POR ONDE ANDA O NOSSO GRANDE ARTILHEIRO DO MARACANÃ?

o barbudo Almir, nosso goleador no Maracanã

As torcidas que ele encantou o chamavam de Almir Beleza, Almir Explosão ou, simplesmente, Diabo Louro. Era exatamente essa última alcunha, que a torcida coral gostava de se referir nos estádios a Almir, um carioca nascido na bela Petrópolis, artilheiro nato, que começou a carreira no Fluminense/RJ, jogando ao lado do craque Rivelino. Ele é até hoje o único jogador coral que assinalou gols no Maracanã, que nessa semana comemora seu aniversário de 70 anos. Depois de deixar o clube do Rio de Janeiro, Almir se destacou pelo Santa Cruz/PE e pelo CSA de Alagoas, até chegar no Ferroviário para disputar o campeonato brasileiro de 1980, quando marcou o primeiro gol da história do Tubarão da Barra no Maracanã, justamente na primeira vez que a equipe coral se apresentava no maior estádio do mundo. Jogando naquela noite contra o Flamengo de Zico, o Ferrão perdeu por 2×1, mas Almir assinalou um belo gol, depois de um passe de letra do craque Bibi. Após a competição, o vínculo do jogador se encerrou e ele seguiu sua carreira em Alagoas, dessa vez no CRB, retornando para a Barra do Ceará em 1982, e permanecendo até a temporada seguinte. No Ferroviário, além de dois vice-campeonatos estaduais, o Diabo Louro atingiu 91 jogos em campo e assinalou 30 gols. Você saberia dizer por onde anda Almir?

Nosso grande Almir, hoje com seu filho Samir

Depois que parou de rodar no futebol, passando ainda por Nacional de Manaus e ASA de Arapiraca, Almir Vieira Chagas voltou a morar em Petrópolis e conseguiu, no ano passado, oficializar sua aposentadoria junto à Previdência Social. O ex-goleador trabalhou, durante muitos anos,  como motorista de ônibus, atuando em várias companhias de transporte rodoviário. Trabalhou também como motorista na área de logística de produtos de confecção, onde cruzava o estado do Rio de Janeiro em suas atividades cotidianas. Hoje em dia, Almir mora sozinho em Petrópolis. O ex-atleta coral tem seis filhos, o mais novo, o jovem Samir, que aparece na foto acima. Em setembro desse ano, ele vai completar 64 anos de idade. Em março de 1983, jogando contra o Botafogo/RJ, novamente no Maracanã, Almir marcou outro gol com a camisa coral. O gol em 1980 e esse de 1983, o colocam na condição de único jogador do Ferroviário Atlético Clube, até hoje, a balançar as redes do tradicional estádio carioca. Naquele jogo, Almir terminou expulso de campo, juntamente com o craque Betinho. Abaixo, para homenagear nosso eterno artilheiro, publicamos o áudio com os gols do jogo contra o Botafogo, na narração da tradicional Rádio Globo do Rio de Janeiro, quando o Ferrão saiu na frente do placar e sofreu a virada, mesmo jogando bem no Maracanã, diante de 26.935 pagantes e com dois jogadores a menos.

GOLS DE UMA GRANDE VITÓRIA DO FERROVIÁRIO EM CIMA DO CEARÁ

Artilheiro Paulo César marca o primeiro gol do jogo contra o Ceará aos 7 minutos do 1º tempo

A imagem acima é mais um gol de Paulo César no campeonato cearense de 1979. Foi marcado na goleada de 4×2 em cima do Ceará, no dia 10 de junho daquele ano. Os 19.414 pagantes testemunharam, no Castelão, uma atuação de gala do Ferrão contra o time que era o tetracampeão estadual. O treinador Urubatão Calvo Nunes promovia a estreia oficial do goleiro Cícero Capacete, do lateral Jorge Luís e do atacante Raulino, que marcou logo dois gols em seu primeiro jogo. O baixinho Babá anotou o outro tento coral no jogo. Coube a Aloísio Guerreiro e Geraldino Saravá marcarem para o alvinegro, que era treinado por Moésio Gomes. Repare na bela escalação coral naquele domingo: Cícero, Jorge Luís, Lúcio Sabiá, Celso Gavião e Ricardo Fogueira; Jeová, Jacinto (Dedé) e Nilsinho (Terto); Raulino, Paulo César e Babá. O Ceará perdeu com Sérgio Gomes, Tércio, Pedro Basílio, Artur e Bezerra; Serginho e Erasmo (Jangada); Ivanir, Aloísio Guerreiro, Geraldino e Tiquinho. Aquele 4×2 deu muita moral ao Ferrão, que conquistou o 2º turno duas semanas depois. Raulino, estreante e autor de dois gols no jogo, foi também peça fundamental no título estadual daquele ano. Mês passado, completou dez anos de sua morte, na cidade de Manaus, em decorrência de problemas cardíacos. Com a narração de Gomes Farias, além da participação do ex-árbitro Gilberto Ferreira e dos setoristas Luiz Antônio e Itamar Monteiro, você confere abaixo o resgate histórico em sete minutos de áudio com os seis gols daquela memorável partida transmitida pela Rádio Verdes Mares de Fortaleza.

