. No Ferroviário, além de dois vice-campeonatos estaduais, o Diabo Louro atingiu 91 jogos em campo e assinalou 30 gols. Você saberia dizer por onde anda Almir?

Nosso grande Almir, hoje com seu filho Samir

Depois que parou de rodar no futebol, passando ainda por Nacional de Manaus e ASA de Arapiraca, Almir Vieira Chagas voltou a morar em Petrópolis e conseguiu, no ano passado, oficializar sua aposentadoria junto à Previdência Social. O ex-goleador trabalhou, durante muitos anos,  como motorista de ônibus, atuando em várias companhias de transporte rodoviário. Trabalhou também como motorista na área de logística de produtos de confecção, onde cruzava o estado do Rio de Janeiro em suas atividades cotidianas. Hoje em dia, Almir mora sozinho em Petrópolis. O ex-atleta coral tem seis filhos, o mais novo, o jovem Samir, que aparece na foto acima. Em setembro desse ano, ele vai completar 64 anos de idade. Em março de 1983, jogando contra o Botafogo/RJ, novamente no Maracanã, Almir marcou outro gol com a camisa coral. O gol em 1980 e esse de 1983, o colocam na condição de único jogador do Ferroviário Atlético Clube, até hoje, a balançar as redes do tradicional estádio carioca. Naquele jogo, Almir terminou expulso de campo, juntamente com o craque Betinho. Abaixo, para homenagear nosso eterno artilheiro, publicamos o áudio com os gols do jogo contra o Botafogo, na narração da tradicional Rádio Globo do Rio de Janeiro, quando o Ferrão saiu na frente do placar e sofreu a virada, mesmo jogando bem no Maracanã, diante de 26.935 pagantes e com dois jogadores a menos.

FERROVIÁRIO JOGOU PELA PRIMEIRA VEZ NO MARACANÃ HÁ 40 ANOS

Treinador Aristóbulo Mesquita prepara o elenco para o jogo no Rio de Janeiro contra o Flamengo

Aconteceu numa quarta à noite, exatamente num 12 de março como hoje. Só que no ano de 1980, portanto há exatos 40 anos. O Ferroviário já tinha enfrentado o Flamengo/RJ três vezes anteriormente, mas nunca tinha jogado na cidade do Rio de Janeiro. O adversário carioca ainda não era campeão mundial, mas já havia montado o melhor elenco de sua história sob o comando do falecido Cláudio Coutinho. O Ferrão fazia boa campanha no campeonato brasileiro. Foi um jogo histórico apesar da derrota coral, televisionado para todo o estado do Ceará através da TV Verdes Mares. O goleador Almir foi o terceiro jogador de um time cearense a marcar um gol no lendário Maracanã. Antes dele, apenas Gildo e Geraldino Saravá haviam alcançado essa façanha. O Flamengo venceu por 2×1, com dois gols do ídolo Zico. No lance mais polêmico, o árbitro Hélio Corso marcou pênalti uma bola que bateu na mão do zagueiro Nilo. Treinado pelo cearense Aristóbulo Mesquita, o Ferroviário formou com SalvinoJorge Luís, Nilo, Celso Gavião e Ricardo Fogueira; Doca, Bibi e Nilsinho (Hélio Sururu); Ari (Haroldo), Almir e Babá. Já o time carioca venceu com Raul, Toninho, Rondinelli, Marinho e Júnior; Carpegiani, Adílio e Zico; Reinaldo, Tita (Andrade) e Carlos Henrique. Há alguns anos, essa memorável partida do Ferroviário virou até crônica intitulada ‘Dias de Glória no Maraca´, publicada numa das dez edições da Expresso Coral, revista oficial do Ferrão distribuída nas bancas de revistas entre janeiro de 2008 e abril de 2010. Depois desse jogo histórico contra o Flamengo de Zico, cujo os três gols do jogo você confere no vídeo abaixo, o Ferrão chegou a jogar apenas mais duas vezes no Maracanã, uma contra o próprio Flamengo em 1982 e a outra contra o Botafogo/RJ, em 1983. Curiosamente, coube ao próprio Almir marcar o gol do Tubarão da Barra na partida de 1983, se tornando até hoje o único jogador do clube a assinalar gols naquele que era o maior estádio do mundo. No jogo de 1982, sem Almir em campo, nenhum gol foi marcado pelo Tubarão da Barra.

