BODAS DE OURO DA CONQUISTA DO CAMPEONATO CEARENSE DE 1970

Uma das formações na reta final de 1970 – Em pé: Louro, Hamilton Ayres, Gomes, Aloísio Linhares, Eldo e Coca Cola; Agachados: Mano, Paulo Velozo, Amilton Melo, Edmar e Alísio

O ano de 1970 começou cheio de expectativas para o Ferrão. Pela primeira vez, logo em janeiro, o time coral recebia um time de outro estado para uma partida no Elzir Cabral, ainda em fase de construção. O amistoso contra o Alecrim/RN terminou em grande confusão, com brigas dentro de campo, assim que uma legião de torcedores corais invadiram o campo para agredir o árbitro Roberto Kaúla. Antes do fim do mês, o Ferroviário conquistou o título da II Copa Estado do Ceará, iniciada ainda em 1969, numa disputa de pênaltis contra o Ceará que envolveu o duelo Simplício x Gojoba nas cobranças. Além desse amistoso histórico e do primeiro troféu no ano, a direção coral não abria mão do título estadual e realizou contrações importantes para reforçar o time, como o lateral Esteves, os atacantes Zé Luís e Paulo Velozo, além da chegada do craque Amilton Melo, seguramente o maior jogador do futebol cearense da história, que se consagrou a partir daquele momento e durante toda a década de 1970. 

Jornal O Povo há exatos 50 anos

O campeonato cearense começou para o time coral no dia 8 de março e terminou num 7 de outubro como hoje. Foram sete meses de disputas. O Guarany de Sobral talvez tenha montado o seu melhor time em todos os tempos e venceu o 1º turno. No returno, o Ferrão bateu o Fortaleza por 1×0, golaço de peixinho de Paulo Velozo, e ficou com o título. O Ceará levou o 3º turno, ganhando por 3×1 do próprio Ferroviário, e os três vencedores foram realizar o chamado “Super Turno” em três jogos no PV. Na primeira partida do triangular simples, o Tubarão da Barra envolveu o Ceará por completo, com grande atuação do volante Edmar, mas o placar ficou no 0x0. Três dias depois, o próprio Ceará empatou com o Guarany, também em 0x0, o que facilitou a vida dos adversários, já que a decisão do título ficou justamente para o jogo do Ferroviário contra o excelente time sobralense. Com uma foto dos principais jogadores de cada time, o Jornal O Povo amanhecia nas bancas com os dizeres: “Pode surgir hoje o Super-Campeão” e “O grande duelo da peleja decisiva”.

Carnaval da torcida coral no PV

Diante de 13.028 pagantes, os dois times fizeram um jogo polêmico e difícil, em que o primeiro tempo terminou 2×1 para o time coral, gols de Amilton Melo, aproveitando uma rebatida do goleiro Ademir, e Alísio, numa virada com a perna esquerda. Edmilson diminuiu o placar com um gol para o Guarany antes do fim da etapa inicial. No intervalo, a primeira confusão: o reserva Jaldemir foi expulso do banco sobralense ao tentar subornar, com 1000 Cruzeiros, o árbitro Lourálber Monteiro, para que ele marcasse um pênalti para o Guarany. Na etapa final, o juiz ainda expulsou o atacante Wilson do Ferroviário, além de Teco Teco e Valdir pelo lado do adversário. O terceiro gol coral, marcado por Alísio novamente, já saiu no apagar das luzes e causou a invasão dos jogadores reservas na comemoração e, posteriormente, a invasão da torcida coral para comemorar junto com os atletas, num autêntico carnaval em pleno mês de outubro, a partir das 22h30 daquela quarta-feira.

Paulo Velozo: artilheiro

Treinado por Alexandre Nepomuceno, o Ferroviário jogou a finalíssima e foi campeão com Aloísio Linhares, Esteves, Hamilton Ayres, Gomes e Louro (Eldo); Edmar, Simplício e Coca Cola; Amilton Melo (Wilson), Paulo Velozo e Alísio. O Guarany de Sobral, treinado pelo experiente Ivonísio Mosca de Carvalho, perdeu com Ademir, Wellington, Ivan Limeira, Valdir e Barbosa; Teco Teco e Marivaldo; Dedeu (Gilvan)(Zezinho), Carrete, Edmilson e Paraíba. Além do técnico, o Guarany reunia três jogadores campeões invictos pelo próprio Ferroviário apenas dois anos antes: Wellington, Barbosa e Paraíba. O Ferrão, chamado na ocasião pela crônica esportiva e desportistas em geral como “Timão”, teve a defesa menos vazada e o ataque mais positivo do campeonato, consolidando o pernambucano Paulo Velozo como o artilheiro da equipe com 12 gols, seguido de Amilton Melo com 10 tentos. O artilheiro maior do certame foi justamente o ex-coral Paraíba, do Guarany, com 15 gols assinalados. Nas bodas de ouro daquela brilhante conquista, a nossa homenagem aos heróis de 1970!