NARRAÇÃO HISTÓRICA NO DIA DO TÍTULO DE CAMPEÃO BRASILEIRO

Registro do dia que o Ferroviário Atlético Clube conquistou o maior título de sua gloriosa história

Feliz aniversário, Ferrão! O áudio acima é um registro especial para marcar mais uma comemoração do nosso querido Ferroviário Atlético Clube. No momento em que chegamos aos 87 anos do clube, escute com atenção e guarde essa gravação no coração. O material diz respeito ao dia que o Tubarão da Barra conquistou o maior título de sua história, no qual o consagrado narrador Gomes Farias, ao empunhar o microfone da Jovem Pan News 92,9 FM, fazia a transmissão do jogo final da Série D nacional contra o Treze/PB, em Campina Grande. São 11 minutos de narração que estão agora eternizados no Almanaque do Ferrão. Durante esse tempo, Gomes Farias descreve não somente os momentos finais da partida, mas também recorda nomes grandiosos e famosos que sempre estiveram historicamente vinculados ao Tubarão da Barra, como a escritora Rachel de Queiroz, os ex-dirigentes Vicente Monteiro, Clóvis Dias, José Rego Filho, Ruy do Ceará, Chateaubriand Arrais, Caetano Bayma, Carlos Mesquita, Edilson Sampaio e Frota Melo, entre tantos outros corais como Valdemar Caracas, Dona Filó, Zé Limeira, Assis Carvalho, Aderson Maia, Gilson Bruno, etc.  Junior Marquezine, setorista da emissora, enfatiza também a importância da dupla Walmir Araújo e Francisco Neto na grande conquista nacional. O radialista Flávio Moreira é outro que participa da transmissão. Feliz aniversário, querido Ferrão!

O DIA QUE O FERROVIÁRIO BATEU O CEARÁ COM 2 GOLS DE ARNALDO

Arnaldo

O meio campista Arnaldo foi um jogador muito importante na história do Ferroviário. A maioria das pessoas lembra do ex-atleta, cria do Santo André/SP, pelo inesquecível título estadual de 1988 ou até mesmo pelo seu retorno na temporada de 1991, porém o que pouca gente recorda é que ele já havia vestido a camisa coral em 1985, quando o presidente Caetano Bayma montou um grande time. Abaixo, recuperamos o áudio da narração de uma vitória do Tubarão da Barra naquele ano, em cima do Ceará por 2×0, com dois gols do baixinho Arnaldo. A narração é de Gomes Farias e o setorista no gramado foi Bosco Farias pela Rádio Verdes Mares de Fortaleza. Naquele domingo, o Ferrão formou com Serginho, Laércio, Arimatéia, Léo e Vassil; Nélson, Denô e Arnaldo; Cardosinho (Doca), Luizinho das Arábias e Carlos Antônio (Foguinho). O técnico era o carioca Zé Mário. O alvinegro, do treinador Caiçara, formou com Sérgio Neri, Everaldo, Djalma, Argeu e Bezerra; Caçapava, Lira e Assis Paraíba (Amauri); Josué, Wolney e Lupercínio. Joaquim Gregório foi o árbitro da partida. Vale a pena escutar a raridade abaixo.

