Sobre Evandro Ferreira Gomes

Evandro Ferreira Gomes é fanático por futebol e torcedor do Ferroviário Atlético Clube desde os 8 anos de idade, tendo dedicado mais de 20 anos de sua vida aos trabalhos de pesquisas e entrevistas que levaram ao lançamento da 1ª edição do Almanaque do Ferrão, publicado em junho de 2013. Economista com especialização em marketing e mestrado em administração de empresas, o autor trabalha como consultor empresarial e professor universitário nos cursos de marketing, publicidade e jornalismo, além de atuar em gestão de projetos de comunicação, marketing e relacionamento em ambientes esportivos com experiência no Brasil e na Inglaterra. Foi diretor de marketing, diretor de futebol e vice-presidente do Ferroviário Atlético Clube entre 2008 e 2014, tendo atuado diretamente na edição da revista ´Expresso Coral`, criação do programa sócio-torcedor, formação e contratação de atletas, captação de patrocínios e investidores, dentre outras atividades profissionais.

A VITÓRIA DO FERROVIÁRIO NO DIA QUE O HOMEM CHEGOU À LUA

O sendo de humor da Ferroada Coral recordou os cinquenta anos da chegada do homem à lua

Hoje é dia de aproveitar a arte acima da Ferroada Coral para recordar um jogo oficial do Ferroviário Atlético Clube disputado exatamente no mesmo dia em que o homem chegou à lua através da famosa missão americana Apollo 11. Naquele domingo, o compromisso coral foi contra o Guarany de Sobral e, dentre os presentes ao estádio do Junco, a imensa maioria só falava da grande novidade para a história da humanidade. A partida, que terminou ficando em segundo plano, valeu pelo 3º turno do campeonato cearense de 1969 e está completando exatamente 50 anos na presente data. Com gols de Edmar e Fernando Cônsul, o Tubarão da Barra fez 2×0 no Cacique do Vale sob o apito do árbitro Leandro Serpa. Treinado por Luis Veras, o Ferrão venceu com George, Ribeiro, Luiz Paes, Gomes e Roberto Barra-Limpa; Coca Cola (Mano), Simão e Edmar; Paraíba, Alcy e Fernando Cônsul (Léo). Já o time sobralense, treinado por Raimundo França, perdeu com o futebol de Pinto, Rodrigues, Pelado, Zé Quinto e Cabo Dulce; Dajuana, Loril e Moisés; Nagibe, Cabeção (Gilberto) e Garrinchinha (Ércio). Muita gente da torcida coral foi até a cidade de Sobral prestigiar a partida. Levaram até a bateria da escola de samba ´Ispaia a Brasa` para animar a viagem de trem até Sobral. Como bem disse a Ferroada Coral em sua arte do humor, tratou-se de uma pequena vitória para o time e uma conquista gigante para o clube. Por que não?

MIRANDINHA ENFRENTA PROBLEMAS E RECEBE APOIO EM PROGRAMA DE TV

Cria do Ferroviário Atlético Clube, onde despontou nas bases do clube na temporada de 1977, o ex-atacante Mirandinha vive um momento delicado em sua vida pessoal, o que o levou a participar recentemente de um programa na Rede Bandeirantes de Televisão. No vídeo acima, extraído da programação de audiência nacional, ele expôs suas dificuldades e recebeu apoio profissional e financeiro de patrocinadores da emissora. Mirandinha defendeu a equipe principal do Ferrão na segunda metade da década de 1970 e também, em seu retorno, na temporada de 1996, quando assinalou seu último gol no futebol. Ao pendurar as chuteiras, assumiu a condição de treinador do Ferroviário naquele mesmo ano. Ao todo, foram 18 partidas e 13 gols com a camisa coral em jogos da equipe profissional. Como técnico, Mirandinha comandou o Ferrão à beira do campo em 26 partidas, sendo 8 vitórias, 9 empates e 9 derrotas. Infelizmente, trata-se de mais um grande nome do futebol brasileiro do passado que enfrenta dificuldades no presente. Que Mirandinha vença mais essa série de dificuldades.

