NICOLAS SE CONSOLIDA COMO O MELHOR GOLEIRO DESDE JÉFFERSON

Com 1,92m de altura e 34 anos de idade, Nicolas tem se firmado como importante goleiro coral

Titular absoluto nas traves do Ferroviário Atlético Clube desde o Campeonato Brasileiro de 2019, o gaúcho Nicolas tem se consolidado como o melhor goleiro que vestiu a camisa coral desde a última passagem do arqueiro cearense Jéfferson, na já distante temporada de 2009. Portanto, dez anos depois, finalmente o clube conseguiu um titular que pudesse se firmar, disputando jogos importantes e apresentando boa performance. Em média, durante essa década de intervalo, foram praticamente dois goleiros por temporada que se revezaram na meta coral, alguns até de difícil lembrança por parte da torcida do Ferrão, a saber: Dionantan, Witalo, Tarciano, Célio, Ari, Handerson, Nilson, Caíque, Fernando Júnior, Rafael Muralha, Camilo, Alisson, Alex, Adson, Roger, Mauro, Oliveira, Léo, Bruno Colaço, Mailson, Gleibson e Remerson. Depois de defender equipes gaúchas como São Paulo/RS e Novo Hamburgo/RS, Nicolas veio para o futebol cearense em abril de 2019 e já conta com mais de 60 partidas, entre jogos oficiais e amistosos, com a camisa do Ferrão. No último sábado, contra o Manaus, na Arena da Amazônia, Nicolas foi decisivo para o Ferrão com, pelo menos, duas defesas muito difíceis, que garantiram o empate em 1×1 no placar. Mesmo com as bruscas mudanças no elenco coral de 2019 para 2020, o goleiro Nicolas foi um dos poucos jogadores que renovaram contrato e permaneceram na Barra do Ceará.

FERRÃO E PAYSANDU SE ENFRENTAM PELA QUARTA VEZ NA HISTÓRIA

Holanda: goleiro contra o Paysandu em 1971

Os famosos Tubarão da Barra e Papão da Curuzu jogam nesse domingo, em Fortaleza, pela Série C do campeonato brasileiro de 2020. Os dois têm muita história em suas respectivas praças, porém poucas vezes se enfrentaram no decorrer dos anos, ainda assim, somente em pelejas amistosas, em 1946, 1955 e a última em razão de uma excursão coral à Região Norte do país, na já distante temporada de 1971. Nesse terceiro encontro entre ambos, o Ferroviário se apresentava com a fama de fabulosa equipe, o `Timão` como era chamado na qualidade de campeão cearense do ano anterior, conquista esta sacramentada apenas cinco meses antes. Depois de disputar o chamado Torneio Amazonense, em Manaus, contra Rio Negro/AM, Rodoviário/AM e Nacional/AM, a delegação coral desceu até Belém e bateu o Remo/PA por 2×0 em seu primeiro amistoso na capital paraense. Na sequência, jogou contra o Paysandu. O amistoso foi disputado no estádio do Remo e terminou empatado em 1×1. O ponta esquerda Alísio marcou para o Ferrão e Benê empatou, aos 42 minutos finais, para o Papão da Curuzu. Estamos falando do dia 5 de Fevereiro de 1971. Treinado por Alexandre Nepomuceno, o time coral jogou com Holanda, Wellington, Esteves, Gomes e Eldo; Zé Maria Paiva (Simplício) e Coca Cola; Simão, Amilton Melo, Odacir (Facó) e Alísio (Nei). A equipe paraense formou com Arlindo, Paulo Tavares, Osmani, João Tavares e Carlinhos; Beto e Alfredinho; Edilson Freitas (Vila), Jorge Costa (Mário), Benê e Antônio Maria. Dessa formação, Paulo Tavares e Jorge Costa jogariam ainda no Ferroviário naquela década. Dois dias depois desse amistoso, Remo e Paysandu juntaram seus melhores jogadores num combinado, uma espécie de selecionado paraense, para finalmente tentar bater o Ferrão. Não conseguiram. Tentativa em vão, pois foi registrado mais um empate, dessa vez por 2×2, e assim encerrava-se a excelente performance coral no Norte do país.

FERRÃO QUEBRA MAIS UM TABU DISPUTANDO A SÉRIE C DESSE ANO

A Série C do campeonato brasileiro desse ano continua rendendo frutos para o Ferrão. Depois de quebrar um tabu de 65 anos contra o Botafogo/PB na primeira rodada, mais um time paraibano sofreu nas mãos do Tubarão da Barra dentro do campeonato e outro tabu foi quebrado. No jogo de ontem, depois de 28 anos, o time coral voltou a bater o Treze/PB dentro de Campina Grande. A última vez que isso tinha acontecido havia sido em 19 de abril de 1992, também pela Série C da mesma competição nacional, quando o Ferroviário fez 2×1, com gols de Jorge Veras e Caetano, o que era também até ontem, a única vez que o Ferrão havia batido o Galo da Borborema dentro de seus domínios em toda a história. Mesmo quando o Ferrão sagrou-se campeão brasileiro da Série D, justamente contra o Treze em Campina Grande, o placar final não havia sido favorável ao time coral. No jogo de ontem à noite, o Ferrão fez um implacável 3×0, tentos de Willian Lira, Diego Lorenzi e Wesley, quebrando o tabu e marcando a segunda vitória coral contra o Treze dentro de Campina Grande, num total de 13 jogos. Vale a pena conferir abaixo os gols do time coral na edição da TV Artilheiro, com narração de Irismar França, pela rádio Joven Pan News de Fortaleza.

ESTREIA, RETORNO DE CAMISA E QUEBRA DE TABU DE 65 ANOS

E depois de um atraso de três meses por conta da pandemia mundial de Coronavírus, que continua a ameaçar fortemente a população nacional, a Série C do campeonato brasileiro de 2020 finalmente começou. O Ferrão bateu o Botafogo/PB por 2×0, gols de Lucas Hulk e Wellington Rato, na Arena Castelão. Além da estreia coral na competição, dois outros fatores merecem grande destaque no dia de hoje: o retorno modernizado de um design de camisa utilizado pelo Ferrão no final dos anos 1960 e a quebra de um grande tabu sem vitórias contra o adversário paraibano. Curioso pra saber os detalhes dessas duas curiosidades? Pois saiba que depois de utilizar com bastante ênfase esse padrão de uniforme entre 1967 e 1972, referido modelo ensaiou um retorno, sem nenhuma repercussão positiva, no final de 1998, sendo a ideia logo abandonada após a confecção de um modelo um tanto quanto descaracterizado em relação aos padrões originais. E sim, a última vez – e única – que o time coral tinha derrotado o Botafogo/PB havia sido no dia 19 de novembro de 1959, por 5×1, em jogo amistoso no PV. Portanto, ontem foi quebrado um tabu de longos 65 anos na história, além de ser a primeira vitória em cima do Belo numa partida oficial! Parabéns Ferrão!