ÁUDIO RARO DE UM DOMINGO DE FUTEBOL COM VITÓRIA CORAL EM 1978

Babá puxado pela camisa pelo defensor do Tigre

Saudade dos domingos de futebol? Em tempos de pandemia mundial, o negócio é reprisar antigos momentos e aguardar dias melhores com a volta da bola aos gramados. Hoje é dia de viajar no tempo e lembrar em áudio de um domingo de 1978. O Ferrão pegava o Tiradentes pelo 2º turno do campeonato cearense e o endiabrado ponta esquerda Babá era um dos destaques da competição. Ele jogou muito bem na vitória coral por 3×1 naquela tarde. Foram dois tentos do artilheiro Paulo César e outro do lateral direito Paulo Maurício. Dedé descontou para o Tigre. Na ocasião, Ceará e Fortaleza prometeram bicho extra para os atletas do Tiradentes pelo menos empatarem o jogo, já que o Tubarão da Barra marchava célere para a conquista do turno, o que acabou não acontecendo após uma decisão emocionante contra o Tricolor do Pici dias depois. O técnico Lucídio Pontes utilizou naquela vitória a seguinte formação: Gilberto, Paulo Maurício, Lúcio Sabiá, Arimatéia e Ricardo Fogueira (Jorge Henrique); Doca, Jacinto e Jorge Bonga (Luizinho); Marcos, Paulo César e Babá. O treinador Tenente Castro lançou o Tiradentes com Tarcísio Abelha, Carlito, Nilo, Luís Augusto (Adão) e Cafifa; Citó, Nilsinho e Oliveira (Marcos); Dedé, Alves e William. Atenção no ótimo público no PV: 7.189 pagantes. Não à toa, já foi abordado aqui ser justamente a temporada de 1978 aquela como maior média de público do Ferrão em toda a história. Abaixo, você recorda a narração dos gols daquele jogo nas vozes de Gomes Farias, Edvaldo Pereira e do saudoso comentarista Paulino Rocha na Rádio Verdes Mares.

OS GOLS DE UMA VITÓRIA POR 3X1 NO CLÁSSICO DAS CORES EM 1975

Goleiro Pedrinho puxa a fila no treinamento do preparador Wilson Couto para pegar o Fortaleza

Hoje abrimos os arquivos sonoros do Almanaque do Ferrão e voltamos 45 anos no tempo para resgatar os gols de uma vitória do Tubarão da Barra por 3×1 em cima do Fortaleza no estádio Castelão. O jogo foi válido pelo 3º turno do campeonato cearense de 1975 e teve na arbitragem o carioca Arnaldo César Coelho. O grande nome do jogo foi o experiente atacante Erandy, embora os gols tenham saído dos pés de Jeová e duas vezes de Lula, artilheiro da competição naquela temporada. O quarto zagueiro Cândido, cria da base coral, estava emprestado e descontou para o Fortaleza. Treinado por William Pontes, o Tubarão da Barra venceu com Pedrinho, Paulo Tavares, Lúcio Sabiá, Arimatéia e Eldo; Vicente, Aucélio e Danilo Baratinha; Lula, Erandy (Chicó) e Jeová. O Fortaleza de Móesio Gomes perdeu com Lulinha, Alexandre, Hamilton Ayres (Ozires), Cândido e Roner; Chinesinho e Zé Carlos; Zé Raimundo, Amilton Melo, Reinaldo (Luizinho) e Geraldino. A brilhante narração abaixo é de Gomes Farias e os comentários de José Tosta, ambos em transmissão ao vivo pela Rádio Verdes Mares de Fortaleza. Ao final do campeonato estadual, Erandy já pensava na aposentadoria e passou a acumular também a função de treinador da equipe e levou um jovem time coral à conquista do Taça Bayma Kerth, uma espécie de Taça Fares Lopes da ocasião. Nascia naquele episódio o treinador Erandy Pereira Montenegro.

UM CLÁSSICO DAS CORES ANTOLÓGICO PRA NUNCA ESQUECER

Clássico das Cores antológico do campeonato cearense de 1978 terminou em disputa de pênaltis