LEGENDÁRIO COCA COLA ESTAMPA MAIS UM COPO DA COLEÇÃO CORAL

Coca Cola é lembrado até hoje como um dos maiores jogadores da história do Ferroviário. E, desde que o departamento de marketing do Ferrão lançou a Série Legendários, com os copos colecionáveis, a cobrança por este ídolo era constante. Eis que agora ele aparece, em justíssima homenagem, estampando a sexta edição da coleção. Seu nome era Abelardo Cesário da Silva. O apelido – como ele mesmo declarou ao jornal Folha de São Paulo em fevereiro de 1994 – era uma alusão ao famoso refrigerante: “Como eu era pequeno e magro, me chamavam de ‘miniatura de Coca-Cola’. Reclamei e o apelido pegou. Quase ninguém sabe meu nome. Até minha mulher me chama de Coca“. Falecido em junho de 1999, é impossível não lembrar da sua importância para o Ferrão no auto de seus 324 jogos com a camisa coral entre 1965 e 1973. Foram apresentações sensacionais nos gramados cearenses, o que lhe valeu a chance de jogar no Gil Vicente, de Portugal, onde o apelido não foi permitido. “Lá voltei a ser Abelardo para não fazer propaganda de graça para a Coca-Cola“, disse. Entre tantas partidas inesquecíveis, uma foi ainda mais inesquecível e que crava a marca legendária. Na entrega de faixas do seu primeiro campeonato estadual pelo Ferrão, o famoso título invicto de 1968, o Santos/SP foi o convidado e Coca Cola aplicou um chapéu no Rei Pelé, fato até hoje lembrado nos estádios pelos torcedores.

FERROVIÁRIO NUNCA PERDEU PARA O SANTA CRUZ DENTRO DO ARRUDA

Foto publicada pelo Diário de Pernambuco exaltando a vitória do Ferroviário dentro do Arruda

A sexta-feira passada foi gloriosa para o Ferroviário. O time coral bateu o Santa Cruz/PE por 2×0 dentro do Estádio do Arruda e começou a reforçar um belo retrospecto a seu favor: o de nunca perder para o tricolor pernambucano em seu próprio estádio. É bem verdade que este foi apenas o segundo jogo entre ambos no Arruda, que valeu pela Série C do campeonato brasileiro. O primeiro aconteceu no já distante ano de 1986, quando ambos se enfrentaram em partida amistosa, realizada para a entrega de faixas ao campeão pernambucano daquela temporada. Na ocasião, treinado por William Pontes, o Ferrão empatou em 1×1 com o futebol de Serginho, Neto, Arimatéia, Léo e Luis Carlos; Nilo, Edson e Carlos Antônio; Cardosinho, Flávio e Edinho. O Santa Cruz, do técnico Moisés Matias, jogou com Birigui, Zito (Orlando), Lula, Jorge e Lotti; Zé do Carmo, Clóvis (Zé Alberto) e Evaristo (Indio); Marlon, Washington (Zé Henrique) e Jacozinho. Os gols foram de Flávio para o Ferrão e Zé do Carmo para o time pernambucano. No tento do Tubarão da Barra, o estreante Flávio, ex- Tiradentes/CE, driblou o goleiro Birigui e fez um belo gol diante de um ótimo público. Sexta passada, perante mais de 25 mil pessoas, foi a vez de Isaac e Mazinho calarem o Arruda em nome da torcida do Ferrão. Sem dúvida, uma vitória que será lembrada por muito tempo e que já entrou para a história. Vale registrar o vídeo abaixo.

MAIOR ARTILHEIRO EM ESTADUAIS ENTRA NA COLEÇÃO LEGENDÁRIOS

Arte promocional do quinto exemplar da série Legendários com o ex-centroavante Paulo César

