EX-ATACANTE MANO VOLTA AO FERRÃO EM DIA DE MUITA EMOÇÃO

O ex-atacante coral Mano, campeão pelo Ferrão nas temporadas de 1968 e 1970, além de filho do ex-craque Vicente Trajano, que foi um dos maiores atletas que vestiram a camisa do Tubarão da Barra em todos os tempos, esteve na semana passada na Barra do Ceará. A visita foi um pedido do próprio Mano, que vem lutando bravamente contra problemas de saúde. Coube à repórter Cristiane Araújo, uma das colaboradoras aqui do blog, realizar o desejo do ex-ponta direita coral e organizar uma matéria de vinte minutos em seu canal no YouTube. Vale a pena conferir o emocionante material acima, que contou com a participação de ilustres torcedores corais que se deslocaram até a Barra do Ceará especialmente para a homenagem.

Mano entre as feras corais do vitorioso elenco de 1970: Amilton Melo, Paulo Velozo e Alísio

Ao todo, Mano entrou em campo 99 vezes com a camisa do Ferrão e marcou 19 gols. Foram 13 participações do ponta direita em jogos do título invicto de 1968, que completou aniversário de 50 anos em 2018. Na temporada de 1970, Mano participou de 7 jogos na vitoriosa campanha coral ao lado de nomes consagrados como o craque Amilton Melo, o goleador Paulo Velozo e o ponta esquerda Alísio. Além de dois títulos estaduais, o ex-ponta também conquistou uma terceira competição com a camisa do Ferrão, a Taça Estado do Ceará disputada em 1969, quando entrou em 8 jogos e marcou 2 gols. Foram, portanto, três títulos na memorável passagem de Dionísio Muniz Trajano pelo Ferroviário Atlético Clube. Na visita da última semana, ele fez duas doações importantíssimas para o clube: as faixas de campeão estadual de 1968 e de 1970, a primeira inclusive assinada por Pelé, que o enfrentou quando o Santos/SP foi convidado para o jogo comemorativo de entrega de faixas no estádio Presidente Vargas naquele ano. Por ocasião da doação feita diretamente ao presidente Walmir Araújo, Mano teve o privilégio de visitar em primeira mão as obras do futuro memorial de conquistas do Ferrão que está sendo brilhantemente construído pelo departamento de patrimônio do clube e que será inaugurado no começo de 2019. Foram momentos muito marcantes para o ex-atacante coral na visita ao Elzir Cabral. E que sejam eternos na lembrança de Mano, assim como ele é na história do Ferroviário.

BODAS DE OURO DO ÚLTIMO CAMPEÃO CEARENSE INVICTO

Matéria na imprensa cearense no dia 28/07/1968 prognosticando o fim do jejum de 16 anos

O último campeão invicto! Assim é conhecido até hoje o elenco do Ferroviário de 1968, que conquistou o campeonato estadual daquele ano com ampla supremacia e entrou para história eterna do futebol alencarino. Nesse sábado, dia 28 de julho, celebra-se o 50° aniversário daquela brilhante conquista. Naquele período, a diretoria coral passara por uma renovação e a chegada de jovens engenheiros da RFFSA para comandar os destinos do clube enchera de esperança a torcida coral, que não comemorava um título há 16 anos, o que era até então o maior jejum do clube em termos de conquistas. Capitaneados pelo presidente Elzir Cabral, dirigentes como José Rêgo Filho, Ruy do Ceará, Cândido Pamplona e um grupo de abnegados corais quebravam o jejum e começavam a escrever uma nova história para o clube. O jogo decisivo foi contra o Fortaleza, que também brigava pelo título naquele domingo de 1968. João Carlos marcou para o Ferrão e Croinha anotou o seu para o Fortaleza. O empate de 1×1 garantiu a conquista coral. O treinador Ivonísio Mosca de Carvalho mandou à campo naquela tarde a seguinte formação: Cavalheiro, Wellington, Flodoaldo (Luiz Paes), Gomes e Barbosa; Edmar e Coca Cola; Mano, João Carlos, Paraíba e Raimundinho (Lucinho). Nas bodas de ouro daquela conquista, é bom não esquecermos de eternizar esses nomes na memória coral. Além dos que atuaram na partida decisiva, vale destacar a participação dos que atuaram em pelo menos uma partida na competição: Roberto Barra-Limpa, Jurandir, Douglas, Facó, Ademir, Sanêga e Edilson José.

