BODAS DE OURO DO ÚLTIMO CAMPEÃO CEARENSE INVICTO

Matéria na imprensa cearense no dia 28/07/1968 prognosticando o fim do jejum de 16 anos

O último campeão invicto! Assim é conhecido até hoje o elenco do Ferroviário de 1968, que conquistou o campeonato estadual daquele ano com ampla supremacia e entrou para história eterna do futebol alencarino. Nesse sábado, dia 28 de julho, celebra-se o 50° aniversário daquela brilhante conquista. Naquele período, a diretoria coral passara por uma renovação e a chegada de jovens engenheiros da RFFSA para comandar os destinos do clube enchera de esperança a torcida coral, que não comemorava um título há 16 anos, o que era até então o maior jejum do clube em termos de conquistas. Capitaneados pelo presidente Elzir Cabral, dirigentes como José Rêgo Filho, Ruy do Ceará, Cândido Pamplona e um grupo de abnegados corais quebravam o jejum e começavam a escrever uma nova história para o clube. O jogo decisivo foi contra o Fortaleza, que também brigava pelo título naquele domingo de 1968. João Carlos marcou para o Ferrão e Croinha anotou o seu para o Fortaleza. O empate de 1×1 garantiu a conquista coral. O treinador Ivonísio Mosca de Carvalho mandou à campo naquela tarde a seguinte formação: Cavalheiro, Wellington, Flodoaldo (Luiz Paes), Gomes e Barbosa; Edmar e Coca Cola; Mano, João Carlos, Paraíba e Raimundinho (Lucinho). Nas bodas de ouro daquela conquista, é bom não esquecermos de eternizar esses nomes na memória coral. Além dos que atuaram na partida decisiva, vale destacar a participação dos que atuaram em pelo menos uma partida na competição: Roberto Barra-Limpa, Jurandir, Douglas, Facó, Ademir, Sanêga e Edilson José.

Página esportiva do Correio do Ceará destacando o grande feito coral no campeonato de 1968

Desde que foram campeões, alguns atletas do grupo coral nunca mais se encontraram.  A vida deu rumo diferente para muitos na carreira futebolística, outros simplesmente abandonaram a profissão, porém sem nunca esquecer a união daquele grupo e a importância daquele momento. Em 2014, alguns remanescentes do elenco do Ferrão de 1968 se encontraram numa churrascaria em Fortaleza e a noite foi de recordações e muita emoção. O goleiro gaúcho Cavalheiro, por exemplo, não voltava a Fortaleza há quase quatro décadas e nunca mais havia tido qualquer tipo de contato com seus antigos companheiros. O volante Edmar, titular absoluto em toda a campanha coral, comentou sobre mais um aniversário daquela conquista na última vez que teve o privilégio de estar reunido com parte daquele grupo: “Foi uma festa memorável após a partida. Nunca vi nada igual. Era um grande time. Não perdemos pra ninguém. Nós jogávamos por música e tínhamos o suporte de uma diretoria cheia de gente jovem e de palavra. Tenho orgulho de fazer parte daquela geração“, disse. Do interior do Rio Grande do Sul, o goleiro Cavalheiro também mandou uma mensagem de aniversário referente à conquista: “1968 foi um ano emblemático em todo país pela conjuntura social e política que vivíamos no país. Conquistar um título naquele ano pelo Ferroviário, time de origem humilde e proletária, e ainda de forma invicta, foi um dos maiores feitos da carreira daqueles jogadores. O Ferrão está eternizado no meu coração“, comentou. Feliz bodas de ouro, torcedor coral! 1968 para sempre!

Campeões 1968 em 2014: Mano, Luiz Paes, Edmar, Barbosa, Cavalheiro e Raimundinho

FERROVIÁRIO VOLTA A JOGAR NO CASTELÃO DEPOIS DE 3 ANOS

A boa nova chegou em meados de dezembro. O Alto Santo desistiu da competição e o Ferroviário, terceiro colocado na Série B cearense, está de volta à primeira divisão. A estreia coral acontece no próximo domingo, dia 15, contra o Fortaleza. Será a reedição do ´Clássico das Cores` em seu palco mais glamouroso: o Castelão. Você é capaz de lembrar a última vez que o Ferrão atuou naquele estádio? Foi no dia 21 de janeiro de 2014, contra o Itapipoca, numa partida que terminou 0x0 e afundou ainda mais o time coral rumo ao rebaixamento naquela temporada. Recorde a escalação do Tubarão da Barra: Fernando Júnior, Charles, Regineldo e Júnior Carvalho; Mota, Vagno Pereira, Everton, Iarley e Sami (Diego); Elson Obina e Rafael (Leílson). O Itapipoca jogou com Alberto, Joãozinho, Cosmo (Renan), Alisson e Betinho; Tião Baiano, Mimi, Jorge Luis (Abel Marinho)(Serginho) e Juninho Maranhense; Felipe Espada e Nilsinho. César Magalhães foi o árbitro naquela noite, diante de um público de apenas 281 pagantes. O meia Mimi, que defendia o adversário em 2014, atualmente é jogador do Ferroviário. Confira o vídeo abaixo com os melhores momentos da nossa última vez no Castelão.

