DOIS ATLETAS NA HISTÓRIA UNIDOS UMBILICALMENTE PELO NOME

Ferroviário com o velho Adilton em 21/07/1985 – Em pé: Laércio, Walter, Nélson, Arimatéia,  Léo e Clésio; Agachados: Cardosinho, Adílton, Luizinho das Arábias, Alex e Carlos Antônio.

Em 1985, o Ferroviário teve um camisa 10 que todo o futebol brasileiro conhecia. Ele se chamava Adílton e havia passado por grandes times no país como Ponte Preta/SP, São Paulo/SP, Portuguesa/SP e Fluminense/RJ. Chegou ao Tubarão da Barra depois de passagens vitoriosas por Fortaleza e Ceará. Fez apenas 20 jogos com a camisa coral e marcou 5 gols naquela temporada. Chegou a jogar com brilhantismo ainda no Tiradentes/CE e deu muito trabalho para o Ferrão no campeonato cearense de 1988. No ano 2000, chegou a ser treinador do próprio Ferroviário. A passagem de Adílton pelo futebol alencarino deixou lembranças em muitas pessoas. No interior do Ceará, um jovem chamado Jair sonhava ser jogador de futebol e tinha Adílton como referência. Seguiu a carreira, atuou também no meio de campo, porém sem muito sucesso defendendo a camisa do modesto Uruburetama/CE em meados dos anos 90, época que teve seu primeiro filho e o batizou de Adilton em homenagem ao ídolo. Quis o destino que o filho Adilton seguisse a carreira também de jogador e escolheu o Ferroviário para começar na carreira. Dois xarás ligados na história de um mesmo time.

Novo Adilton

O carioca Adílton de Souza Rodrigues nasceu em 1952 e faleceu em 2008. Já Francisco Adilton Lemos Mendes nasceu em 1996. Prestes a completar 21 anos de idade, já acumula três passagens distintas pelo Ferroviário. Foi das categorias de base até 2014, quando chegou a atuar algumas vezes pelo time profissional. Saiu para o São José/RS e disputou a Copa São Paulo de Futebol Júnior sem destaque. Foi dispensado e retornou a Fortaleza. Passou novamente pelo Ferroviário no segundo semestre de 2015, mas não aceitou o minguado salário na época oferecido. Foi jogar a segunda divisão cearense de 2016 com a camisa do Itapajé/CE e foi contratado de novo pelo Ferrão para o Estadual desse ano. Entrou poucas vezes em campo e não obteve destaque. Carrega o nome de um craque, mas não mostrou no futebol profissional as qualidades que sobressaltavam nas bases corais. No cômputo geral, entrou 16 vezes em campo pelo time principal do Tubarão da Barra. Nunca marcou gols. Por enquanto, o velho Adílton continua na frente em todos os quesitos. Que o futuro traga suas próximas páginas o andamento dessa história de dois jogadores ligados umbilicalmente pelo nome. O dois únicos Adiltons da história do Ferrão até hoje.

POR ONDE ANDA O XERIFÃO ARIMATÉIA CAMPEÃO EM 1988 ?

Ex-zagueiro Arimatéia esteve ontem em Fortaleza com a delegação do Guarani de Juazeiro

Foram 214 partidas com a camisa do Ferroviário. O zagueiro Arimatéia marcou época no time coral entre 1985 e 1989. Oriundo do Icasa/CE, favor não confundir com o seu homônimo, cria da base coral e já falecido, que atuou na década de 70. Estamos falando de José de Arimatéia da Silva, zagueiro titular que participou de 35 jogos no memorável título estadual de 1988. Você sabe por onde ele anda? Arimatéia mora em Juazeiro do Norte e vem atuando na função de preparador físico desde que pendurou as chuteiras. Trabalhou por um bom tempo no Icasa e depois de um 2016 parado para tratamento de saúde, ingressou no Guarani de Juazeiro, que faz boa campanha no Estadual desse ano. Há alguns anos, quando do falecimento de seu homônimo dos anos 70, Arimatéia disse que muita gente ficou assustada: “pensaram que tivesse sido eu e todo mundo me ligou preocupado, mas graças da Deus não era a minha vez“, disse em tom de brincadeira.