Houve um tempo em que o campeonato cearense arrebatava multidões. Disputado em apenas quatro meses – algo muito semelhante com o tempo de duração dos estaduais hoje em dia – o certame alencarino de 1978 foi um sucesso de bilheteria. Não à toa, aquela temporada registra até hoje a maior média de público da história coral. O futebol local vivia uma época de ouro e clássico era sempre disputado no melhor estádio disponível. Ferrão e Fortaleza protagonizaram, no Castelão, a final do 2º turno do Estadual de 1978 e 30.407 pagantes compareceram ao jogo naquela tarde/noite de 29 de outubro. A partida foi arbitrada pelo carioca Luís Carlos Félix. Depois de um 0x0 nos noventa minutos, as duas equipes disputaram mais trinta minutos de prorrogação e o placar eletrônico do Castelão teimou em não se movimentar. Pelo regulamento da competição, a decisão foi para o pênaltis e o Clássico das Cores, ou o “Ferrofort“, como era também chamado na ocasião, escrevia nas páginas da história um de seus momentos mais antológicos. O Fortaleza levou a melhor vencendo por 5×4 e comemorou com muita emoção. O Tubarão da Barra, que já tinha vencido o 1º turno, lamentou o desfecho da grande final do returno e seguiu em frente na competição. O Ceará ganhou o último turno e as três equipes foram para o ´Super Turno`, ficando o alvinegro com o histórico tetracampeonato estadual, aquele do gol do Tiquinho.

Veterano goleiro Gilberto, ex-Santa Cruz/PE, foi o goleiro coral naquela disputa de pênaltis

Toda vez que um Clássico das Cores se realiza, como o de hoje pelo campeonato estadual de 2020, os comandantes do futebol cearense deveriam lembrar dos grandes jogos na história e organizar a competição com mais atrativos e menos aberrações. Mas isso aí é outro assunto. Vale mais o registro histórico de um clássico inesquecível para quem estava no Castelão naquele domingo de 1978, como o Prof. Valdinar Custódio, falecido já há muito tempo, mas que sempre comentava sobre essa derrota dolorosa em suas memórias orais durante saudosos bate papos na roda de jovens amigos de seus filhos, entre eles, este blogueiro, sempre presente e atento a tudo que ele contava. Talvez, lá no céu, ele já tenha perdoado o lateral Ricardo Fogueira por perder a segunda cobrança. Treinado por Lucídio Pontes, o Ferrão jogou com Gilberto, Paulo Maurício, Lúcio Sabiá, Arimatéia e Ricardo Fogueira; Jodecir, Doca e Jacinto (Jorge Bonga); Marcos (Luizinho), Paulo César e Babá. O tricolor, do técnico Moacyr Menezes, ganhou com Lulinha, Pepeta, Chevrolet, Celso Gavião e Dudé; Otávio Souto, Lucinho (Batista) e Bibi; Haroldo (Delmo), Geraldino e Da Costa. O Ferrão iniciou os penais com Jorge Bonga. Ricardo Fogueira perdeu a segunda cobrança e, em seguida, Doca, Babá e Paulo Maurício converteram suas finalizações. O Fortaleza acertou todos os chutes na seguinte ordem: Bibi, Da Costa, Delmo, Dudé e Celso Gavião. Por ironia do destino, o zagueiro Celso, três meses depois, foi contratado pelo Ferrão e tornou-se um dos grandes ídolos da história coral. Reviva  aquele momento mágico na memória dos Clássicos das Cores escutando o áudio abaixo. Resgatamos a histórica transmissão dos gols na disputa de pênaltis na voz de Gomes Farias, Bezerra de Menezes e Edvaldo Pereira, durante a transmissão da Rádio Verdes Mares de Fortaleza. Um registro antológico de um clássico antológico.

ÁUDIO RARO PARA LEMBRAR DOIS DOS DESTAQUES DO FERRÃO EM 1974

Anúncio na imprensa da chegada dos ex-alvinegros Jorge Costa e Samuel para o Ferrão em 1974

