QUINTA PARTICIPAÇÃO DO FERRÃO EM COMPETIÇÃO NORDESTINA

Velho adversário nordestino

Hoje o Ferrão pega o ABC de Natal em sua estreia na Copa do Nordeste, uma das competições mais valorizadas atualmente no calendário nacional. Embora sejam certames distintos e alternados ao longo do tempo, a primeira edição de uma competição regional em nível Nordeste aconteceu na temporada de 1968 e levava simplesmente o nome de Nordestão. O Ferroviário esteve presente e enfrentou Sport/PE, Botafogo/PB, Alecrim/RN, Calouros do Ar, Campinense/PB e o próprio ABC/RN. Em jogos de ida e volta, o time coral foi eliminado ainda na primeira fase. Em 1970, na terceira edição da competição, o Ferrão voltou a participar e enfrentou o Campinense/PB, Treze/PB, América/PE e novamente o ABC/RN em jogos só de ida. Mais uma vez, o Tubarão da Barra foi eliminado na fase inicial. Foi o ano do famoso duelo entre Coca Cola e Marinho Chagas, no PV, já reportado aqui no blog. No ano seguinte, o torneio foi engavetado já que foi posto em prática uma nova metodologia de integração nacional com a implementação do primeiro campeonato brasileiro.

Nova edição da Copa do Nordeste é sucesso

Depois de 27 anos de espera e com participação efetiva do Ferroviário nas articulações políticas para o retorno da competição, o principal certame da região Nordeste voltou a ser disputado em 1997. A fórmula previa confrontos de mata-mata e o Ferrão teve novamente o ABC de Natal como seu adversário. Uma derrota no Machadão e um empate no PV eliminaram o time coral mais uma vez na primeira fase. Dois anos depois, em 1999, aconteceu a quarta e última participação coral na Copa do Nordeste. O Tubarão da Barra caiu no grupo composto por Ceará, América/RN e – de novo – o ABC de Natal. Em jogos de ida e volta, o Ferrão acabou mais uma vez eliminado na primeira fase. Agora em 2018, novamente o ABC/RN está no grupo do Ferroviário, ao lado do Vitória/BA e do Globo/RN. No geral, será a quinta participação coral na principal competição nordestina e, coincidentemente, o ABC/RN foi adversário do Ferrão em todas elas. Esperamos que o Ferroviário agora possa quebrar o tabu de não passar da primeira fase e conseguir sua inédita classificação para a segunda fase. Vai ser histórico!

VITÓRIA EM SOBRAL PELO ESTADUAL NÃO ACONTECIA DESDE 1997

img-20170119-wa0002

Jogadores do Ferroviário ontem no vestiário do Junco depois da vitória contra o Guarany-S

Estamos diante de mais um fato histórico na vida do Ferrão! Jogando ontem à noite pela segunda rodada do campeonato cearense, o Tubarão da Barra derrotou o Guarany de Sobral em seus próprios domínios por 2×1. A última vez que o time coral havia batido seu tradicional adversário no Estádio do Junco, pelo Estadual, foi no dia 30 de março de 1997. É verdade que houve uma vitória pelo campeonato brasileiro, em 2001, e outra pela Taça Fares Lopes, em 2014, dentro de Sobral, mas há duas décadas isso não acontecia em jogos válidos pelo campeonato cearense. É de se comemorar! À exemplo do triunfo de vinte anos atrás por 2×0, o de ontem também valeu a liderança da competição. Pra recordar, confira a escalação do último time do Ferroviário a vencer em Sobral pelo Estadual: Jorge Luiz, Biriba, Júnior Umirim, Amarildo e Marcelo; Dino, Anderson e Marquinhos; Zé Roberto (Buiú), Demétrius (Paulo Adriano) e Artur. Quer outro detalhe que merece destaque? Há relatos que parte da torcida coral deixou a cidade debaixo de pedras. Alguma semelhança com o fato, já relatado no blog, acontecido no campeonato cearense de 1988? Parece que algumas coisas nunca mudam. Em tempo: o zagueiro Amarildo e o atacante Zé Roberto marcaram em 1997. Ontem, Maxuell fez dois gols.

