MEIO CAMPISTA QUE JOGOU EM 1991 É ATUALMENTE BANCÁRIO NO ACRE

tinda

Meio campista Tinda atuou no Ferrão em 1991

Ele nasceu em Rio Branco, no Acre, e começou a vida futebolística na década de 80, atuando pelo dente de leite do Atlético Acreano, seu clube de coração. O primeiro título na carreira foi justamente vestindo a camisa azul celeste da equipe principal do Atlético Acreano, na temporada de 1987, quando foi campeão estadual. Na partida decisiva, apesar da pouco idade, chamou a responsabilidade para si e cobrou um penalidade máxima, marcando o gol de empate com o Juventus em 1×1, que garantiu o título máximo da competição. Estamos falando de Tinda, jogador de meio campo com boa visão de jogo, excelente arremate e vigor físico de impressionar os adversários, que foi campeão acreano pelos quatro grandes clubes da capital: Atlético Acreano (1987), Rio Branco FC (1992), AC Juventus (1996) e Independência (1998). Esse atleta bastante famoso em seu estado natal, que atualmente é funcionário do Banco do Brasil, jogou no Ferroviário no segundo semestre de 1991, porém sem muito destaque.

ferrc3a3o91_122

Tinda, agachado, ao lado de Arnaldo e Paulinho

A indicação do jogador para o Tubarão da Barra partiu do centroavante Frank, que o conhecia depois de passagem pelo Rio Branco/AC. Tinda resolveu fazer as malas e aceitar o convite coral. A estreia do atleta acreano ocorreu no clássico contra o Fortaleza, dia 13 de outubro de 1991, no estádio Castelão, diante de 3.012 pagantes. Mesmo com a derrota para Leão, Tinda é sempre lembrado porque assinalou o gol solitário do time comandado pelo técnico Newton Albuquerque. Ao todo, vestiu a camisa do Ferrão em apenas 7 oportunidades. Segundo ele, não ficou no Ferrão para a temporada seguinte por força de um contrato de trabalho com o Rio Branco/AC, equipe pela qual disputaria o Campeonato Brasileiro da Série B. Com o fim da carreira, Tinda então resolveu se dedicar aos estudos. No ano de 2002, ele foi aprovado no concurso do Banco do Brasil, onde hoje desempenha a função de caixa na instituição bancária.

VIAGEM NO TEMPO REVISITANDO DOIS UNIFORMES DO FERROVIÁRIO

Repare na foto abaixo tirada no dia 07 de setembro de 1977. Sob a gestão do presidente Chateaubriand Arrais, o Ferroviário inovava em seu padrão de uniforme e jogava com camisas com três listras verticais, sendo duas pretas e uma vermelha. Foi num empate que marcou a estreia do ex-craque coral Amilton Melo com a camisa do Ceará e era a primeira vez que o Castelão recebia uma partida de portões abertos. Talvez seja esteticamente uma das mais belas fotografias do clube com os jogadores perfilados. Analise depois outra foto com a reprodução do mesmo padrão de camisas.

Ferrão 1977_Castelão

Ferrão entrou em campo naquela tarde de 1977 para um jogo contra o Ceará com Vander, Bassi, Júlio, Joel Maneca, Arimatéia e Grilo; Vanderley, Kalu, Oliveira Piauí, Danilo e Paulo César Feio

Quatorze anos depois, em 20 de outubro de 1991, o presidente Múcio Roberto repetiu o modelo da camisa coral invertendo apenas as cores das listras, sendo duas vermelhas e uma preta. Mais uma vez o Ceará foi o adversário coral e o jogo também foi empate, graças ao goleiro Banana que defendeu um pênalti de Cláudio Adão. Esse padrão de camisa foi utilizado pouquíssimas vezes durante o campeonato cearense daquele ano.

Ferrão91_122

De novo contra o Ceará no Castelão, o Ferrão posou em 1991 com Aldo, Elmo Casquinha, Toninho Barrote, Valdemir, Adriano e Banana; Paulo Adriano, Arnaldo, Tinda, Paulinho e Cantareli

A MAIOR FAÇANHA CORAL EM NÍVEL NACIONAL NAS CATEGORIAS DE BASE

macae1991

Elenco Sub-17 do Ferroviário que brilhou em competição no interior do Rio de Janeiro em 1991

O Ferroviário sempre se orgulhou do seu trabalho de base e dos jogadores revelados que chegaram a vestir a camisa de clubes importantes no cenário nacional e até internacional. Talvez um dos maiores orgulhos corais nessa área seja o 5º lugar na Copa Macaé Sub-17,  disputada em janeiro de 1991, quando a equipe coral ficou atrás apenas do campeão Flamengo/RJ, Vasco/RJ, Cruzeiro/MG e Botafogo/RJ. Sob o comando do competente Edmundo Silveira, ex-goleiro do próprio Ferroviário no final dos anos 70, jovens corais como Cantareli, Rutênio, Manso, Birigui, Índio e Claudemésio brilharam na competição. A grande maioria dos atletas daquele grupo Sub-17 foi aproveitada no time profissional e dois deles chegaram a Seleção Brasileira: o zagueiro Adriano e o atacante Jardel.

edmundo

Técnico Edmundo Silveira em foto recente

Pouca gente recorda a sequência de jogos do Ferrão rumo ao 5º lugar geral em meio a dezenas de equipes. Na primeira fase, o time coral caiu numa chave com o Macaé/RJ, Confiança/SE e Campo Grande/RJ, classificando na segunda colocação para um mata-mata contra o Madureira/RJ, em jogo vencido pelo Ferrão por 2×0 que credenciou o tubarãozinho para a fase que apontaria os 4 semifinalistas da competição a partir de dois quadrangulares super disputados. No quadrangular do lado do Ferrão, adversários como Vasco/RJ, Corinthians/SP e Noroeste/SP, sendo uma derrota para o time carioca por 0x1, um empate com o Noroeste em 1×1 e uma vitória consagradora em cima do Corinthians por 1×0, mas que não foi suficiente para levar o time coral à semifinal da competição.

Jardel_1991

Jardel em entrevista para TV em 1991

Do elenco de 17 jogadores que disputou aquela copa em Macaé, apenas Ronaldo, Luciano, Régis e Paulo Henrique não vestiram a camisa do time principal nas temporadas seguintes. Os outros 13 atletas tiveram a chance de disputar jogos oficiais ou amistosos pelo Ferroviário. Todos até hoje lembrados no clube como responsáveis pela maior façanha coral em nível nacional nas bases.