O JOGO CONTRA O LONDRINA/PR NA LEMBRANÇA DE ROBERTO FONSECA

Sábado passado, o Ferroviário enfrentou o Botafogo de Ribeirão Preto pela primeira vez na história. Após a vitória coral por 1×0, o treinador Roberto Fonseca concedeu uma entrevista coletiva e recordou um fato do passado que nunca saiu de sua lembrança. Veja no vídeo acima. No início de sua carreira como zagueiro, defendendo o Londrina/PR, ele jogou contra o Ferroviário no PV. A gente buscou essa partida nos arquivos do Almanaque do Ferrão. Ela ocorreu no dia 13 de março de 1983, portando há quase 40 anos. O jogo foi válido pelo Campeonato Brasileiro daquele ano e o Ferrão venceu a equipe paranaense por 1×0, gol de Paulo César Cascavel. Treinado por Wilson Couto, o Tubarão da Barra venceu com Hélio Show, Luisinho, Israel, Nilo e Ferreti; Augusto (Edson), Doca e Paulinho Lamparina; Ivan (Bosco), Paulo César Cascavel e Jorge Veras. Por sua vez, o Tubarão paranaense, comandado pelo técnico Itamar Belasalmas, perdeu com Neneca, Zé Carlos, Zequinha, Roberto Fonseca e Alcir; Richard, Osmarzinho (Jordan) e Osmar Volpato; Zé Dias, Mauro (Netinho) e Nivaldo. O jogo foi arbitrado por João Leopoldo Ayeta e teve 1.686 pagantes. No jogo seguinte da competição, o Londrina recebeu o Ferrão no Estádio do Café, e venceu por 3×1, eliminando o time coral do certame pelo saldo de gols. Agora, a lembrança do nosso atual treinador está ainda mais reforçada.

LIONN VOLTA A JOGAR PELO FERROVIÁRIO DEPOIS DE 15 ANOS

Lionn, aos 18 anos, no jogo da quebra do tabu contra o Fortaleza em Abril de 2007 no Castelão

Depois de 15 anos atuando no futebol europeu, o lateral direito Lionn voltou a jogar oficialmente com a camisa coral. Cria da base na geração de atletas surgida em meados dos anos 2000, o jogador entrou ontem, no segundo tempo, na vitória de 1×0 em cima do Botafogo/PB, pela Série C do Campeonato Brasileiro. O primeiro jogo de Lionn com a camisa do Ferrão aconteceu no dia 4 de fevereiro de 2007, no PV, contra o Ceará, entrando em substituição ao lateral direito Michel. Na ocasião, foi ele quem marcou o gol do Ferroviário na derrota por 2×1 para o alvinegro. O atleta foi lançado naquela oportunidade pelo treinador José Dultra e depois teve boas participações em partidas contra Itapipoca e Quixadá. O ápice daquele início de carreira para Lionn aconteceu no clássico contra o Fortaleza, numa partida histórica vencida pelo Ferrão por 3×1, que sacramentou a quebra de um tabu de quase oito anos sem a equipe coral bater o tricolor do Pici. Lionn atuou os 90 minutos do Clássico das Cores e se apresentou muito bem no antigo Estádio Castelão.

Dois meses depois da quebra do tabu, o Ferroviário viajou para o Caribe e participou da Polar UTS Cup. Acima, podemos ver um vídeo com a meninada coral atuando contra o Barber, de Curaçau. O Ferrão venceu por 2×0 e Lionn marcou o primeiro gol da partida, que pode ser visto por volta dos 2 minutos da gravação. Na final da competição, o Tubarão da Barra perdeu por 1×0 para o famoso Utrecht, da Holanda. Depois de se destacar na Polar UTS Cup, Lionn foi negociado para o Toreense de Portugal, país onde fez toda sua carreira atuando também pelo Vitória de Guimarães, Rio Ave, Famalicão, Olhanense e Trofense. No Vitória de Guimarães, o lateral direito chegou a disputar a Champions League. Ainda na Europa, Lionn foi campeão romeno pela equipe do Cluj. De volta ao futebol brasileiro e à casa que o gerou para o futebol profissional, Lionn é mais uma cria coral que reencontra o Ferroviário na fase final de sua vitoriosa carreira. Boa sorte pra ele!

