TÍTULO INESQUECÍVEL DE 1970 COMPLETA MAIS UM ANIVERSÁRIO

Notícia na capa do Jornal O Povo anunciava o título do Ferroviário de campeão cearense em 1970

Parece que foi ontem. Amilton Melo deixou o atacante Paulo Velozo na cara do gol. Edmar e Coca Cola deitaram e rolaram. Simplício mandou um jogador do Ceará para a enfermaria com uma bolada no estômago. Quem mandou ficar na barreira? A potência de seu chute, todos já conheciam. Saudades do Esteves, do Eldo, do Mano e do Alísio. Já faz 46 anos da memorável conquista do Estadual de 1970, quando, obviamente, Ceará e Fortaleza jamais poderiam pensar em ganhar um campeonato no ano do centenário de instalação do eterno e querido transporte ferroviário no estado. Quanta ousadia seria. Até o Guarany de Sobral se meteu a besta e deu no que deu. Perdeu o jogo final por 3×1 naquele 7 de outubro como hoje, gols de Alísio, duas vezes, e Amilton Melo, diante de 13.028 pagantes no PV. Era apenas o jogo 1.203 da história do Tubarão da Barra.

Lance do Ferroviário no Estadual de 1970

Hamilton Ayres e Gomes sustentavam a defesa. Luiz Paes era o reserva imediato, só para se ter uma ideia do potencial do elenco coral. Virou professor e dos bons. Até o atacante Facó, que depois virou prefeito de Beberibe, andou esperando uma chance que nunca veio na onzena principal. Azar teve o goleiro Marcelino que deixou de sair na foto do time campeão por conta da intransigência dos dirigentes da Portuguesa/RJ. Chamaram-no antes do fim para ver o Corcovado. Aloísio Linhares veio e bateu o retrato. Coitado do Fortaleza, o freguês principal. Tinha até crediário. Apanhava a prestação e sequer chegou a marcar um único gol no Ferrão no campeonato inteiro. Cliente bom é assim. América e Tiradentes conheceram a fúria do ataque coral. O Calouros do Ar quis dificultar as coisas, mas não deu nem pro começo. Adeus Quixadá. Esse foi com Deus. Nas finais da competição, o urubu alvinegro bateu asas e voou. O Cacique do Vale sonhou alto demais e levou uma paulada. Não deu pra ninguém. Quem fez a festa foi a torcida coral, que invadiu o gramado do PV numa demonstração antológica de sua força. Alguém achou a cueca do Louro? Levaram tudo. Mas um título não se vence somente com onze jogadores. Ele é conquistado com a força de seus dirigentes. Agradeçam, portanto, a José Rego Filho e Ruy do Ceará, os grandes comandantes daquela jornada. Também ao inesquecível Elzir Cabral, que mesmo morando em Recife, era a alma daquela direção. Agradeçam a todos que compunham aquela diretoria invejável, como já cantava Zezé do Vale.

MATÉRIA DE TV COM A CHEGADA DE REFORÇOS EM OUTUBRO DE 1991

Lembra do volante Tinda? Ele até já mereceu destaque aqui no blog em postagem de agosto do ano passado. Agora, você pode vê-lo em vídeo durante sua primeira entrevista no Ferroviário Atlético Clube. Em outubro de 1991, há exatos 25 anos, Tinda era apresentado na Barra do Ceará juntamente com o meia Cássio, ex-jogador do CSA de Alagoas. Sob o comando do treinador Newton Albuquerque, irmão do ex-árbitro Dacildo Mourão e do ex-goleiro coral Dário, o Ferroviário tentava se ajeitar na reta final do Campeonato Cearense daquele ano. O Almanaque do Ferrão foi buscar em seus arquivos a matéria acima do repórter André Beltrão, veiculada na época pela TV Verdes Mares de Fortaleza. Cássio atuou em apenas 5 jogos e Tinda participou de 7 partidas naquela competição. Newton Albuquerque e Cássio já são falecidos. Tinda mora no Acre.

UM LEÃO VESTINDO A CAMISA DO TUBARÃO DA BARRA HÁ 30 ANOS

Nilson Leão

Há quase dois anos, o Almanaque do Ferrão fez uma postagem sobre ex-jogadores corais que traziam apelidos de bichos em seus nomes futebolísticos. Era o `Parque Zoológico do Ferroviário´. Um daqueles nomes, alguns já quase esquecidos, fazia sua estreia com a camisa do Tubarão da Barra há 30 anos. Seu nome: Nilson Leão, meia-atacante. De passagem efêmera e sem nenhum destaque, ele frustrou todas as expectativas já que chegou precedido de bom cartaz oriundo do futebol amazonense, onde conseguira algum destaque defendendo o Fast/AM. Sua estreia aconteceu no dia 25 de setembro de 1986 contra o América/RN, um 0x0 pelo campeonato brasileiro, diante de um público coral de 173 pagantes que foram ao Castelão naquela noite. No dia 28, atuou na vitória coral por 3×2 diante do Sport Belém/PA no PV. Em seguida, foi ao estado do Maranhão, no dia 2 de outubro, para enfrentar o Moto Clube/MA, em partida que terminou com o placar de 1×1. Depois, Nilson Leão fez sua quarta e última partida pelo Ferrão num domingo de manhã, dia 5 de outubro, no PV, quando o time coral perdeu para o Rio Negro/AM por 1×0 e deu adeus à competição diante de 326 pessoas. Quatro jogos e nenhum gol com a camisa coral, além de públicos ínfimos prestigiando os jogos do Ferroviário naquele período, será que alguém viu Nilson Leão em ação pelo Ferrão? Se você viu, deixe seu registro aqui nos comentários.