REVEJA OS GOLS DE UMA GOLEADA NUM 7 DE ABRIL COMO HOJE

Que tal recordar um jogo do Ferroviário disputado exatamente na data de hoje? Voltamos no túnel do tempo e vamos até 7 de abril de 1994, um ano mágico para o clube e por consequência para seus fiéis torcedores. Recuperamos as imagens de uma partida realizada naquela noite quando a máquina coral de fazer gols funcionou a pleno vapor. Foi um maravilhoso 6×0 contra o tradicional Calouros do Ar, com 2 gols do ídolo Acássio. Os outros tentos foram assinalados por Cícero Ramalho, Edinho, Nasa e Batistinha, que você pode conferir no vídeo acima.

Ainda treinado pelo carioca José Dultra, ex-zagueiro do Vasco/RJ e do Remo/PA, o Ferrão foi escalado com Dênis, Caetano (Edinho), Batista, Santos e Branco; Lima (Eron), Nasa, Acássio e Basílio; Batistinha e Cícero Ramalho. O Calouros tinha alguns jogadores que passaram pelo Ferroviário, inclusive contava com o comando técnico de Celso Gavião, um dos maiores zagueiros da história coral. Ele escalou o ´Tremendão da Aerolândia` com o futebol de Júnior Lemos, Zé Carlos, Márcio Gomes, Luciano e Paulo César; Feliciano, Idésio (Edmar) e Gilson; Nonato, Célio (Cafuringa) e Ronaldinho.

Após a extravagante vitória em cima do Calouros e de outros bons resultados, o Ferrão viveu dias complicados no campeonato pouco tempo depois. Numa partida contra o América, o Tubarão da Barra quebrava a bola e passou a ser vaiado pela exigente torcida coral. O gol do alívio veio dos pés do atacante Batistinha, que ao comemorar desferiu uma banana para os torcedores que vaiavam a equipe atrás da trave. O mundo quase veio abaixo por conta dessa atitude e gerou um dos raros momentos de desconforto entre time e torcida naquela brilhante temporada até hoje reverenciada.

GOL LENDÁRIO DE MARCELO VEIGA NO DIA DO SEU ANIVERSÁRIO

marceloveigaemcampo2

No duelo contra o Ceará de Gerson Sodré, o lateral Marcelo Veiga marcou um gol de falta lendário

Existem gols que são eternos pela importância da partida ou pela beleza plástica do lance. O vídeo abaixo retrata um deles no jogo 2.306 da história do Ferroviário. Numa batida de falta praticamente do meio de campo, Marcelo Veiga desmoralizou o goleiro Sérgio Monte do Ceará. Foi em 7/10/1989 em partida válida pela campeonato brasileiro, no PV, exatamente no dia que o lateral esquerdo coral comemorava seu aniversário de 25 anos. O gol foi um presente para a torcida do Ferrão e um colírio para sempre recordar.

Naquele sábado à tarde, o técnico Lucídio Pontes escalou um Ferrão bem ofensivo com Osvaldo, Silmar, Arimatéia, Evilásio e Marcelo Veiga; Alves, Marquinhos (Toninho Barrote) e Jacinto; Mardônio (Aloísio), Luizinho e Paulinho. O Ceará tinha César Moraes no comando técnico e jogou com Sérgio Monte, Mário, Belterra, Cláudio e Paulo César; Beto Cruz, Gerson Sodré e Santos; Márcio, Luís Carlos e Magno (Oliveira Canindé). O jogo foi 1×1 e Santos fez o gol do alvinegro. Recorde abaixo o gol lendário de Marcelo Veiga.

