MAIOR ARTILHEIRO EM ESTADUAIS ENTRA NA COLEÇÃO LEGENDÁRIOS

Arte promocional do quinto exemplar da série Legendários com o ex-centroavante Paulo César

O ex-atacante Paulo César, campeão cearense pelo Ferroviário em 1979, estampa o quinto exemplar da série ´Legendários` de copos colecionáveis do clube, que são disponibilizados nos estádios por ocasião dos jogos do Tubarão da Barra pela Série C desse ano em Fortaleza. O pernambucano é até hoje o jogador que mais gols marcou  pelo Ferrão numa mesma edição de campeonato estadual. Foram 29 tentos assinalados no certame de 1979, sendo dois deles no jogo decisivo contra o Fortaleza, cujo vídeo raríssimo foi publicado aqui no blog no início desse ano. Paulo César já foi tema de algumas matérias do Almanaque do Ferrão, seja pelo motivo da descoberta de outro vídeo raro com gols que marcou logo no primeiro ano de sua passagem pelo Ferrão, em 1978, ou pelo fato dramático de sua própria família não ter notícias do ex-atleta coral por cerca de trinta anos. Na ocasião, graças ao blog, seus familiares e Paulo César, que fixou residência no Equador desde os anos 1980, mantiveram um contato emocionante pela Internet depois de longos anos. Entre 1978 e 1981, foram 137 partidas e 88 gols com a camisa coral. Quando estava no Ferrão, Paulo César foi negociado com o Santa Cruz/PE por cifras astronômicas para o padrão do futebol cearense na época. Passou pouco tempo em Recife e depois voltou ao Tubarão da Barra. No ano que se despediu definitivamente do Ferrão, foi atuar no Equador pela Liga de Quito (LDU), onde foi vice-campeão nacional, marcou 25 gols e levou sua equipe à Copa Libertadores. Depois, foi contratado pelo famoso Barcelona de Guayaquil, onde se tornou astro nas três temporadas seguintes, uma verdadeira lenda na história da equipe, marcando 6 gols em jogos da Libertadores e 55 gols no campeonato nacional de 1982 a 1984. Paulo César é mais um Legendário coral.

MOMENTO DE CRISE QUE ORIGINOU A CONQUISTA DE UM TÍTULO ESTADUAL

Jornal O Povo destacava saída de Célio Pamplona da presidência do Ferroviário em 1979

O Jornal O Povo recordou na semana passada uma matéria de 1979 destacando uma crise interna no Ferroviário que culminou com a saída do presidente Célio Pamplona. O clube vinha de uma boa campanha na temporada anterior, quando quase chegou a vencer um turno, perdendo-o apenas numa memorável disputa de pênaltis com o Fortaleza. Ressalta-se ainda que 1978 é até hoje a temporada que registra a maior média de público nos 85 anos de história do Ferrão. A média foi de 3.974 pagantes por jogo. Por motivos diversos, o presidente Célio Pamplona não permaneceu para 1979 e José Rego Filho assumiu a presidência numa diretoria formada por Ruy do Ceará, Chateaubriand Arrais, entre outros. O resto da história todo mundo sabe. Em setembro daquele ano, o Ferroviário sagrou-se campeão estadual depois de nove anos.

EX-ZAGUEIRO CORAL NOS ANOS 1970 FALECEU DURANTE A SEMANA

Mesmo aposentado dos gramados, Félix nunca deixou de ser zagueiro jogando entre os amigos

