ESTREIA, RETORNO DE CAMISA E QUEBRA DE TABU DE 65 ANOS

E depois de um atraso de três meses por conta da pandemia mundial de Coronavírus, que continua a ameaçar fortemente a população nacional, a Série C do campeonato brasileiro de 2020 finalmente começou. O Ferrão bateu o Botafogo/PB por 2×0, gols de Lucas Hulk e Wellington Rato, na Arena Castelão. Além da estreia coral na competição, dois outros fatores merecem grande destaque no dia de hoje: o retorno modernizado de um design de camisa utilizado pelo Ferrão no final dos anos 1960 e a quebra de um grande tabu sem vitórias contra o adversário paraibano. Curioso pra saber os detalhes dessas duas curiosidades? Pois saiba que depois de utilizar com bastante ênfase esse padrão de uniforme entre 1967 e 1972, referido modelo ensaiou um retorno, sem nenhuma repercussão positiva, no final de 1998, sendo a ideia logo abandonada após a confecção de um modelo um tanto quanto descaracterizado em relação aos padrões originais. E sim, a última vez – e única – que o time coral tinha derrotado o Botafogo/PB havia sido no dia 19 de novembro de 1959, por 5×1, em jogo amistoso no PV. Portanto, ontem foi quebrado um tabu de longos 65 anos na história, além de ser a primeira vitória em cima do Belo numa partida oficial! Parabéns Ferrão!

NARRAÇÃO DOS GOLS DE UM JOGO CONTRA O GUARANY EM 1982 NO PV

Em agosto de 1982, o Ferroviário recebia o Guarany de Sobral, no PV, para mais um jogo válido pelo 2º turno do campeonato cearense daquele ano. Era uma quarta-feira à noite e somente 982 pagantes resolveram ir ao velho estádio do Benfica, bucólico bairro da capital cearense. Quase quarenta anos depois, o Almanaque do Ferrão revive em áudio a emoção daquela partida, que terminou com a vitória coral por 2×1, gols de Paulo César Cascavel, na foto ao lado, e Almir. O lendário Teco Teco descontou para o time sobralense. Treinado por Wilson Couto, o Ferrão jogou com Giordano, Nonato Ayres, Darci Munique, Nilo (Zé Carlos) e Jorge Henrique; Augusto, Meinha e Almir; Getúlio, Paulo César Cascavel e Evaldo (Doca). Como se nota, a dupla diabólica Betinho e Jorge Veras, que marcou época a partir daquele campeonato, ainda não estava em campo, fato este só iniciado no final do mês de agosto. O Guarany, treinado por Nagibe Marques, perdeu com Dalmir, Ney, Nanam, Perivaldo e Marcelino; Reinaldo (Rosquinha), Tangerina e Teco Teco; Valdir, Toninho e Badu (Chiquinho Viana). A partida teve Joaquim Gregório no apito e todos os gols saíram ainda no primeiro tempo. Abaixo, destacamos a narração da Rádio Verdes Mares 810 AM de Fortaleza, com Tom Barros e Cleiton Monte. Mate a saudade daquela cobertura.

O GOL DO ÚNICO JOGO DO FERRÃO CONTRA O SÃO PAULO GAÚCHO

O vídeo acima é mais uma grande raridade resgatada pelo pesquisador Zidney Marinho. Trata-se do gol do meia Nilsinho, marcado no PV, após jogada do atacante Almir, na única vez na história que o Ferroviário enfrentou o Sport Clube São Paulo, time gaúcho da cidade de Rio Grande, que fica a 318 quilômetros de Porto Alegre. A partida foi válida pelo Campeonato Brasileiro de 1980 e aconteceu no dia 16 de março daquele ano. A vitória em cima da equipe gaúcha credenciou o Ferrão a passar para a segunda fase da competição duas rodadas depois. Nilsinho foi considerado o melhor jogador em campo, não apenas pelo gol da vitória, mas também pela desenvoltura dentro das quatro linhas. Treinado por Aristóbulo Mesquita, o time coral venceu com Salvino, Jorge Luís, Lúcio Sabiá, Celso Gavião e Ricardo Fogueira; Artur, Bibi (Doca) e Nilsinho; Ari (Hélio Sururu), Almir e Babá. O São Paulo/RS jogou com Sérgio, Marinho, Carlão, Tadeu e Radar; Zé Augusto, Motor e Paulo César; João Carlos (Romário), Néia e Almir (Astronauta). O treinador era Laoni Luz. O público foi de 7.655 pagantes e a partida teve o potiguar César Virgílio na arbitragem. As duas equipes tinham Náutico/PE, Ponte Preta/SP, Flamengo/RJ, Itabaiana/SE, entre outros, como adversários na mesma chave. Abaixo, a matéria publicada no Jornal O Povo sobre o jogo, já apresentada aqui no blog em postagens anteriores.

