EMPATE NA ESTREIA DO TÉCNICO CAIÇARA NO ESTADUAL DE 1985

O vídeo acima resgata os gols de um grande clássico do Campeonato Cearense de 1985. Ferroviário e Ceará se enfrentaram num sábado, dia 22 de junho. O jogo marcou a estreia do experiente treinador Caiçara no comando técnico coral. O presidente Caetano Bayma investiu pesado e montou uma das melhores equipes do Ferrão na história. Naquela fase inicial da competição, as apostas recaíam em cima do talento do craque Adílton, que marcou o gol do Tubarão da Barra, de cabeça, após cruzamento de Carlos Antônio. O zagueiro Argeu marcou primeiro para o alvinegro. Os goleiros Wálter e Osvaldo foram considerados os melhores em campo com grandes defesas. O Ferrão formou com Wálter, Laércio, Arimatéia, Zé Luís e Joãozinho; Nélson (Marquinhos), Alex e Adílton; Cardosinho, Luizinho das Arábias e Carlos Antônio (Foguinho). Treinado por Zé Mário, o Ceará jogou com Osvaldo, Antunes, Djalma, Argeu e Bezerra; Alves, Lira e Assis Paraíba (Josué); Katinha, Neném (Flávio) e Amauri. Dessa equipe, Osvaldo, Djalma, Argeu, Alves e Lira jogariam no Ferrão em temporadas posteriores. Por sua vez, o volante Flávio Araújo foi técnico do Ferroviário em 2002. Nessa partida em junho de 1985, apenas 3.543 pessoas pagaram ingresso para assistir ao clássico, que foi arbitrado por Joaquim Gregório. No decorrer da competição, o Tubarão da Barra se reforçou ainda mais com contratações como o zagueiro Léo, o lateral Vassil, os meias Arnaldo, Denô e Wander, além do centroavante Nildo, que depois se destacou no cenário nacional jogando pelo Grêmio/RS. O treinador Caiçara comandou o Ferrão em 26 partidas e terminou a competição dirigindo o Ceará.

Treinador Francisco Barbosa Gomes, conhecido como Caiçara, foi treinador do Ferroviário em 1985

ÓTIMO DOCUMENTÁRIO SOBRE O ÍDOLO LUIZINHO DAS ARÁBIAS

Luizinho das Arábias conseguiu o feito de ser ídolo em duas equipes rivais no futebol cearense. Primeiro, jogando pelo Fortaleza, em 1983, quando foi peça-chave para o título estadual conquistado em cima do próprio Ferroviário. Dois anos depois, foi o camisa 9 de um dos maiores times formados pelo Tubarão da Barra na história e marcou gols em cima do ex-clube. Foi o artilheiro máximo do Campeonato Cearense com 24 gols. Na temporada de 1986, foi vice-artilheiro do certame com 18 gols, mesmo saindo e voltando de um empréstimo para o XV de Jaú no meio da competição. Após o Estadual, voltou a defender pela última vez a camisa do Fortaleza no Campeonato Brasileiro de 1986. Se despediu do Ferrão em definitivo com uma nova passagem em 1988, quando disputou somente o 1º turno e eternizou seu nome na galeria dos jogadores campeões pelo Ferrão. O documentário acima é uma jóia rara, pois apresenta imagens praticamente inéditas do ex-jogador, inclusive registros dramáticos da cobertura jornalística de sua morte em Belém, em maio de 1989. O canal Tricolistas está de parabéns pela produção do material e, rivalidades à parte, faz por merecer a postagem aqui no blog, afinal, Luizinho das Arábias não foi ídolo somente do Fortaleza ou do Ferroviário, e sim, do futebol cearense como um todo.