Página esportiva do Correio do Ceará destacando o grande feito coral no campeonato de 1968

Desde que foram campeões, alguns atletas do grupo coral nunca mais se encontraram.  A vida deu rumo diferente para muitos na carreira futebolística, outros simplesmente abandonaram a profissão, porém sem nunca esquecer a união daquele grupo e a importância daquele momento. Em 2014, alguns remanescentes do elenco do Ferrão de 1968 se encontraram numa churrascaria em Fortaleza e a noite foi de recordações e muita emoção. O goleiro gaúcho Cavalheiro, por exemplo, não voltava a Fortaleza há quase quatro décadas e nunca mais havia tido qualquer tipo de contato com seus antigos companheiros. O volante Edmar, titular absoluto em toda a campanha coral, comentou sobre mais um aniversário daquela conquista na última vez que teve o privilégio de estar reunido com parte daquele grupo: “Foi uma festa memorável após a partida. Nunca vi nada igual. Era um grande time. Não perdemos pra ninguém. Nós jogávamos por música e tínhamos o suporte de uma diretoria cheia de gente jovem e de palavra. Tenho orgulho de fazer parte daquela geração“, disse. Do interior do Rio Grande do Sul, o goleiro Cavalheiro também mandou uma mensagem de aniversário referente à conquista: “1968 foi um ano emblemático em todo país pela conjuntura social e política que vivíamos no país. Conquistar um título naquele ano pelo Ferroviário, time de origem humilde e proletária, e ainda de forma invicta, foi um dos maiores feitos da carreira daqueles jogadores. O Ferrão está eternizado no meu coração“, comentou. Feliz bodas de ouro, torcedor coral! 1968 para sempre!

Campeões 1968 em 2014: Mano, Luiz Paes, Edmar, Barbosa, Cavalheiro e Raimundinho

QUINTA PARTICIPAÇÃO DO FERRÃO EM COMPETIÇÃO NORDESTINA

Velho adversário nordestino

Hoje o Ferrão pega o ABC de Natal em sua estreia na Copa do Nordeste, uma das competições mais valorizadas atualmente no calendário nacional. Embora sejam certames distintos e alternados ao longo do tempo, a primeira edição de uma competição regional em nível Nordeste aconteceu na temporada de 1968 e levava simplesmente o nome de Nordestão. O Ferroviário esteve presente e enfrentou Sport/PE, Botafogo/PB, Alecrim/RN, Calouros do Ar, Campinense/PB e o próprio ABC/RN. Em jogos de ida e volta, o time coral foi eliminado ainda na primeira fase. Em 1970, na terceira edição da competição, o Ferrão voltou a participar e enfrentou o Campinense/PB, Treze/PB, América/PE e novamente o ABC/RN em jogos só de ida. Mais uma vez, o Tubarão da Barra foi eliminado na fase inicial. Foi o ano do famoso duelo entre Coca Cola e Marinho Chagas, no PV, já reportado aqui no blog. No ano seguinte, o torneio foi engavetado já que foi posto em prática uma nova metodologia de integração nacional com a implementação do primeiro campeonato brasileiro.

Nova edição da Copa do Nordeste é sucesso

Depois de 27 anos de espera e com participação efetiva do Ferroviário nas articulações políticas para o retorno da competição, o principal certame da região Nordeste voltou a ser disputado em 1997. A fórmula previa confrontos de mata-mata e o Ferrão teve novamente o ABC de Natal como seu adversário. Uma derrota no Machadão e um empate no PV eliminaram o time coral mais uma vez na primeira fase. Dois anos depois, em 1999, aconteceu a quarta e última participação coral na Copa do Nordeste. O Tubarão da Barra caiu no grupo composto por Ceará, América/RN e – de novo – o ABC de Natal. Em jogos de ida e volta, o Ferrão acabou mais uma vez eliminado na primeira fase. Agora em 2018, novamente o ABC/RN está no grupo do Ferroviário, ao lado do Vitória/BA e do Globo/RN. No geral, será a quinta participação coral na principal competição nordestina e, coincidentemente, o ABC/RN foi adversário do Ferrão em todas elas. Esperamos que o Ferroviário agora possa quebrar o tabu de não passar da primeira fase e conseguir sua inédita classificação para a segunda fase. Vai ser histórico!

NEM PELÉ FUROU A DEFENSIVA CORAL CAMPEÃ INVICTA DE 1968

Pelé tenta furar a defensiva coral no amistoso de entrega de faixas em 1968 no Presidente Vargas

Quando o Ferroviário foi campeão cearense invicto em 1968, a direção coral convidou o Santos de Pelé para o jogo comemorativo de entrega de faixas. A partida aconteceu no dia 4 de agosto daquele ano e terminou no 0x0. Pepe perdeu um pênalti no primeiro tempo do jogo. Pelé bem que tentou, mas não conseguiu furar a defensiva coral formada pela dupla Luiz Paes e Gomes. A famosa revista O Cruzeiro, de circulação nacional, publicou em suas páginas a foto acima, que merece o destaque de hoje na seção ´Retratos` do Almanaque do Ferrão. No ano que vem, o título invicto do Ferrão completa 50 anos e certamente a lembrança não deve passar em branco pela direção do clube. Muitos campeões de 1968 ainda estão vivos para serem homenageados, inclusive pela Federação Cearense de Futebol já que desde então, nenhuma outra equipe local conquistou o título estadual sem perder nenhuma partida na competição.