2022 REPETE 1988 EM TERMOS DE LARGADA NO BRASILEIRO

Foto de Lenílson Santos com jogadores perfilados na estreia da Série C 2022: Dudu, Emerson Souza, Clisman, Emerson, Valderrama, Vitão, Maicon, Marquinho Carioca, Fredson, Jonathan e Edson Cariús

Não foi bem o que se esperava. Com duas derrotas na largada da Série C 2022, o Ferrão não começou bem o Campeonato Brasileiro desse ano. A equipe coral perdeu para o Mirassol/SP e ABC/RN nas duas primeiras partidas da competição. Sabe quando isso havia acontecido pela última vez? Foi na largada da Série C de 1988, exatamente no primeiro ano em que o Ferrão disputou a terceira divisão nacional. Vamos à lembrança dos fatos daquele período: após conquistar de forma brilhante o título estadual de 1988, o Tubarão da Barra perdeu alguns atletas. Mazinho Loyola foi negociado para o São Paulo/SP. Marcelo Veiga teve que ficar perto do pai enfermo na capital paulista. Robinson foi para o Vitória/BA, entre outros desfalques. Jogadores egressos do Sub-20 acabaram subindo para o profissional: o ponta Teninha e os meias Osmar e Lane, entre outros. Nesse contexto, o Ferrão perdeu os dois jogos na estréia da Série C de 1988: 0x1 para o Campinense/PB e 0x1 para o ABC/RN, ambos em casa, no PV. De reforços para a competição chegaram o goleiro Zé Luís, ex-Fortaleza, o lateral cearense Osmanir e o atacante Cícero Ramalho, que já havia passado pelo Ferroviário na temporada de 1986. O técnico coral era Zé Maria Paiva.

FERRÃO NO ROMEIRÃO EM MAIS UMA CIRCUNSTÂNCIA HISTÓRICA

Estádio Romeirão no ano da inauguração em foto do acervo de Renato Casimiro e Daniel Walker

Quando o velho Estádio Romeirão foi inaugurado em maio de 1970, o celebrado time do Cruzeiro/MG foi o convidado para duas partidas amistosas, uma contra o Fortaleza e outra contra o Ferroviário. Após vencer o Tricolor do Pici por 3×0 no primeiro embate, o famoso time mineiro repetiu o placar no dia seguinte contra o Tubarão da Barra. Com gols de Gilberto, duas vezes, e Rodrigues, a equipe comandada por Gerson Santos venceu o Ferrão com o futebol de Raul (Nêgo), Lauro (Pedro Paulo), Mário Tito, Darcy Menezes (Morais) e Vanderley (Neco); Toninho e Spencer; Natal (Gil), Gilberto, Evaldo (João Ribeiro) e Rodrigues (Ademir). O Ferroviário perdeu no jogo festivo de inauguração do Romeirão com Neném (Jairo), Esteves, Hamilton Ayres, Gomes e Louro; Simplício e Edmar (Simão); Zezinho (Wilson), Amilton Melo, Paulo Velozo e Alísio (Eldo). O técnico coral era o ex-jogador Fernando Cônsul. Em 2022, exatos 52 anos depois daquele episódio, o destino colocou novamente o time coral na história do velho estádio da terra de Padre Cícero que, após grande reforma, volta modernizado sob à denominação de Arena Romeirão.

Após um longo período de modernização, a cidade de Juazeiro do Norte agora tem a Arena Romeirão

Com a Arena Castelão irresponsavelmente “privatizada” para servir aos interesses exclusivos de Ceará e Fortaleza, sob às bençãos do Governo do Estado do Ceará e de seus gestores públicos, e ainda com o bucólico estádio municipal Presidente Vargas em fase final de reformas, o Ferrão teve que abrir mão, mais uma vez, de seu mando de campo e ir jogar longe de sua torcida. Com péssimos estádios disponíveis na região metropolitana e com o Elzir Cabral sem iluminação, a opção recaiu em atuar na nova Arena Romeirão. O jogo é contra o ABC de Natal, válido pela segunda rodada da Série C do Campeonato Brasileiro. Apesar da cerimônia de inauguração do novo estádio ter ocorrido recentemente com uma partida indigna de resgatar o mesmo simbolismo verificado em 1970, envolvendo uma seleção montada com jogadores que atuam nos times do Cariri a enfrentarem um combinado de jogadores das equipes Sub-20 e Sub-23 de Ceará e Fortaleza, coube ao destino colocar novamente o Ferroviário na vida de Juazeiro do Norte e do Romeirão. Assim, o time coral realizará contra o ABC o primeiro jogo oficial na nova e bela praça esportiva. Obrigado, Padre Cícero.