FERROVIÁRIO SE DESPEDIU DO EX-PRESIDENTE CAETANO BAYMA

O Ferroviário Atlético Clube se despediu do ex-presidente Caetano de Paula Bayma na semana passada. Vítima de infarto, o mandatário coral entre as temporadas de 1984 e 1987 partiu para o plano superior. No exato momento em que o Ferroviário vencia o Icasa por 2×0, na Barra do Ceará, seu corpo era sepultado no Cemitério São João Batista em Fortaleza. Abaixo, o blog recorda uma matéria de jornal do ano de 1999 falando sobre o afastamento de Caetano Bayma do futebol, mais de dez anos depois de ter deixado a presidência coral. Como se pode perceber no texto, os problemas no coração que o vitimaram já se faziam presentes na ocasião. Caetano Bayma foi um ótimo dirigente na história coral. Apaixonado pelo Ferrão, montou um time excelente na temporada de 1985, um dos melhores da nossa história, mas acabou não sendo campeão cearense graças às arbitragens calamitosas que desviaram o desfecho do Estadual daquele ano. Em postagem de 2015, o blog chegou a recordar um áudio raro onde é possível escutar uma entrevista de Caetano Bayma falando sobre a intenção de compra do passe do goleiro Serginho, que acabou se concretizando na ocasião. Descanse em paz, Caetano Bayma. A torcida coral é grata por tudo.

Matéria de jornal no ano de 1999 sobre a aposentadoria de Caetano Bayma no futebol cearense

O DOMINGO QUE LUIZINHO E FOGUINHO ACABARAM COM O ICASA

O vídeo raro acima e a foto abaixo registram um momento glorioso do Ferroviário no Campeonato Cearense de 1985. Devidamente resgatados pelo Almanaque do Ferrão, ambos eternizam um grande momento coral naquele ano. Foi num 25 de agosto como hoje, um domingo à tarde, quando o time coral enfrentou o Icasa, no PV, em jogo válido pelo 2º turno do Estadual. Sob o comando do treinador Caiçara, o Tubarão da Barra massacrou o adversário com três gols do atacante Foguinho e dois gols do artilheiro Luizinho das Arábias. A onzena coral formou com Wálter, Laércio, Arimatéia, Léo (Joãozinho) e Edson; Doca, Alex e Arnaldo; Carlos Antônio (Cardosinho), Luizinho das Arábias e Foguinho. Treinado por Catolé, a equipe de Juazeiro do Norte perdeu com Jurandir, Brás, Gena, Zé Carlos e Evandro; Garrinchinha, Bodó e Nicássio; Haroldo (Amilton), Geraldino Saravá e Reginaldo Barbalha. O jogo teve Hílton Alcântara na arbitragem e contou com um público de 1.962 pagantes. A maior curiosidade do jogo aconteceu logo quando o Ferrão entrou em campo. O volante alagoano Alex e o ídolo Luizinho das Arábias rasparam totalmente o cabelo e atuaram com um novo visual, fato este destacado nos noticiários esportivos da época. Posteriormente, Alex foi jogar em Portugal e fixou residência por lá. Aos 63 anos de idade hoje em dia, ele é pai de dois filhos que também jogam futebol no país lusitano já que ambos têm dupla nacionalidade. Luizinho das Arábias faleceu em maio de 1989. Outro destaque da partida, o ponta Foguinho parece ter se desligado completamente do futebol. É provável que tenha se mudado para Luz, sua cidade natal em Minas Gerais. O blog agradece qualquer contribuição sobre o paradeiro do ex-craque coral.

Alex, Luizinho das Arábias, Cardosinho e Doca comemoram mais um gol do Ferrão contra o Icasa

REGISTRO DE UMA FORMAÇÃO DO FERRÃO NO ESTADUAL DE 1985

Ferroviário Atlético Clube no Estádio Romeirão em 1985 – Em pé: Laércio, Arimatéia, Walter, Nélson, Joãozinho e Léo; Agachados: Arnaldo, Nildo, Alex, Luizinho das Arábias e Adílton