LIVE NA ÍNTEGRA DIRETAMENTE DO INSTAGRAM COM SIMPLÍCIO

O vídeo acima é de uma preciosidade histórica difícil de mensurar. Em mais uma Live do Almanaque do Ferrão no Instagram, o nono episódio dessa primeira temporada de resenhas com nomes do passado, recebemos ontem o ex-meio-campista Simplício, um dos jogadores mais icônicos do futebol cearense na década de 1970. Foram 181 jogos e 60 gols marcados com a camisa coral entre 1969 e 1974, ano em que decidiu pendurar as chuteiras, ainda jovem, com o propósito de se dedicar a uma profissão mais segura. Com a presença e o apoio tecnológico de seu filho Fred Clemente, um admirador e colecionador dos arquivos do pai, Simplício, aos 74 anos de idade, recordou um festival de memórias envolvendo ex-companheiros, ex-dirigentes, lances, feitos e fatos pitorescos de sua passagem vitoriosa pela Barra do Ceará, quando foi campeão da Taça Estado do Ceará e do campeonato cearense, ambos em 1970. São memórias de quase cinco décadas, agora eternizadas e compartilhadas em nosso blog. Aproveite e assista as memórias do ´Canhão da Barra` agora mesmo!

SIMPLÍCIO, O CANHÃO DA BARRA NA LIVE DO ALMANAQUE DO FERRÃO

Ele foi um dos principais nomes do Ferroviário na primeira metade dos anos 1970. O meio campista Simplício ficou conhecido pela sua constância e excelente performance em campo, mas sobretudo pela potência de seu chute desferido em cobranças de falta, pênaltis ou arremates de fora da área, por essa razão recebeu a alcunha de ´Canhão da Barra“. No próximo domingo, dia 2 de agosto, no horário especial das 19 horas, a Live do Almanaque do Ferrão no Instagram chega à sua edição de número nove batendo um papo  exatamente com Simplício, diretamente da Paraíba. As recordações de mais de cinquenta anos prometem ser a tônica da entrevista com nosso ex-jogador, onde ele terá a oportunidade de falar sobre seu período no Ferroviário, notadamente na brilhante conquista do campeonato cearense de 1970, além de falar sobre sua carreira nas equipes paraibanas e também no rumo que sua vida tomou depois que pendurou as chuteiras, ficando tantos anos distante dos holofotes do futebol cearense. O ex-craque coral vai se incorporar à galeria dos já entrevistados Tiago Gasparetto, Arnaldo, Giancarlo, Ramirez, Acássio, Mazinho Loyola, Ricardo Lima e Leanderson, totalizando nove gravações até o momento, que ficarão para a posteridade coral e memorabilia histórica do futebol cearense. Todos convidados para conhecer a história do nosso eterno craque Simplício, dono de um dos chutes mais fortes do futebol nordestino.

O VÔO CORAL DO CARAVELLE QUE INICIOU HÁ 50 ANOS ATRÁS

Ferroviário em 1970 com Caravelle no gol – Em pé: Esteves, Hamilton Ayres, Aloísio Linhares, Gomes, Eldo e Coca Cola; Agachados: Simplício, Paulo Velozo, Amilton Melo, Edmar e Alísio