FERRÃO PEGA O BOTAFOGO/PB E REEDITA JOGO DA SÉRIE A NACIONAL

Almir em foto de 1980 durante a Série A

Depois de treze anos, o Ferrão volta a disputar a Série C do campeonato brasileiro e reencontra logo na estreia um antigo adversário do tempo da Série A nacional. O próximo jogo coral, domingo que vem, em João Pessoa, será o décimo confronto contra o Botafogo da Paraíba na história. O primeiro ocorreu em 1955 em Fortaleza durante uma temporada de jogos do time paraibano na capital cearense. Já o último aconteceu há quase 33 anos atrás na capital da Paraíba. No meio do caminho, em 1980, as duas equipes jogaram em Fortaleza pela primeira divisão do campeonato brasileiro. Olhando em retrospectiva, foi sem dúvida o confronto mais emblemático entre ambos em todos os tempos. Na ocasião, no Presidente Vargas, houve o empate em 1×1 com tentos marcados pelo goleador Almir, para o Ferrão, e Dão para o time paraibano. Esse empate garantiu a classificação coral para a segunda fase da Série A nacional. Nas duas últimas vezes que se enfrentaram, em 1986, as duas equipes participavam do Torneio Otávio Pinto Guimarães, competição nordestina cujo nome homenageava o então presidente da Confederação Brasileira de Futebol. Abaixo, confira a lista de todos os confrontos entre Ferrão e Botafogo/PB na história.

Jogo 01: 15/11/1955 – Ferroviário 1×5 Botafogo/PB – Amistoso – Fortaleza
Jogo 02: 19/11/1955 – Ferroviário 5×1 Botafogo/PB – Amistoso – Fortaleza
Jogo 03: 21/08/1968 – Ferroviário 0x2 Botafogo/PB – Taça Laudo Natel – Fortaleza
Jogo 04: 02/10/1968 – Botafogo/PB 2×1 Ferroviário – Nordestão – João Pessoa
Jogo 05: 27/11/1968 – Ferroviário 0x0 Botafogo/PB – Nordestão – Fortaleza
Jogo 06: 15/02/1974 – Botafogo/PB 2×2 Ferroviário – Amistoso – João Pessoa
Jogo 07: 30/03/1980 – Ferroviário 1×1 Botafogo/PB – Brasileiro Série A – Fortaleza
Jogo 08: 08/11/1986 – Ferroviário 0x0 Botafogo/PB – O.P. Guimarães – Fortaleza
Jogo 09: 27/11/1986 – Botafogo/PB 3×0 Ferroviário – O.P. Guimarães – João Pessoa

GOL HISTÓRICO DO FERROVIÁRIO NO MARACANÃ COMPLETA ANIVERSÁRIO

Aconteceu numa quarta à noite, exatamente num dia 12 de março como hoje. Só que no ano de 1980. O Ferroviário já tinha enfrentado o Flamengo/RJ três vezes anteriormente, mas nunca tinha ido ao Rio de Janeiro. O adversário carioca ainda não era Campeão do Mundo, mas já tinha montado o melhor elenco de sua história. O Ferrão fazia boa campanha no campeonato brasileiro, bem mais integrado e nacionalizado que o formato atual de disputa. Foi um jogo histórico apesar da derrota coral, televisionado para todo o estado do Ceará através da TV Verdes Mares. O barbudo Almir foi o terceiro jogador de um time cearense a marcar um gol no lendário Maracanã. Antes dele, apenas Gildo e Geraldino Saravá haviam alcançado essa façanha. O Flamengo venceu por 2×1, com dois gols do ídolo Zico. No lance mais polêmico, o árbitro Hélio Corso interpretou como pênalti uma boa que bateu na mão do zagueiro Nilo. Jogo duro, resultado apertado.