Cobertura do Jornal O Povo criticando a inoperância do ataque coral contra o São Paulo gaúcho

POR ONDE ANDA O AUTOR DO GOL QUE GARANTIU O TÍTULO DE 1968?

Aos 84 anos de idade, esse senhor da imagem ao lado tem muitas histórias pra contar, segurando a foto histórica do campeão estadual de 1968 na moldura e vestindo a camisa de 2020 que recebeu de presente de seus familiares. Semana passada, comemoramos mais um aniversário daquela brilhante conquista invicta, até hoje não repetida por nenhuma outra equipe ganhadora das mais de cinquenta edições do campeonato cearense desde então. Residindo há vários anos na cidade de Mauá, interior de São Paulo, nosso ex-jogador lembra até hoje do gol que marcou contra o Fortaleza, no PV, no dia da inesquecível conquista. João Carlos é seu nome, parte bonita da nossa história. Pelo Ferroviário, foram 97 partidas disputadas entre 1967 e 1969, além de 45 gols marcados com a camisa coral no total.

João Carlos em foto de  1968

No título invicto de 1968, João Carlos Pinto, seu nome completo, figurou na onzena principal ao lado de nomes eternamente emblemáticos como Cavalheiro, Luiz Paes, Gomes, Edmar, Coca Cola, Mano, Paraíba, Raimundinho, entre outros. Antes de vestir o manto do Ferrão, o meia atacante João Carlos já havia defendido a dupla Fortaleza e Ceará em temporadas anteriores. Depois que deixou o futebol cearense, nosso ex-jogador mudou para Pernambuco e depois foi parar no Rio de Janeiro, onde longe do futebol, trabalhou por dez anos na Kibon, famosa fabricante de sorvetes. Só depois que saiu desse emprego é que João Carlos mudou para São Paulo, levando oito filhos a tiracolo. No dia 12 de outubro, o aposentado João Carlos vai comemorar mais um aniversário junto de sua família, ainda mais numerosa com a presença de inúmeros netos. Apesar da completa deficiência visual no olho esquerdo, João Carlos se emocionou bastante ao ver a moldura com a velha foto de 1968, além  de ganhar de presente o modelo 2020 da camisa do Ferrão, que ele tanto honrou. Vida ainda mais longa para João Carlos Pinto é o que deseja a família coral.

PARABÉNS! MAIS UM ANIVERSÁRIO DO TÍTULO DE CAMPEÃO BRASILEIRO

Hoje, o Ferroviário comemora o segundo aniversário do título de campeão brasileiro de 2018. Em dois jogos decisivos contra o Treze/PB, o segundo jogo ocorreu há exatos dois anos, no estádio Amigão, em Campina Grande, ocasião em que a torcida coral testemunhou a maior conquista da história coral, representada atualmente com uma estrela amarela na parte superior do escudo oficial do clube. E para comemorar, você pode conferir, acima, um mini-documentário produzido na ocasião pela Confederação Brasileira de Futebol, reunindo nomes e personagens diretamente envolvidos naquela brilhante conquista. Feliz aniversário pra você, torcedor coral, que tem Nacional.