Uma das formações do Ferroviário no ano de 1988 – Em pé: Silmar, Serginho, Marcelo Veiga, Djalma, Alves e Arimatéia; Agachados: Arnaldo, Mazinho Loyola, Guina, Denô e Carlos Antônio

O Ferroviário está nas mais bonitas lembranças do ´xerifão` Arimatéia e de sua família. Foi certamente o time que ele mais se identificou durante sua trajetória no futebol, que envolveu ainda passagens pelo Fortaleza  e ABC de Natal. Em contato com o Almanaque do Ferrão, o ex-zagueiro coral recordou as boas campanhas principalmente das temporadas de 1985 e 1988, quando atuou ao lado de nomes como Arnaldo, Luizinho das Arábias, Vander, Denô, Vassil, Carlos Antônio, Marcelo Veiga e Cardosinho. Em mais de 200 partidas pelo Ferrão, engana-se quem pensa que Djalma e Juarez, companheiros inseparáveis no título de 88, estão na formação de zaga ideal para Arimatéia. “Foram dois excepcionais jogadores, mas o meu parceiro na zaga que me identifiquei bastante e joguei por mais tempo junto foi o paraense Léo, que veio do Remo/PA. A gente se entendia muito bem e formamos a dupla titular entre 85 e 87“, lembrou ele.

Além de ex-companheiros, Arimatéia puxou pela lembrança nomes de diretores e colaboradores do Ferroviário em seu período. Ficou surpreso quando soube do falecimento do ex-presidente Carlos Alberto Mota e falou com especial atenção sobre Caetano Bayma e Vicente Monteiro. O ex-defensor coral traz vivo na memória a lembrança de um gol muito importante que marcou em março de 89, no jogo decisivo do Torneio Ciro Gomes, contra o Ceará, exatamente no último minuto do jogo, forçando uma decisão por pênaltis que garantiu o título daquela competição para o Tubarão da Barra. De presente pra ele, o nosso blog reprisa acima aquele belo gol em mais um momento festivo para o Ferroviário vivido pelo zagueirão que marcou época no time coral.

VOCÊ SABE POR ONDE ANDA O CRAQUE PARANAENSE DENÔ?

Ex-craque Denô, com seus cabelos brancos, ensina uma nova geração de jogadores numa escolinha

Ele entrou em campo 63 vezes com a camisa do Ferroviário e era um craque na verdadeira acepção da palavra. Marcou 23 gols no total e está na lista dos campeões estaduais de 1988, assinalando inclusive 4 gols no campeonato cearense, durante os seis meses que permaneceu na Barra do Ceará naquela temporada. Estamos falando de Lindenor Barbosa de Araújo, o Denô, ex-jogador paranaense, nascido em Curitiba, que despontou no futebol pernambucano e vestiu camisas importantes do futebol brasileiro. Ele mora em Recife desde que pendurou as chuteiras. Aos 56 anos de idade, Denô tem uma escolinha de futebol na capital pernambucana, enveredou pela carreira de empresário de atletas e ainda bate uma bolinha entre seus veteranos amigos do futebol.

Craque Denô com a meninada coral

Denô surgiu no Sport/PE no final da década de 70. Em 1982, a categoria do jogador chamou a atenção do Internacional/RS e ele foi negociado numa transação que foi comentada em todos os noticiários esportivos do país. Sem reeditar o mesmo brilho em Porto Alegre, acabou retornando para Pernambuco em 1984, onde defendeu o Náutico/PE. Em outubro de 1985, Denô foi contratado em definitivo pelo Ferroviário, numa negociação que abalou as estruturas do futebol cearense em razão da enorme qualidade técnica do jogador. A dupla Caetano Bayma e Vicente Monteiro adquiriu o passe do atleta pela quantia de 200 mil cruzeiros e Denô fez sua estreia pelo Ferrão na noite de 31 de outubro, contra o Fortaleza, no PV. Três dias depois, num domingo à tarde, já deixava sua marca, assinalando seu primeiro gol com a camisa coral contra o Calouros do Ar. Denô encaixou como uma luva no grande time comandado pelo experiente treinador Caiçara. Ele permaneceu para a temporada de 1986, foi emprestado para o Fortaleza no segundo semestre daquele ano para as disputas do campeonato brasileiro, esteve no ASA/AL no ano seguinte e retornou para o Ferrão no início de 1988, de onde saiu no final de junho para defender o Bragança de Portugal. Foram vários anos atuando no futebol português por sete equipes diferentes, com uma passagem ainda pelo futebol chinês em meados dos anos 90, antes de encerrar definitivamente a carreira na temporada europeia de 1999/2000.