ÍDOLO EDSON CARIÚS CRAVA MAIS UM MARCO NA HISTÓRIA

Foto de Samuel Andrade registra o carinho da torcida do Ferroviário pelo ídolo Edson Cariús

Todo mundo sabe que Edson Cariús foi brilhante na conquista do inédito título de Campeão Brasileiro em 2018. Além de artilheiro da Série D nacional com 11 gols naquele ano, o centroavante foi artilheiro do Campeonato Cearense, na temporada seguinte, com 10 gols. Naquele momento, ele entrava para a ilustre galeria de jogadores corais que conquistaram o feito de maiores goleadores na primeira divisão da referida competição, ao lado de Mário Negrin (8 gols em 1943), Manuel de Ferro (12 gols em 1947), Pacoti (24 gols em 1957), Zé de Melo (21 gols em 1958), Lula (8 gols em 1975), Paulo César (29 gols em 1979), Luizinho das Arábias (24 gols em 1985), Cacau (21 gols em 1989), Batistinha (20 gols em 1994), Robério (26 gols em 1995), Rômulo (15 gols em 1998), Maurício Pantera (12 gols em 2004) e Giancarlo (19 gols em 2013). No Campeonato Cearense de 2022, Edson Cariús sacramentou novamente o título de artilheiro máximo da competição, dessa vez com 9 gols. O feito o coloca como o primeiro jogador na história do Ferroviário a repetir tal façanha! Lembrando ainda que no título da Taça Fares Lopes, em 2018, Cariús também foi decisivo e artilheiro da competição com 5 tentos. A foto acima, registrada no Castelão no último sábado, após a derrota coral num Clássico das Cores, evidencia bem o respeito e carinho que a torcida coral tem por seu ídolo, que em termos de números está prestes a alcançar a marca de 100 jogos pelo Ferroviário e ainda pode buscar a hegemonia de maior média de gols da história de uma equipe de quase 90 anos de existência. O tempo dirá o que Edson Cariús ainda será capaz de fazer pelo clube e pela sua própria biografia no futebol. A torcida coral agradecerá e aplaudirá de pé.

O 11º ADVERSÁRIO DO FERRÃO NA HISTÓRIA DA COPA DO BRASIL

Ferroviário Atlético Clube enfrenta o novato Nova Venécia/ES na primeira fase da Copa do Brasil

Quando entrar em campo pela Copa do Brasil 2022, o Ferroviário estará enfrentando apenas o seu 11º adversário nessa rentável competição, que foi realizada pela primeira vez pela CBF no ano de 1989. Em retrospectiva, os adversários corais na competição nacional mais democrática do futebol brasileiro seguiram essa ordem cronológica: Goiás (1989 e 1996), Remo (1995), América de Natal (2004), Corinthians/SP (2004 e 2019), Confiança/SE (2018), Sport/PE (2018), Vila Nova/GO (2018), Atlético/MG (2018), Porto Velho/RO (2021) e América Mineiro (2021). Como se percebe, houve um longo hiato de participação do Ferrão na Copa do Brasil entre 2004 e 2018. Foram 14 anos de espera em razão de maus resultados nos gramados. Foi exatamente no retorno à competição em 2018 que o Tubarão da Barra obteve a melhor campanha de sua história, passando de fases e capitalizando recursos financeiros que foram decisivos no título de Campeão Brasileiro no mesmo ano. No âmbito geral, o Nova Venécia/ES, equipe que foi fundada em 2021, será a segunda equipe capixaba a enfrentar o Ferroviário ao longo de quase novas décadas de existência da equipe coral. Antes, o Ferrão havia enfrentado apenas a tradicional Desportiva/ES em 1980.

CINCO ADVERSÁRIOS INÉDITOS NO NOVO FORMATO DA SÉRIE C

As vinte equipes que se enfrentam entre si no novo formato da Série C do Campeonato Brasileiro

A fórmula da Série C de 2022 mudou. Antes, os vinte clubes eram divididos em dois grupos com dez equipes, que se enfrentavam em jogos de ida e volta na primeira fase do Campeonato Brasileiro. A partir desse ano, as equipes se enfrentam em jogos só de ida, todos contra todos. O Ferrão vai viajar Brasil afora e reencontrar antigos adversários como o Brasil de Pelotas, São José de Porto Alegre, Vitória/BA, ABC de Natal e Campinense/PB. Entretanto, cinco adversários realizarão jogos inéditos contra o Tubarão da Barra. Assim, o Ferrão enfrentará pela primeira vez na história as seguintes equipes: Botafogo de Ribeirão Preto, Aparecidense/GO, Figueirense/SC, Ypiranga/RS e Mirassol/SP. Além disso, o Ferroviário Atlético Clube terá também confrontos domésticos contra os cearenses Floresta e Atlético/CE.