VIAGEM NO TEMPO REVISITANDO DOIS UNIFORMES DO FERROVIÁRIO

Repare na foto abaixo tirada no dia 07 de setembro de 1977. Sob a gestão do presidente Chateaubriand Arrais, o Ferroviário inovava em seu padrão de uniforme e jogava com camisas com três listras verticais, sendo duas pretas e uma vermelha. Foi num empate que marcou a estreia do ex-craque coral Amilton Melo com a camisa do Ceará e era a primeira vez que o Castelão recebia uma partida de portões abertos. Talvez seja esteticamente uma das mais belas fotografias do clube com os jogadores perfilados. Analise depois outra foto com a reprodução do mesmo padrão de camisas.

Ferrão 1977_Castelão

Ferrão entrou em campo naquela tarde de 1977 para um jogo contra o Ceará com Vander, Bassi, Júlio, Joel Maneca, Arimatéia e Grilo; Vanderley, Kalu, Oliveira Piauí, Danilo e Paulo César Feio

Quatorze anos depois, em 20 de outubro de 1991, o presidente Múcio Roberto repetiu o modelo da camisa coral invertendo apenas as cores das listras, sendo duas vermelhas e uma preta. Mais uma vez o Ceará foi o adversário coral e o jogo também foi empate, graças ao goleiro Banana que defendeu um pênalti de Cláudio Adão. Esse padrão de camisa foi utilizado pouquíssimas vezes durante o campeonato cearense daquele ano.

Ferrão91_122

De novo contra o Ceará no Castelão, o Ferrão posou em 1991 com Aldo, Elmo Casquinha, Toninho Barrote, Valdemir, Adriano e Banana; Paulo Adriano, Arnaldo, Tinda, Paulinho e Cantareli

A MAIOR FAÇANHA CORAL EM NÍVEL NACIONAL NAS CATEGORIAS DE BASE

macae1991

Elenco Sub-17 do Ferroviário que brilhou em competição no interior do Rio de Janeiro em 1991

O Ferroviário sempre se orgulhou do seu trabalho de base e dos jogadores revelados que chegaram a vestir a camisa de clubes importantes no cenário nacional e até internacional. Talvez um dos maiores orgulhos corais nessa área seja o 5º lugar na Copa Macaé Sub-17,  disputada em janeiro de 1991, quando a equipe coral ficou atrás apenas do campeão Flamengo/RJ, Vasco/RJ, Cruzeiro/MG e Botafogo/RJ. Sob o comando do competente Edmundo Silveira, ex-goleiro do próprio Ferroviário no final dos anos 70, jovens corais como Cantareli, Rutênio, Manso, Birigui, Índio e Claudemésio brilharam na competição. A grande maioria dos atletas daquele grupo Sub-17 foi aproveitada no time profissional e dois deles chegaram a Seleção Brasileira: o zagueiro Adriano e o atacante Jardel.

edmundo

Técnico Edmundo Silveira em foto recente

Pouca gente recorda a sequência de jogos do Ferrão rumo ao 5º lugar geral em meio a dezenas de equipes. Na primeira fase, o time coral caiu numa chave com o Macaé/RJ, Confiança/SE e Campo Grande/RJ, classificando na segunda colocação para um mata-mata contra o Madureira/RJ, em jogo vencido pelo Ferrão por 2×0 que credenciou o tubarãozinho para a fase que apontaria os 4 semifinalistas da competição a partir de dois quadrangulares super disputados. No quadrangular do lado do Ferrão, adversários como Vasco/RJ, Corinthians/SP e Noroeste/SP, sendo uma derrota para o time carioca por 0x1, um empate com o Noroeste em 1×1 e uma vitória consagradora em cima do Corinthians por 1×0, mas que não foi suficiente para levar o time coral à semifinal da competição.

Jardel_1991

Jardel em entrevista para TV em 1991

Do elenco de 17 jogadores que disputou aquela copa em Macaé, apenas Ronaldo, Luciano, Régis e Paulo Henrique não vestiram a camisa do time principal nas temporadas seguintes. Os outros 13 atletas tiveram a chance de disputar jogos oficiais ou amistosos pelo Ferroviário. Todos até hoje lembrados no clube como responsáveis pela maior façanha coral em nível nacional nas bases.