PRIMEIRA ENTREVISTA DO JOGADOR MARQUINHOS CAPIVARA NA BARRA

Recuperamos o vídeo com a primeira entrevista do ex-jogador Marquinhos Capivara, contratado pelo Ferroviário para as disputas do campeonato cearense de 1993. Depois de vestir a camisa do Ceará e do Fortaleza, a nova contratação enchia a torcida coral de esperança por ser um jogador experiente, inclusive com passagem pelo futebol da Bélgica. A frustração foi grande, embora tenha marcado um gol logo em sua estreia contra o Tiradentes. Ao todo, o velho Capivara fez apenas 8 partidas com a camisa coral naquela temporada, uma delas no fatídico e histórico 9×1 imposto pelo Ceará, logo na segunda rodada do Estadual. Marquinhos Capivara jogou mais cinco anos, defendendo novamente no futebol cearense o Ceará, Guarany de Sobral, Tiradentes e Calouros do Ar.  Fixou residência em Fortaleza, onde trabalha como treinador de categorias de base.

POR ONDE ANDA O ATACANTE CAREQUINHA CHAMADO ISAÍAS?

Ferrão 1993_2

Ferroviário Atlético Clube em março de 1993 – Em pé: Argeu, Evilásio, Jorge Luís, Róbson, Didi  e Paulo César; Agachados: Ronaldo Salviano, Sílvio, Isaías, Marquinhos Capivara e Batistinha

Isaías Ferreira da Silva pode não ter tido uma passagem longeva no Ferroviário, mas aquele atacante carequinha, contratado no início do campeonato cearense de 1993, certamente foi responsável por um lance memorável. De cabeça, ele marcou o gol da importante vitória coral em cima do Fortaleza, por 1×0, poucos dias depois do Tubarão da Barra ter sido humilhado pelo Ceará pelo placar de 9×1. Era a retomada do Ferrão na competição. Foi o jogo que marcou a estreia do goleiro Clemer e a participação efetiva do oportunista atacante pernambucano, oriundo na época do Auto Esporte/PB. Ainda que tenha ficado somente até o mês de abril naquela temporada, Isaías marcou 4 gols nas 9 partidas que defendeu a camisa coral. Transferiu-se para o futebol paulista em seguida e acabou indo atuar depois no futebol português. Lembra dele? Por onde anda Isaías?

isaias2016

Foto recente do ex-jogador Isaías na Paraíba

Apesar de ter nascido em Recife, Isaías não voltou para sua terra natal quando pendurou as chuteiras. Fixou residência em João Pessoa, cidade que o acolheu como atleta, onde trabalha atualmente na EMLUR, a autarquia de limpeza urbana na capital paraibana. Formado em Educação Física, ele tem a intenção de voltar ao futebol brevemente e trabalhar como treinador ou montar uma escolinha. No tempo de jogador, Isaías vestiu a camisa de times importantes como o ABC/RN, Treze/PB, Santo André/SP e ASA/AL, porém foi no Auto Esporte paraibano que conseguiu a façanha de ser até hoje o maior artilheiro de sua história, além de goleador máximo no campeonato paraibano de 87, 90 e 92, quando também sagrou-se campeão estadual. Foram 14 clubes defendidos no futebol. No Nordeste, só não atuou no Piauí e no Maranhão. Foi uma carreira curta, principalmente em razão de ter atuado pela primeira vez como profissional aos 26 anos de idade, exatamente na temporada de 1986.

Certamente, lá na bonita João Pessoa, Isaías tem na memória aquele gol importante contra o Fortaleza marcado no estádio Castelão, templo maior do futebol cearense. No vídeo acima, o Almanaque do Ferrão refresca essa lembrança e homenageia o ex-atacante com os melhores momentos e uma entrevista depois daquela vitória no jogo 2.465 da nossa história, quando o jogador carequinha foi o responsável direto pelo triunfo coral e ofereceu aos torcedores do Ferroviário uma bela e animada noite de domingo.

LULA PEREIRA ESTÁ DE VOLTA AO FERROVIÁRIO 23 ANOS DEPOIS

Antes tarde do que nunca! Depois de 23 longos anos, Lula Pereira está de volta ao Ferroviário. Recorde no vídeo acima duas matérias com o então treinador do clube durante o campeonato cearense de 1993, ele que foi um dos principais responsáveis pelo processo de reestruturação do Tubarão da Barra naquela ocasião, culminando com o bicampeonato coral nos dois anos seguintes. O Ferrão deu a Lula a primeira grande oportunidade como técnico de futebol e foi o pontapé inicial de uma vitoriosa carreira que envolveu times como Figueirense/SC, Bahia/BA, Flamengo/RJ, América/MG, etc. Na semana passada, ele acertou seu retorno, dessa vez na função de coordenador técnico, e tem tudo para emprestar novamente sua competência na missão de reestruturar o clube e colocar seu nome novamente na história coral, ajudando-o a retornar para a primeira divisão do futebol cearense. Mas, você recorda a passagem de Lula Pereira em 1993?