Ele foi um dos goleiros mais renomados da história do futebol cearense. Fez história no Ceará no início dos anos 1960 e depois foi jogar no futebol pernambucano. Quando o Ferroviário perdeu o titular Marcelino no terço final do campeonato cearense de 1970, o dirigente Célio Pamplona foi buscá-lo em Recife para substituir o goleiro carioca. Estamos falando de Aloísio Linhares, o famoso Caravelle, que há exatos cinquenta anos, estreava com a camisa coral. O apelido veio da verve do comentarista Paulino Rocha e foi herdado em razão de um famoso avião comercial francês, que chegava a atingir 800 km/hora. Os vôos sensacionais do arqueiro em sua meta serviram de inspiração para a alcunha nos gramados cearenses. No Ferrão, o experiente goleiro atuou em 22 jogos, entre compromissos pelo campeonato estadual, amistosos e Nordestão daquela temporada. Em seu primeiro jogo, o Tubarão da Barra venceu o ex-time de Aloísio por 3×1, gols de Amilton Melo, Alísio e Paulo Velozo. Naquele final de junho de 1970, o Ferrão formou com Aloísio Linhares, Louro, Hamilton Ayres, Gomes e Eldo; Coca Cola e Edmar; Zezinho, Amilton Melo, Paulo Velozo e Alísio (Wilson). O Ceará jogou com Ita, Daniel, Cícero, Laudenir e Carlindo (Antonino); Artur, Gojoba (Osmar) e Magela; Marco Aurélio, Gildo e Zezinho Fumaça. O goleador Gildo marcou o gol alvinegro. A partida teve o árbitro Aírton Vieira de Moraes, o Sansão, que foi uma atração especial na partida, visto que acabara de regressar da Copa do Mundo no México onde representou a arbitragem brasileira. Apesar de ter conquistado o título de campeão cearense no Ferrão, Aloísio Linhares não permaneceu no Ferroviário para a temporada de 1971 e acabou indo jogar no Fortaleza. O grande goleiro abandonou os gramados depois de contrair hepatite. Faleceu em 2008, aos 72 anos.

POR ONDE ANDA A MARAVILHA NEGRA DO TÍTULO CEARENSE DE 1970?

Ex-atacante do Ferroviário no título cearense de 1970 em foto recente no portão de sua casa

Ele compôs ao lado do craque Amilton Melo uma das duplas mais famosas da história do futebol cearense. Juntos, ladeados por um time cheio de excelentes jogadores, fizeram lances e jogadas que infernizaram as defesas adversárias, marcando para sempre as páginas da história coral na notadamente na brilhante conquista do campeonato cearense de 1970. Estamos falando do ex-atacante Paulo Velozo, a maravilha negra da Barra do Ceará, como muitos o chamavam. O Almanaque do Ferrão localizou o ex-jogador em Recife, onde voltou a residir há cerca de cinco anos, depois de décadas morando em Portugal e em São Paulo. Paulo Velozo mandou três áudios para o blog. Vamos deixar que inicialmente ele mesmo exponha suas memórias do tempo que passou pela Barra do Ceará, citando nomes de ex-companheiros e falando sobre o início de sua carreira no futebol. Escute o primeiro trecho abaixo.

Paulo Velozo nasceu em 30 de Julho de 1947, na cidade de Pesqueira, no interior de Pernambuco. Cria do Santa Cruz/PE, um dos adversários do Ferroviário na Série C nacional na atual temporada, certamente seu coração ficará dividido já a partir do próximo domingo, quando as duas equipes se enfrentam, em Fortaleza, pela primeira vez na competição. Quando o Ferrão for jogar em Recife, contra o Náutico/PE ou contra o próprio Santa Cruz/PE, o ex-centroavante coral espera estar presente para matar as saudades do time que soube honrar a camisa no futebol cearense. Abaixo, Paulo Velozo recorda uma passagem com o ex-companheiro Amilton Melo, a quem ele particularmente considerava ´fora de série`. Desde que deixou o clube na temporada de 1971 rumo a Portugal, Paulo Velozo nunca mais retornou à cidade de Fortaleza e nem viu pessoalmente o Ferroviário em campo. Confira seu depoimento na segunda parte do áudio que ele gravou especialmente para o Almanaque do Ferrão.

Hoje em dia, Paulo Velozo é aposentado por tempo de contribuição. Ele trabalhou durante 23 anos no Esporte Clube Pinheiros, na capital paulista, depois que parou de jogar futebol em meados dos anos 1980. No Pinheiros, apesar do seu interesse inicial de trabalhar com o futebol, foi alocado no departamento de serviços gerais, onde chegou a posição de chefe do setor com o passar dos anos. Em termos particulares, o ex-atacante coral tem uma prole invejável. São três filhos legítimos e cinco adotivos em sua família. Atualmente divorciado, ele mora com um filho de 11 anos de idade na casa que pertenceu a seus pais. Evangélico, Paulo Velozo frequenta a Igreja Verbo no bairro do Ipsep em Recife. No último trecho do áudio gravado por ele, Paulo recorda nomes importantes da famosa onzena do Ferroviário que fez fama em sua época.

