DE UM PALPITE PARA A COPA DE 1974 ATÉ O ARCO DO FERROVIÁRIO EM 1977

Renato em foto no Ferrão

Ele foi um dos goleiros do Ferroviário no campeonato cearense de 1977. Talvez nem o torcedor coral de melhor memória na ocasião consiga recordar. Estamos falando do paraibano Renato Acácio de Morais, nascido em 1º de maio de 1947 e que, prestes a completar 30 anos de idade, foi contratado pelo time coral junto ao Treze/PB, onde teve status de ídolo. No Tubarão da Barra foram apenas 11 partidas do arqueiro Renato, a primeira em 27/02/1977, no Junco, na vitória fora de casa por 3×2 em cima do Guarany de Sobral. A última foi contra o Fortaleza, no Castelão, derrota por 2×0, num jogo polêmico acontecido em 08/05/1977 em que o árbitro Lourálber Monteiro expulsou cinco jogadores corais aos 17 minutos do 2º tempo, inviabilizando o confronto. Renato começou a carreira no Cotinguiba/SE, mas foi no Bahia que teve maior destaque com o  bicampeonato estadual de 70/71 depois de uma passagem inclusive pelo Flamengo/RJ. Foi no futebol baiano que surgiu o apelido que marcou o goleiro no futebol: “Renato 74” quando o empolgado cronista baiano França Teixeira apostava publicamente em Renato como futuro goleiro da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1974.  Ledo engano. A carreira de Renato não decolou e ele foi parar no ABC/RN e no Treze/PB entre 1974 e 1976. Jogou ainda no Sampaio Corrêa/MA, Moto Clube/MA, Volta Redonda/RJ e Campinense/PB. Em 1982, teve seu nome envolvido como um dos delatores do escândalo da Máfia da Loteria Esportiva, um dos temas nacionais mais comentados na época. O mercado se fechou para Renato daí em diante. Foram vários anos mergulhado no álcool e com sintomas de senilidade precoce até falecer de cirrose hepática, em Campina Grande, no dia 15/06/1986 como mostra a matéria do jornal Diário da Borborema relatando a morte do ex-goleiro do Ferrão na temporada de 1977.

Matéria do jornal Diário da Borborema, de Campina Grande, sobre a morte do ex-goleiro Renato

EX-ZAGUEIRO CORAL NOS ANOS 1970 FALECEU DURANTE A SEMANA

Mesmo aposentado dos gramados, Félix nunca deixou de ser zagueiro jogando entre os amigos

Faleceu Félix, ex-zagueiro do Ferroviário entre 1975 e 1978. Cria das categorias de base do próprio clube, Francisco de Assis Félix da Silva participou de 27 partidas pelo time profissional do Ferrão em toda a história. Sua primeira partida pelo time principal aconteceu em 31/08/1975, justamente na estreia coral no Torneio Bayma Kerth, competição idealizada pela Federação Cearense para ocupar o calendário dos times que não participavam do campeonato nacional naquela temporada. O Ferrão foi o campeão da competição e Félix participou de 3 partidas na campanha. O ex-zagueiro coral fez apenas um jogo oficial pelo campeonato cearense com a camisa coral. Foi no dia 25/09/1977, no Castelão, na derrota por 2×0 para o Guarani de Juazeiro, quando fez dupla de zaga com Júlio Araújo. Na ocasião, o Ferrão entrou com um time misto já que os titulares estavam em excursão para amistosos no Maranhão. Aquela derrota coral derrubou milhares de apostadores do teste 388 da Loteria Esportiva. Félix ainda conquistou, com a camisa coral, a Taça Waldemar Alcântara em 1978. Jogou também no Tiradentes e no Icasa, além de ser conhecido no futebol suburbano, onde atuou no Valença, Noturno e no Milan. Ultimamente, o ex-zagueiro lutava contra a depressão.

IMAGEM RARA DO FERROVIÁRIO COM O LATERAL DIREITO IVAN LOPES

Ferroviário Atlético Clube em 1977 – Em pé: Giordano, Arimatéia, Joel Maneca, Lúcio Sabiá, Ivan Lopes e Grilo. Agachados: Vanderley, Oliveira, Oliveira Piauí, Danilo Baratinha e Babá

O retrato é um registro histórico do dia 17 de Julho de 1977. Antes de jogar a partida de número 1.566 de sua jornada, o Ferroviário posou no gramado do Castelão. Nesse dia, o adversário foi o Ceará, que acabou levando a melhor ao quebrar uma invencibilidade de 12 partidas do time coral no campeonato cearense. Trata-se de uma imagem até certo ponto rara, já que não é muito comum encontrar fotografias do Ferrão trazendo o lateral direito Ivan Lopes, que só disputou aquela temporada pelo Tubarão da Barra, totalizando apenas 17 jogos na história com a camisa coral. Ivan era um jogador rodado no futebol nordestino, teve boas passagens na Paraíba e foi titular do Tiradentes/PI em momentos históricos da equipe piauense no campeonato brasileiro daquela década. O treinador desse time era o também experiente Pedrinho Rodrigues, um dos responsáveis por lançar no time principal um nome que se consagraria como astro no Brasil e na Inglaterra: o atacante Mirandinha. Da onzena da foto, o atacante Oliveira Piauí faleceu em 1981. O outro Oliveira chegou a ser treinador e supervisor do Ferrão em várias oportunidades na década de 1980. Danilo foi treinador do Tiradentes/CE no campeonato cearense desse ano.