EMPATE NA ESTREIA E RETORNO BOMBÁSTICO DE UMA CRIA CORAL

ferrao-2017-15jan

Ferroviário Atlético Clube na estreia em 2017 contra o Fortaleza – Em pé: Raul Muller, Túlio, Erandir, Mimi, Gustavo e Mauro; Agachados: Valdeci, Vitinho, Jeanderson, Maxuell e Jonathas.

Eis o Ferroviário que entrou em campo acima pela vez de número 3.562 em sua história. O retorno coral à Série A do campeonato cearense não poderia ser melhor: um bom número de torcedores no Castelão, uma apresentação de igual pra igual contra o Fortaleza e uma série de boas expectativas a partir de então. O placar de 2×2 foi injusto para o Tubarão da Barra, que poderia ter marcado o terceiro gol em, pelo menos, três chances claras de gol antes do final do jogo. Sob o comando do técnico Marcelo Vilar, confira a escalação do Ferrão contra o Leão: Mauro, Gustavo, Erandir, Túlio e Jeanderson; Jonathas, Mimi (Glauber), Valdeci (Adilton) e Raul Muller (Carlos Alberto); Vitinho e Maxuell. Dos que atuaram, a dupla Erandir e Túlio, o volante Jonathas, além de Valdeci e do artilheiro Maxuell, que marcou dois gols no ´Clássico das Cores`, são remanescentes da equipe que disputou a segunda divisão local na temporada passada.

Atacante Mota está de volta ao Ferrão

Porém, outra boa nova foi anunciada pela direção coral no dia seguinte ao empate contra o Fortaleza: o retorno, depois de 20 anos, do atacante Mota. Foi exatamente na temporada de 1997, ainda prestes a completar 17 anos de idade, que ele atuava nas equipes de base do Ferroviário. Naquela mesma temporada, participou de uma única partida pelo time profissional em toda a história, lançado pelo treinador Luiz Carlos Cruz na vitória por 2×0 em cima do Potiguar de Mossoró, no Estádio Nogueirão, no Rio Grande do Norte, pelo campeonato brasileiro. Depois de brilhar no futebol brasileiro, onde foi campeão nacional pelo Cruzeiro/MG em 2003, Mota está de volta para encerrar a carreira onde tudo começou. O jogador espera estar apto fisicamente para atuar ainda na segunda quinzena desse mês. Seu último clube foi o Bragantino/SP, na já distante temporada de 2014, quando atuou 17 vezes e marcou 2 gols. Mota está atualmente com 36 anos de idade, exatamente a idade que o artilheiro Sérgio Alves tinha quando chegou para defender o Ferroviário na temporada de 2006. Esperamos que Mota possa reeditar os gols marcados por Sérgio Alves e aumentar seu número de jogos nas estatísticas corais.

AQUELAS MANHÃS DE DOMINGO NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE 1997

Quem não lembra dos jogos disputados nas manhãs de domingo na Série C de 1997? O Ferrão fazia ótima campanha naquela edição do Brasileiro, caindo apenas para o Sampaio Correa/MA, que terminou como campeão da competição. Todo mundo tem na lembrança a classificação, nos pênaltis, contra o Confiança/SE, no Elzir Cabral, porém antes o Ferroviário precisou passar por um time do agreste de Pernambuco. O Almanaque do Ferrão volta no tempo e resgata o vídeo com o primeiro mata-mata daquele campeonato, contra o Porto de Caruaru, uma autêntica festa coral em seu próprio estádio, na manhã de 28 de setembro de 1997. Cantareli e Marcelo, que ficou conhecido como o ´Romarinho da Barra`, marcaram para o Ferrão. Marcelo Fumaça descontou para o time pernambucano num difícil placar de 2×1, diante de mais de 2000 torcedores presentes.

grande-fabio confianca 2

Goleiro Fábio se destacou no Brasileiro da Série C de 1997 como goleiro titular do Ferroviário

Treinado por José Oliveira, o Ferroviário formou na partida com o futebol de Fábio, Chiquinho, Júnior Umirim, Carlos Silva e Naílton; Paulo Adriano, Marquinhos (Maírton), Cantareli e Garrinchinha (Zé Roberto); Somar (Betinho) e Marcelo. O Porto/PE jogou com Wanderley, Edson, Sandro, Mazinho e Arlindo; Democ, Sérgio, Maxwell (Serginho) e Ceará (Saulo); Marcelo Fumaça (Zé Carlos) e Galego. Um semana depois, em Caruaru, o Tubarão da Barra venceu o adversário novamente, por 1×0, com um gol de Paulinho Paiakan, e classificou-se para a fase do mata-mata contra o Confiança/SE. Por ironia dos caprichos do futebol, o jovem goleiro Fábio escreveu posteriormente seu nome como ídolo da tradicional equipe sergipana, atuando durante vários anos como titular. Há dois anos, ele pendurou suas luvas e chuteiras. Por hoje, ficamos com vídeo do jogo contra o Porto/PE. Quem sabe, em breve, postamos aqui os momentos contra o Confiança/SE.