MEIA QUE PASSOU PELA BARRA É O NOVO REFORÇO DO REMO/PA

flamelremo

Promoção do Remo anunciando o novo reforço

Lembra do meia Flamel? Ele é considerado um dos jogadores mais talentosos que o futebol paraense produziu até hoje. Experiente, passou pelo Ferrão na reta final do campeonato cearense de 2013 e retornou ao clube para disputar a temporada seguinte, quando pouco jogou, perseguido por seguidas contusões que começaram logo no segundo jogo da competição. Depois de se destacar novamente no Águia de Marabá, ele é o novo reforço do Remo/PA para a Série C do campeonato brasileiro. A carreira de Flamel ganhou notoriedade nacional quando ele se destacou, há 10 anos, no campeonato nacional defendendo a Tuna Luso/PA. A fama de ´craque do norte´ o levou ao Flamengo/RJ, onde pouco jogou. Esteve no Icasa/CE e depois retornou ao Pará. Na Barra, Flamel, cujo nome verdadeiro é Arlisson Sousa Cardoso, conseguiu estar presente em apenas 10 partidas e marcou um gol, na Arena Castelão, contra o Icasa, justamente seu ex-clube no estado. Boa sorte para o ex-coral, agora novamente defendendo uma potência do futebol nacional.

POR ONDE ANDA O ÚNICO JOGADOR QUE SE SALVOU NO FATÍDICO 2014?

994730_1223458884338181_4812296267611540241_n

Mauri em foto recente na Itália

O atacante Mauri foi seguramente o único jogador que se salvou na fatídica campanha do rebaixamento coral em 2014. Tendo sempre mostrado habilidade e velocidade nos clubes que defendeu, o ex-jogador coral hoje tenta a sorte no futebol italiano. Ele mora em Milão, uma das cidades mais bonitas da Europa. De origem italiana, Mauri aguarda a confirmação de seu passaporte europeu para poder voltar a trabalhar e ingressar em alguma equipe da Itália. Do Ferroviário, apenas algumas lembranças dos sonhos que acalentou ao chegar no clube, em julho de 2013, vindo do Rondonópolis/MT, todos eles jogados na lata do lixo com o vexame coral no ano seguinte.

Mauri tinha contrato até agosto de 2015 com o Ferroviário. Sua multa rescisória era de 450 mil Euros para transações internacionais e cerca de 1 milhão para negociações nacionais. Após o rebaixamento, foi emprestado para o também rebaixado Maranhão/MA e posteriormente para o São Benedito/CE, onde permaneceu por um ano. Com contrato em vigência, voltou ao time coral em outra vexatória campanha, na segunda divisão cearense, onde o Ferroviário terminou no 6º lugar em 2015. Desmotivado e sem perspectivas no clube que resolveu apostar dois anos antes, Mauri pediu rescisão. Hoje, aos 21 anos de idade, quer reconstruir sua carreira na Itália e lograr êxito no futebol, buscando seu sonho de infância. Foram apenas 17 jogos e 3 gols com a camisa coral, um deles o da vitória contra o Crato, fora de casa, em 2014, que recordamos abaixo, exatamente no jogo de número 3.477 da história coral registrado no Almanaque do Ferrão.

ENTRANDO EM CAMPO PELA VEZ DE NÚMERO 3493 NA HISTÓRIA

Semana passada o Ferroviário fez seu último jogo no fatídico ano de 2014. O time coral entrou em campo pela vez de número 3493 em sua longa história, que certamente durará muito ainda apesar de todos os percalços ao longo das décadas. A última entrada em campo na temporada foi registrada no vídeo acima sob a ótica do ótimo goleiro Camilo. É uma boa chance para conferir o que se passa nos vestiário antes dos jogos, a reza, a fé, a confiança, os tapinhas nas costas, o cumprimento frio desprezível de um ou de outro, o sorriso simpático do torcedor que levou sua criança e a saudação honesta de todos que se sentem parte do mesmo barco dos jogadores que vão para uma nova batalha.

No ano mais complicado da sua trajetória, ironicamente o Ferroviário terminou aplaudido pela sua torcida de fé, e olhe que não foram poucos os que estiveram no PV. Palmas para quem mereceu, para quem ousou, para quem arregaçou as mangas não se omitindo e botando um time em campo, lutando até o momento que não dava mais. Aplausos para um desconhecido grupo de atletas que mostrou o elementar no esporte, o esforço e a dedicação, dando provas que futebol num time como o Ferroviário se faz com quem almeja brigar e chegar a algum lugar junto com o clube e não com prostitutas da bola. Que venha o próximo ano e que se tenha aprendido a lição.