Na temporada de 1974, o Ferroviário tinha um político na presidência. O deputado estadual Aquiles Peres Mota era ligado à Aliança Renovadora Nacional (ARENA), partido político que dava sustentação à ditadura militar no Brasil. Apesar de grave crise financeira, o time coral acertou a contratação de dois jogadores consagrados no Ceará em temporadas anteriores: o meia Samuel e o atacante Jorge Costa. Mesmo diante das muitas dificuldades econômicas e estruturais, os dois fizeram relativo sucesso no Tubarão da Barra. Resgatamos abaixo o áudio com o gol da vitória do Ferrão contra o Maguari pelo campeonato cearense daquele ano. A narração é de Gomes Farias e o repórter volante é o ex-árbitro José Tosta, que trabalhavam na Rádio Verdes Mares de Fortaleza. Treinado pelo ex-goleiro Gilvan Dias, o Ferrão venceu com Marcelino, Perivaldo, Joel Copacabana, Cândido e Grilo; Luciano Oliveira (Edilson Lopes) e Oliveira; Marcos (Lula), Jeová, Jorge Costa e Gaspar. Samuel estava contundido nesse jogo e não enfrentou o Maguari, comandado pelo técnico Zé Gerardo, e que formou com Jorge Hipólito, Reizinho, Hamilton Ayres, Alvy e Valdecir; Zezinho e Nilsinho; Chico Alves (Adão), Dedé (Simplício), Facó e Zequinha. Perceba nomes corais históricos como Hamilton Ayres, Facó e Simplício atuando pelo adversário. O jogo foi no Castelão e teve um público de 2095 pagantes. Jorge Costa fez 29 jogos e marcou 15 gols pelo Ferrão. Samuel, por sua vez, atuou em 18 jogos e marcou 7 tentos. Jorge voltou para o Ceará na temporada seguinte e depois ainda atuou no Fortaleza. Samuel foi para o ABC/RN na temporada seguinte e teve sucesso, até que um belo dia deixou uma carta e se mandou de Natal para nunca mais jogar futebol, mas isso ai é uma outra história que um dia contaremos por aqui. Abaixo, o gol de Jorge Costa, de pênalti, contra o Maguari em 1974, com a camisa do Ferrão. Certamente, uma raridade.

ÁUDIO RARO COM OS GOLS DO TÍTULO DO FERRÃO NO ESTADUAL DE 1979

Uma das formações do Ferroviário em 1979 – Em pé: Paulo Maurício, Edmundo, Lúcio Sabiá, Celso Gavião, Jeová e Ricardo Fogueira; Agachados: Terto, Jacinto, Paulo César, Doca e Babá

Exatamente na temporada que completa 40 anos da grande conquista do campeonato cearense de 1979 por parte do Ferroviário, dois materiais importantes surgiram para a alegria dos torcedores mais curiosos e para deleite dos que viveram aquele momento e  que podem agora recordá-lo de forma mais íntima. Em fevereiro desse ano, o vídeo raro dos gols do jogo final contra o Fortaleza apareceu no YouTube e registramos rapidamente em postagem aqui no blog. Agora, pouco mais de um mês do aniversário daquela conquista, o Almanaque do Ferrão eterniza o áudio dos três gols do jogo na narração de Peter Soares e comentários de pista do repórter Océlio Pereira, durante a cobertura da Rádio Verdes Mares naquela longínqua tarde de domingo. Foram dois gols do artilheiro Paulo César e um do ponta esquerda Babá. O áudio, parte de uma coletânea de outras gravações, foi um presente do jovem torcedor Francisco Victor, que é estudante de jornalismo e acompanha com atenção as postagem do blog. Obrigado pela contribuição! Escute o áudio abaixo e volte no tempo até o ano de 1979.

MARCELO VEIGA E A MISSÃO DE FAZER O FUTURO REENCONTRAR O PASSADO

Além de excelente futebol, o lateral Marcelo Veiga conquistou a torcida pela sua raça e carisma

Quando o técnico Pepe deu o aval para a contratação de Marcelo Veiga para o Santos/SP no início de 1990, o Ferroviário se ressentiu de um jogador vibrante, carismático, capitão da equipe e inteiramente identificado com a torcida coral. Dono de um futebol moderno para os padrões da época no futebol cearense, foram 79 jogos e 13 gols pelo Ferrão entre janeiro de 1988 e dezembro de 1989. O gol do título estadual em sua primeira temporada veio de seu pé direito. Apesar de destro, Marcelo Veiga jogava na lateral esquerda. A vida seguiu para o Ferroviário e a década de 1990 proporcionou momentos gloriosos para o Tubarão da Barra. A mesma trajetória de sucesso ocorreu com o ex-lateral esquerdo coral, que figurou como titular do Santos/SP por quase três temporadas, vestindo depois ainda as camisas do Internacional/RS, Portuguesa/SP, Goiás/GO, Bahia/BA, Atlético/GO e até – algo que pouca gente lembra – do Fortaleza, já no ocaso de sua carreira. Mesmo longe da Barra do Ceará, Marcelo Veiga nunca esqueceu seu momento glorioso no Ferroviário e manteve contatos sempre que possível com amigos que ficaram, entre eles o saudoso supervisor Chicão. Há cerca de vinte anos quando pendurou as chuteiras, Marcelo Veiga assumiu a condição de técnico e passou a dirigir clubes no interior de São Paulo. A Matonense/SP era um dos seus trabalhos mais sólidos no início da nova carreira, quando foi lembrado, em 2004, para voltar ao Ferroviário na função de treinador.

