FERROVIÁRIO ATLÉTICO CLUBE SE DESPEDE DE MAIS UM EX-PRESIDENTE

Edilson Sampaio na comemoração do título de 1988 ao lado da família na Barra do Ceará

Faleceu no último sábado, dia 14 de outubro, o ex-presidente do Ferroviário Atlético Clube, Edilson Sampaio, conhecido no meio futebolístico e familiar como Chumbinho. Ele presidiu o Tubarão da Barra entre janeiro de 1992 e fevereiro de 1993. Muito antes de ser presidente do clube, Chumbinho colaborou com várias diretorias na condição de conselheiro coral na década de 1980. Ao se tornar presidente do Ferrão, Edilson Sampaio repetiu o feito de seu pai, Porfírio Sampaio, que durante muitos anos presidiu o Ferroviário, sendo inclusive campeão cearense nas temporadas de 1945, 1950 e 1952. Edilson Sampaio travava uma luta contra o câncer e com a notícia de seu falecimento, o Ferroviário anunciou luto oficial. No dia de seu falecimento, o presidente da Federação Cearense de Futebol, Mauro Carmélio, decretou um minuto de silêncio em homenagem a Chumbinho antes do jogo Fortaleza x CSA pelo campeonato brasileiro de futebol. No baú do blog, Chumbinho aparece na foto acima em entrevista ao repórter Edvaldo Pereira, da TV Verdes Mares, durante a comemoração do título estadual do Ferroviário de 1988 ocorrida no Clube de Regatas da Barra do Ceará.

CBF JÁ RECEBIA CRÍTICAS POR CALENDÁRIO NA TEMPORADA DE 1992

Se você acha que a situação do futebol brasileiro é um problema social recente com o desemprego em massa de centenas de equipes e milhares de jogadores, assista o vídeo acima. O problema não é tão recente assim. Conforme a matéria da TV Verdes Mares, em 1992, vários médios e pequenos clubes do país realizaram contratações para a então Série B do campeonato brasileiro, mas a data de início da competição foi diversas vezes adiada pela CBF. Foram dois meses de espera, um prejuízo para as equipes que tiveram que arcar salários e demais custos inerentes a um elenco de jogadores. Comparado aos 8 ou 9 meses que hoje muitos clubes vivenciam de inatividade por temporada, aqueles 2 meses parecem nada. Confira a situação da época na matéria com o treinador Djalma Linhares e os atletas Júnior Piripiri, Toninho Barrote e Jorge Veras, já veterano, que reclamava da falta de condições no clube por não ter chuteiras para treinar. Coisas de um passado não tão distante se comparado à falência atual da maioria dos times no Brasil.