RESGATE EM VÍDEO DA SEMIFINAL DO 1º TURNO DO ESTADUAL DE 1994

69472

Treinador Ramon Ramos

As postagens sobre o time do bicampeonato 94/95 costumam fazer muito sucesso no Almanaque do Ferrão e sempre repercutem com vários acessos. É comum também o blog receber pedidos de torcedores que desejam recordar em vídeo ou áudio lembranças particulares como um gol inesquecível, um lance marcante ou uma vitória que permanece viva na memória. Hoje, vamos atender o pedido do torcedor Flávio Assunção Filho, que solicitou o resgate em vídeo do jogo que marcou a sua primeira ida a um estádio de futebol. Foi em 8 de maio de 1994, no PV, numa semifinal de turno que Ferroviário enfrentou o bom time do Guarany de Sobral, montado naquela temporada pelo treinador Ramon Ramos, que coincidentemente foi o técnico coral na conquista do Bi no ano seguinte. A campanha de troca de notas fiscais por ingressos, uma promoção do futebol cearense em parceria com o governo do Estado à época, potencializava o número de torcedores nos estádios locais e 6.237 corais compareceram ao campo para conferir a classificação do Ferrão, que jogava pelo empate, para as finais do 1º turno do campeonato cearense.

denisgoleiro

Goleiro coral Dênis

Treinado pelo carioca José Dultra, o Ferrão formou naquela tarde/noite de domingo com o futebol de Dênis, Nasa, Batista, Haroldo e Branco; Lima, Rodinei (Caetano), Acássio e Basílio (Eron); Batistinha e Cícero Ramalho. Era a estreia do volante Rodinei, oriundo do América/SP, e o primeiro jogo oficial do zagueiro Haroldo, conhecido nos bastidores do clube como “Coqueiro” em razão da sua altura, que vinha do Caldas Novas/GO. Ambos não se destacaram no clube e atuaram em poucas partidas durante a temporada. O Guarany atuou com Luís Carlos, Raimundinho, Biriba, Joãozinho e Marcelino; Toninho Barrote, Fernando (Cláudio) e Marquinhos Capivara; Maurício (Valdir), Aloísio e Somar. Confira no vídeo acima, com a narração de Luciano Vieira de Moraes, irmão do ex-técnico coral César Moraes, o resgate dos melhores momentos daquele jogo e o belo gol do meia Eron. Depois, o time coral cedeu o empate em 1×1 após uma falha do goleiro Dênis, que vinha sendo titular após barrar o experiente Luís Sérgio, contratado à princípio para ser o camisa 1 após boas campanhas por Tuna Luso e Remo no futebol paraense. O gol do Guarany de Sobral – como dizem nos melhores programas esportivos da TV – infelizmente nós não temos para mostrar.

EX-TREINADOR CORAL DIRIGE EQUIPE DA SÉRIE A DO BRASILEIRÃO

julinhocamargo3

Julinho Camargo foi o treinador do Ferroviário nas competições do segundo semestre de 2013

Ele foi treinador do Ferroviário entre junho e novembro de 2013. Dirigiu a equipe coral em 16 partidas, sendo 9 vitórias, 5 empates e apenas 2 derrotas. A proposta irrecusável de um salário 7 vezes maior o fez não permanecer para a temporada seguinte e ele foi trabalhar no Rio Grande do Sul, onde levou o modesto Veranópolis/RS ao 3º lugar no campeonato gaúcho de 2014. Agora, o competente Julinho Camargo tem um desafio maior. Ele é o novo treinador do Goiás/GO na Série A do campeonato brasileiro, competição que teve o privilégio de atuar em 2011 no comando técnico do Grêmio/RS. Ao longo de sua trajetória no futebol, Julinho trabalhou com nomes como Paulo César Carpegiani e Paulo Roberto Falcão, passando por Internacional/RS, Bahia/BA e no futebol do exterior. Ano passado, o comentarista Paulo Vinícius Coelho, ainda na programação da ESPN Brasil, chegou a indicar em rede nacional o nome de Julinho Camargo para compor a nova comissão técnica que estava sendo montada para a Seleção Brasileira.