FERRÃO VOLTOU A ENFRENTAR O IGUATU APÓS QUASE 20 ANOS

Veja os gols acima. Apesar da indefectível camisa laranja, é o Ferroviário em campo. Depois do uniforme dourado em 2015, o time coral voltou a inovar e estreou ontem o novo terceiro uniforme. Pelo menos esse ano, podemos chamar o Ferrão de ´Laranja Coral`. Porém, o mais importante foi a terceira vitória em quatro partidas já disputadas pela segunda divisão do campeonato cearense, um passo importante no objetivo maior que é voltar à divisão de elite local. E depois de quase 20 anos, o Tubarão da Barra reencontrou o Iguatu, que andou meio sumido, extinto, fundado novamente e retornou à prática do futebol profissional há apenas seis anos. Foi no campeonato estadual de 1997 que as duas equipes se enfrentaram pela primeira vez, no dia 9 de março, no estádio Morenão em Iguatu. Depois, um novo confronto em 26 de junho daquele ano, no PV. 0x0 no primeiro jogo e vitória coral por 3×1 na segunda partida, gols dos conhecidos Reginaldo, Santos e Dino. Ontem, os talentosos Valdeci e Roney marcaram gols e entraram para a galeria dos confrontos entre Ferrão e Iguatu, naquele que foi apenas o terceiro jogo da história entre os dois times. Uma excelente vitória, sem dúvida. E viva a Laranja Coral.

FERROVIÁRIO PODE VOLTAR A TER FORNECEDORA DE RESPEITO EM 2016

Ferrão 1984_x2

Ferroviário em 1984: último ano da francesa Le Coq Sportif no vistoso material esportivo do clube

O Almanaque do Ferrão apurou que o Ferroviário pode fechar a qualquer momento com uma fornecedora de material esportivo de grande respeitabilidade no mercado. As negociações estão adiantadas e o clube pode voltar a ter uma parceira de alto nível, à exemplo do que ocorreu no passado quando chegou a ter a francesa Le Coq Sportif, entre 1982 e 1984, e as brasileiras Penalty, em 1997 e 1998, e Finta, de 2009 a 2010. Parece realmente que o clube abandonará as soluções caseiras e partirá para algo mais empolgante. A mudança de rumo se justifica na contratação de uma empresa paulista de marketing esportivo, a MP Sport, que chega ao clube com uma visão mais profissional em relação à práticas recentes, como em 2015, quando o Ferrão apresentou um dos uniformes mais extravagantes – para não usar o adjetivo ridículo – de sua história.

19972

Ferroviário em 1997: primeiro ano da conhecida Penalty no belo material esportivo do clube

Respeitando a famosa estratégia do sigilo nas negociações empresariais, o blog opta por não anunciar a marca que negocia atualmente com o Ferroviário, muito embora o nome já tenha vazado em algumas redes sociais. Marca em camisa não ganha jogo, mas não deixa de ser um bom começo para o início de uma nova gestão. O torcedor gosta de bons produtos e, nesse aspecto, a torcida coral tem se mostrado carente de opções interessantes ao longo dos anos. De repente, em termos de material esportivo, o clube pode retornar ao patamar de uma Le Coq Sportif, que enquanto vestiu o Ferrão, fornecia também material para o São Paulo/SP e para as seleções da França e da Argentina, ou a tradicional Penalty, parceira histórica de praticamente todos os times importantes do Brasil, além da própria Finta, que vestiu clubes de respeito no futebol brasileiro, entre eles o Botafogo/RJ no inesquecível título nacional no ano de 1995. Marca é marca, e algumas delas não se compra em bodega. Quem sabe, mais uma em breve na Barra do Ceará.

Ferrão 2009 _01fev20092

Ferroviário em 2009: primeiro ano da simpática Finta no material esportivo do clube