Lula-Pereira-Foto-Cleber-Mendes_LANIMA20120217_0103_26

Lula Pereira apostou na própria carreira ao deixar o Ceará e treinar o Ferroviário em 1993

Em março de 1993, ele tinha apenas 36 anos de idade quando aceitou o desafio de abandonar as categorias de base do Ceará e assumir um abalado e desmoralizado Ferroviário, que vinha de um revés histórico de 9×1 sofrido contra o próprio time alvinegro. Lula indicou novos reforços e reformatou o elenco coral dentro da competição. Nomes desconhecidos como Acássio, Clemer, Itamar, Narcízio, Branco, Zedivan, Lima, Márcio, entre outros, passaram a ser contratados e, em três meses, o Ferrão já chegava na final do segundo turno do campeonato cearense. Até agosto daquele ano, foram 28 jogos comandando o Tubarão da Barra, sendo 12 vitórias, 7 empates e 9 derrotas. Lula Pereira não deu títulos ao clube, mas devolveu-lhe a competitividade e – o mais importante – a honra de time grande que disputava pau a pau com seus principais rivais. Deixou o clube após o Estadual e construiu uma carreira vitoriosa. Que o ano de 2016 possa contar com tudo de positivo que aconteceu em 1993, pois será importante para o Ferroviário e para o futebol cearense em geral. O elo de ligação entre esses dois longos períodos na história responde certamente pelo nome de Lula Pereira.

PRIMEIRA ENTREVISTA DO GOLEIRO CLEMER APÓS VITÓRIA CORAL

A maioria das pessoas só conheceu o goleiro Clemer quando ele foi vice-campeão brasileiro com a Portuguesa/SP em 1996 ou depois que chegou ao Flamengo/RJ no ano seguinte, onde foi sempre titular, saindo apenas para brilhar com a camisa do Internacional/RS por várias temporadas e conquistar o título mundial interclubes em 2006. O Almanaque do Ferrão recupera hoje o vídeo com a primeira entrevista do ex-arqueiro coral em sua passagem pelo Tubarão da Barra. Corria o ano de 1993 e Clemer permaneceu como titular absoluto em 23 partidas no total. A entrevista foi concedida no vestiário do Castelão no dia de sua estreia, logo após uma vitória em cima do Fortaleza em partida do campeonato cearense. Ainda no vídeo, é possível rever também o volante Ronaldo Salviano, um dos principais nomes do time coral na temporada. Vale lembrar que Clemer veio para o Ferroviário oriundo do Maranhão Atlético Clube e, na época de sua contratação, houve um membro da imprensa cearense que ironizou a chegada do atleta anunciando-o da seguinte forma: “Ferrim contrata goleiro com nome de bolacha“. O nome de Clemer foi escolhido por seu pai numa homenagem a outro goleiro, o lendário Ray Clemence, que fez história no Liverpool e na seleção inglesa. Logo após o campeonato, Clemer foi parar no Remo/PA e depois no Goiás/GO, duas escalas importantes em sua trajetória de sucesso. Para vergonha eterna do cronista que o ironizou.

O GOLEIRO QUE ENTROU PRA HISTÓRIA PELA PORTA ERRADA

Nem só de coisas boas vive esse blog. Alguns vexames serão sempre lembrados e não poderia ser diferente no Almanaque do Ferrão. A derrota fragorosa por 9×1 para o Ceará é uma das páginas tristes da história coral. Aconteceu em 14/2/1993, um fim de semana antes do carnaval, no jogo de número 2461 do Tubarão. Como há males que vêm para o bem, a vergonha alheia foi tanta que muita gente pediu o boné e o clube iniciou um processo de soerguimento que culminou com o bicampeonato 94/95. Hoje é dia de recordar a matéria do Globo Esporte na véspera do fatídico jogo. Os experientes Modali e Paulo César falavam em ´bom resultado` e ´grande apresentação`, como não poderia deixar de ser. Mas papo não ganha jogo.

É comum ouvir até hoje nas arquibancadas que o goleiro coral nessa partida era o Clemer. Ledo engano. O famoso arqueiro maranhense chegou para o Ferroviário somente depois do carnaval, justamente para ocupar a vaga deixada pelo glorioso Marquinhos, o estreante daquele domingo, que foi demitido depois dos 9×1 em sua única partida pelo time coral. No vídeo acima, Marquinhos pode ser visto em ação no treino apronto. Dizem as más línguas que até já havia se aposentado, virou treinador de goleiros, mas aceitou o convite do Ferrão para voltar aos campos naquela temporada. Pra entrar pra história. Pela porta errada.