ATACANTE ALZIR DEFENDEU O FERRÃO POR 1 ANO NA DÉCADA DE 70

alzir no castelao

Atacante Alzir em ação contra seu ex-clube no Castelão pelo campeonato cearense de 1976

Alzir foi um atacante que defendeu o Ferroviário entre outubro de 1976 e outubro de 1977. A foto acima mostra o jogador em ação com a camisa coral, num Castelão inacabado, de arquibancadas ainda baixas atrás das traves, justamente contra o clube que o projetou para o futebol cearense. Era o Clássico das Cores disputado em sua plenitude. Alzir Lopes Maciel é seu nome completo, atuou 28 jogos e marcou 11 gols pelo Tubarão da Barra. Pelo campeonato cearense de 77, jogou 3 vezes contra o Fortaleza no Castelão, sendo uma vitória, um empate e uma derrota. Jogou depois no América e no Calouros.

BOLA NA ÁREA E CLICK HISTÓRICO DE QUATRO JOGADORES NO CASTELÃO

Ferrão em ação contra o Ceará pelo campeonato cearense no Castelão em agosto de 1977

O retrato acima mostra quatro jogadores do Ferroviário em ação no campeonato cearense de 1977. Você é capaz de reconhece-los? Certamente o mais famoso é o zagueiro Arimatéia, camisa 4, já falecido, que atuou em 230 partidas entre 1971 e 1979. O o goleiro é Vander, ex-Ceará e Flamengo/PI, que atuou apenas em 13 jogos naquela temporada. O camisa 3 é o experiente Ivan Lopes, uma das principais contratações para o Estadual daquele ano. Ivan era um jogador rodado no futebol nordestino, teve boas passagens na Paraíba e foi titular do Tiradentes/PI em momentos históricos da equipe piauense no campeonato brasileiro daquela década. No Ferrão, foram 17 partidas em 1977. O camisa 2 é Valdir Bassi, cria das categorias de base do São Paulo/SP, que atuou em 30 jogos pelo time coral. Apesar da numeração, Ivan Lopes era lateral direito e Bassi, que também jogava na lateral, atuou nessa partida no Castelão como zagueiro. Depois, ele marcou época atuando muito tempo pelo Moto Clube/MA. Hoje, tem 61 anos de idade.

QUANDO DOIS JOGADORES CORAIS BRILHARAM COMO LEWANDOWSKI

10410638_772162276239196_4827556809780304002_n

Giancarlo: 5 gols em 2013

O polonês Robert Lewandowski foi o assunto da semana por ter marcado incríveis 5 gols numa mesma partida. Mais que isso, os 5 gols saíram exatamente em apenas 9 minutos do jogo em que o seu time, o Bayern de Munique, massacrou o Wolfsburg pelo campeonato alemão de futebol. O placar final apontou 5×1 e o famoso atacante saiu ovacionado pelo feito, o que convenhamos, não é uma coisa fácil de se ver atualmente. Trazendo o fato para o contexto do Ferroviário, apenas dois jogadores conseguiram algo semelhante em partidas oficiais: os atacantes Paulo César e Giancarlo, nas edições do campeonato cearense de 1978 e 2013, respectivamente. Tudo bem que Pacoti, em 1957, Lucinho, em 1968, Mirandinha, em 1977, e Ramon, em 1984, conseguiram feitos semelhantes, mas ocorreram em amistosos contra adversários menos relevantes.

1978_1622

Matéria do Caderno 2 do jornal O Povo retratando os 5 gols do centroavante Paulo César

No dia 27/8/1978, o atacante Paulo César – o famoso papagaio – foi o primeiro coral a marcar 5 gols numa partida oficial. O fato aconteceu no PV num dia de domingo, contra o Calouros do Ar. Dois gols foram assinalados em cobrança de pênalti. Depois disso, precisou de quase 35 anos para o centroavante Giancarlo repetir o feito. Ele foi notícia no Brasil inteiro no dia 27/2/2013 ao marcar 5 gols na vitória coral de 7×2 em cima do São Benedito, um deles de pênalti, como você pode recordar no vídeo abaixo que eterniza os principais lances da partida. Os dois corais viveram um dia de Lewandowski, como se vê. Ou melhor, essa semana o polonês viveu um dia de Paulo César e Giancarlo, para ser mais preciso com a cronologia dos fatos. Aliás, o Ferroviário já chegou a vencer uma partida com 5 gols em apenas 9 minutos, mas isso aí é outro assunto e qualquer dia o Almanaque do Ferrão recupera essa história para o torcedor coral.

EM 01 DE JUNHO DE 1977, DANILO BARATINHA MARCAVA O GOL 3.000

danilo_76

Danilo: gol 3.000

Há exatamente 38 anos, o Ferroviário alcançava a marca de 3.000 gols em sua existência. Ela aconteceu no estádio Presidente Vargas, em partida válida pelo 2º turno do campeonato cearense de 1977. O adversário foi o Quixadá e um bom público prestigiou a vitória coral por 3×1, gols de Danilo Baratinha, duas vezes, e Oliveira Piauí. Mesmo sem divulgação em razão do pleno desconhecimento do fato na ocasião, um dos gols de Danilo atingiu a marca histórica somente revelada com o lançamento do Almanaque do Ferrão em 2013. Sob o comando de Pedrinho Rodrigues, o time coral venceu o jogo com Giordano, Ivan Lopes (Bassi), Lúcio Sabiá, Arimatéia e Grilo; Joel Maneca, Danilo e Oliveira; Vanderley, Oliveira Piauí e Babá (Alzir). Era a sexta vitória seguida do time coral na competição, o que garantia a privilegiada posição de líder do returno. No total, Danilo fez 124 partidas pelo time profissional e assinalou 16 gols.