Faleceu Félix, ex-zagueiro do Ferroviário entre 1975 e 1978. Cria das categorias de base do próprio clube, Francisco de Assis Félix da Silva participou de 27 partidas pelo time profissional do Ferrão em toda a história. Sua primeira partida pelo time principal aconteceu em 31/08/1975, justamente na estreia coral no Torneio Bayma Kerth, competição idealizada pela Federação Cearense para ocupar o calendário dos times que não participavam do campeonato nacional naquela temporada. O Ferrão foi o campeão da competição e Félix participou de 3 partidas na campanha. O ex-zagueiro coral fez apenas um jogo oficial pelo campeonato cearense com a camisa coral. Foi no dia 25/09/1977, no Castelão, na derrota por 2×0 para o Guarani de Juazeiro, quando fez dupla de zaga com Júlio Araújo. Na ocasião, o Ferrão entrou com um time misto já que os titulares estavam em excursão para amistosos no Maranhão. Aquela derrota coral derrubou milhares de apostadores do teste 388 da Loteria Esportiva. Félix ainda conquistou, com a camisa coral, a Taça Waldemar Alcântara em 1978. Jogou também no Tiradentes e no Icasa, além de ser conhecido no futebol suburbano, onde atuou no Valença, Noturno e no Milan. Ultimamente, o ex-zagueiro lutava contra a depressão.

CAMISA COM LISTRAS NA DIAGONAL VOLTAM A SER USADAS APÓS 37 ANOS

Zagueiro Afonso e a camisa de 2018

Depois de apresentar um modelo dourado e outro laranja na época da segunda divisão cearense, o Ferrão voltou a inovar em relação a seu uniforme de jogo. Dessa vez, a novidade não está relacionada com a terceira camisa, mas sim com a primeira. Depois de 37 anos, o Tubarão da Barra volta a utilizar o padrão branco com listras corais na diagonal. Diferente do modelo utilizado pela última vez na temporada de 1981, a camisa atual simplifica, moderniza e apresenta apenas uma listra vermelha e outra preta na diagonal. Pra variar, houve quem gostou, mas também quem odiou, porém ninguém pode negar a óbvia referência histórica da nova camisa coral.

Ponta Paulinho em 1981

A camisa com listras diagonais foi utilizada muitas vezes no Campeonato Cearense de 1978, conforme já mostrado aqui no Almanaque do Ferrão através do resgate inédito do vídeo de um gol do ex-lateral Ricardo Fogueira, contra o Fortaleza, além da postagem sobre o deputados estaduais eleitos naquele ano. Depois, esse modelo passou a ser utilizado algumas vezes nas temporadas seguintes, revezando com o padrão  branco de listras horizontais e com o uniforme coral de listras verticais. Em 1981, o Ferroviário disputou suas últimas partidas com a camisa de listras diagonais, numa época em que o clube contava com nomes como o goleiro Procópio, o zagueiro Darci Munique, o craque piauiense Sima, o centroavante Roberto Cearense e o ponta esquerda Paulinho, ex-Cruzeiro/MG, cedido ao Ferrão como parte da negociação da compra do cearense Jacinto por parte do time mineiro. Portanto, ao inovar em 2018 com uma adaptação nova para aquele modelo antigo, o Ferroviário faz uma conexão histórica com seu próprio passado.

NÃO FALTAVA DEPUTADO ESTADUAL COM A CAMISA DO FERROVIÁRIO

Ilustres Deputados Estaduais na Assembleia Legislativa do Ceará com a camisa do Ferroviário

O retrato acima foi tirado em dezembro de 1978. Nele, estão alguns Deputados Estaduais eleitos em 15 de novembro daquele ano para a legislatura entre 1979 e 1982. Ao todo, a Assembleia Legislativa do Estado do Ceará recebeu 22 representantes da ARENA e 11 do MDB, os dois únicos partidos brasileiros na ocasião. Na imagem acima, alguns Deputados resolveram posar com os modelos da camisa coral naquela temporada. Com a bola na mão e com camisa de goleiro, vê-se Aquiles Peres Mota, ex-presidente do Tubarão da Barra. Ao seu lado, as Deputadas Douvina de Castro e Maria Luiza Fontenele, que sete anos depois elegeu-se Prefeita de Fortaleza. O Almanaque do Ferrão reconheceu mais alguns na imagem, a saber: Airton Maia Nogueira, Etevaldo Nogueira Lima – também ex-presidente do Ferrão, Júlio Rego e Ubiratan Aguiar, além do Deputado Paulino Rocha, comentarista da Rádio Verdes Mares, que faleceu poucos meses depois. Em tempo: na temporada de 2018, depois de 37 anos, o Ferroviário voltará a usar uma camisa com listras diagonais.