O ex-atacante Paulo César, campeão cearense pelo Ferroviário em 1979, estampa o quinto exemplar da série ´Legendários` de copos colecionáveis do clube, que são disponibilizados nos estádios por ocasião dos jogos do Tubarão da Barra pela Série C desse ano em Fortaleza. O pernambucano é até hoje o jogador que mais gols marcou  pelo Ferrão numa mesma edição de campeonato estadual. Foram 29 tentos assinalados no certame de 1979, sendo dois deles no jogo decisivo contra o Fortaleza, cujo vídeo raríssimo foi publicado aqui no blog no início desse ano. Paulo César já foi tema de algumas matérias do Almanaque do Ferrão, seja pelo motivo da descoberta de outro vídeo raro com gols que marcou logo no primeiro ano de sua passagem pelo Ferrão, em 1978, ou pelo fato dramático de sua própria família não ter notícias do ex-atleta coral por cerca de trinta anos. Na ocasião, graças ao blog, seus familiares e Paulo César, que fixou residência no Equador desde os anos 1980, mantiveram um contato emocionante pela Internet depois de longos anos. Entre 1978 e 1981, foram 137 partidas e 88 gols com a camisa coral. Quando estava no Ferrão, Paulo César foi negociado com o Santa Cruz/PE por cifras astronômicas para o padrão do futebol cearense na época. Passou pouco tempo em Recife e depois voltou ao Tubarão da Barra. No ano que se despediu definitivamente do Ferrão, foi atuar no Equador pela Liga de Quito (LDU), onde foi vice-campeão nacional, marcou 25 gols e levou sua equipe à Copa Libertadores. Depois, foi contratado pelo famoso Barcelona de Guayaquil, onde se tornou astro nas três temporadas seguintes, uma verdadeira lenda na história da equipe, marcando 6 gols em jogos da Libertadores e 55 gols no campeonato nacional de 1982 a 1984. Paulo César é mais um Legendário coral.

RETROSPECTIVA DE TODOS OS JOGOS CONTRA O CONFIANÇA NA HISTÓRIA

Jorge Veras: gol na vitória

O adversário coral desse final de semana na Série C do Campeonato Brasileiro é o Confiança de Aracaju. Fazendo um balanço das vezes que se enfrentaram, o time coral leva um certa vantagem em cima do número de vitórias desde aquele primeiro confronto entre ambos, válido pela Série A nacional na temporada de 1984. Naquela oportunidade, o Ferrão venceu por 1×0 com um gol de Jorge Veras, assinalado no minuto final da partida. Depois, confrontos importantes e marcantes, além de inesquecíveis para a torcida coral, como o de 1997, que terminou na disputa de pênaltis, no Elzir Cabral, em pleno domingo pela manhã. Ano passado, vitória coral por 2×1 em jogo eliminatório pela Copa do Brasil, quando o time sergipano jogava pelo empate, a única vez que ambos se enfrentaram fora do campeonato brasileiro de futebol. Em retrospectiva, abaixo você confere a sequência de jogos dois dois times na história:

Jogo 01: 05/02/1984 – Ferroviário 1×0 Confiança – Castelão – Brasileiro Série A
Jogo 02: 15/02/1984 – Confiança 4×1 Ferroviário – Lourival Batista – Brasileiro Série A
Jogo 03: 12/10/1997 – Confiança 3×2 Ferroviário – Lourival Batista – Brasileiro Série C
Jogo 04: 19/10/1997 – Ferroviário 2×1 Confiança – Elzir Cabral – Brasileiro Série C
Jogo 05: 13/08/2006 – Confiança 2×2 Ferroviário – Lourival Batista – Brasileiro Série C
Jogo 06: 03/09/2006 – Ferroviário 2×1 Confiança – PV – Brasileiro Série C
Jogo 07: 07/02/2018 – Ferroviário 2×1 Confiança – PV – Copa do Brasil

REGISTRO DE UM TRIO POUCO LEMBRADO USANDO CAMISA ATÍPICA

Jodecir, Vanderlei e Bassi em 1977 com um modelo de camisa não muito usual para o Ferroviário

O retrato acima é de 1977, ano em que o Ferroviário possuía em seu elenco o volante Jodecir, o atacante Vanderlei e o zagueiro Valdir Bassi. Jodecir era jogador do América/CE quando chegou para o time coral, um ano antes dessa imagem. Por sua vez, Vanderlei atuava como ponta direita e era cria das categorias de base do Ferrão. Já o zagueiro Bassi estava no clube por empréstimo, uma vez que pertencia ao São Paulo/SP. Na única temporada que defendeu as nossas cores, ele fez 30 jogos com a camisa coral. Vanderlei permaneceu entre 1974 e 1978, fazendo 142 partidas e marcando 33 gols pelo Tubarão da Barra. Jodecir atuou 133 vezes e marcou 3 gols entre 1976 e 1979, ano em que sagrou-se campeão estadual pelo Ferrão, participando exatamente de 19 partidas durante aquela vitoriosa campanha. Além de recordar esses três ex-jogadores, vale observar a camisa coral com a faixa preta acima da vermelha, algo não muito comum em se tratando dos uniformes corais ao longo das décadas.