Almir e Aristóbulo no Rio de Janeiro

Treinado pelo cearense Aristóbulo Mesquita, que fez sua carreira como atleta no próprio Flamengo/RJ nos anos 50, o Ferroviário formou com Salvino, Jorge Luís, Nilo, Celso Gavião e Ricardo Fogueira; Doca, Bibi e Nilsinho (Hélio Sururu); Ari (Haroldo), Almir e Babá. Já o time carioca, do saudoso técnico Cláudio Coutinho, venceu com Raul, Toninho, Rondinelli, Marinho e Júnior; Carpegiani, Adílio e Zico; Reinaldo, Tita (Andrade) e Carlos Henrique. Há alguns anos, essa memorável partida do Ferroviário virou até crônica intitulada ‘Dias de Glória no Maraca´, publicada numa das dez edições da Expresso Coral, revista oficial do Ferrão distribuída nas bancas de revistas entre janeiro de 2008 e abril de 2010. Pouco tempo depois, em razão das maravilhas que só a Internet propicia, o vídeo com os gols do jogo caiu no YouTube e merece o devido destaque acima em nosso blog. De quebra, acompanhe ainda entrevistas com os jogadores do Flamengo/RJ após a partida, comentando sobre a contratação do ídolo vascaíno Roberto Dinamite, que estava no Barcelona da Espanha, o que acabou não ocorrendo.

INAUGURAÇÃO DO ESTÁDIO DE SÃO BENEDITO COM 10 MIL PESSOAS

Manchete de jornal na inauguração do estádio municipal de São Benedito na temporada de 1976

Foi há 40 anos. Exatamente no dia 31 de outubro de 1976, o Ferroviário foi até a fria cidade de São Benedito, no alto da Serra Grande, para inaugurar o estádio municipal que leva até hoje o nome de Capitão Tarcísio Araújo. Dez mil pessoas estiveram presentes na nova praça esportiva, um verdadeiro recorde para os padrões da época, em grande ação promovida pelo então prefeito Thomás Brandão, que contratou o Tubarão da Barra pela quantia de 12 mil cruzeiros. Foi o jogo 1.522 da história coral. Paulinho Machado e Almir marcaram para o Ferrão, enquanto César marcou 2 gols para o selecionado de São Benedito. O time coral, com uma formação recheada de pratas da casa, teve 2 gols anulados e só chegou ao empate no último minuto de jogo, que teve José Abdala no apito.

Paulinho Machado

Comandado pelo competente Lucídio Pontes, o Ferroviário Atlético Clube jogou com Paulinho, Jorge Henrique, Manoel, Félix e Raimundinho; Carlos (Pinto) e Cláudio Silva; Carlos Alberto, Paulinho Machado,  Almir e Babá. A Seleção de São Benedito, do técnico Leite, jogou com Miranda, Nazion, Edmilson, Fernando e Tim; Fernando II e Cadete; Chiquinho (Américo), Vilmar, César (Neném) e Francisco. Na formação coral, o goleiro Paulinho, o lateral Jorge Henrique e o ponta esquerda Babá permaneceram por mais tempo no clube e foram campeões estaduais três anos depois no Ferrão. O atacante Paulinho Machado, autor do primeiro gol em São Benedito, é filho do lendário Manoelzinho, um dos maiores nomes da história do clube. Ele vestiu a camisa coral em 32 partidas e marcou 11 gols. Desde aquele 31 de outubro, o Ferroviário atuou apenas 6 vezes no estádio municipal de São Benedito, uma delas em caráter oficial, pelo campeonato cearense de 2013, quando foi registrado um novo empate.