Após gravar suas três mensagens em áudio, a eterna maravilha negra Paulo Velozo ainda enviou uma outra mensagem de texto, pedindo para a matéria não deixar de enaltecer dois nomes inesquecíveis para ele: José Rego Filho e Ruy do Ceará, dois dos principais dirigentes do período em que vestiu o manto coral. Pedido feito, pedido atendido. Abaixo, pra finalizar, uma fotografia tirada na época com um quarteto coral que deixou lembranças eternas na história do Ferroviário Atlético Clube.

Diretamente do álbum de fotografias e memória de Paulo Velozo: Amilton Melo, ele, Mano e Alisio

EX-ATACANTE MANO VOLTA AO FERRÃO EM DIA DE MUITA EMOÇÃO

O ex-atacante coral Mano, campeão pelo Ferrão nas temporadas de 1968 e 1970, além de filho do ex-craque Vicente Trajano, que foi um dos maiores atletas que vestiram a camisa do Tubarão da Barra em todos os tempos, esteve na semana passada na Barra do Ceará. A visita foi um pedido do próprio Mano, que vem lutando bravamente contra problemas de saúde. Coube à repórter Cristiane Araújo, uma das colaboradoras aqui do blog, realizar o desejo do ex-ponta direita coral e organizar uma matéria de vinte minutos em seu canal no YouTube. Vale a pena conferir o emocionante material acima, que contou com a participação de ilustres torcedores corais que se deslocaram até a Barra do Ceará especialmente para a homenagem.

Mano entre as feras corais do vitorioso elenco de 1970: Amilton Melo, Paulo Velozo e Alísio

Ao todo, Mano entrou em campo 99 vezes com a camisa do Ferrão e marcou 19 gols. Foram 13 participações do ponta direita em jogos do título invicto de 1968, que completou aniversário de 50 anos em 2018. Na temporada de 1970, Mano participou de 7 jogos na vitoriosa campanha coral ao lado de nomes consagrados como o craque Amilton Melo, o goleador Paulo Velozo e o ponta esquerda Alísio. Além de dois títulos estaduais, o ex-ponta também conquistou uma terceira competição com a camisa do Ferrão, a Taça Estado do Ceará disputada em 1969, quando entrou em 8 jogos e marcou 2 gols. Foram, portanto, três títulos na memorável passagem de Dionísio Muniz Trajano pelo Ferroviário Atlético Clube. Na visita da última semana, ele fez duas doações importantíssimas para o clube: as faixas de campeão estadual de 1968 e de 1970, a primeira inclusive assinada por Pelé, que o enfrentou quando o Santos/SP foi convidado para o jogo comemorativo de entrega de faixas no estádio Presidente Vargas naquele ano. Por ocasião da doação feita diretamente ao presidente Walmir Araújo, Mano teve o privilégio de visitar em primeira mão as obras do futuro memorial de conquistas do Ferrão que está sendo brilhantemente construído pelo departamento de patrimônio do clube e que será inaugurado no começo de 2019. Foram momentos muito marcantes para o ex-atacante coral na visita ao Elzir Cabral. E que sejam eternos na lembrança de Mano, assim como ele é na história do Ferroviário.

O CRAQUE QUE O FERROVIÁRIO MANDOU PARA O ATLÉTICO MINEIRO

Amilton Melo no Galo

Amilton Melo foi um dos maiores craques que o futebol cearense já produziu. Entre alguns poucos jogadores em comum que tiveram a honra de vestir as camisas do Ferroviário e do Atlético/MG em suas carreiras, talvez seja ele a maior conexão entre as duas equipes que se enfrentam hoje pela quarta fase da Copa do Brasil. Foram 126 partidas com a camisa coral e 47 gols marcados entre 1970 e 1973. Sua história no futebol começou em 1968 quando o saudoso Telê Santana o viu atuar numa preliminar com a camisa do América/CE e levou Amilton Melo para jogar no Fluminense/RJ. Depois de dois anos na base do tricolor carioca, voltou ao futebol cearense e conseguiu o status de ídolo coral, com grandes apresentações e principalmente por conta do título estadual de 1970. Dois anos depois, novamente Telê Santana o chamou para o Atlético/MG, onde atuou em seis partidas no segundo semestre de 1972. Certa vez, voltou à cidade de Fortaleza para enfrentar o Ceará com a camisa do galo mineiro. Depois da partida, saiu pra se divertir com Romeu e Cláudio, companheiros de equipe, e sofreu um acidente de carro, quebrando a mão direita e sendo obrigado a submeter-se a uma operação plástica no rosto. Devolvido ao Ferroviário no final do empréstimo, ainda disputou a temporada de 1973 pelo Tubarão da Barra até ser negociado com o Fortaleza, onde também brilhou.

