ANIVERSÁRIO DE UMA VIRADA SENSACIONAL E HISTÓRICA EM 1946

Charutinho: 2 gols no jogo

Um resultado histórico na trajetória do Ferroviário completa hoje aniversário. No dia 30 de junho de 1946, em jogo válido pelo 2º turno do campeonato cearense daquele ano, o time coral perdia para o Luso por 1×0, gol de Dudu, até os 32 minutos do segundo tempo. Nos treze minutos finais, o Ferrão marcou simplesmente cinco gols, selando uma virada e uma goleada sensacional, que rendeu muitos abraços entre os torcedores e comemorações no estádio Presidente Vargas. Foram dois gols do centroavante Charutinho, que trabalhava paralelamente como alfaiate, além de tentos de Benedito, Toinho I e Almeida. O árbitro daquele jogo foi Rolinha, pai do futuro jogador coral Kitt e avô do médico Sérgio Rôla, que atualmente ocupa cargo importante no Conselho Deliberativo do Ferroviário. Treinado pelo lendário Valdemar Caracas, o time erreveceano formou com Zé Dias, Caranguejo e Manoelzinho; Benedito, Dandoca e Babá; Toinho I, Chinês, Charutinho, Almeida e Pipi. Como se vê, nota-se a presença nessa formação de muitos nomes lendários em nossa história. O Luso, equipe já extinta do futebol cearense, jogou com Rai, Zé Milton e Motor; Rolinha, Enéas e Azevedo; Gerson, Dudu, Zecapinto, Purunga e Zuzinha. Naquela temporada, o Ferroviário Atlético Clube defendia o título, pois era o campeão cearense de 1945, primeira conquista relevante na gloriosa trajetória coral no futebol cearense. 

CRÔNICA SOBRE O FERROVIÁRIO NA ESPORTE ILUSTRADO EM 1946

A revista Esporte Ilustrado foi uma importante publicação no Brasil entre 1920 e 1956. Dez anos antes de ser extinta, uma crônica escrita por Índio do Jaguaribe figurou nas páginas da revista versando sobre dois títulos recentes da equipe que representava a Rede de Viação Cearense, a saudosa RVC. Em meio ao texto, o registro fotográfico das formações campeãs do campeonato cearense de 1945 e do Torneio Início de 1946, quando o Ferroviário recebeu a taça que levava o nome do médico, ex-deputado estadual e constituinte Honório Correia Pinto. Na final do Estadual de 1945, a vítima foi o Maguari, que acabou desativando sua equipe de futebol depois da derrota inesperada. Por sua vez, o Fortaleza foi o adversário na final do Torneio Início de 1946. As decisões aconteceram no gramado do PV. Vale a pena conferir a matéria acima e recordar nomes grandiosos dos primórdios da história coral. Muito embora a revista falasse em bicampeonato estadual para o Ferroviário, ele só veio meio século depois.

PRIMEIRO TÍTULO ESTADUAL DO FERRÃO COMPLETA 70 ANOS

ferrao_45222

Uma das formações do Ferroviário no início de 1946: Valdemar Caracas, Caranguejo, Babá, Alderi, Benedito, Chinês e Dandoca. Agachados: Olívio, Aracati, Charutinho, Almeida e Pipi.

O título foi o de campeão cearense de 1945, mas a conquista veio em 1946, exatamente num 17 de fevereiro como hoje. Há 70 anos, o Ferroviário Atlético Clube conquistava seu primeiro campeonato estadual e grafava seu nome na galeria dos grandes times do futebol alencarino. Sob o comando do próprio fundador Valdemar Caracas, que exercia na ocasião a função de treinador da equipe, o legítimo representante da classe ferroviária do estado do Ceará batia, de virada, o poderoso Maguari por 3×1, com gols de Pipi, Toinho II e Charutinho, conquistando um resultado histórico e enchendo de alegria uma grande legião de torcedores que acompanhava a agremiação coral. O jogo foi disputado num acanhado estádio Presidente Vargas e teve o lendário árbitro Rolinha no apito.

foto 04322

Os jornais da cidade de Fortaleza estampavam: Ferroviário campeão cearense de 1945

A competição teve apenas 9 jogos para o Ferroviário, um deles vencido por WO contra o Fortaleza. Nas outras 8 partidas disputadas em campo, o Almanaque do Ferrão registrou a seguinte participação de cada atleta: Zé Dias (7 jogos), Gumercindo (1), Caranguejo (8), Benedito (8), João Bombeiro (5), Chinês (8), Dandoca (8), Toinho II (8), Aracati (8), Charutinho (8), Duó (4), Almeida (4), Pipi (8) e Osvaldo (3). Na foto mais famosa do título, nota-se a ausência do goleiro titular Zé Dias e também de seu reserva imediado Gumercindo. Quem aparece é o jovem Alderi, que apesar de não ter participado de nenhuma partida oficial no certame, fixou-se como titular por um período logo após a conquista. O defensor Babá e o atacante Olívio também saíram na foto com o troféu, mesmo sem terem disputado jogos oficiais no campeonato. Na final contra o Maguari, no jogo de número 194 de toda a trajetória coral, o Ferrão formou com Zé Dias, Caranguejo e Benedito; Dandoca, Chinês e Osvaldo; Toinho II, Aracati, Charutinho, Almeida e Pipi. O Maguari jogou com Rai, Valdemar e Popó; Roberto, Otávio e Stênio; Gerson, Dudu, Jombrega, Henrique e Deefeito. Partida histórica para sempre ser lembrada!