Em 2004, como técnico, em entrevista para o atual diretor de marketing Chateaubriand Filho

No final de maio daquele ano, depois do quase rebaixamento no campeonato cearense, Marcelo Veiga chegou e começou a preparar um novo time para as disputas da Série C do campeonato brasileiro. Virou técnico de Mazinho Loyola, seu companheiro de equipe em 1988, que estava se despedindo do futebol no time que o projetou. A falta de estrutura e o pouco nível de investimento fizeram o Ferroviário patinar na competição nacional, à exemplo das temporadas seguintes, sempre flertando contra o rebaixamento estadual. Entre amistosos e jogos oficiais, Marcelo Veiga dirigiu a equipe em 15 jogos, sendo 8 vitórias, 3 empates e 4 derrotas. Saiu do Ferroviário em setembro daquele ano já com um novo projeto em mente. O Bragantino/SP, equipe também da Série C nacional, queria Marcelo Veiga como técnico para tentar resgatar a fase áurea do clube deixada para trás nos anos 1990. Em Bragança Paulista, Marcelo Veiga fez história. Comandou o Bragantino em mais de 500 jogos. Com um trabalho de três anos, Marcelo Veiga conseguiu seu primeiro triunfo expressivo como treinador: campeão brasileiro da Série C de 2007. Título e acesso!

Treinador Marcelo Veiga comandou o Bragantino em mais de 500 jogos nos últimos quinze anos

Os anos seguintes apresentaram um treinador maduro com bons resultados no campeonato paulista e, principalmente, na manutenção do Bragantino na Série B nacional por muitos anos. Em 2011, aproveitando um jogo do time paulista em Juazeiro do Norte, esteve rapidamente em Fortaleza para colocar seus pés na ´Calçada da Fama` do estádio Presidente Vargas. Entre idas e vindas, treinou também o Guarani/SP, Portuguesa/SP, São Caetano/SP, América/RN, Remo/PA, Mogi Mirim/SP e Botafogo/SP, onde foi novamente campeão brasileiro, dessa vez da Série D, conquistando mais um acesso no Brasileirão. Em 2018, levou o Bragantino/SP a mais um acesso nacional, saindo da Série C e resgatando a condição de time da Série B, tal qual havia feito em 2007. Agora, quinze anos depois de sua primeira passagem como técnico ainda em início de carreira e, trinta anos depois de ter deixado o clube na condição de ídolo eterno como jogador, Marcelo Veiga reencontra o Ferroviário numa boa condição de lutar por mais um acesso nacional, apesar da brutal queda de rendimento na equipe que disputa a Série C desse ano, fruto de escolhas arriscadas que já se apresentavam aparentemente perigosas logo quando tomadas.

Notícia no site oficial do Ferroviário comunicando oficialmente a contratação do novo treinador

Marcelo Veiga fechou com a diretoria coral, por telefone, exatamente às 22h51min do dia 25 de julho, pouco mais de uma hora depois do vexame coral contra o Sampaio Corrêa/MA, em casa, que selou a saída do técnico Leandro Campos após pífia passagem pela Barra do Ceará. Marcelo chegou hoje em Fortaleza e tem nove dias de trabalho até sua estreia contra o ABC/RN, no mesmo estádio Castelão que marcou o gol do título cearense em 1988. Antes de embarcar, conversou com Marcelo Vilar, mentor do excelente trabalho no Ferrão nos últimos tempos, quando colheu informações sobre o elenco coral. Que o Ferroviário possa representar a chance de mais um acesso nacional no seu currículo como treinador. E que Marcelo Veiga seja novamente uma espécie de benção para o Ferroviário, exatamente como foi no final dos anos 1980. Quando a bola rolar contra o ABC, apesar dos últimos resultados, muita gente estará no estádio só para testemunhar a volta de um ídolo eterno. Dúvidas e insatisfações com a queda de rendimento na Série C serão deixadas de lado e nascerá um novo espírito simbolizado pelo que Marcelo Veiga representa para história coral, a do passado e, agora, também a do futuro. Abaixo, o áudio de sua primeira entrevista concedida ontem à jornalista Denise Santiago. Algo para registrar e guardar.