O livro escrito por Amilton Melo

Cria do futebol de salão, Amilton Melo tinha dribles curtos e rápidos. Era o antigo ponta de lança que sabia fazer gols. Foi igualmente ídolo no Ceará na segunda metade da década de 70, onde também conquistou títulos. Poucos foram os jogadores que conseguiram a idolatria nos três maiores times do futebol cearense em todos os tempos. O craque Amilton Melo foi um deles. Em 1987, lançou um livro contando suas memórias no futebol e relatou detalhes sobre sua passagem no Atlético Mineiro. Intitulado como “Amilton Melo: o craque e o futebol cearense“, seu livro era vendido nas principais bancas de revistas da famosa Praça do Ferreira, no centro da capital cearense. Hoje, trata-se de item raro em sua versão física, apesar de poder ser achado em versão digital no Mercado Livre ao preço de 50 Reais. Depois que pendurou as chuteiras, Amilton Melo militou na radiofonia cearense como comentarista, formando ao lado de Júlio Sales, Chico Rocha e Vilar Marques um quarteto que deixou muitas saudades na Rádio Uirapuru AM de Fortaleza. Depois, aos 41 anos de idade, ainda tentou uma volta aos gramados com a camisa do Calouros do Ar em 1990. Amilton Melo queria se divertir jogando mais um campeonato cearense e chegou a enfrentar o Ferrão no dia 30 de setembro, um domingo com cheiro de saudade para um já quarentão barrigudo. Na noite de 6 de julho de 1997, Amilton Melo foi assassinado com vários tiros de revólver na Rua Padre Antônio Vieira, no bairro do Couto Fernandes em Fortaleza.

RECEPÇÃO NO AEROPORTO EM 2018 REPETE CHEGADA DE URIEL EM 1969

Segundo a administração do Aeroporto Internacional Pinto Martins, cerca de 500 torcedores do Ferroviário estiveram presentes na noite do último dia 16 de fevereiro para recepcionar os jogadores corais que participaram do episódio histórico do ´Milagre da Ilha` em Recife no dia anterior. A matéria acima foi veiculada no Globo Esporte de Fortaleza e eterniza o momento, evidenciando ainda mais o perfil de uma torcida diferenciada, apaixonada e composta em sua essência por pessoas de todas as idades que constituem uma imensa família. O fato acontecido em 2018 remete à chegada do atacante Uriel, ídolo do Santa Cruz/PE, que foi anunciado como contratação bombástica para o Ferrão em maio de 1969. Na ocasião, uma multidão de pessoas foi ao antigo aeroporto de Fortaleza para recepcionar o novo reforço do Tubarão da Barra. Quase cinquenta anos depois, o fato se repete e a torcida coral mostra a sua força.

Uriel: multidão no aeroporto

Assim como ocorrido na última sexta feira, a chegada de Uriel em 1969 também aconteceu no período da noite, o que proporcionou maior comodidade de horário para os torcedores que trabalhavam durante o dia. O lateral pernambucano Roberto Barra Limpa, ex-rival de Uriel em Recife, também esteve presente no Pinto Martins para recepcionar o novo companheiro em nome do elenco do Ferroviário. Uriel fez 36 jogos pelo Ferrão e marcou 11 gols, permanecendo na Barra do Ceará até março de 1970. Logo em seu primeiro jogo oficial pelo time coral, num clássico contra o Ceará no PV, Uriel fez um gol e foi considerado o melhor em campo. Depois, caiu de produção e sua condição de titular chegou a ser questionada. Como o Ferrão não conseguiu o bicampeonato em 1969, ficou a sensação de frustração na passagem de Uriel pelo futebol cearense. Porém, poucos lembram que antes de rescindir seu contrato, ele participou da estreia coral no vitorioso campeonato estadual de 1970 e que, por esse motivo, está com justiça incluído no rol eterno dos jogadores que conquistaram títulos pelo Ferrão. Mas, voltemos a 2018 para conferir abaixo uma filmagem amadora da invasão da torcida coral ao aeroporto na semana passada, quando nomes como o goleiro Bruno Colaço, o atacante Mota e o meia Valdeci, entre outros, são reverenciados. Nunca é demais registrar esse momento, até porque ele levou simplesmente cinco décadas para voltar a acontecer e seria muito bom se pudesse se tornar frequente no cotidiano do clube.