O registro fotográfico acima foi feito no Estádio Romeirão, em Juazeiro do Norte, antes de um jogo válido pelo Campeonato Cearense de 1985, contra o Guarani. O Tubarão da Barra apresentava algumas caras recentemente contratadas para a competição, como o zagueiro Léo e o atacante Nildo, ambos oriundos do Remo/PA. Na defesa daquele jogo, o zagueiro manauara Joãozinho acabou jogando improvisado na lateral esquerda, já que o titular Clésio estava contundido. Ele tinha boa reputação em suas passagens pelo Fast/AM e pelo Nacional/AM em temporadas anteriores. O meio campista Alex, ex-Náutico/PE, era o pulmão da equipe. Infelizmente, terminou se contundido seriamente no joelho e precisou ser operado. O craque Adílton, já em final de carreira, era o toque de classe daquela onzena, que tinha na frente o artilheiro do campeonato, o implacável e ídolo histórico Luizinho das Arábias. No meio campo, o Ferrão contava ainda com o talento de Arnaldo, que fazia apenas a sua segunda apresentação oficial com a camisa coral. No banco desse time, os pontas Cardosinho e Foguinho. Ambos acabaram entrando no segundo tempo. O jovem Nildo, centroavante de origem, anos depois jogou muito bem com a camisa do Grêmio/RN e, na temporada de 1994, atuou pelo Ceará, ano em que o Ferroviário foi campeão cearense. Após o Estadual de 1985, o serelepe Arnaldo deixou o clube, mas voltou para ser campeão em 1988. O time do Ferroviário de 1985 era excelente e competitivo. Esse time terminou não sendo campeão, graças a erros decisivos da arbitragem cearense em jogos cruciais da competição contra Ceará e Fortaleza. Alguma novidade?

LUIZINHO DAS ARÁBIAS E UM GOL DA VITÓRIA CONTRA O FORTALEZA

A temporada de 1985 foi de ouro para o centroavante Luizinho das Arábias. Ele foi o artilheiro do campeonato cearense com 24 gols e um dos maiores goleadores dos Estaduais pelo Brasil, empatado com o atacante Bill, do Atlético/GO, que marcou o mesmo número de tentos. Em julho daquele ano, o nosso ídolo enfrentou seu ex-clube, o Fortaleza, e decidiu a parada em favor do Tubarão da Barra por 1×0. Acima, você confere esse gol em vídeo resgatado pelo pesquisador Zidney Marinho. Foi o primeiro gol de Luizinho em cima do tradicional adversário, fato este que se repetiu outras quatro vezes naquele certame. Treinado por Caiçara, o Ferrão bateu o Leão com o futebol de Wálter, Laércio, Arimatéia, Léo e Clésio; Nélson, Alex e Adilton; Cardosinho (Foguinho), Luizinho das Arábias e Carlos Antônio. Já o Fortaleza, comandado pelo ex-lateral direito Louro, jogou com Salvino, João Carlos, Pedro Basílio, Perivaldo e Marcelo; Wilson, Jacinto e Buíque; Amilton Rocha (Ernílson), Celso e Ribamar (Batista). Naquele domingo de vitória coral, o jogo foi arbitrado por Leandro Serpa e marcou a estreia do zagueiro Léo, contratado pelo Ferrão junto ao Remo/PA. Sob a presidência do empresário Caetano Bayma, aquela formação coral foi um dos maiores elencos já montados em toda história do Ferroviário Atlético Clube, só não sendo campeã ao final da temporada em razão de uma sequência de erros de arbitragem.

O DIA QUE O FERROVIÁRIO BATEU O CEARÁ COM 2 GOLS DE ARNALDO

Arnaldo

O meio campista Arnaldo foi um jogador muito importante na história do Ferroviário. A maioria das pessoas lembra do ex-atleta, cria do Santo André/SP, pelo inesquecível título estadual de 1988 ou até mesmo pelo seu retorno na temporada de 1991, porém o que pouca gente recorda é que ele já havia vestido a camisa coral em 1985, quando o presidente Caetano Bayma montou um grande time. Abaixo, recuperamos o áudio da narração de uma vitória do Tubarão da Barra naquele ano, em cima do Ceará por 2×0, com dois gols do baixinho Arnaldo. A narração é de Gomes Farias e o setorista no gramado foi Bosco Farias pela Rádio Verdes Mares de Fortaleza. Naquele domingo, o Ferrão formou com Serginho, Laércio, Arimatéia, Léo e Vassil; Nélson, Denô e Arnaldo; Cardosinho (Doca), Luizinho das Arábias e Carlos Antônio (Foguinho). O técnico era o carioca Zé Mário. O alvinegro, do treinador Caiçara, formou com Sérgio Neri, Everaldo, Djalma, Argeu e Bezerra; Caçapava, Lira e Assis Paraíba (Amauri); Josué, Wolney e Lupercínio. Joaquim Gregório foi o árbitro da partida. Vale a pena escutar a raridade abaixo.