aqn2gizbwlk8dsrm9qdix63bh

Na época do Grêmio/RS no Brasileirão de 2011

A qualidade do trabalho de Julinho Camargo é facilmente percebida por quem efetivamente é do ramo. Seus treinos e metodologia de trabalho impressionaram bastante os atletas corais em sua passagem pela Barra do Ceará e os comentários dos profissionais da área sobre o novo técnico do Goiás são quase que unanimemente elogiosos. No Ferroviário em 2013, Julinho dirigiu a equipe na Taça Fares Lopes, quando conquistou o 1º lugar em sua chave na fase classificatória, mas foi eliminado em seguida no mata-mata com o Guarany de Sobral. Comandou ainda o clube na 3ª colocação da Copa Ecohouse, caindo na semi-final para o Alecrim/RN, em Natal, na decisão por pênaltis (5×4), após um 1×1 no tempo normal. Seguramente a não continuidade do treinador para a temporada de 2014, seguida da irresponsável mudança de postura do comando diretivo do clube a partir de então, foi fator decisivo para a trajetória de insucessos verificados na história recente do Tubarão da Barra. Agora no Goiás, é muito provável que Julinho Camargo passe a ter sua competência reconhecida em âmbito nacional, abrindo mercado periodicamente nos principais times do país. Recorde abaixo o vídeo com a primeira entrevista do treinador gaúcho, há exatamente dois anos, em sua passagem pelo Ferroviário Atlético Clube.

ATACANTE PROCÓPIO MARCOU GOL DE Nº 1 NUM 8 DE JULHO COMO HOJE

campo das pelotas

Campo de futebol da Praça das Pelotas em 1934

8 de Julho de 1934. Há exatos 81 anos, o atacante Procópio assinalava o primeiro gol que se tem registro da história do Ferroviário. O adversário foi o extinto Fluminense/CE e a partida foi válida por uma competição amistosa intitulada apenas de ´Torneio Relâmpago`, quatro anos antes do time coral ser inserido na divisão especial do futebol cearense ao lado de Fortaleza, Maguary, Ceará, dentre outros. A vitória coral por 3×2 aconteceu no campo da Praça das Pelotas, atual Praça Clóvis Beviláqua, no centro de Fortaleza, bem em frente onde hoje se localiza a Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará. Procópio marcou 2 gols nesse jogo. O outro tento coral foi marcado por intermédio de Zimba, um dos jogadores mais folclóricos da história coral. Desde aquele domingo de 1934, o Ferroviário já assinalou mais de 6.000 gols em sua existência.

RECORDE A PASSAGEM DO LATERAL DIREITO LAÉRCIO PELO FERROVIÁRIO

FAC Juvenil 1978

Time juvenil do Ferroviário Atlético Clube em 1978. Em pé: Luciano, Solano, Nenego, Laércio, Marinho e Dedé; Agachados: Gabriel, Sérgio Luís, Valdeci, Anchieta e Nani.

Uma rápida análise nas estatísticas do blog e curiosamente encontramos a palavra `Laércio´ como um dos nomes mais procurados no mecanismo de busca desse espaço virtual. Certamente são pessoas em busca de informações do ex-lateral direito José Laércio Santos de Oliveira, um atleta tradicional na história coral que teve a oportunidade de atuar 244 vezes no time profissional entre 1978 e 1988, razão pelo qual é merecedor de uma publicação específica sobre sua passagem pelo Tubarão da Barra. Na foto acima, no time juvenil exatamente de 1978, ano em que foi pinçado para o time principal pelo técnico Lucídio Pontes pela primeira vez, ainda com 16 anos incompletos, Laércio veste a camisa de número 4 no gramado cheio de areia do estádio coral. A foto traz ainda nomes como Luciano, Dedé, Sérgio Luís e Nani, jogadores que chegaram a atuar algumas vezes pelos profissionais em jogos oficiais ou amistosos.

Ferrão 1983_Vasco2

Laércio: o segundo em pé, da esquerda pra direita, no Ferroviário que disputou o Brasileiro de 1983

Além dos títulos estaduais na categoria de juniores em 1979 e 1982, Laércio foi campeão cearense profissional pelo Ferrão em 1979, quando foi utilizado em 2 partidas, e em 1988, com 19 atuações no campeonato daquele ano. No início da década de 80, figurou entre os titulares no time que disputava a primeira divisão do campeonato brasileiro. Em 1984, o jovem lateral chegou a ser emprestado para o Flamengo/RJ, mas retornou no ano seguinte para ser titular numa das melhores formações já montadas na história coral, o time do campeonato estadual de 1985. Após o título de 88, Laércio foi cedido ao Fortaleza numa negociação que envolveu ainda o volante e lateral esquerdo Edson em troca do lateral direito Caetano. Em dez anos de eficiente e importante participação no time profissional do Ferroviário, Laércio marcou 4 gols. Após deixar o futebol cearense, foi jogar no futebol do Piauí e conquistou mais títulos estaduais.