LIVE NA ÍNTEGRA DIRETAMENTE DO INSTAGRAM COM SIMPLÍCIO

O vídeo acima é de uma preciosidade histórica difícil de mensurar. Em mais uma Live do Almanaque do Ferrão no Instagram, o nono episódio dessa primeira temporada de resenhas com nomes do passado, recebemos ontem o ex-meio-campista Simplício, um dos jogadores mais icônicos do futebol cearense na década de 1970. Foram 181 jogos e 60 gols marcados com a camisa coral entre 1969 e 1974, ano em que decidiu pendurar as chuteiras, ainda jovem, com o propósito de se dedicar a uma profissão mais segura. Com a presença e o apoio tecnológico de seu filho Fred Clemente, um admirador e colecionador dos arquivos do pai, Simplício, aos 74 anos de idade, recordou um festival de memórias envolvendo ex-companheiros, ex-dirigentes, lances, feitos e fatos pitorescos de sua passagem vitoriosa pela Barra do Ceará, quando foi campeão da Taça Estado do Ceará e do campeonato cearense, ambos em 1970. São memórias de quase cinco décadas, agora eternizadas e compartilhadas em nosso blog. Aproveite e assista as memórias do ´Canhão da Barra` agora mesmo!

CLICK NO TIME QUE DEU UM VAREIO DE BOLA NO FORTALEZA EM 1988

Ferrão em 1988: Em pé: Laércio, Djalma, Serginho, Arimatéia, Toninho Barrote e Marcelo Veiga; Agachados: Mazinho Loyola, Denô, Guina, Arnaldo e Beto Andrade

O registro fotográfico acima mostra o momento em que o Ferroviário perfilou em campo para jogar contra o Fortaleza em mais um clássico do campeonato cearense de 1988. Quando a bola rolou, essa onzena deu um autêntico vareio de bola no adversário, enfiando 3×0 ainda no primeiro tempo. Na etapa final, o Fortaleza esboçou uma reação, mas o Ferrão deu novamente as cartas e marcou o quarto gol, de bela feitura, fechando o placar em 4×2. Era a estreia do centroavante Guina, campeão sul matogrossense pelo Operário nas duas temporadas anteriores, e cedido ao Tubarão da Barra, por empréstimo, pelo Palmeiras/SP. Em seu primeiro jogo, o atacante paulista deixou sua marca na meta tricolor. O meio campista Denô esbanjou futebol nessa partida, comandando com Arnaldo a distribuição das jogadas para o ataque coral. O ponta esquerda Beto Andrade foi outro destaque no jogo. Mazinho Loyola fez um belo gol, de peixinho. Mais de três décadas depois, o velho retrato disponibilizado eterniza uma das maiores apresentações corais no Castelão. Justamente por isso, vale a pena postar abaixo, mais uma vez, o vídeo com os melhores momentos daquele jogo.

SIMPLÍCIO, O CANHÃO DA BARRA NA LIVE DO ALMANAQUE DO FERRÃO

Ele foi um dos principais nomes do Ferroviário na primeira metade dos anos 1970. O meio campista Simplício ficou conhecido pela sua constância e excelente performance em campo, mas sobretudo pela potência de seu chute desferido em cobranças de falta, pênaltis ou arremates de fora da área, por essa razão recebeu a alcunha de ´Canhão da Barra“. No próximo domingo, dia 2 de agosto, no horário especial das 19 horas, a Live do Almanaque do Ferrão no Instagram chega à sua edição de número nove batendo um papo  exatamente com Simplício, diretamente da Paraíba. As recordações de mais de cinquenta anos prometem ser a tônica da entrevista com nosso ex-jogador, onde ele terá a oportunidade de falar sobre seu período no Ferroviário, notadamente na brilhante conquista do campeonato cearense de 1970, além de falar sobre sua carreira nas equipes paraibanas e também no rumo que sua vida tomou depois que pendurou as chuteiras, ficando tantos anos distante dos holofotes do futebol cearense. O ex-craque coral vai se incorporar à galeria dos já entrevistados Tiago Gasparetto, Arnaldo, Giancarlo, Ramirez, Acássio, Mazinho Loyola, Ricardo Lima e Leanderson, totalizando nove gravações até o momento, que ficarão para a posteridade coral e memorabilia histórica do futebol cearense. Todos convidados para conhecer a história do nosso eterno craque Simplício, dono de um dos chutes mais fortes do futebol nordestino.