QUINTA PARTICIPAÇÃO DO FERRÃO EM COMPETIÇÃO NORDESTINA

Velho adversário nordestino

Hoje o Ferrão pega o ABC de Natal em sua estreia na Copa do Nordeste, uma das competições mais valorizadas atualmente no calendário nacional. Embora sejam certames distintos e alternados ao longo do tempo, a primeira edição de uma competição regional em nível Nordeste aconteceu na temporada de 1968 e levava simplesmente o nome de Nordestão. O Ferroviário esteve presente e enfrentou Sport/PE, Botafogo/PB, Alecrim/RN, Calouros do Ar, Campinense/PB e o próprio ABC/RN. Em jogos de ida e volta, o time coral foi eliminado ainda na primeira fase. Em 1970, na terceira edição da competição, o Ferrão voltou a participar e enfrentou o Campinense/PB, Treze/PB, América/PE e novamente o ABC/RN em jogos só de ida. Mais uma vez, o Tubarão da Barra foi eliminado na fase inicial. Foi o ano do famoso duelo entre Coca Cola e Marinho Chagas, no PV, já reportado aqui no blog. No ano seguinte, o torneio foi engavetado já que foi posto em prática uma nova metodologia de integração nacional com a implementação do primeiro campeonato brasileiro.

Nova edição da Copa do Nordeste é sucesso

Depois de 27 anos de espera e com participação efetiva do Ferroviário nas articulações políticas para o retorno da competição, o principal certame da região Nordeste voltou a ser disputado em 1997. A fórmula previa confrontos de mata-mata e o Ferrão teve novamente o ABC de Natal como seu adversário. Uma derrota no Machadão e um empate no PV eliminaram o time coral mais uma vez na primeira fase. Dois anos depois, em 1999, aconteceu a quarta e última participação coral na Copa do Nordeste. O Tubarão da Barra caiu no grupo composto por Ceará, América/RN e – de novo – o ABC de Natal. Em jogos de ida e volta, o Ferrão acabou mais uma vez eliminado na primeira fase. Agora em 2018, novamente o ABC/RN está no grupo do Ferroviário, ao lado do Vitória/BA e do Globo/RN. No geral, será a quinta participação coral na principal competição nordestina e, coincidentemente, o ABC/RN foi adversário do Ferrão em todas elas. Esperamos que o Ferroviário agora possa quebrar o tabu de não passar da primeira fase e conseguir sua inédita classificação para a segunda fase. Vai ser histórico!

TREINADOR CORAL NO ESTADUAL DE 1970 FALECEU ONTEM EM FORTALEZA

Alexandre Nepomuceno faleceu em Fortaleza

Morreu ontem o ex-treinador coral Alexandre Nepomuceno. Natural da cidade de Aracati, ele tinha 82 anos de idade e foi enterrado em Fortaleza no dia de hoje. Profundamente identificado com o Ceará, clube em que atuou como jogador durante toda a carreira, Alexandre recebeu várias homenagens do futebol cearense como um todo. Como não poderia deixar de ser, o Almanaque do Ferrão presta uma justa lembrança aquele que foi o comandante técnico no inesquecível título estadual de 1970. Ex-técnico do Calouros do Ar, Alexandre Nepomuceno chegou para comandar o time coral em maio de 1970, durante o 2º turno do campeonato cearense. Levou o Ferrão ao título estadual em outubro daquela temporada. Permaneceu até maio do ano seguinte e retornou para a Barra do Ceará no campeonato cearense de 1972 numa passagem que durou aproximadamente dois meses. Ao todo foram 65 partidas como treinador do Ferroviário, sendo 35 vitórias, 20 empates e apenas 10 derrotas. Descanse em paz.