TRÊS TÍTULOS INESQUECÍVEIS DENTRO DA MESMA PISCINA

Ruy do Ceará e José Rego Filho: três títulos estaduais históricos dentro da piscina

Apesar das fortes chuvas que caem há 4 dias em Fortaleza, o Almanaque do Ferrão publica uma foto bastante sugestiva para um domingo como hoje. Recentemente, dois dos maiores nomes da história coral curtiram um dia de sol no Náutico Atlético Cearense. Dentro da piscina, nada menos que 3 títulos estaduais conquistados diretamente para o Ferroviário. Um na função de presidente, o outro como diretor de futebol, uma dobradinha inesquecível para os torcedores e imprensa cearense: José Rego Filho e Ruy do Ceará, respectivamente. Os dois se conheceram ainda no colegial, fizeram juntos a faculdade de engenharia em Recife, foram vizinhos na vila dos engenheiros da RFFSA, gloriosa instituição federal da qual cada um foi superintendente em épocas distintas. No Ferroviário, conquistaram o título cearense invicto em 1968, depois de um tenebroso jejum de 16 anos, além do supercampeonato de 1970 e o improvável estadual de 1979. Em 1988, faziam parte do conselho deliberativo na época de mais um título cearense. Nomes eternos em qualquer página que tenha a missão de narrar a história coral.

DIRETORIA CORAL CONCLAMAVA A PRESENÇA DA TORCIDA EM 1968

Ninguém duvida que o Ferroviário tem a terceira maior torcida no futebol cearense, mas a lembrança de que um dia esta mesma torcida já foi maior que a do Fortaleza é sempre recorrente. O Almanaque do Ferrão faz um recorte no tempo e vai até 1968, ano em que os dirigentes corais ainda tentavam neutralizar o crescimento vertiginoso da torcida do adversário, que realmente havia ultrapassado a do Tubarão da Barra em anos anteriores. Curioso ver que, naquela época, a direção coral já não andava muito satisfeita com o comparecimento de seus torcedores, razão pela qual não ser muito inteligente repetir a velha ladainha nos dias atuais. É chover no molhado, como dizem os mais antigos. Vale a pena a leitura da matéria abaixo retirada do extinto Correio do Ceará. Vale mais ainda recordar José Rego Filho, um dos maiores dirigentes da nossa linda história. O próprio exemplo de 1968 pode ser seguido atualmente. Não adianta reclamar da própria torcida, ela comparecerá quando achar que deve prestigiar, quando o clube fizer por merecer com atuações competitivas e chances de conquista. Naquele ano, apesar das reclamações durante o campeonato, a torcida decidiu dar o ar da graça na reta final e viu um título estadual inesquecível depois de 16 anos. É que a gente só lembra das coisas boas.

fac 01322

GOLEIRO CAMPEÃO INVICTO EM 1968 COMEMORA HOJE 70 ANOS DE IDADE

10403046_573562022789775_5345247318632235294_n

Ex-goleiro coral Cavalheiro, o aniversariante do dia, em foto recente tirada no Rio Grande do Sul

Hoje é dia de dar os parabéns ao ex-goleiro gaúcho Cavalheiro, campeão cearense invicto pelo Ferroviário Atlético Clube no ano de 1968. Ele completa hoje 70 anos de idade e seu nome está para sempre registrado na galeria de inesquecíveis do time coral. Ele conquistou o título estadual aos 23 anos de idade, depois de atuar por Internacional/RS e Vasco/RJ. Sua passagem no futebol carioca rendeu a indicação para o Tubarão da Barra por intermédio do diretor Joseoly Moreira e o crivo do eterno ídolo Pacoti, seu companheiro na equipe carioca. Foram 35 jogos no total no arco coral. Cavalheiro largou o futebol ainda jovem e preferiu terminar a faculdade de Direito para seguir a carreira de advogado, inicialmente em Minas Gerais e depois no Rio Grande do Sul.

cavalheirogoleiro

Cavalheiro no Ferrão

Cavalheiro deixou o Tubarão da Barra em maio de 1969 e nunca mais dele se ouviu falar. Em 2008, nas comemorações dos 40 anos do título invicto de 68, o programa Rádio Ferrão localizou o ex-goleiro no sul do país e o colocou ao vivo no ar, resgatando memórias daquela sensacional conquista num bate-papo emocionante que envolveu também o ex-volante Edmar. Foram décadas longe de Fortaleza. Em 2014, ele voltou à capital cearense e reencontrou alguns companheiros do passado. O retorno à cidade parece ter tocado o coração do ex-arqueiro e ele organizou uma nova viagem, acontecida recentemente no mês passado, onde teve a oportunidade de se reunir novamente com seus contemporâneos de Ferroviário. Irmão de Homero Cavalheiro, ex-treinador do Sub-20 da Seleção Brasileira nos anos 80, o goleiro campeão cearense invicto de 1968 tem um filho chamado Henrique que resolveu seguir a carreira do pai e que milita atualmente em equipes do futebol gaúcho. Em síntese, não é sempre que se chega a sete décadas de vida, razão pela qual esse 14 de outubro merece ser comemorado em sua plenitude.