Denô em foto recente no Recife

Recentemente, o ex-jogador do Ferroviário Atlético Clube esteve na Arena Pernambuco para uma partida com amigos de Recife e ex-atletas. Apesar de ter parado profissionalmente, o futebol continua no sangue de Denô. O ex-craque coral tem um filho que joga futebol na Europa e segue os passos do pai. Para matar a saudade da passagem de Denô pelo futebol cearense, o Almanaque do Ferrão vasculhou os arquivos e encontrou um áudio raro da temporada de 1985 em que o ex-jogador é entrevistado pelo repórter Bosco Farias, da Rádio Verdes Mares de Fortaleza, em dezembro daquele ano, antes de uma partida do campeonato cearense. Na ocasião, a torcida coral gritava o nome do jogador, fato este destacado na própria entrevista que você pode ouvir abaixo. A titulo de curiosidade, o áudio abaixo chegou a ser veiculado, há alguns anos, no programa Rádio Ferrão, onde o locutor Saulo Tavares desafiava os torcedores corais a responderem, por telefone, o quadro ´De quem é essa voz?`. Aproveite o áudio raro e volte mais de 30 anos no tempo para recordar a voz e conferir um depoimento de Denô antes de entrar em campo com a gloriosa camisa coral.

AQUELA VINHETA MUSICADA QUE ANUNCIAVA A ESCALAÇÃO CORAL

Em tempos onde o futebol profissional do Ferroviário anda infelizmente desativado, esperando a próxima temporada, é sempre doloroso para o torcedor coral ficar privado de ver seu time em campo em mais um domingo. Já são quase quatro meses longe dos gramados. O jeito é recorrer ao arquivo do Almanaque do Ferrão e refrescar a memória de dias que o tempo não apaga. Escute o áudio acima. Trata-se de Gomes Farias, um dos maiores nomes da história da radiofonia cearense, anunciando a escalação do Ferrão antes de uma partida pelo campeonato cearense de 1985. A Rádio Verdes Mares tinha uma vinheta especialmente preparada para a situação. Quem tem mais de 40 anos certamente vai lembrar da musiquinha. O time entraria em campo com Serginho, Laércio, Arimatéia, Léo e Vassil; Nelson, Arnaldo e Denô; Cardosinho, Luizinho das Arábias e Foguinho. Foi uma das melhores formações da história coral. Ouça e volte no tempo.

GOL DE LUIZINHO DAS ARÁBIAS NO CAMPEONATO CEARENSE DE 1985

O Almanaque do Ferrão conseguiu resgatar o vídeo com um lance raro de Luizinho das Arábias pelo campeonato cearense de 1985, ano em que o eterno ídolo coral foi o artilheiro da competição com 24 gols, travando uma disputa emocionante com o centroavante Bill, do Atlético Goianiense, pelo título máximo de goleador dos Estaduais pelo país. O jogo da imagem acima aconteceu em agosto daquele ano, contra o Calouros do Ar, no Estádio Presidente Vargas, que tinha uma péssima iluminação artificial, local onde o goleador coral deixou sua marca na vitória de 3×1, com Foguinho e Arnaldo marcando os outros gols. Luizinho das Arábias, mesmo jogando com a cabeça enfaixada em razão de um corte durante a partida, testou a bola de cabeça e marcou um belo tento, saindo para comemorar da forma clássica que o marcou no futebol. Vale a pena recordar!