A VISITA DE UM TETRACAMPEÃO MUNDIAL AO ESTÁDIO ELZIR CABRAL

ricardorocha_ferrao

Ricardo Rocha, à esquerda, com o presidente Luiz Gonzaga Neto e Mirandinha

O Almanaque do Ferrão resgata hoje a foto que marcou a visita de um tetracampeão mundial ao Estádio Elzir Cabral, o zagueiro pernambucano Ricardo Rocha. Ela foi tirada em 25 de novembro de 2010. A visita aconteceu a convite do grupo gestor que acabara de assumir o setor de futebol coral e que tinha no ex-atacante Mirandinha, famoso nacionalmente e revelado pelo próprio Ferroviário, um de seus principais articuladores. Na ocasião, especulou-se na imprensa que o ex-jogador da Seleção Brasileira poderia ser um potencial investidor do clube, que tinha Luiz Gonzaga Neto na presidência. O desfecho da parceria do Ferrão com o grupo gestor acabou não rendendo os frutos esperados em razão principalmente da constante instabilidade política que há anos impera na Barra do Ceará. Ricardo Rocha foi um dos líderes da seleção na Copa de 1994 nos Estados Unidos. Infelizmente sofreu uma contusão muscular logo no primeiro jogo contra a Rússia e acabou ficando fora do restante das partidas que levaram o selecionado brasileiro à conquista de uma Copa do Mundo depois de 24 anos.

CLÁSSICO DAS CORES DE 1999: UM DIVISOR DE ÁGUAS NA VIDA CORAL

Cantareli_90333

Cantareli entre dois jovens torcedores

O Almanaque do Ferrão mergulha no tempo e vai até 4 de julho de 1999. Há exatamente 16 anos, o time coral enfrentava o Fortaleza e fazia sua última partida pelo campeonato cearense daquela temporada. A derrota por 3×2, com todos os gols saindo num primeiro tempo eletrizante, desclassificava o Tubarão da Barra e o fazia terminar a competição numa incômoda 7ª colocação, inaugurando uma trajetória de insucessos que a partir da temporada seguinte seria marcada por sucessivas campanhas onde o Ferroviário passou a brigar mais vezes contra o rebaixamento do que propriamente por posições na parte de cima da tabela, além de ficar 8 longos anos sem derrotar o Fortaleza. Os melhores momentos dessa partida emblemática, um verdadeiro divisor de águas na trajetória do clube, podem ser conferidos no vídeo acima. De positivo, a bela atuação do meia Cantareli, que em uma de suas melhores performances com a camisa coral, marcou 2 gols. Claudinho, Clayton Maranhense e Clodoaldo fizeram os gols do adversário.

bira

Atacante carioca Bira

Treinado pelo experiente César Moraes, o Ferrão tinha um time com jogadores rodados no futebol nordestino e até internacional, como era o caso do atacante carioca Bira, ex-jogador do Botafogo de Ribeirão Preto e do Atlético Mineiro, com passagens também pelo futebol português, o que não foi suficiente para uma boa campanha no estadual de 1999. Na derrota de 16 anos atrás, o famoso Guri escalou o time coral com Jorge Pinheiro, Dino, Cláudio, Aldemir e Ivan; Vado, Rutênio, Cantareli e Adriano Cearense (Júnior); Pedrinho (Josivan) e Bira (Lau). José Galli Neto, técnico do Fortaleza, comandou seu time com o futebol de Carlos Alberto, Róbson, Horácio, Paulão e Reginaldo; Pires, Anderson (Beto), Clayton Maranhense (Rélber) e Clodoaldo; Eron e Claudinho (João Paulo). Foi o jogo 2.837 da história coral. A arbitragem foi de Dacildo Mourão e o lateral direito carequinha Ivan, improvisado na esquerda, ex-jogador do Moto Clube/MA, foi expulso de campo após falta violenta. Há 16 anos.

DOIS VELHOS AMIGOS DE BREVE PASSAGEM PELA BARRA DO CEARÁ

tatray

Janos Tratay nos anos 70

Janos Tratay nasceu na cidade de Vszprèm, na Hungria, em 1922. As sequelas físicas da II Guerra Mundial o acompanharam por toda vida. Resolveu militar no futebol quando veio para o Brasil. Em 1960, foi técnico do Ceará e passou a ser conhecido na terra de José de Alencar, mas mantinha uma enorme afeição pela Paraíba, estado onde fixara residência. Foi lá que conheceu o atacante Zé Luiz, que brilhava no Campinense/PB. Iniciaram uma amizade fraternal que perdurou até o fim da vida do húngaro. Ambos tiveram seus momentos no Ferroviário e por essa razão destacamos o vídeo acima, gravado em 2007, com o intuito de recordar o nome daqueles que são raramente lembrados, ignorados pelo tempo e pela memória curta dos torcedores. O diálogo acima entre Janos Tratay e Zé Luiz merece ser assistido. Em meio a recordações pessoais de ambos que agradam a qualquer fã de futebol, o nome do Ferroviário sequer é citado, mas há de se registrar que ambos tiveram parcela de colaboração na história coral e merecem destaque no Almanaque do Ferrão.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Zé Luiz no Ferroviário