O DIA QUE O FERRÃO CALOU A TORCIDA DO CRUZEIRO NO MINEIRÃO

Uma das partidas mais emblemáticas da história do Ferroviário completou recentemente aniversário. Há 33 anos, o Tubarão da Barra enfrentou o Cruzeiro/MG dentro do Estádio Mineirão e por muito pouco não saiu com a vitória. Aconteceu no dia 30 de janeiro de 1983, naquela que foi a partida de número 1.935 da caminhada coral. O jogo foi válido pelo campeonato brasileiro e coube ao centroavante Almir a honra de marcar um belo gol em cima de Vitor, um dos goleiros mais importantes da história cruzeirense, exatamente aos 34 minutos do primeiro tempo. O adversário conseguiu o empate através do atacante Edmar, que também marcou época no futebol nacional defendendo a camisa de vários times importantes. As duas equipes estavam no grupo H da competição, que tinha ainda Treze/PB, Vasco/RJ e Náutico/PE. Confira os gols no vídeo recuperado pelo nosso blog.

Ferrão 1983_x22

Foto do Ferroviário em 1983. Em pé: Giordano, Doca, Israel, Zé Carlos, Maurício e Luisinho; Agachados: Paulo César Cascavel, Paulinho Lamparina, Almir, Betinho e Jorge Veras.

Veja também a foto acima. Apesar de não ter sido tirada no Mineirão, é um registro do time base que jogou contra o Cruzeiro/MG, no qual 8 jogadores entraram em campo naquele histórico domingo, além do goleiro Giordano que estava no banco. O Ferrão formou com Hélio Show, Laércio, Zé Carlos, Nilo e Luisinho; Doca (Paulinho Lamparina), Edson e Betinho; Ednardo (Paulo César Cascavel), Almir e Jorge Veras, time comandado pelo professor Wilson Couto. Já o adversário, treinado por Orlando Fantoni, jogou com Vitor, Eugênio, Ozires, Ailton e Luís Cosme; Orlando (Eduardo), Douglas e Tostão; Paulo Borges, Edmar e Joãozinho (Edu). Naquela tarde, o Mineirão recebeu um público de 40.356 pagantes, que viram uma modesta equipe cearense complicar a vida de um dos gigantes do futebol brasileiro, o que definitivamente entrou pra história do Ferroviário.

PRIMEIRA VITÓRIA NA ELITE DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE 1983

Os participantes do Campeonato Brasileiro no início da década de 80 eram definidos conforme a classificação dos Estaduais. Como esteve em todas as finais cearenses entre 1979 e 1983, o Ferroviário garantiu participação na elite nacional entre 1980 e 1984, já que duas vagas eram destinadas ao estado do Ceará. Foram anos gloriosos de embates contra Flamengo/RJ, Atlético/MG, Londrina/PR, Sport/PE, Internacional/RS, Ponte Preta/SP, dentre outros grandes clubes do país.

almir83

Almir

Em 83, o Ferrão caiu no Grupo H da chamada ´Taça de Ouro` e tinha como concorrentes de chave o Vasco/RJ, Náutico/PE, Cruzeiro/MG e o Treze/PB. Depois de derrotas para os dois primeiros e um empate com a raposa mineira em pleno Mineirão, a primeira vitória coral na competição veio em cima do Treze de Campina Grande, 2×1 há exatos 32 anos, no PV, para um público de 2.371 pagantes. O barbudo Almir, ex-atacante do CSA/AL, marcou os gols corais. Rocha, que chegou a vestir a camisa do Ferroviário em 1990, assinalou o tento do Galo da Borborema.

Acompanhe o vídeo acima com os gols do jogo na narração do indefectível Léo Batista. Era o jogo de número 1.936 da trajetória coral segundo o Almanaque do Ferrão. O Tubarão da Barra jogou com Hélio Show, Laércio, Zé Carlos, Nilo (Dedé) e Luisinho; Augusto, Edson, Ednardo (Flávio) e Betinho; Almir e Jorge Veras. O comando técnico era do preparador físico Wilson Couto, que promovia nesse jogo os jovens zagueiro Dedé e atacante Flávio no time principal. O time paraibano perdeu com Caetano, Gilmar, Jotabê, Hermes e Geraldo; Wilson, Lula e Dedé (Neto); Getúlio (Puma), Rocha e Tatá. Desses, o lateral Gilmar, o zagueiro Hermes, o volante Wilson e os atacantes Getúlio e Rocha, já mencionado, jogaram no Ferroviário em outras temporadas.