DESCOBRIMOS POR ONDE ANDA O EX-PONTA DIREITA CARDOSINHO

Ex-atacante Cardosinho, que atuou no Ferrão entre 84 e 87, mora há quase trinta anos na Europa

Seu nome de batismo é Francisco Nascimento Macedo, mas foi com o nome de Cardosinho que ele fez a alegria das torcidas do Moto Clube/MA e do Ferrão. Maranhense nascido em 17/12/1960, atuava como ponta, uma das posições infelizmente extintas no futebol moderno. Jogava tanto pelo lado direito, como pelo esquerdo. Foram 112 jogos com a camisa coral no total, entre 1984 e 1987, com 26 gols marcados. Estreou no Tubarão da Barra num amistoso contra a Seleção de Mucuri, disputado no estadinho do Terra e Mar, em 15/4/1984. No dia 7/8/1987, despediu-se do Ferrão na derrota por 3×2 para o Fortaleza, no Castelão, uma sexta à noite que marcou a desclassificação coral no campeonato estadual daquela temporada. No ano seguinte, Cardosinho atravessou o Atlântico e foi jogar em Portugal. Nunca mais voltou. Parou como profissional faz tempo, mas até 2012 disputava regularmente o campeonato português amador para homens acima de 50 anos de idade. E já se vão quase três décadas na Europa.

Cardosinho em 1987

A partir de 2013, Cardosinho passou a viver uma nova experiência em sua vida profissional. Deixou Portugal, onde fixou residência, e foi trabalhar numa das regiões mais bonitas do velho continente, exatamente na região dos alpes franceses, onde sinal de Internet é coisa rara e complica bastante o contato com os familiares. Como hábito, não deixa a bola de lado, e quatro vezes por semana joga futebol com os colegas de trabalho na França. O ex-atacante coral tem um filho que há alguns anos busca a carreira do pai. Seu nome é Diego Macedo, ex-jogador do Braga de Portugal e que recentemente disputou a divisão de honra do futebol Francês pelo St-Leu D’esserent. Atualmente, faz estágio para se profissionalizar no Chambly F.C, também da França. Boa sorte pro filho! O pai, Cardosinho, já teve lances postados da temporada de 1987 aqui no blog, mas vale a pena repetir abaixo como homenagem o gol de falta que ele marcou no campeonato cearense de 1985, numa vitória de 1×0 em cima do Fortaleza. Já disponibilizamos também o áudio com um gol olímpico que ele marcou contra o mesmo adversário, em outra partida daquela competição, além de entrevistas de vestiário com a participação de Cardosinho diretamente do túnel do tempo. Vale a pena recordar cada uma dessas matérias antigas e compreender ainda mais o objetivo do Almanaque do Ferrão, que é o de não deixar, acima de tudo, que nomes como o de Cardosinho caiam no esquecimento da memória coral.

ÁUDIO RARO DE 30 ANOS ATRÁS COM FORTE EMOÇÃO DOS TORCEDORES

Luizinho das Arábias

Nomes de um time inesquecível em 1985: Alex, Luizinho das Arábias, Cardosinho e Doca

O Almanaque do Ferrão resgata um áudio raríssimo de 30 anos atrás, mais precisamente de dezembro de 1985, quando o Ferroviário sagrou-se vencedor do 2º turno do campeonato cearense após dois jogos decisivos com o Fortaleza. Escute e recorde a grande emoção vivida pela torcida coral no PV, com a participação de nomes da crônica esportiva como Júlio Sales, Chico Rocha, Gomes Farias e Ivan Bezerra, além das vozes emocionadas do ídolo Luizinho das Arábias, do goleiro Serginho, do lateral esquerdo pernambucano Válter, do presidente Caetano Bayma e do lendário Zé Limeira, torcedor símbolo do Ferrão, que tinha um time inesquecível naquele ano. São 6 minutos gloriosos da história coral resgatados diretamente do nosso túnel do tempo. Segure a emoção!