ANIVERSÁRIO DE 60 ANOS DO NASCIMENTO DE UM ARTILHEIRO

Imagem em alusão aos 60 anos de Luizinho das Arábias retirada da página do atleta no Facebook

Se vivo fosse, o artilheiro Luizinho das Arábias estaria completando hoje 60 anos de idade. Com 75 jogos disputados com a camisa coral e 54 gols marcados, ele foi verdadeiramente um ídolo para uma geração inteira de torcedores do Ferrão que acompanhou o Tubarão da Barra em meados dos anos 80. O grande goleador morreu jovem, em maio de 1989, quando atuava no futebol do Pará. No futebol cearense, marcou o gol da vitória do Ferrão contra o Tiradentes em jogo do campeonato cearense de 1985, exatamente no dia de seu aniversário. Luizinho já foi tema de diversas postagens aqui no blog e vale a pena clicar na hashtag com seu nome embaixo dessa postagem para recuperar todas as matérias antigas, inclusive com áudios e imagens de seus gols e entrevistas durante o período que esteve no Ferrão, como o vídeo abaixo, gravado no dia que retornou para mais uma temporada em 1988.

DOIS ATLETAS NA HISTÓRIA UNIDOS UMBILICALMENTE PELO NOME

Ferroviário com o velho Adilton em 21/07/1985 – Em pé: Laércio, Walter, Nélson, Arimatéia,  Léo e Clésio; Agachados: Cardosinho, Adílton, Luizinho das Arábias, Alex e Carlos Antônio.

Em 1985, o Ferroviário teve um camisa 10 que todo o futebol brasileiro conhecia. Ele se chamava Adílton e havia passado por grandes times no país como Ponte Preta/SP, São Paulo/SP, Portuguesa/SP e Fluminense/RJ. Chegou ao Tubarão da Barra depois de passagens vitoriosas por Fortaleza e Ceará. Fez apenas 20 jogos com a camisa coral e marcou 5 gols naquela temporada. Chegou a jogar com brilhantismo ainda no Tiradentes/CE e deu muito trabalho para o Ferrão no campeonato cearense de 1988. No ano 2000, chegou a ser treinador do próprio Ferroviário. A passagem de Adílton pelo futebol alencarino deixou lembranças em muitas pessoas. No interior do Ceará, um jovem chamado Jair sonhava ser jogador de futebol e tinha Adílton como referência. Seguiu a carreira, atuou também no meio de campo, porém sem muito sucesso defendendo a camisa do modesto Uruburetama/CE em meados dos anos 90, época que teve seu primeiro filho e o batizou de Adilton em homenagem ao ídolo. Quis o destino que o filho Adilton seguisse a carreira também de jogador e escolheu o Ferroviário para começar na carreira. Dois xarás ligados na história de um mesmo time.