Zé Luiz era um atacante de 29 anos quando foi contratado pelo time coral no início de 1970. Fez sua estreia exatamente no primeiro jogo interestadual realizado no Estádio Elzir Cabral, no dia 17 de janeiro, contra o Alecrim/RN. Iniciou o campeonato cearense como titular, mas depois perdeu espaço. Seu nome está com justiça entre os grandes campeões estaduais daquele ano com a camisa coral. Chegou a jogar também na Portuguesa de Desportos/SP. Depois, longe da bola, tornou-se jornalista e político. Como jornalista, teve programas na TV Borborema de Campina Grande e na TV Correio de João Pessoa. Foi vereador de Campina Grande, Deputado Estadual e Deputado Federal pela Paraíba e, de 2005 a 2012, o vice-prefeito da cidade de Campina Grande. Pouca gente sabe que o Ferroviário teve um ex-jogador de carreira política tão ilustre. Por sua vez, Janos Tratay foi contratado na gestão do presidente José Rego Filho, em 1972, como diretor de futebol. Teve uma passagem atribulada com atritos dentro do próprio elenco coral, tendo que apaziguar ânimos de jogadores como Amilton Melo, Luizinho Peito de Aço, Simplício e Marcelino, que andaram se estranhando entre si. Não bastasse o clima hostil entre os jogadores, Tratay andou ainda em rota de colisão com o técnico paranaense Borba Filho, que deixou o clube durante o campeonato cearense. A passagem de Janos Tratay pelo Ferroviário durou somente aquela temporada e ele voltou para a Paraíba, onde continuou trabalhando com destaque até em campeonatos nacionais enquanto teve saúde. Faleceu em 2011, aos 89 anos, na cidade de João Pessoa, vítima de um aneurisma. O vídeo acima foi uma de suas últimas aparições na televisão paraibana e mostra a amizade de dois velhos amigos de breve passagem pela Barra do Ceará.

GOLEIRO WENDELL FOI MAIS UM FAMOSO A DEFENDER O FERRÃO

wendell

Goleiro Wendell no Ferroviário

Quando lembram de um ex-goleiro do Ferroviário que jogou na Seleção Brasileira quase todos trazem à mente o nome de Ado em 1980. Poucos recordam que 6 anos depois, no campeonato cearense de 1986, o time coral contou com outro grande goleiro anteriormente convocado para o escrete nacional. Trata-se de Wendell Lucena Ramalho, pernambucano de nascimento, que antes de desembarcar na Barra do Ceará havia vestido as camisas do Santa Cruz/PE, Botafogo/RJ, Fluminense e Guarani/SP. Wendell ficou de abril a agosto naquela temporada, mas jogou apenas em 3 jogos como titular, sendo 1 amistoso contra o Agapito dos Santos no Elzir Cabral e 2 jogos oficiais contra Quixadá e Guarani de Juazeiro, ambos fora de casa. Experiente e em final de carreira, o goleiro acabou sendo utilizado como técnico do Ferrão após a demissão do treinador Moésio Gomes, comandando a equipe em 2 partidas, uma delas conquistando uma vitória memorável em julho daquele ano em cima do Ceará, por 4×3, exatamente o time que viria a ser campeão no mês seguinte com Everaldo, Djalma, Amilton Rocha, Rubens Feijão, Gerson Sodré, Petróleo e companhia.

imagem658

Wendell no Maracanã pelo Fluminense/RJ

As convocações de Wendell para a Seleção Brasileira aconteceram em meados da década de 70, quando vestia as camisas do Botafogo e do Fluminense. Chegou a disputar 7 partidas pela canarinha e por muito pouco não foi o titular na Copa do Mundo na Alemanha, em 1974, quando uma lesão o impossibilitou de jogar a competição. Antes de ser contratado pelo Ferroviário, o ex-goleiro estava no Vila Nova/GO. O Ferrão foi o último clube de Wendell como goleiro profissional. Depois, virou treinador de goleiros e corrigiu o curso da história chegando novamente à Seleção Brasileira e participando da Copa do Mundo, novamente na Alemanha, em 2006, na comissão técnica de Carlos Alberto Parreira. Hoje, Wendell mora em São Lourenço do Oeste, no interior de Santa Catarina. O goleiro Wendell foi um dos nomes mais famosos do futebol brasileiro a defender a camisa coral.