FAMÍLIA ACHAVA QUE ARTILHEIRO CORAL ESTIVESSE MORTO

Paulo César em foto da família

Em setembro desse ano, o Almanaque do Ferrão publicou uma matéria sobre o paradeiro de Paulo César, grande artilheiro coral entre o final da década de 70 e começo dos anos 80. Ele foi o goleador máximo do campeonato cearense de 1979, conquistado brilhantemente pelo Tubarão da Barra. Após sua passagem pelo futebol alencarino, Paulo César foi jogar profissionalmente no Equador e por lá fixou residência, perdendo posteriormente o contato com sua família que reside em Pernambuco. Após a publicação do blog, os familiares do ex-goleador coral entraram em contato informando a grande repercussão da postagem dentro do núcleo familiar. A sensação de alívio foi a mais evidenciada entre eles. Devido aos quase trinta anos sem mensagens de Paulo César, seus irmãos achavam que ele já havia falecido. A surpresa de vê-lo no vídeo publicado em nosso blog, com imagens do ano passado no Equador, encheu o coração de seus irmãos de alegria. Agora, eles querem achar Paulo César e matar a saudade.

Irmãos do ex-artilheiro Paulo César em Pernambuco: Maria de Fátima, Severino e Maria Leda

O último contato de Paulo César com Maria Leda Pires Dino, sua irmã, ocorreu durante as Olimpíadas de Seul, em 1988. A comunicação entre ambos sempre se dava por carta, independente do local que Paulo César estivesse jogando. Nesse longo período sem contato, o ex-artilheiro coral sequer pôde ser informado do falecimento da mãe, que tentou muitas vezes buscar informações do filho, além da morte de seu irmão chamado Josivaldo Pires Dino. Agora, quase três décadas depois e diante da surpreendente notícia de que Paulo César está vivo, Maria Leda e os irmãos Maria de Fátima e Severino, desejam retomar o contato para matar as saudades do querido irmão de uma vez por todas. Um outro irmão dele, que mora em São Paulo, também está ansioso por isso. A família já procurou, através do Facebook, o próprio Barcelona de Guayaquil, clube que homenageou Paulo César em 2016, buscando obter mais informações sobre o paradeiro do atleta no Equador. Esperamos que o ex-goleador coral seja encontrado pela família e certamente o fato merecerá o devido destaque aqui no blog. Enquanto isso não acontece, reveja abaixo um vídeo raríssimo com dois gols do goleador Paulo César em partida válida pelo campeonato cearense de 1978.

GOL DE RICARDO FOGUEIRA NO JÁ DISTANTE ESTADUAL DE 1978

Já faz quase 40 anos do vídeo acima, porém o Almanaque do Ferrão conseguiu recuperar mais um material raríssimo do campeonato cearense de 1978. Foi exatamente num domingo, também dia 20 de novembro como hoje. Empate entre Ferroviário e Fortaleza pelo 3º turno do Estadual daquela temporada. O Tubarão da Barra perdia por 1×0, mas conseguiu o empate no minuto final, num chute de fora da área do lateral esquerdo Ricardo Fogueira. Foi a partida 1.644 da história coral, que teve Monteiro da Silva na arbitragem. Confira a escalação do Ferrão: Gilberto, Paulo  Maurício, Júlio, Arimatéia e Ricardo Fogueira; Jodecir, Jorge Bonga e Jacinto (Jorge Henrique); Marcos (Luizinho), Paulo César e Babá. O Fortaleza jogou com Lulinha, Pepeta, Chevrolet, Celso Gavião e Dudé; Joel  Maneca, Bibi (Batista) e Lucinho; Haroldo (Netinho), Geraldino Saravá e Da Costa. Foi o duelo dos treinadores Lucídio Pontes contra Moacyr Menezes. Um mês depois, o Ceará conquistaria o tetracampeonato num dos certames mais equilibrados em toda história do futebol alencarino. Destaque, mais uma vez, para a camisa com listras diagonais utilizadas pelo Ferroviário naquele período, que sempre desperta a curiosidade e os elogios de muitos torcedores que acessam o nosso blog.