Novo Adilton

O carioca Adílton de Souza Rodrigues nasceu em 1952 e faleceu em 2008. Já Francisco Adilton Lemos Mendes nasceu em 1996. Prestes a completar 21 anos de idade, já acumula três passagens distintas pelo Ferroviário. Foi das categorias de base até 2014, quando chegou a atuar algumas vezes pelo time profissional. Saiu para o São José/RS e disputou a Copa São Paulo de Futebol Júnior sem destaque. Foi dispensado e retornou a Fortaleza. Passou novamente pelo Ferroviário no segundo semestre de 2015, mas não aceitou o minguado salário na época oferecido. Foi jogar a segunda divisão cearense de 2016 com a camisa do Itapajé/CE e foi contratado de novo pelo Ferrão para o Estadual desse ano. Entrou poucas vezes em campo e não obteve destaque. Carrega o nome de um craque, mas não mostrou no futebol profissional as qualidades que sobressaltavam nas bases corais. No cômputo geral, entrou 16 vezes em campo pelo time principal do Tubarão da Barra. Nunca marcou gols. Por enquanto, o velho Adílton continua na frente em todos os quesitos. Que o futuro traga suas próximas páginas o andamento dessa história de dois jogadores ligados umbilicalmente pelo nome. O dois únicos Adiltons da história do Ferrão até hoje.

POR ONDE ANDA O XERIFÃO ARIMATÉIA CAMPEÃO EM 1988 ?

Ex-zagueiro Arimatéia esteve ontem em Fortaleza com a delegação do Guarani de Juazeiro

Foram 214 partidas com a camisa do Ferroviário. O zagueiro Arimatéia marcou época no time coral entre 1985 e 1989. Oriundo do Icasa/CE, favor não confundir com o seu homônimo, cria da base coral e já falecido, que atuou na década de 70. Estamos falando de José de Arimatéia da Silva, zagueiro titular que participou de 35 jogos no memorável título estadual de 1988. Você sabe por onde ele anda? Arimatéia mora em Juazeiro do Norte e vem atuando na função de preparador físico desde que pendurou as chuteiras. Trabalhou por um bom tempo no Icasa e depois de um 2016 parado para tratamento de saúde, ingressou no Guarani de Juazeiro, que faz boa campanha no Estadual desse ano. Há alguns anos, quando do falecimento de seu homônimo dos anos 70, Arimatéia disse que muita gente ficou assustada: “pensaram que tivesse sido eu e todo mundo me ligou preocupado, mas graças da Deus não era a minha vez“, disse em tom de brincadeira.

Uma das formações do Ferroviário no ano de 1988 – Em pé: Silmar, Serginho, Marcelo Veiga, Djalma, Alves e Arimatéia; Agachados: Arnaldo, Mazinho Loyola, Guina, Denô e Carlos Antônio

O Ferroviário está nas mais bonitas lembranças do ´xerifão` Arimatéia e de sua família. Foi certamente o time que ele mais se identificou durante sua trajetória no futebol, que envolveu ainda passagens pelo Fortaleza  e ABC de Natal. Em contato com o Almanaque do Ferrão, o ex-zagueiro coral recordou as boas campanhas principalmente das temporadas de 1985 e 1988, quando atuou ao lado de nomes como Arnaldo, Luizinho das Arábias, Vander, Denô, Vassil, Carlos Antônio, Marcelo Veiga e Cardosinho. Em mais de 200 partidas pelo Ferrão, engana-se quem pensa que Djalma e Juarez, companheiros inseparáveis no título de 88, estão na formação de zaga ideal para Arimatéia. “Foram dois excepcionais jogadores, mas o meu parceiro na zaga que me identifiquei bastante e joguei por mais tempo junto foi o paraense Léo, que veio do Remo/PA. A gente se entendia muito bem e formamos a dupla titular entre 85 e 87“, lembrou ele.

Além de ex-companheiros, Arimatéia puxou pela lembrança nomes de diretores e colaboradores do Ferroviário em seu período. Ficou surpreso quando soube do falecimento do ex-presidente Carlos Alberto Mota e falou com especial atenção sobre Caetano Bayma e Vicente Monteiro. O ex-defensor coral traz vivo na memória a lembrança de um gol muito importante que marcou em março de 89, no jogo decisivo do Torneio Ciro Gomes, contra o Ceará, exatamente no último minuto do jogo, forçando uma decisão por pênaltis que garantiu o título daquela competição para o Tubarão da Barra. De presente pra ele, o nosso blog reprisa acima aquele belo gol em mais um momento festivo para o Ferroviário vivido pelo zagueirão que marcou época no time coral.