FERROVIÁRIO SE DESPEDIU DO EX-PRESIDENTE CAETANO BAYMA

O Ferroviário Atlético Clube se despediu do ex-presidente Caetano de Paula Bayma na semana passada. Vítima de infarto, o mandatário coral entre as temporadas de 1984 e 1987 partiu para o plano superior. No exato momento em que o Ferroviário vencia o Icasa por 2×0, na Barra do Ceará, seu corpo era sepultado no Cemitério São João Batista em Fortaleza. Abaixo, o blog recorda uma matéria de jornal do ano de 1999 falando sobre o afastamento de Caetano Bayma do futebol, mais de dez anos depois de ter deixado a presidência coral. Como se pode perceber no texto, os problemas no coração que o vitimaram já se faziam presentes na ocasião. Caetano Bayma foi um ótimo dirigente na história coral. Apaixonado pelo Ferrão, montou um time excelente na temporada de 1985, um dos melhores da nossa história, mas acabou não sendo campeão cearense graças às arbitragens calamitosas que desviaram o desfecho do Estadual daquele ano. Em postagem de 2015, o blog chegou a recordar um áudio raro onde é possível escutar uma entrevista de Caetano Bayma falando sobre a intenção de compra do passe do goleiro Serginho, que acabou se concretizando na ocasião. Descanse em paz, Caetano Bayma. A torcida coral é grata por tudo.

Matéria de jornal no ano de 1999 sobre a aposentadoria de Caetano Bayma no futebol cearense

FERROVIÁRIO PARA 2022 ATUOU AMISTOSAMENTE EM REDENÇÃO

Ferrão na cidade de Redenção – Em pé: Jonathan, Madson, André Baumer, Diney, Emerson Souza e Edson Cariús. Agachados: Mauri, Valderrama, Gabriel Silva, Marquinho Carioca e Clisman

Eis o Ferroviário Atlético Clube que se prepara para a Temporada 2022. Essa onzena coral entrou em campo durante a semana para inaugurar o novo estádio de Redenção, que estranhamente mudou de nome para Vereador Juvenal do Vale. O adversário foi a equipe Sub-20 do Fortaleza. Redenção é conhecida na história como a primeira cidade que libertou os escravos no Brasil, quatro anos anos da assinatura da Lei Áurea por parte da Princesa Isabel. Essa foi apenas a segunda vez que o Tubarão da Barra se apresentou na histórica cidade. A primeira, em junho de 2000, quando aquela mesma praça esportiva levava o nome de Estádio Otacílio de Azevedo, o Ferrão empatou em 0x0 com o selecionado local, exatamente o mesmo placar do amistoso dessa semana. Esperamos e desejamos uma grande temporada em 2022. De preferência, com um número de gols muito superior ao retrospecto histórico já apresentado em Redenção, onde definitivamente o time coral infelizmente nunca marcou gols.

JUAZEIRENSE FOI O NONO ADVERSÁRIO DO FUTEBOL BAIANO

No click acima do fotógrafo Lenilson Santos, o atacante Gabriel Silva passa entre os jogadores do time da Juazeirense/BA. O jogo foi válido pela fase preliminar da Copa do Nordeste de 2022 e o Ferroviário venceu por 4×0, ontem na Arena das Dunas. Graças à incompreensão dos gestores públicos do Estado do Ceará, a Arena Castelão foi vergonhosamente vetada para o importante jogo coral e ele teve que ser realizado em Natal. A Juazeirense enfrentou o Ferroviário pela primeira vez na história, sendo o nono representante do futebol baiano a jogar contra o Tubarão da Barra. Antes, o Ferroviário teve treze jogos contra o Bahia, oito contra o Vitória, quatro contra a Jacuipense, três contra o Ipiranga, dois contra o Serrano, duas partidas contra o Fluminense e uma partida contra Galícia e Leônico, respectivamente. Até o momento, foram realizados 35 jogos contra equipes baianas, sendo 11 vitórias, 10 empates e 14 derrotas para os representantes da terra do acarajé. O piauiense Pepê, famoso atacante entre as temporadas de 1939 e 1942, é o maior goleador entre os corais contra equipes baianas. Ele marcou 5 gols em jogos contra Bahia e Ipiranga no período.